Liturgia diária

Agenda litúrgica

2016-12-14

QUARTA-FEIRA da semana III

S. João da Cruz, presbítero e doutor da Igreja – MO
Branco – Ofício da memória.
Missa da memória, pf. I do Advento.
L1 Is 45, 6b-8. 18. 21b-25: Sal 84 (85), 9ab-10. 11-12. 13-14
Ev Lc 7, 19-23

* Na Ordem Carmelita e na Ordem dos Carmelitas Descalços – S. João da Cruz, presbítero e doutor da Igreja – FESTA e SOLENIDADE

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Hab 2, 3; 1 Cor 4, 5
O Senhor virá sem demora: iluminará os que vivem
nas trevas e manifestar-se-á a todos os povos.


ORAÇÃO COLECTA
Concedei-nos, Deus omnipotente, que as próximas festas do nascimento do vosso Filho nos fortaleçam nos trabalhos desta vida e nos alcancem os bens eternos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Is 45, 6b-8.18.21b-25
«Desça o orvalho do alto dos céus»

Só Deus é a fonte da salvação; e o homem só está no caminho da salvação quando se volta para Deus, O invoca, O escuta, O segue, deixando-se conduzir por Ele. Para isso, o próprio Deus Se adianta a vir ao encontro do homem, para que este O reconheça e d’Ele receba a libertação de todos os seus males. É esta uma atitude fundamental no Advento: esperar o Senhor, invocar o Senhor, voltar, desde já, para o Senhor o nosso coração.

Leitura do Livro de Isaías
«Eu sou o Senhor e não há outro. Formo a luz e crio as trevas, dou a felicidade e crio a desgraça. Sou Eu, o Senhor, que faço tudo isto. Derramai, ó céus, o orvalho lá do alto e as nuvens chovam a justiça; abra-se a terra e germine a salvação e com ela floresça a justiça. Sou Eu, o Senhor, que o realizo». Assim fala o Senhor, que criou os céus, o Deus que formou a terra e a consolida, que não a criou para ficar deserta, mas a formou para ser habitada: «Eu sou o Senhor e não há outro». Quem anunciou tudo isto no passado? Quem o predisse há tanto tempo? Não fui Eu, o Senhor? Não há outro Deus além de Mim; Eu sou o Deus justo e salvador e não há outro. Voltai-vos para Mim e sereis salvos, todos os confins da terra, porque Eu sou Deus e não há outro. Juro pelo meu nome, é justo o que sai da minha boca, a minha palavra é irrevogável: Diante de Mim se hão-de dobrar todos os joelhos, em meu nome hão-de jurar todas as línguas, dizendo: ‘Só no Senhor está a justiça e a fortaleza’». Hão-de vir, cobertos de vergonha, à sua presença todos os que se levantaram contra Ele. No Senhor terá salvação e glória toda a descendência de Israel.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 84 (85), 9ab-10.11-12.13-14
(R. cf. Is 45, 8)
Refrão: Desça o orvalho do alto dos céus
e as nuvens chovam o Justo. Repete-se

Escutemos o que diz o Senhor:
Deus fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis.
A sua salvação está perto dos que O temem
e a sua glória habitará na nossa terra. Refrão

Encontraram-se a misericórdia e a fidelidade,
abraçaram-se a paz e a justiça.
A fidelidade vai germinar da terra
e a justiça descerá do Céu. Refrão

O Senhor dará ainda o que é bom
e a nossa terra produzirá os seus frutos.
A justiça caminhará à sua frente
e a paz seguirá os seus passos. Refrão


ALELUIA Is 40, 9-10
Refrão: Aleluia Repete-se

Clama com voz forte, arauto da boa nova:
O Senhor vem com poder e majestade. Refrão


EVANGELHO Lc 7, 19-23
«Ide contar a João o que vistes e ouvistes»

Respondendo aos enviados por João Baptista, Jesus apresenta-Se com as obras de salvação que está realizando em favor dos doentes, dos pobres, sobretudo pobres da palavra de Deus. É esta a sua missão, ser o Salvador. As curas realizadas nos doentes do corpo são, por sua vez, sinais da cura de doenças mais profundas, as que atacam o espírito do homem. Por sinais como estes, Ele pode ser reconhecido (como o Salvador e Enviado de Deus).

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, João Baptista chamou dois dos seus discípulos e enviou-os ao Senhor com esta mensagem: «És Tu Aquele que havia de vir ou devemos esperar outro?» Ao chegarem junto de Jesus, os homens disseram-Lhe: «João Baptista mandou-nos perguntar-Te: ‘És Tu Aquele que havia de vir ou devemos esperar outro?’» Nessa altura Jesus curou muitas pessoas, de doenças, padecimentos e espíritos malignos, e deu a vista a muitos cegos. Então respondeu-lhes: «Ide contar a João o que vistes e ouvistes: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos ficam limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e aos pobres é anunciado o Evangelho; e feliz daquele que não encontrar em Mim ocasião de queda».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Fazei, Senhor, que a oblação deste sacrifício se renove sempre na vossa Igreja, de modo que a celebração do mistério por Vós instituído realize em nós plenamente a obra da salvação. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio do Advento I: p. 396


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Is 40, 10; cf. 34, 5
O Senhor virá com poder e majestade
e iluminará os olhos dos seus fiéis.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Concedei, Senhor, pela vossa bondade, que este divino sacramento nos livre do pecado e nos prepare para as festas que se aproximam. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Santo

S. JOÃO DA CRUZ, presb. e doutor da Igreja

 

 

Martirológio

Memória de São João da Cruz, presbítero da Ordem dos Carmelitas e doutor da Igreja, que, persuadido por Santa Teresa de Jesus, foi o primeiro entre os irmãos a empreender a reforma da sua Ordem, por ele conseguida através de muitos trabalhos, obras e árduas tribulações. Como revelam os seus escritos, buscando uma vida escondida em Cristo e deixando-se abrasar na chama do amor de Deus, subiu através da noite escura da alma ao monte de Deus. Finalmente em Úbeda, na Andaluzia, região da Espanha, descansou no Senhor.

 

2.   Em Alexandria, no Egipto, a comemoração dos santos Herão, Arsénio e Isidoro, com Dióscoro, adolescente de doze anos de idade, mártires durante a perseguição de Décio. Quando o juiz viu os três primeiros suportar os diversos suplícios com a mesma constância na fé, mandou lançá-los à fogueira; mas a São Dióscoro, depois de ter sido repetidamente flagelado, mandou diferir a sua morte.

3.   Em Apolónia, na Bitínia, na hodierna Turquia, os santos Tirso, Lêucio, Calínico e companheiros, mártires, que, segundo a tradição, sofreram o martírio no tempo do imperador Décio.

4.   Em Antioquia, na Síria, hoje Antakya, na Turquia, Santa Dróside, mártir, que, segundo a afirmação de São João Crisóstomo, foi queimada viva.

5.   Em Ascalon, na Palestina, os santos Arésio, Promo e Elias, mártires, que, partindo do Egipto para a Cilícia a fim de visitar e ajudar os confessores de Cristo na perseguição do imperador Maximino, foram capturados em Cesareia e, depois de lhes tirarem atrozmente os olhos e os pés, foram levados para Escalon, onde, por ordem do governador Firmiliano, consumaram o martírio: Arésio foi queimado vivo e os outros degolados.

6.   Em Pavia, na Ligúria, agora na Lombardia, região da Itália, São Pompeu, bispo, que, tendo sucedido a São Ciro durante poucos e pacíficos anos, descansou no Senhor.

7.   Em Reims, na Gália Bélgica, actualmente na França, a paixão de São Nicásio, bispo, que foi assassinado numa incursão de pagãos, juntamente com sua irmã Eutrópia, virgem consagrada a Cristo, Florêncio, diácono, e Jucundo, diante da porta da basílica que ele tinha edificado.

8.   Em Nápoles, na Campânia, região da Itália, Santo Agnelo, abade do mosteiro de São Gaudioso.

9*.   Em Poitiers, na Aquitânia, hoje na França, São Venâncio Fortunato, bispo, que escreveu as gestas de muitos santos e honrou com excelentes hinos a santa Cruz.

10*.   No território dos Morinos, na Gália setentrional, hoje também na França, São Folcuíno, bispo de Therouanne.

11*.   Em Orvieto, na Toscana, hoje na Úmbria, região da Itália, o Beato Boaventura de Pistóia, presbítero da Ordem dos Servos de Maria, que, movido pela pregação de São Filipe Benízi, o ajudou a restabelecer a paz entre as facções em muitas cidades da Itália.

12.   Em Klifane, localidade do Líbano, São Nimatulácio al-Hardini (José Kassab), presbítero da Ordem Libanesa dos Maronitas, que se dedicou aos estudos teológicos, à formação da juventude e ao trabalho pastoral, mantendo sempre um eminente espírito de oração e penitência.

13*.   Em Aachen, na Alemanha, a Beata Francisca Schervier, virgem, que se dedicou com solicitude ao cuidado dos pobres, dos enfermos e dos atribulados e fundou a Congregação das Irmãs dos Pobres de São Francisco para acudir às necessidades dos indigentes.

14*.   Em Barcelona, na Espanha, o Beato Protásio (António Cubells Minguell), religioso da Ordem de São João de Deus e mártir, que, durante a perseguição contra a Igreja, foi morto em ódio à religião.