Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-12-01

SEXTA-FEIRA da semana XXXIV

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Dan 7, 2-14; Sal Dan 3, 75. 76. 77. 78. 79. 80. 81
Ev Lc 21, 29-33

* Em todas as dioceses de Portugal – B. Maria Clara do Menino Jesus, virgem e fundadora – MF
* Na Diocese de Vila Real – Assembleia sacerdotal e sufrágio pelos bispos e presbíteros falecidos.
* Na Companhia de Jesus – SS. Edmundo Campion e Roberto Southwel, presbíteros, e Companheiros, mártires – MO
* Na Congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição – B. Maria Clara do Menino Jesus, virgem e fundadora – FESTA
* Na Fraternidade das Irmãzinhas de Jesus de Carlos de Foucauld, B. Carlos de Foucauld, presbítero – MF
* Na Congregação da Paixão de Jesus Cristo – Ofício e Missa votivos da Paixão.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 84, 9
O Senhor fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis
e a todos os que a Ele se convertem de coração sincero.


ORAÇÃO COLECTA
Despertai, Senhor, a vontade dos vossos fiéis,
para que, correspondendo mais generosamente
à acção da graça divina,
recebamos maiores auxílios da vossa bondade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
Liturgia da palavra: páginas seguintes


LEITURA I (anos ímpares) Dan 7, 2-14
«Sobre as nuvens do céu,
veio alguém semelhante a um Filho do homem»

Estamos em presença de outra visão profética. Os vários animais que vão aparecendo representam, como na visão da estátua feita de vários elementos, os diversos reinos que se foram sucedendo uns aos outros. Depois deles, aparece o Filho do homem, um ser celeste que vem de junto de Deus, mas com forma humana, a quem Deus entrega o reino eterno. Jesus aplicou a Si mesmo, com frequência, esta imagem do Filho do homem. No “Credo” nós professamos que “o seu reino não terá fim”.

Leitura da Profecia de Daniel
Contemplava eu as visões da noite, quando vi os quatro ventos do céu que agitavam o grande mar e do mar subiam quatro animais monstruosos, cada um diferente dos outros. O primeiro era semelhante a um leão com asas de águia. Eu estava a olhar, quando as asas lhe foram arrancadas; ele ergueu-se da terra e ficou de pé como um homem e foi-lhe dado um coração humano. Depois apareceu um segundo animal semelhante ao urso, erguido sobre um lado, com três costelas na boca, entre os dentes. E disseram-lhe: «Levanta-te e come carne com abundância». Eu estava a olhar, quando apareceu outro animal, semelhante ao leopardo, que tinha quatro asas de pássaro nas costas; tinha também quatro cabeças e foi-lhe dado um poder soberano. A seguir, contemplava eu as visões da noite, quando apareceu um quarto animal, terrível, pavoroso e extremamente forte; tinha enormes dentes de ferro, com os quais comia, triturava e calcava aos pés o que sobrava. Era diferente de todos os animais que o tinham precedido e tinha dez chifres. Enquanto eu observava esses chifres, surgiu no meio deles outro chifre mais pequeno e três dos primeiros foram arrancados para lhe dar lugar. Nesse chifre havia olhos semelhantes aos do homem e uma boca que dizia palavras arrogantes. Estava eu a olhar, quando foram colocados tronos e um Ancião sentou-se. Tinha vestes brancas como a neve e os cabelos eram como a lã pura. O seu trono eram chamas de fogo, com rodas de lume vivo. Um rio de fogo corria, irrompendo diante dele. Milhares de milhares o serviam e miríades de miríades o assistiam. O tribunal abriu a sessão e os livros foram abertos. Eu estava a olhar, por causa das palavras arrogantes que o chifre dizia, quando vi que o animal foi morto e o seu corpo destruído e lançado às chamas ardentes. Quanto aos outros animais, foi-lhes tirado o poder, mas a vida foi-lhes prolongada até certo tempo e determinada data. Contemplava eu as visões da noite, quando, sobre as nuvens do céu, veio alguém semelhante a um Filho do homem. Dirigiu-Se para o Ancião venerável e conduziram-no à sua presença. Foi-lhe entregue o poder, a honra e a realeza, e todos os povos, nações e línguas O serviram. O seu poder é eterno, não passará jamais, e o seu reino jamais será destruído.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Dan 3, 75.76.77.78.79.80.81 (R. 59b)
Refrão: Louvai o Senhor, exaltai-O para sempre. Repete-se

Montes e colinas, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão

Plantas que germinam na terra, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão

Mares e rios, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão

Fontes, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão

Monstros e animais marinhos, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão
Aves do céu, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão

Animais e rebanhos, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão


ALELUIA Lc 21, 28
Refrão: Aleluia. Repete-se
Erguei-vos e levantai a cabeça,
porque a vossa libertação está próxima. Refrão


EVANGELHO Lc 21, 29-33
«Quando virdes acontecer estas coisas,
sabei que está próximo o reino de Deus»

A hora da ruína de Jerusalém será, ao mesmo tempo, a hora do começo do desenvolvimento do reino de Deus. Os sinais de destruição não podem, por isso, ser vistos só no seu aspecto de calamidade. Deus é Senhor da história, Ele humilha e exalta, Ele leva às portas da morte e de lá liberta. Este Céu e esta Terra de agora poderão passar e hão-de passar, mas o reino de Deus será o novo Céu e a nova Terra, que não passarão jamais.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos a seguinte parábola: «Olhai a figueira e as outras árvores: Quando vedes que já têm rebentos, sabeis que o Verão está próximo. Assim também, quando virdes acontecer estas coisas, sabei que está próximo o reino de Deus. Em verdade vos digo: Não passará esta geração sem que tudo aconteça. Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Recebei, Senhor, estes dons sagrados
que nos mandastes oferecer em honra do vosso nome
e fazei que, obedecendo sempre aos vossos mandamentos,
nos tornemos também nós
uma oblação agradável aos vossos olhos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 116, 1-2
Louvai o Senhor, povos de toda a terra,
porque é eterna a sua misericórdia.

Ou Mt 28, 20
Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Deus todo-poderoso e eterno,
não permitais que se separem de Vós
aqueles a quem destes a graça
de participar neste divino sacramento.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Comemoração de São Nahum, profeta, que pregou Deus como Aquele que governa o curso dos tempos e julga os povos com justiça.

2.   Em Milão, na Transpadânia, agora na Lombardia, região da Itália, São Castriciano, bispo.

3*.   Em Poitiers, na Aquitânia, actualmente na França, Santa Florência, virgem, que, convertida ao Deus verdadeiro pelo bispo Santo Hilário durante o seu desterro na província da Ásia, o seguiu no regresso à sua terra.

4*.   Em Fréjus, na Provença, também na actual França, São Leôncio, bispo, que apoiou a fundação monástica de Santo Honorato na ilha de Lérins e a quem São João Cassiano, seu amigo, dedicou as dez primeiras «Colações».

5.   Em Le Mans, na Nêustria, hoje na França, São Donolo, bispo, que antes tinha sido abade do mosteiro de São Lourenço de Paris e resplandeceu pelo dom dos milagres.

6.   Em Verdun, na Austrásia, também na hodierna França, Santo Agérico, bispo, que edificou igrejas e baptistérios e, por ter convertido a sua igreja em asilo de prófugos, suportou duras perseguições do rei Teodorico.

7.   Em Noyon, na Nêustria, igualmente na actual França, Santo Elói, bispo, que, sendo ourives e conselheiro do rei Dagoberto, edificou mosteiros e fabricou relicários dos Santos com exímia arte e beleza; mais tarde, foi nomeado para a sede de Noyon e de Tournai, dedicando-se com grande zelo ao trabalho apostólico.

8*.   Em Cotignola, na Emília-Romanha, região da Itália, o Beato António Bonfadíni, presbítero da Ordem dos Frades Menores, que pregou durante longo tempo a palavra de Deus em muitas regiões da Itália e lugares da Terra Santa.

9*.   Em Colchester, na Inglaterra, o Beato João Beche, presbítero da Ordem de São Bento e mártir, que, sendo abade do mosteiro de São João, foi condenado à morte e conduzido ao patíbulo no reinado de Henrique VIII sob pretexto de crime de traição, mas de facto por manter a fidelidade ao Romano Pontífice.

10.   Em Londres, também na Inglaterra, os santos Edmundo Campion, Rodolfo Sherwin e Alexandre Briant, presbíteros e mártires durante o reinado de Isabel I, exímios pela sua sabedoria e fortaleza de ânimo. Santo Edmundo, que ainda jovem tinha professado a fé católica, foi admitido na Companhia de Jesus em Roma e ordenado presbítero em Praga, regressando depois à sua pátria, onde consolidou solidamente as almas dos fiéis com a sua palavra e os seus escritos; por isso, depois de suportar muitos tormentos, foi morto em Tyburn. Com ele sofreram os mesmos suplícios São Rodolfo e Santo Alexandre, merecendo este último, já no cárcere, ser admitido na Companhia de Jesus.

11*.   Em York, também na Inglaterra, o Beato Ricardo Langley, mártir, que, no mesmo reinado de Isabel I, foi condenado à pena capital e enforcado por ter dado hospedagem a sacerdotes.

12♦.   Em Lisboa, cidade de Portugal, a Beata Maria Clara do Menino Jesus (Libânia do Carmo Galvão Mexia de Moura Telles e Albuquerque), virgem, que, atraída pelo ardente desejo de anunciar o Evangelho pelo exercício das obras de misericórdia, fundou a Congregação das Irmãs Hospitaleiras da Imaculada Conceição, para acolhimento dos pobres e desvalidos; num tempo de grande perturbação política, de leis adversas à Igreja e a qualquer acção evangelizadora, dirigiu a Congregação com admirável fortaleza de ânimo durante vinte e oito anos, fazendo-a florescer com uma vasta obra de fundações – colégios, hospitais, assistência a inválidos e crianças e outras obras de assistência social, em Portugal e missões Ad Gentes.

13♦.   Em Tamanrasset, na Argélia, o Beato Carlos de Foucauld (Carlos de Jesus), presbítero, apóstolo entre os tuaregues, fundador dos Pequenos Irmãos de Jesus.

14*.   No campo de concentração de Auschwitz, perto de Cracóvia, na Polónia, o Beato Casimiro Sykulski, presbítero e mártir, que, durante a guerra, por perseverar firmemente na fé perante os perseguidores da Igreja de Deus, foi fuzilado.

15*.   Em Dire Dawa, cidade da Etiópia, a Beata Liduína Meneguzzi (Elisa Ângela Meneguzzi), virgem do Instituto de São Francisco de Sales, que se tornou verdadeiro espelho de humildade e caridade cristã, manifestando a misericórdia de Deus entre os pobres, enfermos e cativos.

16*.   Em Isiro, localidade da região interior da República Popular do Congo, a Beata Clementina Nengapeta Anuarite, virgem da Congregação das Irmãs da Sagrada Família e mártir, que, durante a perseguição religiosa na guerra civil, detida com outras religiosas, as exortou a vigiar e orar e, resistindo com grande fortaleza à sensualidade do comandante dos soldados, foi morta por ele, num excesso de cólera, e deu a vida por Cristo, seu Esposo.

17♦.   Em Sassuolo, na Emília-Romanha, região da Itália, a Beata Maria Rosa Pellési (Bruna Pellési), virgem da Congregação das Irmãs Franciscanas Missionárias de Cristo.