Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-10-06

SEXTA-FEIRA da semana XXVI

S. Bruno, presbítero – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Bar 1, 15-22; Sal 78 (79), 1-2. 3-5. 8. 9
Ev Lc 10, 13-16

* Na Ordem Beneditina – S. Bruno, eremita – MO
* Na Ordem Cartusiana – S. Bruno, Fundador da Ordem Cartusiana – SOLENIDADE
* Na Ordem Franciscana (III Ordem) – S. Maria Francisca das Cinco Chagas, virgem, da III Ordem – MF
* Na Companhia de Jesus – B. Diogo de San Vítores, presbítero e mártir – MF
* Na Congregação das Franciscanas Missionárias da Mãe do Divino Pastor -B. Maria Ana Mogas e Funtecuberta, Fundadora – FESTA
* Na Congregação da Paixão de Jesus Cristo – B. Isidoro de Loor, religioso – MF
* Na Diocese de Bragança-Miranda (Catedral) – I Vésp. do aniversário da Dedicação da Igreja Catedral.
* Na Ordem de São Domingos – Nos Conventos de Fátima e de Lisboa (Corpo Santo) – I Vésp. de Nossa Senhora do Rosário.
* Na Congregação das Missionárias Dominicanas do Rosário – I Vésp. de Nossa Senhora do Rosário.

 

 

Santo

S. BRUNO, presbítero

 

 

Martirológio

São Bruno, presbítero, que, oriundo de Colónia, na Lotaríngia, em território da actual Alemanha, ensinou ciências eclesiásticas na França; mas, aspirando à vida solitária, instalou-se com alguns discípulos no isolado vale de Cartuxa, nos Alpes, onde deu origem a uma Ordem que concilia a solidão eremítica com a forma de vida cenobítica. Chamado a Roma pelo papa Urbano II, para o ajudar nos difíceis problemas da Igreja, conseguiu contudo passar os últimos anos da sua vida num ermo próximo do mosteiro de La Torre, na Calábria.

 

2.   Em Laodiceia, na Frígia, na actual Turquia, São Ságar, bispo e mártir, que padeceu no tempo de Servílio Paulo, procônsul da Ásia.

3.   Em Agen, na Aquitânia, actualmente na França, Santa , mártir.

4.   Em Sorrento, na Campânia, região da Itália, São Renato, bispo.

5.   Em Auxerre, na Nêustria, na hodierna França, São Romão, bispo.

6*.   Em Veneza, na Itália, a comemoração de São Magno, bispo, que, segundo a tradição, depois de os Lombardos terem ocupado a cidade de Oderzo, com a maior parte do seu povo se trasladou para a laguna véneta, onde fundou a nova cidade de Heracleia e construiu oito igrejas no lugar em que mais tarde se formou a cidade de Veneza.

7*.   Na Bretanha Menor, actualmente na França, Santo Ivo, diácono e monge, discípulo de São Cutberto, bispo de Lindisfarne, que atravessou o mar e foi habitar nesta região, entregue a vigílias e jejuns.

8*.   Em Akrotíri, na ilha de Creta, São João Xenos, que propagou nesta ilha a vida monástica.

9*.   Em Guéret, no território de Limoges, na Aquitânia, hoje na França, São Pardulfo, abade, ilustre pela santidade da sua vida, o qual, segundo a tradição, obrigou a sair do seu mosteiro os Sarracenos que retrocediam ante Carlos Martel.

10*.   Em Lambach, na Baviera, região da Alemanha, o passamento do Beato Adalbero, bispo de Würzburg, que, por defender a Sé Apostólica, suportou muitas tribulações por parte dos cismáticos e, expulso várias vezes da sua sede episcopal, passou os últimos anos da sua vida em paz no mosteiro de Lambach, por ele fundado.

11*.   Na Cartuxa de Arvières por ele fundada, na Borgonha, região da França, Santo Artaldo, bispo de Belley, que, sendo monge com quase noventa anos, foi eleito bispo contra a sua vontade; mas renunciou dois anos depois, voltando à vida monástica, e viveu até à idade de cento e seis anos.

12♦.        Em Kioto, no Japão, os beatos João Hashimoto Tahyoe, sua esposa Tecla Hashimoto e seus filhos Catarina Hashimoto, Tomé Hashimoto, Francisco Hashimoto, Pedro Hashimoto e Luísa Hashimoto, e companheiros[1] mártires.

 


[1]  São estes os seus nomes: Tomé Kian, Tomé Ikegami; Lino Rihyoe, sua esposa Maria; Cosme Shizaburo e seu filho Francisco Shizaburo; António Dómi, Joaquim Ogawa; João Kyusaku, sua esposa Madalena e sua filha Regina; Tomé Koshima Shinshiro, sua esposa Maria; Gabriel; outra Maria e sua filha Mónica; Marta e seu filho Bento; outra Maria e seu filho Sisto; outra Mónica, Tomé Toemon e sua esposa Luzia; Rufina e sua filha Marta; outra Mónica, Manuel Kosaburo, Ana Kajiya e seu filho Tomé Kajya Yoemon; Águeda, Maria Chujó, Jerónimo Soroku e sua esposa Luzia; João Sakurai e sua filha Úrsula Sakurai; Mâncio Kyujiró, Luís Matagoro; Leão Kyusuke e sua esposa Marta; Mência e sua filha Luzia; Madalena, Diogo Tsuzu, Francisco e Maria.

 

13.   Em Nápoles, na Campânia, região da Itália, Santa Maria Francisca das Chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo (Ana Maria Gallo), virgem da Terceira Ordem Secular de São Francisco, admirável pela paciência nas inúmeras e contínuas tribulações e adversidades, bem como pelas penitências e pelo amor de Deus e das almas.

14*.   Num barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato Francisco Hunot, presbítero e mártir, que, por causa da sua condição de sacerdote, durante a perseguição contra a Igreja foi encarcerado na sórdida galera, onde, afectado pela febre, entregou o espírito a Deus.

15*.   Em Longueuil, localidade do Canadá, a Beata Maria Rosa (Eulália Melâni Durocher), virgem, fundadora da Congregação das Irmãs dos Santos Nomes de Jesus e Maria, para a formação cristã e humana da juventude feminina.

16.   Em An-Hoa, cidade do território do Anam, hoje no Vietnam, São Francisco Tran Van Trung, mártir, que, sendo soldado, resistiu energicamente às ordens de apostatar da fé cristã e por isso o imperador Tu Duc o mandou degolar.

17*.   Em Kostrijk, na Bélgica, o Beato Isidoro de São José de Loor, religioso da Congregação da Paixão, que cumpriu santamente as funções que lhe foram encomendadas e, atingido por grave enfermidade, foi exemplo para os seus irmãos no modo de suportar as terríveis dores.

18♦.   Em Barruelo de Santullán, perto de Palência, na Espanha, o Beato Bernardo (Plácido Fábrega Juliá), religioso da Congregação dos Irmãos Maristas e mártir, que, oprimido pela violência dos inimigos da Igreja, foi ao encontro do Senhor.