Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-04-01

SÁBADO da semana IV

Roxo – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. da Quaresma.

L 1 Jer 11, 18-20; Sal 7, 2-3. 9bc-10. 11-12
Ev Jo 7, 40-53

Pode manter-se o costume de cobrir as cruzes e as imagens. As cruzes continuam veladas até ao fim da celebração da Paixão do Senhor, na Sexta-feira da Semana Santa, e as imagens até ao princípio da Vigília Pascal.

* I Vésp. do domingo – Compl. dep. I Vésp. dom.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 17, 5-7
Cercaram-me as ondas da morte, envolveram-me os laços do abismo. Na minha aflição invoquei o Senhor do seu templo santo Ele ouviu a minha voz.


ORAÇÃO COLECTA
A vossa misericórdia, Senhor, dirija os nossos corações, porque sem Vós não podemos agradar-Vos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Jer 11, 18-20
«Eu era como manso cordeiro levado ao matadouro»

As palavras desta leitura foram escritas acerca de Jeremias, perseguido e maltratado. Lemo-las hoje a propósito de Jesus. Ele, que é “como manso cordeiro”, acaba por ser abatido como a “árvore em plena pujança”, arrancada da terra dos vivos. O caso de Jesus é, neste ponto, a manifestação máxima do que acontece a todos os que amam a justiça, que em todos esses se continua a Paixão do Senhor. Jesus vai ser, de facto o cordeiro pascal imolado por todos.

Leitura do Livro de Jeremias
Quando o Senhor me avisou, eu compreendi; vi então as maquinações dos meus inimigos. Eu era como manso cordeiro levado ao matadouro e ignorava a conjura que tramavam contra mim, dizendo: «Destruamos a árvore no seu vigor, arranquemo-la da terra dos vivos, para não mais se falar no seu nome». Senhor do Universo, que julgais com justiça e sondais os sentimentos e o coração, seja eu testemunha do castigo que haveis de aplicar- lhes, pois a Vós confio a minha causa.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 7, 2-3.9bc-10.11-12 (R. 2a)
Refrão: Senhor, meu Deus, em Vós espero. Repete-se

Senhor, meu Deus, em Vós me refugio,
livrai-me de quantos me perseguem e salvai-me.
Não me arrebatem como o leão
e me dilacerem sem ter quem me salve. Refrão


Julgai-me, Senhor, segundo a minha justiça,
segundo a minha inocência.
Acabe a malícia dos ímpios e confortai o justo,
Vós, Deus de justiça,
que sondais o íntimo dos corações. Refrão


A minha protecção está em Deus,
que salva os homens rectos de coração.
Deus é o juiz justo,
um Deus que pode castigar todos os dias. Refrão


ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO cf. Lc 8, 15
Refrão: A salvação, a glória e o poder a Jesus Cristo,
Nosso Senhor. Repete-se

Felizes os que recebem a palavra de Deus
de coração sincero e generoso
e produzem fruto pela perseverança. Refrão


EVANGELHO Jo 7, 40-53
«Poderá o Messias vir da Galileia»

A morte e ressurreição de Jesus é o juizo do mundo. Em volta d’Ele, os homens dividem-se; Ele, que veio para estabelecer a unidade universal, a união de todo o universo com o Pai, acaba por ser “sinal de contradição”, para os olhos e o coração de quem para Ele se não sabe voltar. Alguns, a princípio, ainda quiseram ver em Jesus, “o Profeta”, aquele que Moisés um dia anunciou que havia de vir depois dele, como novo Moisés, o Messias; mas, de Nazaré! E começa a realizar-se em Jesus o sinal de contradição anunciado por Simão no dia da Apresentação de Jesus no Templo, aos quarenta dias de nascido.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, alguns que tinham ouvido as palavras de Jesus diziam no meio da multidão: «Ele é realmente o Profeta». Outros afirmavam: «É o Messias». Outros, porém, diziam: «Poderá o Messias vir da Galileia? Não diz a Escritura que o Messias será da linhagem de David e virá de Belém, a cidade de David?» Houve assim desacordo entre a multidão a respeito de Jesus. Alguns deles queriam prendê-l’O, mas ninguém Lhe deitou as mãos. Então os guardas do templo foram ter com os príncipes dos sacerdotes e com os fariseus e estes perguntaram-lhes: «Porque não O trouxestes?». Os guardas responderam: «Nunca ninguém falou como esse homem». Os fariseus replicaram: «Também vos deixastes seduzir? Porventura acreditou n’Ele algum dos chefes ou dos fariseus? Mas essa gente, que não conhece a Lei, está maldita». Disse-lhes Nicodemos, aquele que anteriormente tinha ido ter com Jesus e era um deles: «Acaso a nossa Lei julga um homem sem antes o ter ouvido e saber o que ele faz?» Responderam-lhe: «Também tu és galileu? Investiga e verás que da Galileia nunca saiu nenhum profeta». E cada um voltou para sua casa.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Recebei, Senhor, com benevolência os dons que Vos apresentamos e submetei os nossos corações rebeldes à vossa santíssima vontade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio da Quaresma


ANTÍFONA DA COMUNHÃO 1 Pedro 1, 19
Fomos resgatados de toda a culpa
pelo sangue precioso de Cristo, Cordeiro imaculado.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Fazei, Senhor, que os vossos santos mistérios nos purifiquem de todo o mal e o seu poder santificador nos torne agradáveis aos vossos olhos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio

1.   Em Roma, a comemoração dos santos mártires Venâncio, bispo, e companheiros da Dalmácia e da Ístria, isto é, Anastásio, Amaro, Pauliniano, Télio, Astério, Septímio, Antioquiano e Gaiano, que a Igreja venera na mesma festividade.

2.   Em Tessalónica, na Macedónia, actualmente na Grécia, as santas Ágape e Quiónia, virgens e mártires, que, na perseguição de Diocleciano, por recusarem comer das carnes dos animais sacrificados aos ídolos, foram entregues ao governador Dulcécio e condenadas à fogueira.

3.   Na Palestina, Santa Maria Egipcíaca, que era uma famosa pecadora de Alexandria e, pela intercessão da Virgem Maria, se converteu a Deus na Cidade Santa e se consagrou a uma vida penitente e solitária além do Jordão.

4.   Em Lauconne, perto de Amiens, na Gália, hoje na França, São Valérico, presbítero, que atraiu muitos companheiros à vida eremítica.

5.   Em Ardpatrick, na província de Munster, na Irlanda, São Celso, bispo de Armagh, que promoveu diligentemente a renovação da Igreja.

6.   Em Grenoble, cidade da Borgonha, na França, Santo Hugo, bispo, que se empenhou na reforma de costumes do clero e do povo e, durante o seu episcopado, movido pelo ardente amor à solidão, ofereceu ao seu antigo mestre São Bruno e companheiros o ermo de Chartreuse, do qual foi o primeiro abade; durante quase cinquenta anos dirigiu esta Igreja com o seu admirável exemplo de caridade.

7*.   No mosteiro cisterciense de Bonnevaux, localidade do Delfinado, na França, o Beato Hugo, abade, cuja caridade e prudência promoveu a conciliação entre o papa Alexandre III e o imperador Frederico I.

8*.   Em Caithness, na Escócia, São Gilberto, bispo, que construiu em Dornoch a igreja catedral e fundou hospícios para os pobres; ao morrer, recomendou o que sempre observou na sua vida: não prejudicar ninguém, suportar com paciência as correcções divinas e não incomodar ninguém.

9*.   Em York, na Inglaterra, o Beato João Bretton, mártir, pai de família, que, no reinado de Isabel I, foi várias vezes incriminado pela sua perseverante fidelidade à Igreja Romana e por fim, falsamente acusado de alta traição, morreu estrangulado.

10*.   Em Bréscia, na Lombardia, região da Itália, São Luís Pavóni, presbítero, que se consagrou com grande solicitude à formação dos jovens mais pobres, procurando especialmente educá-los segundo a moral cristã e orientá-los para os trabalhos profissionais, fundando para isso a Congregação das Filhas de Maria Imaculada.

11♦.   No Funchal, cidade do arquipélago da Madeira, em Portugal, o Beato Carlos de Áustria (Carlos I de Habsburgo), que contribuiu diligentemente, pela sua condição régia, para o fortalecimento do reino de Deus.

12♦.   Em Guadalajara, região de Jalisco, no México, os beatos Anacleto González Flores (José), Jorge Raimundo Vargas González, Luís Padilla Gómez (José Dionísio), e Raimundo Vicente Vargas González, mártires.