Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-01-30

SEGUNDA-FEIRA da semana IV

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Hebr 11, 32-40; Sal 30 (31), 20. 21. 22. 23. 24
Ev Mc 5, 1-20

* Na Congregação Salesiana (Lisboa) – Aniversário da Dedicação da igreja de Nossa Senhora Auxiliadora – SOLENIDADE; na Congregação Salesiana e no Inst. Filhas de Maria Auxiliadora – I Vésp. de S. João Bosco.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 105, 47
Salvai-nos, Senhor nosso Deus, e reuni-nos de todas as nações,
para dar graças ao vosso santo nome
e nos alegrarmos no vosso louvor.


ORAÇÃO COLECTA
Concedei, Senhor nosso Deus,
que Vos adoremos de todo o coração
e amemos todos os homens com sincera caridade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Hebr 11, 32-40
«Pela fé conquistaram reinos.
Deus previa para nós um destino melhor»

Os nossos antepassados do Antigo Testamento deixaram-nos exemplos admiráveis de fé e santidade. Mas a perfeição, no sentido de acesso à vida de filhos de Deus, foi só Cristo quem no-la alcançou. Reconhecer esta situação e corresponder-lhe constitui agora para nós o caminho para chegar àquele “destino melhor” que Deus nos preparou.

Leitura da Epístola aos Hebreus
Irmãos: Que mais posso dizer? Faltar-me-ia o tempo se quises¬se falar de Gedeão, de Barac, de Sansão, de Jefté, de David, de Samuel e dos Profetas. Pela fé, conquistaram reinos, exerceram a justiça, alcançaram os bens prometidos. Fecharam a boca dos leões, extinguiram a violência do fogo, escaparam ao fio da espada, convalesceram das enfermidades, tornaram-se fortes na guerra, venceram exércitos inimigos. Mulheres houve que recuperaram os seus mortos pela ressurreição. Mas outros foram torturados, recusando o resgate a fim de alcançar uma ressurreição melhor. Outros sofreram o tormento das zombarias e da flagelação, das algemas e da prisão. Foram apedrejados, serrados, mortos ao fio da espada; andaram vagueando, cobertos de peles de ovelha e de cabra, indigentes, oprimidos, maltratados. O mundo não era digno deles. Andaram errantes pelos desertos, pelos montes, nas grutas e cavernas da terra. E todos estes, que alcançaram testemunho favorável pela sua fé, ficaram sem obter a realização da promessa. Porque Deus previa para nós um des¬tino melhor, eles não deviam chegar sem nós à perfeição final.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 30 (31), 20.21.22.23.24 (R. 25)
Refrão: Tende coragem e animai-vos,
vós todos que esperais no Senhor. Repete-se

Como é grande, Senhor, a vossa bondade,
que tendes reservada para os que Vos temem!
À vista dos homens Vós a concedeis
àqueles que em Vós confiam. Refrão

Ao abrigo da vossa face Vós os defendeis
das maquinações dos homens;
no vosso tabernáculo Vós os escondeis
das línguas provocadoras. Refrão

Bendito seja o Senhor:
como em cidade fortificada,
em mim enalteceu a sua misericórdia. Refrão

Eu, porém, dizia na minha ansiedade:
«Estou banido da vossa presença».
Mas ouvistes a voz da minha súplica,
logo que Vos invoquei. Refrão

Amai o Senhor,
vós todos os seus fiéis.
O Senhor defende os que Lhe são fiéis,
mas castiga com rigor os orgulhosos. Refrão


ALELUIA Lc 7, 16
Refrão: Aleluia Repete-se
Apareceu no meio de nós um grande profeta:
Deus visitou o seu povo. Refrão


EVANGELHO Mc 5, 1-20
«Espírito impuro, sai desse homem»

Este estranho caso, contado de maneira popular, manifesta, uma vez mais, o mistério da pessoa de Jesus: Ele é o Filho de Deus, que veio ao mundo dos homens para aqui lançar as raízes do Reino dos Céus; e este triunfará do reino de Satanás pelo seu poder divino. Os habitantes da região do homem curado parecem reagir ao que tomaram por um dano puramente material. Jesus não Se demora por lá, mas deixa aí o miraculado, para que anuncie entre os seus vizinhos as maravilhas de Deus.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo seg. São Marcos
Naquele tempo, Jesus e os seus discípulos chegaram ao outro lado do mar, à região dos gerasenos. Logo que Ele desembarcou, saiu ao seu encontro, dos túmulos onde morava, um homem possesso de um espírito impuro. Já ninguém conseguia prendê-lo, nem sequer com correntes, pois estivera preso muitas vezes com grilhões e cadeias e ele despedaçava os grilhões e quebrava as cadeias. Ninguém era capaz de dominá-lo. Andava sempre, de dia e de noite, entre os túmulos e pelos montes, a gritar e a ferir-se com pedras. Ao ver Jesus de longe, correu a prostrar-se diante d’Ele e disse, clamando em alta voz: «Que tens a ver comigo, Jesus, Filho de Deus Altíssimo? Conjuro-Te, por Deus, que não me atormentes». Porque Jesus dizia-lhe: «Espírito impuro, sai desse homem». E perguntou-lhe: «Qual é o teu nome?». Ele respondeu: «O meu nome é ‘Legião’, porque somos muitos». E suplicava instantemente que não os expulsasse daquela região. Ora, ali junto do monte, andava a pastar uma grande vara de porcos. Os espíritos impuros pediram a Jesus: «Manda-nos para os porcos e entraremos neles». Jesus consentiu. Então os espíritos impuros saíram do homem e entraram nos porcos. A vara, que era de cerca de dois mil, lançou-se ao mar, do precipício abaixo, e os porcos afogaram-se. Os guardadores fugiram e levaram a notícia à cidade e aos campos; e, de lá, vieram ver o que tinha acontecido. Ao chegarem junto de Jesus, viram, sentado e em perfeito juízo, o possesso que tinha tido a legião; e ficaram cheios de medo. Os que tinham visto narraram o que havia acontecido ao possesso e o que se passara com os porcos. Então pediram a Jesus que Se retirasse do seu território. Quando Ele ia a subir para o barco, o homem que tinha sido possesso pediu-Lhe que o deixasse ir com Ele. Jesus não lho permitiu, mas disse-lhe: «Vai para casa, para junto dos teus, conta-lhes tudo o que o Senhor te fez e como teve compaixão de ti». Então ele foi-se embora e começou a apregoar na Decápole o que Jesus tinha feito por ele. E todos ficavam admirados.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Apresentamos, Senhor, ao vosso altar
os dons do vosso povo santo;
aceitai-os benignamente
e fazei deles o sacramento da nossa redenção.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 30, 17-18
Fazei brilhar sobre mim o vosso rosto,
salvai-me, Senhor, pela vossa bondade
e não serei confundido por Vos ter invocado.

Ou Mt 5, 3-4
Bem-aventurados os pobres em espírito,
porque deles é o reino dos Céus.
Bem-aventurados os humildes,
porque possuirão a terra prometida.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Fortalecidos pelo sacramento da nossa redenção,
nós Vos suplicamos, Senhor,
que, por este auxílio de salvação eterna,
cresça sempre no mundo a verdadeira fé.
Por Nosso Senhor.

 

Martirológio

1.   Em Jerusalém, São Matias, bispo, que, depois de muitos padecimentos por Cristo, descansou em paz.

2.   Em Edessa, no Osroene, hoje Sanliurfa, na Turquia, São Barsimeu, bispo, que, segundo a tradição, foi duramente flagelado por amor de Cristo no tempo do imperador Décio, mas, terminada a perseguição, obteve a libertação do cárcere e passou o resto da sua vida em intensa actividade no governo da Igreja que lhe foi confiada.

3.   Em Roma, a comemoração de Santa Martinha, sob cujo título o papa Dono dedicou uma basílica no foro romano.

4.   Em Chelles, no território de Paris, actualmente na França, Santa Batilde, rainha, que fundou cenóbios sob a Regra de São Bento segundo os costumes de Luxeuill; depois da morte do seu esposo Clovis II, foi regente do reino e, durante o reinado de seu filho, passou os últimos anos da sua vida na rigorosa observância da regra monástica.

5.   Em Maubeuge, na Nêustria, na actual França, Santa Aldegundes ou Aldegonda, abadessa, no tempo do rei Dagoberto.

6.   Em Pavia, na Lombardia, região da Itália, Santo Armentário, bispo, que depositou solenemente o corpo de Santo Agostinho na basílica de São Pedro «in Caelo Áureo», para ali trasladado pelo rei Liutprando.

7.   A paixão de São Teófilo o Jovem, mártir, que, sendo comandante da frota cristã, foi capturado pelos inimigos junto a Chipre e conduzido a Harun, califa dos Sarracenos; e não podendo este obrigá-lo a negar a Cristo, nem com promessas nem com ameaças, mandou que fosse passado ao fio da espada.

8*.   Em Burgos, cidade de Castela e Leão, actual região da Espanha, Santo Adelelmo ou Lesmes, abade, que transformou num mosteiro a capela de São João com o hospício adjacente.

9*.   Em Dublin, na Irlanda, o passamento do Beato Francisco Taylor, mártir, que, sendo pai de família, passou sete anos encerrado no cárcere por causa da sua fé católica e, consumido pelas tribulações e pela idade avançada, terminou o martírio no reinado de Jaime I.

10♦.   Em Kumamoto, cidade do Japão, os beatos mártires Ogasawara Yosaburo Gen’ya, sua esposa Ogasawara Miya Luísa, com nove filhos e quatro servos da família Ogasawara[1].


[1]  Estes são os nomes dos filhos mártires: Ogasawara Genpachi, Ogasawara Mari, Ogasawara Kuri, Ogasawara Sasaemon, Ogasawara Sayuemon, Ogasawara Shiro, Ogasawara Goro, Ogasawara Tsuchi, Ogosawara Gonnosuke.

 

11.   Em Viterbo, na Toscana, hoje no Lácio, região da Itália, Santa Jacinta Mariscótti, virgem da Ordem Terceira Regular de São Francisco, que, depois de passar quinze anos em prazeres mundanos, abraçou uma vida austeríssima e promoveu irmandades para a assistência dos idosos e para a adoração da Santíssima Eucaristia.

12*.   Em Turim, no Piemonte, região da Itália, o Beato Sebastião Valfré, presbítero da Congregação do Oratório de São Filipe Néri, que trabalhou com todo o ardor na assistência aos pobres, aos enfermos e aos presos nos cárceres e, pela sua bondade e diligente caridade, conduziu muitos a Cristo.

13.   Em Seul, na Coreia, o santo mártir Paulo Ho Hyob, que, sendo soldado, foi preso por causa da sua profissão de fé cristã e submetido a cruéis torturas, de tal modo que, pela debilitação das suas forças, pareceu estar prestes a ceder; mas, arrependido, imediatamente confirmou diante do juiz a sua fé em Cristo; por isso ficou encarcerado durante muito tempo e, finalmente, enfraquecido pelas flagelações, morreu no Senhor.

14.   Em Tonquim, no actual Vietnam, São Tomé Khuong, presbítero e mártir, que na perseguição do imperador Tu Duc, permanecendo invencível na profissão da fé cristã, foi metido no cárcere e, ajoelhado diante da cruz, morreu a golpe de machado.

15.   Em Guadalajara, no México, São David Galván, presbítero e mártir, que, durante a perseguição mexicana, por defender a santidade do matrimónio, foi fuzilado pelos soldados, sem processo judicial, e assim alcançou a coroa do martírio.

16*.   Em Malonne, na Bélgica, São Muciano Maria (Luís Wiaux), religioso da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs, que consagrou quase toda a sua vida a trabalhar, com inflexível constância e contínua alegria, na educação dos jovens.

17*.   No mosteiro de São Bento de Maredsous, também na Bélgica, o Beato Columba (José) Marmion, que, natural da Irlanda, foi ordenado presbítero e eleito abade na Ordem de São Bento, onde resplandeceu como pai do cenóbio e guia das almas, pela santidade de vida, doutrina espiritual e eloquência.

18*.   Em Torrent, localidade da província de Valência, na Espanha, a Beata Cármen Garcia Moyon, mártir, que trabalhou diligentemente como educadora da doutrina cristã e, durante a perseguição religiosa, depois de ter resistido tenazmente à tentativa de violação, foi queimada viva pela fé de Cristo.

19*.   Em Gdeszyn, cidade da Polónia, o Beato Segismundo Pisarski, presbítero e mártir, que, durante a guerra, por não renunciar à sua fé perante os perseguidores, foi expulso da sua igreja paroquial e finalmente preso e fuzilado.