Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-04-22

SÁBADO DA OITAVA DA PÁSCOA

Branco – Ofício próprio. Te Deum.
Missa própria, Glória, sequência facultativa, pf. pascal.

L 1 Act 4, 13-21; Sal 117 (118), 1 e 14-15. 16ab-18. 19-21
Ev Mc 16, 9-15

* Proibidas as Missas de defuntos, excepto a exequial.
* I Vésp. do domingo – Compl. dep. I Vésp. dom.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 104, 43
O Senhor libertou o seu povo entre vozes de alegria
e os seus eleitos com brados de júbilo. Aleluia.

Diz-se o Glória.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor nosso Deus, que, na vossa imensa bondade, ofereceis a todos os povos o dom da fé, olhai benignamente para os vossos filhos e fazei que, renascidos pelo sacramento do Baptismo, sejam revestidos da vida imortal na glória celeste. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Actos 4, 13-21
«Não podemos calar o que vimos e ouvimos»

A primeira semana da Páscoa termina com a grande afirmação dos Apóstolos diante do tribunal judaico, a que justificará, para sempre, a presença da Igreja no meio mundo: “Não podemos calar o que vimos e ouvimos”. Assim o proclamamos agora na celebração da liturgia, proclamação que sentimos necessidade de prolongar para além desta semana, por uma longa semana ou oitava de Domingos durante todo o Tempo Pascal, e, fora da celebração da liturgia, todos os dias e em toda a parte.

Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias, os chefes do povo, os anciãos e os escribas, vendo a firmeza de Pedro e de João e verificando que eram homens iletrados e plebeus, ficaram surpreendidos. Reconhe¬ciam-nos como companheiros de Jesus, mas, como viam diante deles o homem que fora curado, nada podiam replicar. Mandaram-nos então sair do Sinédrio e começaram a deliberar entre si: «Que havemos de fazer a estes homens? Que se realizou por meio deles um milagre, sabem-no todos os habitantes de Jerusalém e não podemos negá-lo. Mas para que isto não continue a divulgar-se entre o povo, vamos intimá-los com ameaças que não falem desse nome a ninguém. Chamaram-nos então e proibiram-nos terminantemente falar ou ensinar em nome de Jesus. Mas Pedro e João responderam: «Se é justo aos olhos de Deus obedecer-vos antes a vós que a Ele, julgai-o vós próprios. Nós é que não podemos calar o que vimos e ouvimos». Depois de novas ameaças, puseram-nos em liberdade, pois não encontravam modo de os castigar, por causa do povo, uma vez que todos davam glória a Deus pelo que tinha acontecido.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 117 (118),1.14-15.16ab-18.19-21
(R. 21a)
Refrão: Eu Vos dou graças, Senhor, porque me ouvistes.
Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,
porque é eterna a sua misericórdia.
O Senhor é a minha força e a minha glória,
foi Ele o meu salvador.
Há gritos de júbilo e de vitória
nas tendas dos justos. Refrão

A mão do Senhor fez prodígios,
a mão do Senhor foi magnífica.
Não morrerei, mas hei-de viver
para anunciar as obras do Senhor.
Com dureza me castigou o Senhor,
mas não me deixou morrer. Refrão

Abri-me as portas da justiça:
entrarei para dar graças ao Senhor.
Esta é a porta do Senhor:
os justos entrarão por ela.
Eu Vos darei graças porque me ouvistes
e fostes o meu salvador. Refrão


ALELUIA Salmo 117 (118), 24
Refrão: Aleluia Repete-se

Este é o dia que o Senhor fez:
exultemos e cantemos de alegria. Refrão


EVANGELHO Mc 16, 9-15
«Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho»

Está exactamente na linha da leitura anterior o que o Senhor deixou como última mensagem aos seus Apóstolos: “Ide... e proclamai a Boa Nova”. As aparições dos primeiros dias após a Ressurreição do Senhor revestiram-se de oportunidade e valor particular, pois que eram como que a resposta à sua Morte na Cruz. Mas, se a vida terrena de Jesus findou no Calvário, a sua vida gloriosa é eterna. Por isso, Ele pode continuar a ser reconhecido, até que venha no fim dos tempos, na assembleia do seu povo reunido, na sua palavra, nos seus sacramentos, particularmente no da Eucaristia, na vida quotidiana dos que vivem da sua própria Vida. Assim o afirmou o Concílio (SC 7).

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Jesus ressuscitou na manhã do primeiro dia da semana e apareceu em primeiro lugar a Maria Madalena, da qual tinha expulsado sete demónios. Ela foi anunciar aos que tinham andado com Ele e estavam mergulhados em tristeza e pranto. Eles, porém, ouvindo dizer que Jesus estava vivo e fora visto por ela, não acreditaram. Depois disto, manifestou-Se com aspecto diferente a dois deles que iam a caminho do campo. E eles correram a anunciar aos outros, mas também não lhes deram crédito. Mais tarde apareceu aos Onze, quando eles estavam sentados à mesa, e censurou-os pela sua incredulidade e dureza de coração, porque não acreditaram naqueles que O tinham visto ressuscitado. E disse-lhes: «Ide por todo o mundo e proclamai o Evangelho a toda a criatura».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Concedei, Senhor, que em todo o tempo possamos alegrar-nos com estes mistérios pascais, de modo que o acto sempre renovado da nossa redenção seja para nós causa de alegria eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio pascal I [mas com maior solenidade neste dia]


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Gal 3, 27
Vós que fostes baptizados em Cristo
estais revestidos de Cristo. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Olhai com bondade, Senhor, para o vosso povo e fazei chegar à gloriosa ressurreição da carne aqueles que renovastes com os sacramentos de vida eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio

1.   Em Roma, São Soter, papa, de quem São Dionísio de Corinto celebra a egrégia caridade para com os irmãos, os peregrinos necessitados, os aflitos pela miséria e os condenados a trabalhos forçados.

2.   Em Lião, na Gália, na actual França, Santo Epipódio, que, depois de quarenta e oito gloriosos mártires desta cidade, foi preso juntamente com o seu amigo Alexandre e consumou o martírio sendo decapitado.

3.   Em Alexandria, no Egipto, a comemoração de São Leónidas, mártir, que, no tempo do imperador Septímio Severo, foi morto ao fio da espada pela sua fé em Cristo, deixando ainda criança o seu filho Orígenes.

4.   Em Roma, no cemitério de Calisto, junto à Via Ápia, o sepultamento de São Caio, papa, que, livrando-se da perseguição do imperador Diocleciano, morreu como confessor da fé.

5.   Comemoração de São Mariab, quer dizer «o Senhor anuncia», corepíscopo e mártir na Pérsia, que durante a perseguição do rei Sapor II, na Oitava da Páscoa sofreu o martírio por Cristo.

6.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, o dia natal de Santo Agapito I, papa, que se empenhou com firmeza para que o bispo de Roma fosse livremente escolhido pelo clero da Urbe e em toda a parte fosse conservada a dignidade da Igreja; enviado depois por Teódoto, rei dos Godos, a Constantinopla para se encontrar com o imperador Justiniano, ali fortaleceu a verdadeira fé, ordenou Menas bispo daquela cidade, onde descansou em paz.

7.   Em Sens, na Nêustria, hoje na França, São Leão, bispo.

8.   Em Sykeon, localidade da Galácia, na actual Turquia, São Teodoro, bispo e hegúmeno, que, movido pelo amor à solidão desde a infância, optou por um género de vida austero e, constrangido a aceitar a sua ordenação como bispo de Anastasiópolis, pediu com insistência ao Patriarca de Constantinopla para que o deixasse voltar ao seu ermo.

9*.   No território de Sées, na Nêustria, actualmente na França, Santa Oportuna, abadessa, célebre pela sua rigorosa abstinência e austeridade.

10*.   Em Basto, território da Lusitânia, hoje em Portugal, Santa Senhorinha, abadessa, de quem se conta que Deus, por sua intercessão, alimentou imediatamente as monjas quando lhes faltou alimento.

11*.   Em Fabriano, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, o Beato Francisco Venimbéni, presbítero da Ordem dos Menores, que foi exímio pregador da palavra de Deus. († 1322)