Liturgia diária

Agenda litúrgica

2016-12-29

QUINTA-FEIRA, 5º dia da Oitava do Natal

Branco – Ofício como nos dias 25 e 29. Te Deum.
Missa própria, Glória, pf. do Natal.

L1 1 Jo 2, 3-11; Sal 95 (96), 1-2a. 2b-3. 5b-6
Ev Lc 2, 22-35

* Proibidas as Missas de defuntos, excepto a exequial e no primeiro aniversário.
* Pode celebrar-se a memória de S. Tomás Becket (de Cantuária), bispo e mártir, como se indica na p. 34, n. 8

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Jo 3, 16
Deus amou tanto o mundo que lhe deu o seu Filho Unigénito.
Quem acredita n’Ele tem a vida eterna.

Diz-se o Glória.


ORAÇÃO COLECTA
Deus omnipotente e invisível, que iluminastes as trevas do mundo com a luz da vossa vinda, lançai sobre nós um olhar de paz, para podermos louvar dignamente o glorioso nascimento do vosso Filho Unigénito, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I 1 Jo 2, 3-11
«Quem ama o seu irmão permanece na luz»

O acontecimento do Natal é a manifestação aos homens do amor de Deus por eles. Acreditar em Jesus é acreditar no amor de Deus e acolher este amor, para com ele amar os seus irmãos. Não se tem fé viva, se a fé não leva a amar os outros, à imitação do que Deus faz para com os homens. É este o mandamento por excelência que o Senhor nos deixou: “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos”.

Leitura da Primeira Epístola de São João
Caríssimos: Nós sabemos que conhecemos Jesus Cristo, se guardamos os seus mandamentos. Aquele que diz conhecê-l’O mas não guarda os seus mandamentos é mentiroso e a verdade não está nele. Mas se alguém guarda a sua palavra, nesse o amor de Deus é perfeito. Nisto reconhecemos que estamos n’Ele. Quem diz que permanece n’Ele deve também proceder como Ele procedeu. Caríssimos, não vos escrevo um mandamento novo, mas um mandamento antigo, que recebestes desde o princípio. Este mandamento antigo é a palavra que ouvistes. No entanto, é um mandamento novo que vos escrevo – o que é verdadeiro n’Ele e em vós –, porque as trevas estão a passar e já brilha a luz verdadeira. Quem diz que está na luz e odeia o seu irmão ainda se encontra nas trevas. Quem ama o seu irmão permanece na luz e não há nele ocasião de pecado. Mas quem odeia o seu irmão encontra-se nas trevas, caminha nas trevas e não sabe para onde vai, porque as trevas lhe cegaram os olhos.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 95 (96), 1-2a.2b-3.5b-6 (R. 11a)
Refrão: Alegrem-se os céus, exulte a terra. Repete-se

Cantai ao Senhor um cântico novo,
cantai ao Senhor, terra inteira,
cantai ao Senhor, bendizei o seu nome. Refrão

Anunciai dia a dia a sua salvação,
publicai entre as nações a sua glória,
em todos os povos as suas maravilhas. Refrão

Foi o Senhor quem fez os céus:
diante d’Ele a honra e a majestade,
no seu templo o poder e o esplendor. Refrão


ALELUIA Lc 2, 32
Refrão: Aleluia Repete-se
Luz para se revelar às nações
e glória do vosso povo Israel. Refrão


EVANGELHO Lc 2, 22-35
«Luz para se revelar às nações»

O primeiro acontecimento do Novo Testamento, que já se orientava para o nascimento de Jesus, a anunciação a Zacarias (dia 19), situava-se no templo: no templo terminam hoje os episódios da infância do Senhor, com o encontro de Jesus e de Simeão. Simeão, como já Zacarias o tinha feito, proclama o Senhor como luz, porque Ele vem como Luz de Deus para iluminar os homens, os libertar das trevas e os transferir para a Luz do Reino de Deus.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Ao chegarem os dias da purificação, segundo a Lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, para O apresentarem ao Senhor, como está escrito na Lei do Senhor: «Todo o filho primogénito varão será consagrado ao Senhor», e para oferecerem em sacrifício um par de rolas ou duas pombinhas, como se diz na Lei do Senhor. Vivia em Jerusalém um homem chamado Simeão, homem justo e piedoso, que esperava a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava nele. O Espírito Santo revelara-lhe que não morreria antes de ver o Messias do Senhor; e veio ao templo, movido pelo Espírito. Quando os pais de Jesus trouxeram o Menino para cumprirem as prescrições da Lei no que lhes dizia respeito, Simeão recebeu-O em seus braços e bendisse a Deus, exclamando: «Agora, Senhor, segundo a vossa palavra, deixareis ir em paz o vosso servo, porque os meus olhos viram a vossa salvação, que pusestes ao alcance de todos os povos: luz para se revelar às nações e glória de Israel, vosso povo». O pai e a mãe do Menino Jesus estavam admirados com o que d’Ele se dizia. Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua Mãe: «Este Menino foi estabelecido para que muitos caiam ou se levantem em Israel e para ser sinal de contradição; – e uma espada trespassará a tua alma – assim se revelarão os pensamentos de todos os corações».
Palavra da salvação.

Não se diz o Credo.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, a oblação que trazemos ao vosso altar nesta admirável permuta de dons, de modo que, oferecendo-Vos o que nos destes, mereçamos receber-Vos a Vós mesmo. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio do Natal


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Lc 1, 78
Graças ao coração misericordioso do nosso Deus,
das alturas nos visitou o sol nascente.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Concedei-nos, Deus todo-poderoso, que a nossa vida seja cons¬tantemente fortalecida pela comunhão nos vossos santos mistérios.Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Santo

S. TOMÁS BECKET, bispo e mártir

 

 

Martirológio

São Tomás Becket, bispo e mártir, que, por defender a justiça e a Igreja, foi desterrado da sede de Cantuária e da Inglaterra, regressando seis anos depois à sua pátria, onde teve ainda de sofrer muito, até que, trespassado à espada pelos guardas do rei Henrique II na igreja catedral, foi ao encontro de Cristo.

 

2.   Comemoração de São David, rei e profeta, filho de Jessé de Belém, que encontrou graça diante de Deus e foi ungido com o óleo santo pelo profeta Samuel para reinar sobre o povo de Israel; trasladou a arca da aliança do Senhor para a cidade de Jerusalém, e o Senhor lhe jurou que a sua descendência permaneceria para sempre, porque dela nasceria Jesus Cristo, segundo a carne.

3.   Em Arles, na Provença, região da Gália, actualmente na França, São Trófimo, considerado o primeiro bispo desta cidade.

4.   Em Cartago, na hodierna Tunísia, São Liboso, bispo de Vaga, hoje Béja, em Túnis, e mártir, que no Concílio de Cartago afirmou acerca da questão do baptismo dos hereges: «No Evangelho Cristo disse: “Eu sou a verdade”, e não “Eu sou o costume”».

5.   Em Milão, na Ligúria, hoje na Lombardia, região da Itália, São Martiniano, bispo.

6.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, São Marcelo, abade do mosteiro dos Acemetas junto ao Bósforo, onde dia e noite ininterruptamente se cantavam os salmos.

7.   Em Exmes, na Nêustria, agora na França, Santo Ebrulfo, abade do mosteiro de Ouche no tempo do rei Childeberto.

8*.   Em Palermo, na Sicília, região da Itália, o Beato Gerardo Cagnóli, religioso da Ordem dos Menores, que durante muito tempo tinha vivido como eremita.

9*.   Em Londres, na Inglaterra, o Beato Guilherme Howard, mártir, que, sendo visconde de Stafford, professou a fé católica e, por isso, falsamente acusado de conspiração contra o rei Carlos II, morreu ao fio da espada por Cristo.

10.   Em Seul, na Coreia, os santos Benedita Hyon Kyong-nyon, viúva e catequista, e seis companheiros[1], mártires, que, depois de sofrerem muitos suplícios por causa do nome cristão, finalmente foram degolados.

 


[1]  São estes os seus nomes: Pedro Ch’oe Ch’ang-hub, catequista; Bárbara Cho Chungi, viúva de São Sebastião Nam I-gwam; Madalena Han Yong-i, viúva; Isabel Chong Chong-hye, virgem, filha de Santa Cecília Yu So-sa e irmã de São Paulo Chong Hasang; Bárbara Ko Sun-i, esposa de Santo Agostinho Pak Chong-won; e Madalena Yi Yongdog, virgem, irmã de Santa Catarina Yi.

 

11*.   Em Paterna, cidade da província de Valência, na Espanha, o Beato José Aparício Sanz, presbítero e mártir, que, durante a perseguição contra a fé, derramou o seu sangue por Cristo.

12*.   Em Picadero de Paterna, localidade da mesma província de Valência, os beatos Henrique João Requena, presbítero, e José Perpiñá Nácher, que travaram um nobre combate por Cristo.

13*.   Em San Miguel de los Reyes, na mesma província de Valência, o Beato João Baptista Ferreres Boluda, presbítero da Companhia de Jesus e mártir, que, durante a mesma perseguição, imitando a paixão de Cristo, mereceu alcançar a glória do martírio.