Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-10-12

QUINTA-FEIRA da semana XXVII

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Mal 3, 13-20a; Sal 1, 1-2. 3. 4 e 6
Ev Lc 11, 5-13

* Na Diocese de Portalegre-Castelo Branco – Aniversário da entrada solene de D. Antonino Eugénio Fernandes Dias.
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – S. Serafim do Montegranaro, religioso, da I Ordem – MO
* Na Companhia de Jesus – B. João Beyzym, presbítero, apóstolo dos leprosos em Madagáscar – MF
* Na Diocese de Leiria-Fátima (Santuário de Fátima) – I Vésp. do aniversário da Dedicação da Basílica de Nossa Senhora do Rosário.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Est 13, 9.10-11
Senhor, Deus omnipotente, tudo está sujeito ao vosso poder
e ninguém pode resistir à vossa vontade.
Vós criastes o céu e a terra e todas as maravilhas
que estão sob o firmamento.
Vós sois o Senhor do universo.


ORAÇÃO COLECTA
Deus eterno e omnipotente, que, no vosso amor infinito,
cumulais de bens os que Vos imploram
muito além dos seus méritos e desejos, pela vossa misericórdia,
libertai a nossa consciência de toda a inquietação
e dai-nos o que nem sequer ousamos pedir.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Mal 3, 13-20a
«Há-de vir o dia, ardente como uma fornalha»

No livro da Profecia de Malaquias, escrito depois da reconstrução do templo, o profeta censura certos abusos, especialmente no culto. Um dia, o Senhor julgará, separará os maus dos bons, destruirá tudo o que é mau, fará brilhar o bem como o Sol. Esse momento é chamado pelo profeta o “Dia do Senhor”, nome que hoje se aplica ao Domingo, por ele ser o dia que celebra a Páscoa de Jesus, o acto supremo da justiça de Deus, que põe fim ao pecado e à morte e leva o homem à vida gloriosa da ressurreição.

Leitura da Profecia de Malaquias
«As vossas palavras contra Mim são arrogantes – diz o Senhor – e perguntais: ‘Que dissemos contra o Senhor?’. Vós dissestes: ‘É tempo perdido servir a Deus. Que aproveita cumprir os seus preceitos e andar vestido de luto diante do Senhor do Universo? Por isso agora chamamos felizes os soberbos, que praticam o mal e prosperam, que provocam a Deus e ficam impunes’». Então os que temem o Senhor falaram entre si; e o Senhor prestou atenção e escutou-os. Diante d’Ele foi escrito um livro que conserva a memória daqueles que O temem e respeitam o seu nome. «No dia que Eu preparo, Eles serão minha propriedade – diz o Senhor do Universo –. Terei compaixão deles, como um pai se compadece do filho obediente. Então vereis de novo a diferença entre o justo e o pecador, entre aquele que serve a Deus e aquele que não O serve. Porque há-de vir o dia, ardente como uma fornalha, em que serão como a palha todos os soberbos e malfeitores. O dia que há-de vir os abrasará – diz o Senhor do Universo – e não lhes deixará raiz nem ramos. Mas para vós que temeis o meu nome, nascerá o sol de justiça, trazendo nos seus raios a salvação».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 1, 1-2.3.4 e 6 (R. Salmo 39, 5a)
Refrão: Feliz o homem que pôs a sua esperança no Senhor. Repete-se

Feliz o homem que não segue o conselho dos ímpios,
nem se detém no caminho dos pecadores,
mas antes se compraz na lei do Senhor,
e nela medita dia e noite. Refrão

É como árvore plantada à beira das águas:
dá fruto a seu tempo e sua folhagem não murcha.
Tudo quanto fizer será bem sucedido. Refrão

Bem diferente é a sorte dos ímpios:
são como palha que o vento leva.
O Senhor vela pelo caminho dos justos,
mas o caminho dos pecadores leva à perdição. Refrão


ALELUIA cf. Actos 16, 14b
Refrão: Aleluia Repete-se
Abri, Senhor, o nosso coração,
para recebermos a palavra do vosso Filho. Refrão


EVANGELHO Lc 11, 5-13
«Pedi e dar-se-vos-á»

A oração é, antes de mais, um acto de louvor a Deus. Mas este louvor logo se transforma em súplica, ao reconhecer-se que Deus, que Se mostrou, tantas vezes, atento às necessidades dos homens, continua a ser sempre a fonte e origem de todo o bem, porque é assim a própria natureza de Deus. Por isso, Jesus não cessa de nos dizer que devemos insistir sempre na oração, e na oração de súplica. Com esta insistência, o Senhor quer despertar a nossa fé, para que O invoquemos, e a nossa humildade, para sabermos reconhecer que precisamos d’Ele, e não nos fecharmos na nossa auto-suficiência, bem pouco suficiente.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Se algum de vós tiver um amigo, poderá ter de ir a sua casa à meia-noite, para lhe dizer: ‘Amigo, empresta-me três pães, porque chegou de viagem um dos meus amigos e não tenho nada para lhe dar’. Ele poderá responder lá de dentro: ‘Não me incomodes; a porta está fechada, eu e os meus filhos estamos deitados e não posso levantar-me para te dar os pães’. Eu vos digo: Se ele não se levantar por ser amigo, ao menos, por causa da sua insistência, levantar-se-á para lhe dar tudo aquilo de que precisa. Também vos digo: Pedi e dar-se-vos-á; procurai e encontrareis; batei à porta e abrir-se-vos-á. Porque quem pede recebe; quem procura encontra e a quem bate à porta, abrir-se-á. Se um de vós for pai e um filho lhe pedir peixe, em vez de peixe dar-lhe-á uma serpente? E se lhe pedir um ovo, dar-lhe-á um escorpião? Se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo àqueles que Lho pedem!».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, o sacrifício
que Vós mesmo nos mandastes oferecer
e, por estes sagrados mistérios que celebramos,
confirmai em nós a obra da redenção.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Lam 3, 25
O Senhor é bom para quem n’Ele confia,
para a alma que O procura.

Ou cf. 1 Cor 10, 17
Porque há um só pão, todos somos um só corpo,
nós que participamos do mesmo cálice e do mesmo pão.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Deus todo-poderoso,
que neste sacramento saciais a nossa fome e a nossa sede,
fazei que, ao comungarmos o Corpo e o Sangue do vosso Filho,
nos transformemos n’Aquele que recebemos.
Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Em Roma, junto à Via Laurentina, Santo Hedisto, mártir.

2.       Em Anazarbo, na Cilícia, na hodierna Turquia, Santa Senhorinha, mártir, que, segundo a tradição, no tempo do imperador Diocleciano e do governador Lícias, depois de sofrer muitos tormentos, no cárcere entregou o seu espírito a Deus.

3.   Comemoração dos quatro mil novecentos e sessenta e seis mártires e confessores da fé, que durante a perseguição desencadeada pelos Vândalos na África Setentrional, foram mortos por ordem do rei ariano Hunerico, em ódio à fé católica: bispos, presbíteros e diáconos da Igreja de Deus, juntamente com uma grande multidão de fiéis, foram confinados num horrível ermo, onde, depois de submetidos a vários géneros de torturas, celebraram o seu martírio; entre eles estavam os bispos Cipriano e Félix, insignes sacerdotes do Senhor.

4*.     Em Piacenza, na Emília-Romanha, região da Itália, Santo Opílio, diácono.

5.   Em Roma, São Félix IV, papa, que transformou dois templos do Foro Romano na igreja dedicada aos santos Cosme e Damião e trabalhou com grande zelo pela fé católica.

6.   Na província do Nórico Ripense, actualmente na Áustria, São Maximiliano, que é venerado como bispo de Lorch.

7*.     Em Pavia, na Lombardia, região da Itália, São Rotobaldo, bispo, homem de exemplar espírito de penitência, muito dedicado ao culto divino e à investigação das relíquias dos santos.

8.   Em Áscoli, cidade do Piceno, actualmente nas Marcas, região da Itália, São Serafim de Monte Granaro (Félix de Nicola), religioso da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, memorável pela sua humildade, pobreza e piedade.

9*.     Em Londres, na Inglaterra, o Beato Tomás Bullaker, presbítero da Ordem dos Frades Menores e mártir, que, aprisionado no reinado de Carlos I no momento em que celebrava a Missa, morreu na forca de Tyburn por causa do seu sacerdócio e esquartejado quando ainda estava vivo.

10♦.   Em Oviedo, na Espanha, o Beato Eufrásio do Menino Jesus (Eufrásio Barredo Fernández), presbítero da Ordem dos Carmelitas Descalços e mártir, que, assassinado em ódio à fé,  se tornou participante na vitória de Cristo.

11*.   Em Ribarroja de Túria, localidade da província de Valência, também na Espanha, o Beato José González Huguet, presbítero e mártir, que, durante a perseguição contra a fé, combateu por Cristo um glorioso combate.

12*.   Em Massamagrel, também na província de Valência, o Beato Pacífico de Valência (Pedro Salcedo Puchades), religioso da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos e mártir, que na mesma perseguição foi configurado à Paixão de Cristo.

13*.   No campo de concentração de Auschwitz, perto de Cracóvia, na Polónia, o Beato Romão Sitko, presbítero e mártir, que, durante a ocupação militar da Polónia, depois de ter sido atrozmente atormentado pelos perseguidores hostis à dignidade dos homens e da religião, partiu para a visão da eterna bem-aventurança.