Liturgia diária

Agenda litúrgica

QUINTA-FEIRA da semana XX

Virgem Santa Maria, Rainha – MO
Branco – Ofício da memória.
Missa da memória.

L 1 Jz 11, 29-39a; Sal 39 (40), 5. 7-8a. 8b-9. 10-11ab
Ev Mt 22, 1-14
ou
L 1 Is 9, 1-6 (apropriada); Sal 112 (113), 1-2. 3-4. 5-6. 7-8
Ev Lc 1, 26-38 (apropriado)

* Na Diocese de Bragança-Miranda – Bem-aventurada Virgem Santa Maria, Rainha, Titular da Igreja Catedral e Padroeira principal da cidade de Bragança (sob a invocação de Nossa Senhora das Graças). Na Catedral e na Cidade de Bragança – SOLENIDADE; nas outras igrejas da Diocese – MO
* Na Ordem Beneditina – Virgem Santa Maria, Rainha – MF
* No Carmelo de Nossa Senhora Rainha do Mundo (Faro) – Nossa Senhora, Rainha do Mundo – SOLENIDADE
* Na Congregação das Irmãs de S. João Baptista e de Maria Rainha – Virgem Santa Maria, Rainha, Padroeira da Congregação – FESTA

 

 

Missa

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 83, 10-11
Senhor Deus, nosso protector,
ponde os olhos no rosto do vosso Ungido.
Um dia em vossos átrios vale mais de mil longe de Vós.


ORAÇÃO COLECTA
Deus de bondade infinita,
que preparastes bens invisíveis para aqueles que Vos amam,
infundi em nós o vosso amor,
para que, amando-Vos em tudo e acima de tudo,
alcancemos as vossas promessas, que excedem todo o desejo.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Jz 11, 29-39a
«A primeira pessoa que sair da porta da minha casa,
eu a oferecerei em holocausto ao Senhor»

Esta narração, de carácter muito antigo, mostra uma determinada maneira de encarar os conceitos religiosos em tempos ainda muito primitivos, mas que o Evangelho viria a esclarecer e a espiritualizar. Deus nunca exigiu sacrifícios humanos, que estiveram, no entanto, em uso entre os povos vizinhos do povo de Deus.

Leitura do Livro dos Juízes
Naqueles dias, o espírito do Senhor veio sobre Jefté, que percorreu Galaad e Manassés, atravessou Mispá de Galaad e dali passou ao território dos amonitas. Jefté fez este voto ao Senhor: «Se me entregardes os amonitas nas minhas mãos e eu voltar em paz da campanha contra eles, a primeira pessoa que sair da porta da minha casa, para vir ao meu encontro, pertencerá ao Senhor, e eu a oferecerei em holocausto». Jefté passou então ao território dos amonitas, para travar combate com eles, e o Senhor entregou-os nas suas mãos. Desbaratou-os desde Aroer até perto de Minit, tomando vinte cidades, e chegou até Abel-Queramin. Com esta enorme derrota, os amonitas ficaram humilhados perante os filhos de Isarel. Quando Jefté voltava para casa, em Mispá, sua filha saiu ao seu encontro, dançando ao som de tamborins. Era filha única; além dela não tinha outros filhos ou filhas. Logo que a viu, Jefté rasgou as vestes e disse: «Ai, minha filha, que me trazes tanta angústia! És a causa da minha desgraça! Eu tomei um compromisso diante do Senhor e não posso voltar atrás». Ela respondeu-lhe: «Meu pai, se te comprometeste com o Senhor, trata-me segundo o compromisso que tomaste, uma vez que o Senhor te concedeu a desforra contra os filhos de Amon, teus inimigos». Depois disse ao pai: «Apenas te peço um favor: Deixa-me livre durante dois meses, para eu ir pelos montes, com as minhas companheiras, e chorar por ter de morrer virgem». O pai respondeu-lhe: «Então vai!». E deixou-a partir por dois meses. Ela foi com as suas companheiras e andou a chorar pelos montes, por ter de morrer virgem. Passados os dois meses, voltou para junto do pai e ele cumpriu o voto que fizera.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 39 (40), 5.7-8a.8b-9.10-11ab (R. 8a e 9a)
Refrão: Eu venho, Senhor, para fazer a vossa vontade. Repete-se

Feliz de quem pôs a sua confiança no Senhor
e não se voltou para os arrogantes.
Feliz de quem pôs a sua confiança no Senhor
e não se voltou para os que seguem a mentira. Refrão

Não Vos agradaram sacrifícios nem oblações,
mas abristes-me os ouvidos;
não pedistes holocaustos nem expiações,
então clamei: «Aqui estou». Refrão

«De mim está escrito no livro da Lei
que faça a vossa vontade.
Assim o quero, ó meu Deus,
a vossa lei está no meu coração». Refrão

Proclamei a justiça na grande assembleia,
não fechei os meus lábios, Senhor, bem o sabeis.
Não escondi a vossa justiça no fundo do coração,
proclamei a vossa fidelidade e salvação. Refrão


ALELUIA cf. Salmo 94 (95), 8ab
Refrão: Aleluia. Repete-se
Se hoje ouvirdes a voz do Senhor,
não fecheis os vossos corações. Refrão


EVANGELHO Mt 22, 1-14
«Convidai para as bodas todos os que encontrardes»

As núpcias são uma das imagens simbólicas para significar a união feliz de Deus com o seu povo, sobretudo em Jesus Cristo, que é chamado o Esposo, bem como a Igreja é chamada a Esposa. O convite para as bodas, e consequentemente o convite para entrar na Igreja de Cristo, a sua Esposa, é dirigido a todos os homens. Esta parábola mostra a generosidade de Deus que a todos convida, mas também a necessidade de responder ao convite de Deus e de tomar parte no seu banquete.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, Jesus dirigiu-Se de novo aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos do povo e, falando em parábolas, disse-lhes: «O reino dos Céus pode comparar-se a um rei que preparou um banquete nupcial para o seu filho. Mandou os servos chamar os convidados para as bodas, mas eles não quiseram vir. Mandou ainda outros servos, ordenando-lhes: ‘Dizei aos convidados: Preparei o meu banquete, os bois e cevados foram abatidos, tudo está pronto. Vinde às bodas’. Mas eles, sem fazerem caso, foram um para o seu campo e outro para o seu negócio; os outros apoderaram-se dos servos, trataram-nos mal e mataram-nos. O rei ficou muito indignado e enviou os seus exércitos, que acabaram com aqueles assassinos e incendiaram a cidade. Disse então aos servos: ‘O banquete está pronto, mas os convidados não eram dignos. Ide às encruzilhadas dos caminhos e convidai para as bodas todos os que encontrardes’. Então os servos, saindo pelos caminhos, reuniram todos os que encontraram, maus e bons. E a sala do banquete encheu-se de convidados. O rei, quando entrou para ver os convidados, viu um homem que não estava vestido com o traje nupcial e disse-lhe: ‘Amigo, como entraste aqui sem o traje nupcial?’. Mas ele ficou calado. O rei disse então aos servos: ‘Amarrai-lhe os pés e as mãos e lançai-o às trevas exteriores; aí haverá choro e ranger de dentes’. Na verdade, muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, o que trazemos ao vosso altar,
nesta admirável permuta de dons,
de modo que, oferecendo-Vos o que nos destes,
mereçamos receber-Vos a Vós mesmo.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 129, 7
No Senhor está a misericórdia,
no Senhor está a plenitude da redenção.

Ou Jo 6, 51-52
Eu sou o pão vivo descido do Céu, diz o Senhor.
Quem comer deste pão viverá eternamente.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que neste sacramento
nos fizestes participar mais intimamente no mistério de Cristo,
transformai-nos à sua imagem na terra
para merecermos ser associados à sua glória no Céu.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio Romano

Memória da Virgem Santa Maria, Rainha, que deu à luz o Filho de Deus, príncipe da paz, cujo reino não tem fim, e é saudada pelo povo cristão como Rainha do Céu e Mãe de misericórdia.

 

2.   Em Autun, na Gália Lionense, actualmente na França, São Sinforiano, mártir, a quem sua mãe, quando ele era conduzido ao suplício, exortava dos muros da cidade, dizendo: «Filho, filho, pensa bem no Deus vivo. Hoje não perdes a vida, mas alcanças uma vida melhor».

(† s. III-IV)

3.   Em Roma, junto à Via Ostiense, São Timóteo, mártir.

(† 303)

4.   Em Tódi, na Úmbria, região da Itália, São Filipe Benício, presbítero de Florença, homem de exímia humildade e grande impulsionador da Ordem dos Servos de Maria, que considerava Cristo crucificado como seu único livro.

(† 1285)

5*.   Em Bevagna, também na Úmbria, o Beato Tiago Biancóni, presbítero da Ordem dos Pregadores, que fundou neste lugar um convento e refutou os erros dos Nicolaítas.

(† 1301)

6*.   Em Ocre, junto de Fossa, nos Abruzos, também região da Itália, o Beato Timóteo de Montícchio, presbítero da Ordem dos Menores, admirável pela sua austeridade de vida e fervor de oração.

(† 1504)

7*.   Em York, na Inglaterra, o Beato Tomás Percy, mártir, conde de Notúmbria, que, no reinado de Isabel I, por causa da sua fidelidade à Igreja Romana, foi decapitado e assim alcançou a palma do martírio.

(† 1572)

8*.   Na mesma cidade e no mesmo reinado de Isabel I, os beatos Guilherme Lacey e Ricardo Kirkman, presbíteros e mártires, que, por terem entrado na Inglaterra na condição de sacerdotes, foram conduzidos ao suplício do patíbulo.

(† 1582)

9.   Em Worcester, também na Inglaterra, São João Wall, presbítero da Ordem dos Frades Menores e mártir, que, depois de ter exercido clandestinamente o ministério pastoral durante mais de vinte anos, no reinado de Carlos II foi suspenso da forca e depois esquartejado, por causa do seu sacerdócio.

(† 1679)

10.   Em Hereford, também na Inglaterra, no mesmo dia e ano, São João Kemble, presbítero e mártir, que, no tempo da perseguição, exerceu o ministério pastoral durante mais de cinquenta anos, até que, já octogenário, por causa do seu sacerdócio consumou o seu martírio na forca.

(† 1679)

11*.   Em Óffida, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, o Beato Bernardo (Domingos Peróni), religioso da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, insigne pela sua simplicidade de coração, inocência de vida e admirável caridade para com os pobres.

(† 1694)

12*.   Num barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato Elias Leymarie de Laroche, presbítero e mártir, que, durante a Revolução Francesa, introduzido na sórdida galera e ferozmente flagelado, expirou consumido pelas enfermidades.

(† 1794)

13♦.   Em Peralvillo Bajo, perto de Ciudad Real, na Espanha, o beatos mártires Narciso de Estenaga y Echeverria, bispo, e Júlio Melgar Salgado, presbítero, ambos da diocese de Ciudad Real, que, durante a perseguição religiosa, consumaram o seu martírio fuzilados junto ao muro do cemitério em ódio ao sacerdócio.

(† 1936)

14*.   Em Starunya, localidade do território de Stanislaviv, na Ucrânia, o Beato Simeão Lukac, bispo e mártir, que, durante um regime inimigo da fé, por ter exercido clandestinamente o ministério pastoral dos gregos católicos do Rito Bizantino, proclamou pela sua morte fiel a glória e a honra de Cristo Senhor e Deus.

(† 1964)