Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-03-30

QUINTA-FEIRA da semana IV

Roxo – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. da Quaresma.

L 1 Ex 32, 7-14; Sal 105 (106), 19-20. 21-22. 23
Ev Jo 5, 31-47

* No Patriarcado de Lisboa – Aniversário da Ordenação episcopal de D. Joaquim Augusto da Silva Mendes, Bispo Auxiliar (2008).

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 104, 3-4
Alegre-se o coração dos que procuram o Senhor.
Buscai o Senhor e o seu poder, procurai sempre a sua face.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor, que, na vossa clemência infinita, nos purificais pela penitência e nos santificais pelas boas obras, fazei que perseveremos fielmente na observância dos vossos preceitos e cheguemos confiantes às festas pascais. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Ex 32, 7-14
«Perdoai a culpa do vosso povo»

Apesar das obras que Deus realiza a favor do seu povo, tanto na saída do Egipto como depois na travessia do deserto, este mesmo povo, “de dura cerviz”, provoca o Senhor com os seus pecados, como hoje se lê na adoração do bezerro de ouro à imitação do que tinha visto fazer aos egípcios, que adoravam o boi Ápis. Valeu-lhes a intercessão de Moisés, que apela diante de Deus para a glória do meu nome que mais se manifestará no perdão do que no castigo.

Leitura do Livro do Êxodo
Naqueles dias, o Senhor falou a Moisés, dizendo: «Desce depressa, porque o teu povo, que tiraste da terra do Egipto, corrompeu-se. Não tardaram em desviar-se do caminho que lhes tracei. Fizeram um bezerro de metal fundido, prostraram-se diante dele, ofereceram-lhe sacrifícios e disseram: ‘Este é o teu Deus, Israel, aquele que te fez sair da terra do Egipto’». O Senhor disse ainda a Moisés: «Tenho observado este povo: é um povo de dura cerviz. Agora deixa que a minha indignação se inflame contra eles e os destrua. De ti farei uma grande nação». Então Moisés procurou aplacar o Senhor seu Deus, dizendo: «Por que razão, Senhor, se há-de inflamar a vossa indignação contra o vosso povo, que libertastes da terra do Egipto com tão grande força e mão tão poderosa? Porque hão-de dizer os egípcios: ‘Foi com má intenção que o Senhor os fez sair, para lhes dar a morte nas montanhas e os exterminar da face da terra’? Abandonai o furor da vossa ira e desisti do mal contra o vosso povo. Lembrai-Vos de Abraão, de Isaac e de Israel, vossos servos, a quem jurastes pelo vosso nome: ‘Farei a vossa descendência tão numerosa como as estrelas do céu e dar-lhe-ei para sempre em herança toda a terra que vos prometi’». Então o Senhor desistiu do mal com que tinha ameaçado o seu povo.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 105 (106), 19-20.21-22.23 (cf. 8a)
Refrão: Para glória do vosso nome, salvai-nos, Senhor. Repete-se

Fizeram um bezerro no Horeb
e adoraram um ídolo de metal fundido.
Trocaram a sua glória
pela figura de um boi que come feno. Refrão

Esqueceram a Deus que os salvara,
que realizara prodígios no Egipto,
maravilhas na terra de Cam,
feitos gloriosos no Mar Vermelho. Refrão

E pensava já em exterminá-los,
se Moisés, o seu eleito,
não intercedesse junto d’Ele
e aplacasse a sua ira para os não destruir. Refrão


ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO Jo 3, 16
Refrão: Louvor a Vós, Jesus Cristo, Rei da eterna glória. Repete-se
Deus amou tanto o mundo
que entregou o seu Filho Unigénito;
quem acredita n’Ele tem a vida eterna. Refrão


EVANGELHO Jo 5, 31-47
«Outro vos acusará: Moisés,
em quem pusestes a vossa esperança»

Diante das obras de Jesus, só o orgulho e a má fé podem fechar o coração. Tudo e todos dão testemunho a seu favor: João Baptista, as Escrituras, Moisés... Só um povo de “cabeça dura”, que não dobra o pescoço, poderá não se abrir a Deus que Se revela na palavra e nas obras de Jesus. O Filho de Deus veio ao mundo como revelação do Pai; a sua missão é revelar o Pai aos homens e levar os homens ao Pai. Em Cristo, Deus deixou de ser distante para os homens, e que graça maior devia haver do que ter Deus junto de si e ser levado a Deus pelo próprio Filho de Deus feito homem! A Quaresma é tempo particularmente oportuno para nos encontrarmos em Cristo e por Ele sermos levados ao Pai!

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, Jesus disse aos judeus: «Se Eu der testemunho de Mim mesmo, o meu testemunho não será considerado verdadeiro. É outro que dá testemunho de Mim e Eu sei que o testemunho que Ele dá de Mim é verdadeiro. Vós mandastes emissários a João Baptista e ele deu testemunho da verdade. Não é de um homem que Eu recebo testemunho, mas digo-vos isto para que sejais salvos. João era uma lâmpada que ardia e brilhava e vós, por um momento, quisestes alegrar-vos com a sua luz. Mas Eu tenho um testemunho maior que o de João, pois as obras que o Pai Me deu para consumar – as obras que realizo – dão testemunho de que o Pai Me enviou. E o Pai, que Me enviou, também Ele deu testemunho de Mim. Nunca ouvistes a sua voz, nem vistes a sua figura e a sua palavra não habita em vós, porque não acreditais n’Aquele que Ele enviou. Examinais as Escrituras, pensando encontrar nelas a vida eterna; são elas que dão testemunho de Mim e não quereis vir a Mim para encontrar essa vida. Não é dos homens que Eu recebo glória; mas Eu conheço-vos e sei que não tendes em vós o amor de Deus. Vim em nome de meu Pai e não Me recebeis; mas se vier outro em seu próprio nome, recebê-lo-eis. Como podeis acreditar, vós que recebeis glória uns dos outros e não procurais a glória que vem só de Deus? Não penseis que Eu vou acusar-vos ao Pai: o vosso acusador será Moisés, em quem pusestes a vossa esperança. Se acreditásseis em Moisés, acreditaríeis em Mim, pois ele escreveu a meu respeito. Mas se não acreditais nos seus escritos, como haveis de acreditar nas minhas palavras?».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Concedei-nos, Deus omnipotente, que a oblação deste sacrifício nos purifique de toda a mancha e nos fortaleça contra todos os males. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.
Prefácio da Quaresma


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Jer 31, 33
Imprimirei a minha lei na sua alma,
gravá-la-ei no seu coração.
Eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Por estes sacramentos que recebemos, Senhor, purificai-nos de toda a culpa, para que, livres da opressão do pecado, nos alegremos com a plenitude da graça celeste. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio

1.   Em Ásti, na Transpadana, hoje na Itália, São Segundo, mártir.

2.   Em Tessalónica, na Macedónia, na actual Grécia, São Senhorinho, mártir.

3.   Em Senlis, na Gália Lugdunense, na actual França, São Régulo, bispo.

4.   Comemoração de muitos santos mártires, que, em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, no tempo do imperador Constâncio, por ordem do bispo ariano Macedónio, foram mandados para o exílio e torturados com inauditos tormentos.

5.   No monte Sinai, no Egipto, São João, abade, que escreveu para instrução dos monges o memorável tratado «Escada do Paraíso», no qual apresenta o caminho da perfeição espiritual na forma de uma escada de trinta graus na subida da alma para Deus, o que lhe mereceu o sobrenome de «Clímaco».

6.   Em Siracusa, na Sicília, região da Itália, São Zósimo, bispo, que foi primeiramente o humilde guarda do túmulo de Santa Luzia e depois abade no mosteiro desta localidade.

7*.   Em Coventry, na Inglaterra, Santa Osburga, primeira abadessa do mosteiro deste lugar.

8.   Em Aquino, no Lácio, região da Itália, São Clínio, abade.

9.   Em Aguilera, localidade da região de Castela, na Espanha, São Pedro Regalado de Valladolid, presbítero da Ordem dos Menores, que foi insigne pela sua humildade e rigorosa penitência e fundou dois cenóbios, onde só doze irmãos deviam viver em cada eremitério.

10*.   Em Vercelas, no Piemonte, região da Itália, o Beato Amadeu IX, duque de Sabóia, que no seu governo promoveu por todos os meios a paz e favoreceu com seus bens e ardente zelo a causa dos pobres, das viúvas e dos órfãos.

11.   Em Su-Ryong, na Coreia, os santos mártires António Daveluy, bispo, Pedro Aumaître, Martinho Lucas Huin, presbíteros, José Chang Chu-gi, Tomé Son Cha-son e Lucas Hwang Sok-tu, catequistas, que pela fé em Cristo morreram decapitados.

12*.   Em Nápoles, na Itália, São Luís de Casória (Arcângelo Palmentiéri), presbítero da Ordem dos Frades Menores, que, movido pelo ardor da caridade para com os pobres de Cristo, fundou duas congregações: os Irmãos da Caridade e as Irmãs Franciscanas de Santa Isabel.

13.   Em Turim, também na Itália, São Leonardo Murialdo, presbítero, que fundou a piedosa Sociedade de São José, para que as crianças abandonadas pudessem sentir os efeitos da fé e caridade cristãs.

14.   Em San Julián, localidade do território de Guadalajara, no México, São Júlio Álvarez, presbítero e mártir, que, durante a perseguição religiosa, com o derramamento do seu sangue deu testemunho da fidelidade a Cristo e à sua Igreja.

15*.   Em Viena, na Áustria, a Beata Maria Restituta (Helena Kafka), virgem da Congregação das Irmãs Franciscanas da Caridade Cristã e mártir, que, oriunda da Morávia, exerceu o ofício de enfermeira no Hospital, quando, durante a guerra, foi decapitada pelos inimigos da fé.