Liturgia diária

Agenda litúrgica

TERÇA-FEIRA da semana XIV

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Os 8, 4-7. 11-13; Sal 113 B (115), 3-4. 5-6. 7ab-8. 9-10
Ev Mt 9, 32-38

* No Patriarcado de Lisboa – Aniversário da entrada solene de D. Manuel José Macário do Nascimento Clemente, Cardeal Patriarca.
* Na Companhia de Jesus – B. Diogo Carvalho, presbítero e mártir – MF
* Na Congregação Salesiana e no Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora – B. Maria Romero, virgem – MF e MO

 

 

Missa

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 47, 10-11
Recordamos, Senhor, a vossa misericórdia
no meio do vosso templo.
Toda a terra proclama o louvor do vosso nome,
porque sois justo e santo, Senhor nosso Deus.


ORAÇÃO COLECTA
Deus de bondade infinita,
que, pela humilhação do vosso Filho,
levantastes o mundo decaído,
dai aos vossos fiéis uma santa alegria,
para que, livres da escravidão do pecado,
possam chegar à felicidade eterna.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Os 8, 4-7.11-13
«Já que semeiam ventos, colhem tempestades»

Não são dos tempos passados as infidelidades do povo de Deus para o seu Senhor; são de todos os tempos. Grande parte da pregação dos profetas é dirigida a um povo infiel. Na leitura de hoje fala-se até de idolatria, ou seja, a substituição de Deus por deuses falsos, como diz o profeta. Tal maneira de proceder é uma sementeira de ventos, que só pode dar como colheita a tempestade.

Leitura da Profecia de Oseias
Eis o que diz o Senhor: «Os filhos de Israel nomearam reis sem o meu consentimento, escolheram chefes sem Me terem consultado. Com a prata e o ouro que possuíam, fabricaram ídolos para sua perdição. – Considero abominável, ó Samaria, o bezerro que adoras! – Contra eles se inflamou a minha ira: até quando serão incapazes de se purificarem? Aquele ídolo provém de Israel; foi um artífice que o fez, ele não é Deus! Mas o bezerro de Samaria será feito em pedaços: já que semeiam ventos, colhem tempestades. Caule sem espiga não produz farinha; e ainda que a produzisse, os estrangeiros a comeriam. Efraim levantou muitos altares, mas só lhe serviram para pecar ainda mais. Se Eu lhe puser por escrito mil preceitos da minha lei, serão considerados como obra de um estranho. Eles oferecem sacrifícios e comem a carne imolada, mas o Senhor não os aceitará. O Senhor recordará o seu pecado e castigará as suas faltas e eles terão de voltar para o Egipto».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 113 B (115), 3-4.5-6.7ab-8.9-10 (R. 9a)
Refrão: A casa de Israel confia no Senhor. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

O nosso Deus está no céu,
faz tudo o que Lhe apraz.
Os ídolos dos gentios são ouro e prata,
são obra das mãos do homem. Refrão

Têm boca e não falam,
têm olhos e não vêem.
Têm ouvidos e não ouvem,
têm nariz mas sem olfacto. Refrão

Têm mãos e não palpam,
têm pés e não andam.
Serão como eles os que os fazem
e quantos neles põem a sua confiança. Refrão

A casa de Israel confia no Senhor,
Ele é o seu auxílio e o seu escudo.
A casa de Aarão confia no Senhor,
Ele é o seu auxílio e o seu escudo. Refrão


ALELUIA Jo 10, 14
Refrão: Aleluia Repete-se
Eu sou o bom pastor, diz o Senhor;
conheço as minhas ovelhas e elas conhecem-Me. Refrão


EVANGELHO Mt 9, 32-38
«A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos»

Para ser capaz de reconhecer a intervenção de Deus é necessário ter-se um coração simples, como o de uma criança. Foi assim já no tempo de Jesus: os simples tinham fé, os entendidos negavam-se até ao que era evidente. Jesus nem por isso desiste de anunciar o reino de Deus; só lamenta que poucos se entreguem ao trabalho que este reino exige. Mas esses serão sempre um dom de Deus; é necessário, pois, pedir que Ele os envie. Sem a luz da Palavra de Deus, os homens transviam-se e perdem-se. Quem lha anunciará?

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, apresentaram a Jesus um mudo possesso do demónio. Logo que o demónio foi expulso, o mudo falou.
A multidão ficou admirada e dizia: «Nunca se viu coisa semelhante em Israel». Mas os fariseus diziam: «É pelo príncipe dos demónios que Ele expulsa os demónios». Jesus percorria todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas, pregando o Evangelho do reino e curando todas as doenças e enfermidades. Ao ver as multidões, encheu-Se de compaixão, porque andavam fatigadas e abatidas, como ovelhas sem pastor. Jesus disse então aos seus discípulos: «A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Pedi ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Fazei, Senhor,
que a oblação consagrada ao vosso nome nos purifique
e nos conduza, dia após dia,
a viver mais intensamente a vida da graça.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 33, 9
Saboreai e vede como o Senhor é bom:
feliz o homem que n’Ele se refugia.

Ou Mt 11, 28
Vinde a Mim, todos vós que andais cansados e oprimidos,
e Eu vos aliviarei, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que nos saciastes com estes dons tão excelentes,
fazei que alcancemos os benefícios da salvação
e nunca cessemos de cantar os vossos louvores.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio Romano

1.   Comemoração de São Panteno de Alexandria, homem de grande zelo apostólico e dotado de ciência e sabedoria, que, segundo a tradição, tinha tão grande conhecimento e zelo da palavra de Deus que, inflamado pela sua fé e piedade, partiu para pregar o Evangelho de Cristo aos povos desconhecidos das longínquas regiões do Oriente, regressando finalmente a Alexandria, onde descansou em paz, no tempo do imperador Antonino Caracala.

(† s. III)

2.   Em Faremoutiers-en-Brie, no território de Meaux, na Aquitânia, actualmente na França, Santa Edilburga, abadessa do mosteiro deste lugar, que, sendo filha de um rei dos Anglos orientais, deu glória a Deus com a sua severa penitência corporal e perpétua virgindade.

(† 695)

3.   Em Winchester, na Inglaterra, Santo Heda, bispo dos saxões ocidentais, homem de eminente sabedoria, que trasladou de Dochester o corpo de São Birino para esta cidade, onde estabeleceu a sua sede episcopal.

(† 706)

4.   Em Eichstadt, na Francónia, na actual Alemanha, São Vilibaldo, bispo, que era monge quando fez peregrinações aos Lugares Santos e percorreu várias regiões para restaurar a vida monástica; depois foi ordenado bispo desta cidade por São Bonifácio, com quem colaborou na evangelização da Germânia e converteu muitos povos a Cristo.

(† 787)

5*.   Em Tamlacht, na Irlanda, São Mael Ruain, bispo e abade, que trabalhou arduamente para restaurar a celebração da sagrada liturgia, o culto dos Santos e a disciplina monástica.

(† 789)

6.   Em Urgel, na Catalunha, região da Espanha, Santo Odão, bispo, que foi eleito por unânime aclamação do povo quando ainda era leigo e, confirmado para esta sede episcopal, defendeu sempre os mais humildes e se mostrou benévolo para com todos.

(† 1122)

7*.   Em Perúgia, na Úmbria, região da Itália, o passamento do Beato Bento XI, papa, da Ordem dos Pregadores, que, dotado de grande benignidade e mansidão, conciliador de contendas e amante da paz, promoveu durante o seu breve pontificado a paz da Igreja, a renovação do ensino e o incremento da prática religiosa.

(† 1304)

8*.   Em Fossano, no Piemonte, também na Itália, o Beato Odino Barótti, presbítero, pároco pobre e de vida austera, que, na deflagração de uma epidemia, consumiu todas as suas forças cuidando dia e noite dos enfermos e dos moribundos.

(† 1400)

9*.   Em Wincester, na Inglaterra, os beatos Rogério Dickinson, presbítero, e Rodolfo Milner, agricultor e pai de família, pobre e inculto, mas firme na fé, que, no reinado de Isabel I, foram ao mesmo tempo presos e mortos no suplício do patíbulo; com eles se comemora o Beato Lourenço Humphrey, um jovem que morreu enforcado no mesmo lugar em dia incerto por ter abraçado a fé católica.

(† 1591)

10*.   Ao largo de Rochefort, na França, o Beato José Juge de Saint-Martin, presbítero e mártir, que, sendo cónego de Limoges, foi preso durante a Revolução Francesa por ser sacerdote e, desumanamente recluído num barco-prisão, consumido pela enfermidade partiu ao encontro do Senhor.

(† 1794)

11*.   Em Orange, também na França, a Beata Ifigénia de São Mateus (Francisca Gabriela Maria Suzana de Gaillard dela Valdène), virgem da Ordem de São Bento e mártir no tempo da Revolução Francesa.

(† 1794)

12.   Perto da cidade de Hengchow, no Hunan, província da China, os santos Antonino Fantosáti, bispo, e José Maria Gambaro, presbítero da Ordem dos Menores, que foram mortos pelos sequazes dos “Yihetuan” quando se aproximaram da costa para prestar auxílio aos cristãos perseguidos.

(† 1900)

13.   Junto à cidade de Weihweu, no Hebei, também província da China, São Marcos Ji Tianxiang, mártir, que, permanecendo trinta anos afastado da Eucaristia por não ter querido abster-se do ópio, não cessou contudo de orar e invocar uma santa morte; chamado ao tribunal e dando firme testemunho da sua fé em Cristo, foi admitido ao banquete eterno.

(† 1900)

14.   Em Hujiacun, perto de Shenxian, cidade do Hebei, também província da China, Santa Maria Guo Lizhi, mártir, que, na mesma perseguição, como uma segunda mãe dos Macabeus, exortou à firmeza de ânimo sete parentes seus que acompanhava ao lugar do suplício e pediu que também ela fosse morta depois deles; finalmente coroou o seu martírio, seguindo aqueles que ela tinha encaminhado para o Céu.

(† 1900)

15♦.   Em Le Mans, na França, o Beato Carlos Liviero, bispo de Città del Castello e fundador da Congregação das Pequenas Servas do Sagrado Coração.

(† 1932)

16.   Em Rakunai, localidade da Nova Bretanha, ilha de Papua-Nova Guiné, na Melanésia, o Beato Pedro To Rot, mártir, que era catequista e pai de família e, durante a segunda guerra mundial, foi preso por perseverar no seu ministério e, injectado com veneno letal, consumou o seu martírio.

(† 1945)

17*.   Em Leão, na Nicarágua, a Beata Maria Romero Meneses, virgem do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, que, nas regiões da Costa Rica se dedicou à formação das jovens, especialmente das mais pobres e abandonadas, e propagou com grande zelo o culto da Eucaristia e da Virgem Santa Maria.

(† 1977)