Liturgia diária

Agenda litúrgica

2016-12-05

SEGUNDA-FEIRA da semana II

S. Frutuoso, S. Martinho de Dume e S. Geraldo, bispos – MO
Branco – Ofício da memória.
Missa da memória, pf. I do Advento.

L1 Is 35, 1-10; Sal 84 (85), 9ab-10. 11-12. 13-14
Ev Lc 5, 17-26

* Na Arquidiocese de Braga – S. Geraldo, bispo de Braga, Padroeiro principal da cidade. Em Braga – SOLENIDADE; nas outras igrejas da Arquidiocese – MO
* Na Ordem Carmelita – B. Bartolomeu Fanti, presbítero – MF
* Na Ordem Franciscana (Comunidade de Braga) – S. Geraldo, bispo – SOLENIDADE
* Na Congregação Salesiana e no Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora – B. Filipe Rinaldi, presbítero – MO; no Instituto Secular Voluntárias de D. Bosco – FESTA
* Nas Dioceses de Cabo Verde – Ofício e Missa da féria.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Jer 31, 10; Is 35, 4
Ouvi, ó povos, a palavra do Senhor
e proclamai-a até aos confins da terra.
Não temais. Deus vem salvar-nos.


ORAÇÃO COLECTA
Acolhei benignamente, Senhor, a nossa oração e suscitai nos vossos servos o desejo sincero de chegar, de coração purificado, ao grande mistério da Encarnação do vosso Filho Unigénito, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Is 35, 1-10
«Deus vem salvar-nos»

Os tempos do Messias são anunciados pelo profeta como um novo paraíso. O profeta, que é, ao mesmo tempo, um poeta, anuncia, por meio de imagens cheias de optimismo e beleza, a transformação feliz de todas as coisas: o deserto será jardim, o que é fraco será revestido de força, o que é árido tornar-se-á viçoso. São imagens que, já desde longa data, anunciavam a renovação trazida ao mundo pelo Filho de Deus; agora exprimem o júbilo e a alegria da Igreja nesta expectativa da vinda do Senhor, que ela celebra no Advento.

Leitura do Livro de Isaías
Alegrem-se o deserto e o descampado, rejubile e floresça a terra árida, cubra-se de flores como o narciso, exulte com brados de alegria. Ser-lhe-á dada a glória do Líbano, o esplendor do Carmelo e de Saron. Verão a glória do Senhor, o esplendor do nosso Deus. Fortalecei as mãos fatigadas e robustecei os joelhos vacilantes. Dizei aos corações perturbados: «Tende coragem, não temais: Aí está o vosso Deus, que vem para fazer justiça e dar a recompensa. Ele próprio vem salvar-vos». Abrir-se-ão os olhos dos cegos e os ouvidos dos surdos. Então o coxo saltará como um veado e a língua do mudo cantará de alegria. As águas brotarão no deserto e as torrentes na aridez da planície; a terra seca transformar-se-á em lago e a terra sequiosa em nascentes de água. No covil dos chacais crescerão canas e juncos. Aí haverá uma estrada, que se chamará «caminho sagrado»; nenhum homem impuro passará por ele e nele os insensatos não se perderão. Nesse caminho não haverá leões, nem andarão por ali animais ferozes. Por ele caminharão os resgatados e voltarão os que tiver libertado o Senhor. Hão-de chegar a Sião com brados de alegria, com eterna felicidade a iluminar-lhes o rosto. Reinarão o prazer e o contentamento e acabarão a dor e os gemidos.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Sal. 84 (85), 9ab-10.11-12.13-14 (R. Is 35, 4d)
Refrão: O Senhor, nosso Deus, vem salvar-nos. Repete-se

Escutemos o que diz o Senhor:
Deus fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis.
A sua salvação está perto dos que O temem
e a sua glória habitará na nossa terra. Refrão

Encontraram-se a misericórdia e a fidelidade,
abraçaram-se a paz e a justiça.
A fidelidade vai germinar da terra
e a justiça descerá do Céu. Refrão

O Senhor dará ainda o que é bom
e a nossa terra produzirá os seus frutos.
A justiça caminhará à sua frente
e a paz seguirá os seus passos. Refrão


ALELUIA
Refrão: Aleluia Repete-se
Eis que vem o Rei, Senhor de toda a terra,
libertar-nos do jugo do nosso cativeiro. Refrão


EVANGELHO Lc 5, 17-26
«Hoje vimos maravilhas»

A leitura do Evangelho vem mostrar que as promessas do profeta (I leitura) se cumpriram em Jesus. O enfermo, jazendo no catre, é imagem de toda a humanidade entregue a si mesma, sem ter quem a salve. O encontro com Jesus foi para o enfermo a cura da doença, o perdão dos pecados, a fonte da alegria. E quem o presenciou soube reconhecer o dom de Deus e proclamar as suas maravilhas. Há-de ser assim a atitude de quem reconhece, no Filho de Deus que vem, o seu Salvador.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Certo dia, enquanto Jesus ensinava, estavam entre a assistência fariseus e doutores da Lei, que tinham vindo de todas as povoações da Galileia, da Judeia e de Jerusalém; e Ele tinha o poder do Senhor para operar curas. Apareceram então uns homens, trazendo num catre um paralítico; tentavam levá-lo para dentro e colocá-lo diante de Jesus. Como não encontraram modo de o introduzir, por causa da multidão, subiram ao terraço e, através das telhas, desceram-no com o catre, deixando-o no meio da assistência, diante de Jesus. Ao ver a fé daquela gente, Jesus disse: «Homem, os teus pecados estão perdoados». Os escribas e fariseus começaram a pensar: «Quem é este que profere blasfémias? Não é só Deus que pode perdoar os pecados?» Mas Jesus, que lia nos seus pensamentos, tomou a palavra e disse-lhes: «Que estais a pensar nos vossos corações? Que é mais fácil dizer: ‘Os teus pecados estão perdoados’ ou ‘Levanta-te e anda’? Pois bem, para saberdes que o Filho do homem tem na terra o poder de perdoar os pecados... Eu te ordeno – disse Ele ao paralítico – levanta-te, toma a tua enxerga e vai para casa». Logo ele se levantou à vista de todos, tomou a enxerga em que estivera deitado e foi para casa, dando glória a Deus. Ficaram todos muito admirados e davam glória a Deus; e, cheios de temor, diziam: «Hoje vimos maravilhas».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, estes dons que recebemos da vossa bondade e fazei que os sagrados mistérios que celebramos no tempo presente sejam para nós penhor de salvação eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio do Advento I: p. 396


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 105, 4-5; Is 38,3
Vinde visitar-nos, Senhor, e dai-nos a paz,
para que nos alegremos de todo o coração na vossa presença.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Fazei frutificar em nós, Senhor, os mistérios que celebramos, pelos quais, durante a nossa vida na terra, nos ensinais a amar os bens do Céu e a viver para os valores eternos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Santo

SS. MARTINHO DE DUME,FRUTUOSO,e GERALDO,bispos

 

 

Martirológio

Memória dos santos Martinho de Dume, Frutuoso e Geraldo, bispos de Braga, em Portugal.

Martinho de Dume, oriundo da Panónia, da actual Hungria, homem de grande erudição, ocupou a sede episcopal de Dume e depois a de Braga. Graças ao seu zelo apostólico e à sua pregação, os Suevos abandonaram a heresia ariana e abraçaram a fé católica. Empenhou-se com ardor na erradicação dos costumes da idolatria, inclusive linguísticos, como na designação cristã dos dias da semana, e escreveu importantes opúsculos, nomeadamente de orientação moral, catequética, pastoral e de vida monástica. Com a sua virtude e sabedoria, diz Santo Isidoro de Sevilha, a Igreja floresceu na Galécia. Morreu no dia 20 de Março.

Frutuoso, de nobre família visigótica, depois de ter sido monge e fundador de cenóbios, foi eleito bispo de Dume e finalmente nomeado bispo metropolitano de Braga pelos Padres do Concílio X de Toledo, governando simultaneamente com suma prudência esta Igreja e os seus mosteiros. A sua santidade e labor apostólico estenderam-se a toda a península ibérica. Morreu no dia 16 de Abril.

Geraldo, natural da Gália, professou no mosteiro de Moissac, de onde passou para Toledo; depois foi eleito bispo de Braga, onde exerceu grande actividade na reorganização da diocese, na promoção da vida monástica, na reforma litúrgica e pastoral, na reconstrução de igrejas, bem como na aplicação da disciplina eclesiástica. Morreu neste dia 5 de Dezembro, na localidade de Bornes, quando fazia as visitas pastorais nessa distante região.

 

2.   Em Tabessa, na Numídia, na actual Argélia, a paixão de Santa Crispina de Tagore, mãe de família, que, no tempo dos imperadores Diocleciano e Maximiano, porque se recusou sacrificar aos ídolos, por ordem do procônsul Anolino foi degolada.

3.   Perto de Jerusalém, São Sabas, abade, que, nascido na Capadócia, se retirou para o deserto da Judeia, onde instituiu um novo estilo de vida eremítica em sete mosteiros, que se chamaram lauras, nas quais os eremitas se reuniam sob a direcção de um superior. Viveu durante muitos anos na Grande Laura, posteriormente designada com o seu nome, resplandecendo pelo exemplo da santidade e lutando arduamente pela fé de Calcedónia.

4.   No cenóbio de São Pedro de Aquara, na Lucânia, hoje na Campânia, região da Itália, São Lúcido, monge.

5.   Em Mântua, na Lombardia, também região da Itália, o Beato Bartolomeu Fánti, presbítero da Ordem dos Carmelitas, que, pela sua palavra e exemplo, estimulou o coração dos fiéis ao santo amor de Deus e à devoção filial a Maria, Mãe de Deus.

6.   Em Londres, na Inglaterra, São João Almond, presbítero e mártir, que, durante mais de dez anos exerceu clandestinamente o ministério pastoral, até que, no reinado de Jaime I, por causa do seu sacerdócio foi enforcado em Tyburn, não deixando de dar esmolas mesmo no patíbulo.

7*.   Em Scwerin, cidade da região de Mecklenburg, na Alemanha, o passamento do Beato Nicolau Stensen, bispo titular de Ticiópolis, que, oriundo da Dinamarca, foi um dos mais notáveis investigadores das ciências naturais; mas, abraçando a fé católica, quis servir a Deus ao serviço da verdade e foi ordenado presbítero e depois bispo, desenvolvendo com grande zelo a sua missão na Europa setentrional.

8*.   Em Turim, na Itália, o Beato Filipe Rináldi, presbítero da Sociedade Salesiana, que se dedicou à propagação da fé em terras de missão.

9♦.   Em Guadalajara, na Espanha, o Beato Luís Martínez Alvarellos, religioso da Sociedade Salesiana e mártir, que, no tempo de perseguição religiosa, enfrentou gloriosamente o combate por Cristo.

10*.   Perto de Munique, na Baviera, região da Alemanha, o Beato Narciso Putz, presbítero e mártir, que, desterrado da Polónia ocupada por um regime estrangeiro durante a guerra, foi levado para o campo de concentração de Dachau, onde morreu consumido por cruéis tormentos.