Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-11-25

SÁBADO da semana XXXIII

Santa Maria no Sábado – MF
S. Catarina Alexandrina, virgem e mártir – MF
Verde ou br. ou verm. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 1 Mac 6,1-13; Sal 9 A (9), 2-3.4 e 6.16 e 19
Ev Lc 20, 27-40

* Na Ordem Cartusiana – B. Beatriz, monja – FESTA
* Na Congregação Salesiana – Em cada casa, Missa pelos pais falecidos dos Salesianos.
* I Vésp. de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo – Compl. dep. I Vésp. dom.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Jer 29, 11.12.14
Os meus pensamentos são de paz
e não de desgraça, diz o Senhor.
Invocar-Me-eis e atenderei o vosso clamor,
e farei regressar os vossos cativos de todos os lugares da terra.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor nosso Deus, concedei-nos a graça
de encontrar sempre a alegria no vosso serviço,
porque é uma felicidade duradoira e profunda
ser fiel ao autor de todos os bens.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) 1 Mac 6, 1-13
«Por causa do mal que fiz a Jerusalám,
vou morrer de profunda angústia»

O rei Antíoco IV Epifânio, que tanto mal tinha feito ao povo de Deus, morre longe, em terra estrangeira, na Pérsia, cheio de tristeza, reconhecendo que o sofrimento dessa hora lhe foi merecido pelo muito mal que tinha feito a Jerusalém e ao seu povo. Reconhecer já é princípio de penitência!

Leitura do Primeiro Livro dos Macabeus
Naqueles dias, o rei Antíoco atravessava as altas províncias do seu reino, quando ouviu falar em Elimaida, cidade da Pérsia, notável pela suas riquezas, pela sua prata e pelo seu ouro. O templo que nela havia era muito rico e lá se encontravam armaduras de ouro, couraças e armas, que Alexandre, filho de Filipe da Macedónia, o primeiro a reinar sobre os gregos, nele tinha deixado. Antíoco dirigiu-se para lá e tentou apoderar-se da cidade para a saquear. Mas não conseguiu, porque os habitantes da cidade tomaram conhecimento da notícia e opuseram-se-lhe à mão armada. Obrigado a fugir, retirou-se dali com enorme desgosto e regressou a Babilónia. Estava ainda na Pérsia, quando lhe vieram anunciar que os exércitos enviados contra a terra de Judá haviam sido destroçados; que Lísias avançara com um poderoso exército, mas tinha sido posto em fuga pelos judeus, os quais se tinham fortalecido com as armas, o equipamento e os consideráveis despojos tomados aos exércitos vencidos. Além disso, tinham demolido a abominação que ele, Antíoco, mandara construir sobre o altar de Jerusalém. Tinham rodeado de muralhas o santuário, como antigamente, e ainda Betsur, uma das cidades do rei. Ao ouvir estas notícias, o rei ficou perturbado e abatido. Caiu de cama e adoeceu de tristeza, porque os projectos não lhe tinham corrido como desejava. Ficou assim muitos dias, constantemente acabrunhado por intenso desgosto, e convenceu-se de que ia morrer. Então mandou chamar todos os amigos e disse-lhes: «O sono afastou-se dos meus olhos e o meu coração está abatido pela inquietação. Disse comigo mesmo: A que estado de angústia cheguei, em que forte agitação agora me encontro, eu que era feliz e estimado quando era poderoso! Mas agora me lembro do mal que fiz a Jerusalém, quando me apoderei de todos os objectos de prata e ouro que lá se encontravam e mandei exterminar sem motivo os habitantes de Judá. Reconheço que por causa disto me aconteceram estas desgraças e vou morrer de profunda angústia em terra estrangeira».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 9 A, 2-3.4 e 6.16 e 19 (R. cf. 15b)
Refrão: Exultarei, Senhor, com a vossa salvação. Repete-se

De todo o coração, Senhor, Vos quero louvar
e contar todas as vossas maravilhas.
Quero alegrar-me e exultar em Vós,
quero cantar o vosso nome, ó Altíssimo. Refrão

Quando batiam em retirada os meus inimigos,
vacilavam e pereciam diante de Vós.
Ameaçastes os pagãos, destruistes os ímpios,
apagastes o seu nome para sempre. Refrão

Afundaram-se os pagãos no fosso que abriram,
ficaram presos os seus pés
na armadilha que prepararam.
Mas o pobre jamais será esquecido,
não será iludida a esperança dos humildes. Refrão


ALELUIA cf. 2 Tim 1, 10
Refrão: Aleluia. Repete-se
Jesus Cristo, nosso Salvador, destruiu a morte
e fez brilhar a vida por meio do Evangelho. Refrão


EVANGELHO Lc 20, 27-40
«Não é um Deus de mortos, mas de vivos»

A propósito de uma pergunta capciosa dos seus adversários que negavam a ressurreição dos mortos, Jesus procura fazer-lhes compreender que, no mundo novo da ressurreição, as coisas estão fora e acima do nosso modo de pensar terreno. A ressurreição dos mortos pertence já a esse “mundo que há-de vir” para além da morte, em que Deus vive como Deus de vivos, como Ele Se tinha revelado no episódio da sarça ardente, ao apresentar-Se a Moisés como Deus dos que tinham vivido antes, mas que para Ele são sempre vivos, Ele “o Deus de Abraão, o Deus de Isaac, o Deus de Jacob”.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, aproximaram-se de Jesus alguns saduceus – que negam a ressurreição – e fizeram-lhe a seguinte pergunta: «Mestre, Moisés deixou-nos escrito: ‘Se morrer a alguém um irmão, que deixe mulher, mas sem filhos, esse homem deve casar com a viúva, para dar descendência a seu irmão’. Ora havia sete irmãos. O primeiro casou-se e morreu sem filhos. O segundo e depois o terceiro desposaram a viúva; e o mesmo sucedeu aos sete, que morreram e não deixaram filhos. Por fim, morreu também a mulher. De qual destes será ela esposa na ressurreição, uma vez que os sete a tiveram por mulher?». Disse-lhes Jesus: «Os filhos deste mundo casam-se e dão-se em casamento. Mas aqueles que forem dignos de tomar parte na vida futura e na ressurreição dos mortos, nem se casam nem se dão em casamento. Na verdade, já não podem morrer, pois são como os Anjos, e, porque nasceram da ressurreição, são filhos de Deus. E que os mortos ressuscitam, até Moisés o deu a entender no episódio da sarça ardente, quando chama ao Senhor ‘o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacob’. Não é um Deus de mortos, mas de vivos, porque para Ele todos estão vivos». Então alguns escribas tomaram a palavra e disseram: «Falaste bem, Mestre». E ninguém mais se atrevia a fazer-Lhe qualquer pergunta.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Concedei-nos, Senhor,
que os dons oferecidos para glória do vosso nome
nos obtenham a graça de Vos servirmos fielmente
e nos alcancem a posse da felicidade eterna.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 72, 28
A minha alegria é estar junto de Deus,
buscar no Senhor o meu refúgio.

Ou Mc 11, 23.24
Tudo o que pedirdes na oração
vos será concedido, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Depois de recebermos estes dons sagrados,
humildemente Vos pedimos, Senhor:
o sacramento que o vosso Filho
nos mandou celebrar em sua memória
aumente sempre a nossa caridade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

Santa Catarina, mártir, que, segundo a tradição, foi uma virgem de Alexandria, dotada de subtil inteligência e sabedoria, bem como de fortaleza de ânimo. O seu corpo venera-se piedosamente no célebre cenóbio do monte Sinai.

 

2.   Em Cesareia, na Capadócia, hoje Kayseri, na Turquia, São Mercúrio, mártir.

3.   Em Roma, a comemoração de São Moisés, presbítero e mártir, que, no tempo do imperador Décio, depois de ter sido martirizado o papa São Fabião, decidiu assumir, juntamente com o colégio dos presbíteros, o cuidado dos irmãos desta Igreja; determinou que devia conceder-se a reconciliação aos renegados enfermos e moribundos e, durante o longo tempo em que esteve detido no cárcere, recebia constantemente o conforto das cartas de São Cipriano de Cartago, sendo finalmente coroado com um martírio glorioso e admirável.

4.   Em Alexandria, no Egipto, São Pedro, bispo e mártir, que, dotado de todas as virtudes, foi decapitado por ordem do imperador Galério Máximo, sendo a última vítima e o selo dos mártires na grande perseguição contra a Igreja. Com ele se comemoram três bispos egípcios – Hesíquio, Pacómio e Teodoro – e muitos outros mártires, que, também em Alexandria, na mesma perseguição, cruelmente assassinados ao fio da espada, subiram ao Céu.

5.   Na Numídia, em território da actual Argélia, São Márculo, bispo, que, segundo a tradição, morreu mártir no tempo do imperador Constante, despenhado de um rochedo por um certo Macário.

6*.   No território de Agen, na Aquitânia, actualmente na França, São Maurino, mártir, que, dedicado à evangelização do povo rural, segundo a tradição foi cruelmente assassinado pelos pagãos.

7*.   No território de Valence, na Gália, também na hodierna França, a Beata Beatriz de Ornacieux, virgem da Ordem Cartusiana, insigne pelo amor à Cruz, que viveu e morreu em extrema pobreza no mosteiro de Eymeu, por ela fundado.

8*.   Em Reute, na Suábia, em território da actual Alemanha, a Beata Isabel Achler, apelidada a Boa, virgem, que, vivendo como reclusa na Ordem Terceira Regular de São Francisco, praticou admiravelmente a humildade, a pobreza e a mortificação corporal.

9.   Em Seul, na Coreia, São Pedro Yi Ho-yong, mártir, que, sendo catequista, foi capturado pelas milícias, juntamente com sua irmã Santa Águeda Yi So-sa e, permanecendo firme na confissão da fé, depois de lhe terem quebrado os ossos por três vezes, ficou detido quatro anos no cárcere, onde finalmente morreu; foi o primeiro da gloriosa falange de mártires desta nação. 

10*.   Em Puebla de Híjar, localidade próxima de Teruel, na Espanha, o Beato Jacinto Serrano López, da Ordem dos Pregadores e mártir, que foi fuzilado na perseguição contra a Igreja. Com ele comemora-se o beato mártir Tiago Meseguer Burillo, presbítero da mesma Ordem, que, por Cristo, em dia desconhecido, consumou em Barcelona o glorioso combate.