Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-04-11

TERÇA-FEIRA da Semana Santa

Roxo – Ofício próprio.
Missa própria, pf. II da Paixão.

L 1 Is 49, 1-6; Sal 70 (71), 1-2. 3-4a. 5-6ab. 15 e 17
Ev Jo 13, 21-33. 36-38

* Proibidas as Missas de defuntos, excepto a exequial.
* Na Diocese de Angra – Dia do Sacerdócio. Na Sé – Missa Crismal.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 26, 12
Não me entregueis, Senhor, ao ódio dos meus adversários: contra mim se levantaram testemunhas falsas, que respiram violência.


ORAÇÃO COLECTA
Deus eterno e omnipotente, concedei-nos a graça de celebrar dignamente os mistérios da paixão do Senhor, para merecermos alcançar o seu perdão. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Is 49, 1-6
«Farei de ti a luz das nações,
para que a minha salvação chegue até aos confins da terra»
(Segundo cântico do Servo do Senhor)

Esta leitura é o ‘Segundo cântico do Servo do Senhor’. Para realizar os seus desígnios de salvação em relação aos homens, Deus chama o seu Servo. E, embora possa vir a parecer que a vida do Servo foi inútil, Deus fez dele a luz para todos os povos da terra. O cântico é posto na boca do próprio Servo, que é Jesus. É Ele quem fala. Embora servo sofredor, Ele é enviado para levar a salvação a toda a terra.

Leitura do Livro de Isaías
Terras de Além-Mar, escutai-me; povos de longe, prestai atenção. O Senhor chamou-me desde o ventre materno, disse o meu nome desde o seio de minha mãe. Fez da minha boca uma espada afiada, abrigou-me à sombra da sua mão. Tornou-me semelhante a uma seta aguda, guardou-me na sua aljava. E disse-me: «Tu és o meu servo, Israel, por quem manifestarei a minha glória». E eu dizia: «Cansei-me inutilmente, em vão e por nada gastei as minhas forças». Mas o meu direito está no Senhor e a minha recompensa está no meu Deus. E agora o Senhor falou-me, Ele que me formou desde o seio materno, para fazer de mim o seu servo, a fim de Lhe restaurar as tribos de Jacob e reconduzir os sobreviventes de Israel. Eu tenho merecimento diante do Senhor e Deus é a minha força. Ele disse-me então: «Não basta que sejas meu servo, para restaurares as tribos de Jacob e reconduzires os sobreviventes de Israel. Farei de ti a luz das nações, para que a minha salvação chegue até aos confins da terra».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Sal. 70 (71), 1-2.3-4a.5-6ab.15ab.17
(R. cf. 15ab)
Refrão: A minha boca proclamará a vossa salvação. Repete-se

Em Vós, Senhor, me refugio,
jamais serei confundido.
Pela vossa justiça, defendei-me e salvai-me,
prestai ouvidos e libertai-me. Refrão

Sede para mim um refúgio seguro,
a fortaleza da minha salvação.
Vós sois a minha defesa e o meu refúgio:
meu Deus, salvai-me do pecador. Refrão

Sois Vós, Senhor, a minha esperança,
a minha confiança desde a juventude.
Desde o nascimento Vós me sustentais,
desde o seio materno sois o meu protector. Refrão

A minha boca proclamará a vossa justiça,
dia após dia a vossa infinita salvação.
Desde a juventude Vós me ensinais
e até hoje anunciei sempre os vossos prodígios.
Refrão


ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO
Refrão: Glória a Vós, Jesus Cristo, Sabedoria do Pai. Repete-se
Salve, Senhor, nosso Rei, obediente ao Pai,
que fostes levado como manso cordeiro
à morte na cruz. Refrão


EVANGELHO Jo 13, 21-33.36-38
«Um de vós há-de entregar-me...
Não cantará o galo, sem que Me tenhas negado três vezes»

Vão-se acumulando os antecedentes imediatos da Paixão. Jesus anuncia a traição de Judas e a negação de Pedro. Depois da rejeição dos meios oficiais, vem agora a traição e a negação dos seus. Estamos já na última Ceia. S. João vai interpretando os acontecimentos de maneira simbólica: atrás do pão, Satanás entra em Judas; já era noite; a morte de Jesus é a sua glorificação; Pedro segui-l’O-à depois; Jesus está cada vez mais abandonado dos homens, ao mesmo tempo que é o seu Salvador.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, estando Jesus à mesa com os discípulos, sentiu-Se intimamente perturbado e declarou: «Em verdade, em verdade vos digo: Um de vós Me entregará». Os discípulos olhavam uns para os outros, sem saberem de quem falava. Um dos discípulos, o predilecto de Jesus, estava à mesa, mesmo a seu lado. Simão Pedro fez-lhe sinal e disse: «Pergunta-Lhe a quem Se refere». Ele inclinou-Se sobre o peito de Jesus e perguntou Lhe: «Quem é, Senhor?» Jesus respondeu: «É aquele a quem vou dar este bocado de pão molhado». E, molhando o pão, deu-o a Judas Iscariotes, filho de Simão. Naquele momento, depois de engolir o pão, Satanás entrou nele. Disse- lhe Jesus: «O que tens a fazer, fá-lo depressa». Mas nenhum dos que estavam à mesa compreendeu porque lhe disse tal coisa. Como Judas era quem tinha a bolsa comum, alguns pensavam que Jesus lhe tinha dito: «Vai comprar o que precisamos para a festa»; ou então, que desse alguma esmola aos pobres. Judas recebeu o bocado de pão e saiu imediatamente. Era noite. Depois de ele sair, Jesus disse: «Agora foi glorificado o Filho do homem e Deus foi glorificado n’Ele. Se Deus foi glorificado n’Ele, também Deus O glorificará em Si mesmo e glorificá l’O-á sem demora. Meus filhos, é por pouco tempo que ainda estou convosco. Haveis de procurar-Me e, assim como disse aos judeus, também agora vos digo: não podeis ir para onde Eu vou». Perguntou-Lhe Simão Pedro: «Para onde vais, Senhor?». Jesus respondeu: «Para onde Eu vou, não podes tu seguir-Me por agora; seguir-Me-ás depois». Disse-Lhe Pedro: «Senhor, por que motivo não posso seguir-Te agora? Eu darei a vida por Ti». Disse-Lhe Jesus: «Darás a vida por Mim? Em verdade, em verdade te digo: Não cantará o galo, sem que Me tenhas negado três vezes».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Olhai com bondade, Senhor, para a oblação dos vossos filhos: Vós que os fazeis participar neste mistério de salvação, fazei que alcancem a plenitude da vida eterna. Por Nosso Senhor.

Prefácio da Paixão do Senhor II


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Rom 8, 32
Para nos salvar, Deus não poupou o seu próprio Filho.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que nos saciais com os vossos dons sagrados, concedei-nos, por este sacramento com que nos alimentais na vida presente, a comunhão convosco na vida eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Santo

S. ESTANISLAU, bispo e mártir

 

 

Martirológio

Memória de Santo Estanislau, bispo e mártir, que, no meio das injustiças do seu tempo, foi um defensor incansável dos valores humanos e do ideal cristão. Como bom pastor, dirigiu a Igreja de Cracóvia, na Polónia, ajudou os pobres e visitou todos os anos os seus clérigos. Finalmente, enquanto celebrava os divinos mistérios, foi morto pelo rei Boleslau, cuja má conduta tinha repreendido.

 

2.   Em Pérgamo, na província da Ásia, na actual Turquia, a comemoração de Santo Antipas, que, como testemunha fiel de que fala São João no Apocalipse, sofreu o martírio pelo nome de Jesus.

3.   Comemoração de São Filipe, bispo de Gortina, na ilha de Creta, que, no tempo dos imperadores Marco Antonino Vero e Lúcio Aurélio Cómodo, defendeu energicamente a Igreja que lhe foi confiada, tanto do furor dos pagãos como das insídias dos hereges.

4.   Em Spálato, na Dalmácia, hoje Split, na Croácia, São Donião, bispo e mártir, que, segundo a tradição, foi assassinado na perseguição do imperador Diocleciano.

5.   Junto de Gaza, na Palestina, São Barsanúfio, anacoreta, natural do Egipto, insigne pelos seus dons extraordinários de contemplação e pela integridade da sua vida.

6.   Em Spoleto, na Úmbria, região da Itália, Santo Isaac, monge, originário da Síria e fundador do mosteiro de Monteluco, cujas virtudes são mencionadas por São Gregório Magno.

7.   Na Calábria, também região da Itália, o Beato Lanuíno, companheiro de São Bruno e seu sucessor, que foi um egrégio intérprete do espírito do fundador na instituição de mosteiros da Ordem Cartusiana.

8*.   Em Coimbra, cidade de Portugal, a Beata Sancha, virgem, filha do rei Sancho I, que fundou o mosteiro de monjas cisterciense de Celas, onde tomou o hábito religioso. A sua memória celebra-se em Portugal, juntamente com as suas irmãs, as beatas Mafalda e Teresa, no dia 20 de Junho.

9*.   Em Cúneo, no Piemonte, região da Itália, o Beato Ângelo de Chiavasso (António Carlétti), presbítero da Ordem dos Menores, insígne pela sua doutrina, prudência e caridade.

10*.   Em Londres, na Inglaterra, o Beato Jorge Gervase, presbítero da Ordem de São Bento e mártir, aluno do Colégio dos Ingleses de Douai, que, no tempo do reinado de Jaime I, apesar de ter sido preso duas vezes durante o exercício do ministério pastoral na sua pátria, professou sempre com admirável constância a fé católica até ao martírio na forca.

11*.   Em Lucca, na Itália, Santa Gema Galgáni, virgem, que, insigne pela contemplação da Paixão do Senhor e pelos sofrimentos pacientemente suportados, aos vinte e cinco anos de idade consumou num Sábado Santo a sua vida angélica.

12*.   Também em Lucca, na Itália, a Beata Helena Guerra, virgem, que fundou a Congregação das Oblatas do Espírito Santo para a formação da juventude feminina e instruiu admiravelmente os fiéis sobre a cooperação do Espírito Santo na economia da salvação.

13*.   No campo de concentração de Auschwitz, próximo de Cracóvia, na Polónia, o Beato Simproniano Ducki, religioso da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos e mártir, que, durante a guerra, preso por causa da sua fidelidade a Cristo, consumou através das torturas o seu martírio.