Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-10-25

QUARTA-FEIRA da semana XXIX

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Rom 6, 12-18; Sal 123 (124), 1-3. 4-6. 7-8
Ev Lc 12, 39-48

* Na Diocese de Setúbal – Aniversário da Ordenação episcopal e tomada de posse de D. José Ornelas Carvalho (2015).
* No Patriarcado de Lisboa – Aniversário da Dedicação da Igreja Catedral. Na Sé – SOLENIDADE; nas outras igrejas do Patriarcado – FESTA
* Na Ordem Agostiniana – S. João Stone, mártir – MO
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. Maria Jesus Masiá Ferragut e Companheiras, Mártires Capuchinhas de Valência – MF
* Na Congregação das Missionárias de S. Carlos (Scalabrinianas) – Aniversário da fundação da Congregação (1895).
* Na Congregação dos Sagrados Corações – Aniversário da Dedicação da igreja própria, em todas as igrejas dedicadas da Congregação – SOLENIDADE

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 16, 6.8.9
Respondei-me, Senhor, quando Vos invoco,
ouvi a minha voz, escutai as minhas palavras.
Guardai-me dos meus inimigos, Senhor.
Protegei-me à sombra das vossas asas.


ORAÇÃO COLECTA
Deus eterno e omnipotente,
dai-nos a graça de consagrarmos sempre ao vosso serviço
a dedicação da nossa vontade
e a sinceridade do nosso coração.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Rom 6, 12-18
«Oferecei-vos a Deus, como homens que revivem
de entre os mortos»

Se somos homens livres, libertados por Jesus Cristo da escravidão do pecado, havemos de viver agora como em sacrifício de acção de graças a Deus, e não retornar ao pecado. Liberto da Lei de Moisés, o cristão não vive sem lei. Mas a sua lei é a que vem do facto de ele, pelo baptismo, ter morrido e ressuscitado com Cristo; é essa situação nova que constitui para ele a suprema lei da liberdade e da fidelidade a Deus.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos: Não reine o pecado no vosso corpo mortal, obedecendo aos seus desejos. Não ofereçais os vossos membros como arma da injustiça ao serviço do pecado; mas oferecei-vos a Deus, como homens que revivem de entre os mortos, e oferecei os vossos membros como armas da justiça ao serviço de Deus. E o pecado não vos dominará, porque não estais sob o regime da Lei, mas sob o regime da graça. Como, então? Havemos de pecar, porque não estamos sob o regime da Lei, mas sob o regime da graça? De modo nenhum. Não sabeis que, se vos ofereceis como escravos a alguém, para lhe obedecerdes, vos tornais escravos daquele a quem obedeceis, quer seja do pecado, que leva à morte, quer da obediência, que vos leva à justiça? Mas dêmos graças a Deus, porque, se éreis escravos do pecado, agora vos submetestes de todo o coração à norma de doutrina que vos foi transmitida. E assim, libertos do pecado, vos tornastes servos da justiça.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 123 (124), 1-3.4-6.7-8 (R. 8a)
Refrão: A nossa protecção está no nome do Senhor. Repete-se

Se o Senhor não estivesse connosco,
que o diga Israel,
se o Senhor não estivesse connosco,
os homens que se levantaram contra nós
ter-nos-iam devorado vivos,
no furor da sua ira. Refrão

As águas ter-nos-iam afogado,
a torrente teria passado sobre nós;
sobre nós teriam passado
as águas impetuosas.
Bendito seja o Senhor,
que não nos abandonou como presa dos seus dentes. Refrão

A nossa vida escapou como pássaro
do laço dos caçadores:
quebrou-se a armadilha
e nós ficámos livres.
A nossa protecção está no nome do Senhor,
que fez o céu e a terra. Refrão


ALELUIA Mt 24, 42a.44
Refrão: Aleluia. Repete-se
Vigiai e estai preparados,
porque na hora em que não pensais
virá o Filho do homem. Refrão


EVANGELHO Lc 12, 39-48
«A quem muito foi dado, muito será exigido»

Continuam hoje as palavras de Jesus sobre a vigilância, sobretudo a dos responsáveis. A vigilância é atitude que toca a todos; mas sobretudo aos pastores do povo de Deus. Para eles, a vigilância consistirá em apascentar o rebanho, fazendo chegar a cada um o dom que Deus lhes colocou nas mãos para fielmente o distribuírem. Vigilância e fidelidade vêm juntos.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Compreendei isto: se o dono da casa soubesse a que hora viria o ladrão, não o deixaria arrombar a sua casa. Estai vós também preparados, porque na hora em que não pensais virá o Filho do homem». Disse Pedro a Jesus: «Senhor, é para nós que dizes esta parábola, ou também para todos os outros?». O Senhor respondeu: «Quem é o administrador fiel e prudente que o senhor estabelecerá à frente da sua casa, para dar devidamente a cada um a sua ração de trigo? Feliz o servo a quem o senhor, ao chegar, encontrar assim ocupado. Em verdade vos digo que o porá à frente de todos os seus bens. Mas se aquele servo disser consigo mesmo: ‘O meu senhor tarda em vir’; e começar a bater em servos e servas, a comer, a beber e a embriagar-se, o senhor daquele servo chegará no dia em que menos espera e a horas que ele não sabe; ele o expulsará e fará que tenha a sorte dos infiéis. O servo que, conhecendo a vontade do seu senhor, não se preparou ou não cumpriu a sua vontade, levará muitas vergastadas. Aquele, porém, que, sem a conhecer, tenha feito acções que mereçam vergastadas, levará apenas algumas. A quem muito foi dado, muito será exigido; a quem muito foi confiado, mais se lhe pedirá».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Fazei, Senhor,
que possamos servir ao vosso altar
com plena liberdade de espírito,
para que estes mistérios que celebramos
nos purifiquem de todo o pecado.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 32, 18-19
O Senhor vela sobre os seus fiéis,
sobre aqueles que esperam na sua bondade,
para libertar da morte as suas almas,
para os alimentar no tempo da fome.

Ou Mc 10, 45
O Filho do homem veio ao mundo para dar a vida pela redenção dos homens.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Concedei, Senhor, que a participação nos mistérios celestes
nos faça progredir na santidade, nos obtenha as graças temporais
e nos confirme nos bens eternos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Em Roma, no cemitério de Trasão, junto à Via Salária Nova, os santos Crisanto e Daria, mártires, louvados pelo papa São Dâmaso.

2.   Em Soissons, na Gália Bélgica, actualmente na França, os santos Crispim e Crispiniano, mártires.

3.   Em Florença, na Etrúria, actualmente na Toscana, região da Itália, São Miniato, mártir.

4.   Em Périgueux, na Aquitânia, na hodierna França, São Frontão, que é considerado o primeiro anunciador do Evangelho nesta cidade.

5.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, os santos Martírio, subdiácono, e Marciano, cantor, que foram assassinados pelos arianos no tempo do imperador Constâncio.

6.   Em Bréscia, na Venécia, actualmente na Lombardia, região da Itália, São Gaudêncio, bispo, que, ordenado por Santo Ambrósio, se distinguiu entre os prelados da sua época pela doutrina e virtude, ensinou o seu povo com a palavra e os escritos e construiu uma basílica que denominou «Concílio dos Santos».

7.   No território de Javols, na Gália, actualmente na França, Santo Hilário, bispo de Mende.

8*.   Perto de Segóvia, na Hispânia, São Fruto, que levou vida eremítica entre ásperos rochedos.

9*.   Em Pécs, na Hungria, Santo Amaro, bispo, que, tendo sido mestre de retórica durante quase toda a sua vida, se fez monge e depois foi abade do mosteiro de São Martinho.

10*.   Em Vic, na Catalunha, região da Espanha, São Bernardo Calbó, bispo, que, deixando o ofício de juiz, foi monge cisterciense e abade do seu mosteiro; depois, nomeado bispo de Vic, promoveu intensamente a verdadeira doutrina.

11*.   Em Borgo Sant’ António, no Piemonte, região da Itália, o passamento do Beato Tadeu Machar, bispo de Cork e Cloyne, na Irlanda, que teve de sair da sua pátria, vítima da hostilidade dos poderosos, e, durante a viagem para Roma, descansou no Senhor.

12*.   Em Nules, povoação próxima de Tortosa, na Espanha, o Beato Recaredo Centelles Abad, presbítero da Irmandade dos Sacerdotes Operários Diocesanos e mártir, que, durante a perseguição contra a Igreja, foi assassinado às portas do cemitério em ódio ao sacerdócio.

13*.   Em Alcira, na região de Valência, também na Espanha, as beatas Maria Teresa Ferragud Roig e suas filhas Maria de Jesus (Maria Vincenta Masià Ferragud), Maria Verónica (Maria Joaquina Masià Ferragud), Maria Felicidade Masiá Ferragud, virgens da Ordem das Clarissas Capuchinhas, e Josefa da Purificação (Josefa Raimunda Masiá Ferragud), virgem da Ordem das Agostinhas Descalças, todas elas mártires, que, durante a mesma perseguição, mereceram a coroa gloriosa pelo seu inquebrantável testemunho de Cristo.