Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-01-02

SEGUNDA-FEIRA do Tempo do Natal

SS. Basílio Magno e Gregório de Nazianzo,
bispos e doutores da Igreja – MO
Branco – Ofício da memória (Semana II do Saltério).
Missa da memória, pf. do Natal.

L 1 1 Jo 2, 22-28; Sal 97 (98), 1. 2-3ab. 3cd-4
Ev Jo 1, 19-28

* Na Companhia de Jesus – I Vésp. do Santíssimo Nome de Jesus

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA
Um dia sagrado brilhou para nós.
Vinde, ó povos, adorar o Senhor,
porque uma grande luz desceu sobre a terra.


ORAÇÃO COLECTA
Concedei, Senhor, ao vosso povo uma inabalável firmeza na fé, para que, acreditando no vosso Filho Unigénito como verdadeiro Deus, eterno convosco na glória, e verdadeiro homem, nascido da Virgem Maria, sejamos livres dos males presentes e conduzidos à felicidade eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I 1 Jo 2, 22-28
«Permaneça em vós a doutrina que ouvistes desde o princípio»

Neste tempo do Natal, a Palavra de Deus quer despertar e enraizar em nós a fé que nos faz descobrir no Menino de Belém o Filho de Deus. “Anticristo” é todo aquele que nega que Jesus é o Messias, o Enviado de Deus. A “unção” de Cristo que nos instrui sobre todas estas coisas é a palavra de Deus que em nós penetra sob a acção do Espírito Santo. Cada nova celebração do mistério da Manifestação do Filho de Deus no meio de nós há-de preparar-nos melhor para a sua vinda gloriosa.

Leitura da Primeira Epístola de São João
Caríssimos: Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Esse é que é o anticristo: aquele que nega o Pai e o Filho. Quem nega o Filho também não reconhece o Pai. Quem confessa o Filho reconhece também o Pai. Portanto, permaneça em vós a doutrina que ouvistes desde o princípio. Se permanecer em vós a doutrina que ouvistes desde o princípio, também vós permanecereis no Filho e no Pai. E a promessa que o Filho nos fez é a vida eterna. Era isto o que eu tinha a escrever-vos acerca dos que tentam enganar-vos. Para vós, porém, a unção que recebestes de Cristo permanece em vós e não precisais que alguém vos ensine. Uma vez que a unção de Cristo vos instrui sobre todas as coisas e é verdadeira e não mente, permanecei n’Ele, conforme ela vos ensinou. E agora, meus filhos, permanecei em Cristo, para que possamos ter plena confiança quando Ele Se manifestar e não sejamos confundidos por Ele na sua vinda.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 97 (98), 1.2-3ab.3cd-4. (R. 3a)
Refrão: Todos os confins da terra
viram a salvação do nosso Deus. Repete-se

Cantai ao Senhor um cântico novo
pelas maravilhas que Ele operou.
A sua mão e o seu santo braço
Lhe deram a vitória. Refrão

O Senhor deu a conhecer a salvação,
revelou aos olhos das nações a sua justiça.
Recordou-Se da sua bondade e fidelidade
em favor da casa de Israel. Refrão

Os confins da terra puderam ver
a salvação do nosso Deus.
Aclamai o Senhor, terra inteira,
exultai de alegria e cantai. Refrão


ALELUIA Hebr 1, 1-2
Refrão: Aleluia. Repete-se
Muitas vezes e de muitos modos
falou Deus antigamente aos nossos pais pelos Profetas.
Nestes dias, que são os últimos,
Deus falou-nos por seu Filho. Refrão


EVANGELHO Jo 1, 19-28
«Ele vem depois de mim»

João Baptista vem preparar o caminho a Jesus. O povo tem a tendência de o confundir com o Messias; João defende-se dessa confusão. Ele, João, é apenas a voz; a sua missão é apontar a Palavra, Jesus. Por isso, ele aponta para Jesus e para Ele encaminha os seus discípulos.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Foi este o testemunho de João Baptista, quando os judeus lhe enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para lhe perguntarem: «Quem és tu?» Ele confessou e não negou: «Eu não sou o Messias». Eles perguntaram-lhe: «Então, quem és tu? És Elias?» «Não sou», respondeu ele. «És o Profeta?» Ele respondeu: «Não». Disseram-lhe então: «Quem és tu? Para podermos dar uma resposta àqueles que nos enviaram, que dizes de ti mesmo?» Ele declarou: «Eu sou a voz que clama no deserto: ‘Endireitai o caminho do Senhor’, como disse o profeta Isaías». Entre os enviados havia fariseus que lhe perguntaram: «Então porque baptizas, se não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?». João respondeu-lhes: «Eu baptizo na água; mas no meio de vós está Alguém que não conheceis: Aquele que vem depois de mim, a quem eu não sou digno de desatar a correia das sandálias». Tudo isto se passou em Betânia, além do Jordão, onde João estava a baptizar.
Palavra da salvação.

ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, a oblação que trazemos ao vosso altar, nesta admirável permuta de dons, de modo que, oferecendo-Vos o que nos destes, mereçamos receber-Vos a Vós mesmo. Por Nosso Senhor.
Antes da Epifania, prefácio do Natal: pp. 400-402
Depois da Epifania, prefácio da Epifania p. 403


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Jo 1, 14
Nós vimos a sua glória,
a glória do Filho Unigénito do Pai,
cheio de graça e de verdade.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Concedei-nos, Deus todo-poderoso, que a nossa vida seja constantemente fortalecida pela comunhão nos vossos santos mistérios. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Santo

S. BASÍLIO MAGNO e S. GREGÓRIO NAZIANZENO, bispos e doutores da Igreja

 

 

Martirológio

Memória dos santos Basílio Magno e Gregório de Nazianzo, bispos e doutores da Igreja.

Basílio, bispo de Cesareia da Capadócia, hoje Nenizi, na Turquia, denominado Magno pela sua doutrina e sabedoria, ensinou aos monges a meditação da Sagrada Escritura e o trabalho na obediência e na caridade fraterna, ordenando a sua vida monástica segundo uma regra que ele próprio compôs. Instruiu os fiéis com excelentes obras escritas e dedicou-se ao cuidado pastoral dos pobres e dos enfermos. Morreu no primeiro dia de Janeiro.

Gregório, seu amigo, bispo de Sásima, depois bispo de Constantinopla, finalmente bispo de Nazianzo, também na actual Turquia, defendeu com grande ardor a divindade do Verbo, pelo que foi também chamado o Teólogo. A Igreja alegra-se com a memória conjunta destes grandes santos doutores.

 

2.   Em Roma, São Telésforo, papa, que, segundo o testemunho de Santo Ireneu, foi o séptimo bispo sucessor dos Apóstolos e sofreu glorioso martírio.         

3.   No território de Córi, a trinta milhas da cidade de Roma, os santos Argeu, Narciso e Marcelino, mártires.

4*.   Em Marselha, cidade da Provença, na actual França, São Teodoro, bispo, que, por se ter empenhado em estabelecer a disciplina eclesiástica, foi perseguido pelos reis Childeberto e Gontrano, que o mandaram três vezes para o exílio.

5*.   No mosteiro de Bóbbio, na Emília, actual Emília-Romanha, região da Itália, São Bladolfo, presbítero e monge, discípulo de São Columbano.

6.   Em Milão, na Lombardia, também na Itália, São João Bom, bispo, que restaurou a sede episcopal desta cidade, precedentemente transferida para Génova por causa dos Lombardos. Pela sua fé e boas obras agradou a Deus e aos homens.

7*.   No território de Tulle, na Aquitânia, na actual França, São Vicenciano, eremita.               

8*.   Em Limerick, na Irlanda, São Mainquino, que é venerado como bispo.

9.   No mosteiro de Corbie, na Gália Ambianense, hoje território de Amiens, actualmente na França, Santo Adalardo, abade, que tudo fez para que cada um tivesse o suficiente, isto é, nem gozassem do supérfluo nem vivessem na penúria, mas todos se dedicassem diligentemente ao louvor de Deus.

10*.   Em Maurienne, na Sabóia, actualmente também na França, Santo Airaldo, bispo, que, tanto na solidão de Portes como na sede episcopal de Maurienne, associou à prudência e governo pastoral a austeridade e os costumes cartusianos.

11*.    Em Troína, na Sicília, região da Itália, São Silvestre, abade, que seguiu a disciplina dos Padres orientais.

12*.   Em Forli, na Emília, hoje Emília-Romanha, na Itália, o Beato Marcolino Ammáni, presbítero da Ordem dos Pregadores, que, tanto no silêncio e na solidão, como no serviço dos pobres e no cuidado das crianças, passou toda a sua vida na mais humilde simplicidade.

13*.   Em Soncino, na Lombardia, também na Itália, a Beata Estefânia Quinzáni, virgem, irmã da Ordem Terceira de São Domingos, que se dedicou intensamente à contemplação da paixão do Senhor e à formação cristã das jovens.

14*.   Em Angers, na França, os beatos Guilherme Repin e Lourenço Batard, presbíteros e mártires, que, durante a Revolução Francesa, foram decapitados por causa da sua fidelidade à Igreja.

15*.   Em Lachine, cidade do Quebec, província do Canadá, a Beata Maria Ana (Maria Ester) Soureau-Blondin, virgem, que, embora sem instrução na sua juventude, fundou a Congregação das Irmãs de Santa Ana para formação dos filhos dos agricultores, dando sempre nesse ministério um exemplo insigne de educadora da juventude.