Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-04-28

SEXTA-FEIRA da semana II

S. Pedro Chanel, presbítero e mártir – MF
S. Luís Maria Grignion de Montfort, presbítero – MF
Branco ou verm. – Ofício da féria ou da memória.
Missa da féria, pf. pascal.

L 1 Act 5, 34-42; Sal 26 (27), 1. 4. 13-14
Ev Jo 6, 1-15

* Na Ordem Franciscana (III Ordem) – B. Luquésio, da III Ordem – MF
* Na Ordem de São Domingos – S. Luís Maria Grignion de Montfort, presbítero – MF
* Na Congregação dos Irmãos Maristas – S. Pedro Chanel, presbítero e mártir – MO
* Na Congregação dos Missionários Monfortinos – S. Luís Maria Grignion de Montfort, Fundador da Congregação – SOLENIDADE
* Na Congregação da Paixão de Jesus Cristo – Chagas Gloriosas de Nosso Senhor Jesus Cristo – MO
* Na Congregação das Irmãs Dominicanas de S. Catarina de Sena – I Vésp. de S. Catarina de Sena.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Ap 5, 9-10
Vós nos resgatastes, Senhor, com o vosso Sangue,
de todas as tribos, línguas, povos e nações,
e fizestes de nós, para Deus, um reino de sacerdotes. Aleluia.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor nosso Deus, que, para nos libertar do poder do inimigo, quisestes que o vosso Filho sofresse por nós o suplício da cruz, concedei aos vossos servos a graça da ressurreição. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Actos 5, 34-42
«Saíram cheios de alegria,
por terem merecido serem ultrajados por causa do nome de Jesus»

Estão aqui, em presença um do outro, o testemunho de um homem sincero e clarividente, ainda não cristão, mas atento à palavra de Deus, e o dos outros membros do tribunal judaico, sempre receosos das interferências na sua maneira de pensar da doutrina de Jesus. Entretanto, os Apóstolos sentem-se felizes por poderem participar na Paixão do Senhor, que morreu, mas ressuscitou e está vivo para sempre.

Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias, levantou-se um homem no Sinédrio, um fariseu chamado Gamaliel, doutor da Lei venerado por todo o povo, e mandou sair os Apóstolos por uns momentos. Depois disse: «Israelitas, tende cuidado com o que ides fazer a estes homens. Há tempos, apareceu Teudas, que dizia ser alguém, e seguiram-no cerca de quatrocentos homens. Ele foi liquidado e todos os seus partidários foram destroçados e reduzidos a nada. Depois dele, nos dias do recenseamento, apareceu Judas, o Galileu, que arrastou o povo atrás de si. Também ele pereceu e todos os seus partidários foram dispersos. Agora vou dar-vos um conselho: Não vos metais com estes homens: deixai-os. Porque se esta iniciativa, ou esta obra, vem dos homens, acabará por si mesma. Mas se vem de Deus, não podereis destuí-la e correis o risco de lutar contra Deus». Eles aceitaram o seu conselho. Chamaram de novo os Apóstolos à sua presença e, depois de os terem mandado açoitar, proibiram-nos falar no nome de Jesus e soltaram-nos. Os Apóstolos saíram da presença do Sinédrio cheios de alegria, por terem merecido serem ultrajados por causa do nome de Jesus. E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar e anunciar a boa nova de que Jesus era o Messias.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Sal. 26 (27), 1.4.13-14 (R. cf. 4ab ou Aleluia)
Refrão: Uma só coisa peço ao Senhor:
habitar na sua morada. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

O Senhor é minha luz e salvação:
a quem hei-de temer?
O Senhor é a defesa da minha vida:
de quem hei-de ter medo? Refrão

Uma coisa peço ao Senhor, por ela anseio:
habitar na casa do Senhor todos os dias da minha vida,
para gozar da suavidade do Senhor
e visitar o seu santuário. Refrão

Espero vir a contemplar a bondade do Senhor
na terra dos vivos.
Confia no Senhor, sê forte.
Tem confiança e confia no Senhor. Refrão


ALELUIA Mt 4, 4b
Refrão: Aleluia. Repete-se

Nem só de pão vive o homem,
mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. Refrão


EVANGELHO Jo 6, 1-15
«Distribuiu-os e comeram quanto quiseram»

A multiplicação dos pães situa-se próximo da Páscoa. Hoje lemos o facto; nos dias seguintes ouviremos o comentário, a catequese que o próprio Senhor Jesus fará a partir deste facto. Mas a multiplicação dos pães e dos peixes é já apresentada nos termos da celebração eucarística. Depois da catequese sobre o Baptismo, na fala com Nicodemos, depois da referência constante ao Espírito Santo, começamos hoje a catequese sobre a Eucaristia. Estamos no ambiente da catequese sobre a iniciação cristã celebrada na Vigília pascal.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, Jesus partiu para o outro lado do mar da Galileia, também chamado de Tiberíades. Seguia-O numerosa multidão, por ver os milagres que Ele realizava nos doentes. Jesus subiu a um monte e sentou-Se aí com os seus discípulos. Estava próxima a Páscoa, a festa dos judeus. Erguendo os olhos e vendo que uma grande multidão vinha ao seu encontro, Jesus disse a Filipe: «Onde havemos de comprar pão para lhes dar de comer?» Dizia isto para o experimentar, pois Ele bem sabia o que ia fazer. Respondeu-Lhe Filipe: «Duzentos denários de pão não chegam para dar um bocadinho a cada um». Disse-Lhe um dos discípulos, André, irmão de Simão Pedro: «Está aqui um rapazito que tem cinco pães de cevada e dois peixes. Mas que é isso para tanta gente?» Jesus respondeu: «Mandai-os sentar». Havia muita erva naquele lugar e os homens sentaram-se em número de uns cinco mil. Então, Jesus tomou os pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, fazendo o mesmo com os peixes; e comeram quanto quiseram. Quando ficaram saciados, Jesus disse aos discípulos: «Recolhei os bocados que sobraram, para que nada se perca». Recolheram-nos e encheram doze cestos com os bocados dos cinco pães de cevada que sobraram aos que tinham comido. Quando viram o milagre que Jesus fizera, aqueles homens começaram a dizer: «Este é, na verdade, o Profeta que estava para vir ao mundo». Mas Jesus, sabendo que viriam buscá-l’O para O fazerem rei, retirou-Se novamente, sozinho, para o monte.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Acolhei benignamente, Senhor, os dons da vossa família e concedei-lhe o auxílio da vossa protecção, para que não perca as graças recebidas e alcance os bens eternos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio pascal


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Rom 4, 25
Cristo foi entregue à morte pelos nossos pecados
e ressuscitou para nossa justificação. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Guardai sempre, Senhor, com paternal bondade o povo que salvastes, para que se alegrem com a ressurreição do vosso Filho aqueles que foram remidos pela sua paixão. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Santo

S. PEDRO CHANEL, presbítero e mártir

 

S. Luís Maria Grignion de Monfort, presbítero

 

 

Martirológio

São Pedro Chanel, presbítero da Sociedade de Maria e mártir, que se dedicou ao ministério das povoações rurais e à instrução das crianças; depois, enviado com alguns companheiros para a evangelização da Oceania ocidental, chegou à ilha Futuna, onde ainda nenhuma comunidade cristã tinha sido constituída; apesar das dificuldades de toda a espécie, com a sua singular mansidão conseguiu converter à fé alguns habitantes da ilha, entre eles o filho do próprio rei, que, enfurecido, o mandou matar, fazendo dele o primeiro mártir da Oceania.

 

São Luís Maria Grignion de Montfort, presbítero, que percorreu as regiões ocidentais da França a anunciar o mistério da Sabedoria Eterna; fundou Congregações, pregou e escreveu obras sobre a cruz de Cristo e sobre a verdadeira devoção à Virgem Maria e reconduziu muita gente a uma vida de penitência; finalmente, em Saint-Laurent-sur-Sèvre, localidade da França, descansou da sua peregrinação terrena.

 

3.   Em Biterra, na Gália Narbonense, hoje Béziers, na França, Santo Afrodísio, venerado como o primeiro bispo desta cidade.

4.   Em Nicomédia, hoje Izmit, na Turquia, os santos Eusébio, Caralampo e companheiros, mártires.

5.   Em Ravena, na Flamínia, hoje na Emília-Romanha, região da Itália, a comemoração de São Vital, no dia em que, segundo a tradição, foi dedicada com o seu nome a célebre basílica desta cidade. Juntamente com os santos mártires Valéria, Gervásio, Protásio e Ursicino, é venerado desde tempos imemoriais por ter defendido tenazmente a sua intrépida fé cristã.

6.   Em Doróstoro, na Mésia, hoje Silistra, na Bulgária, os santos Máximo, Dada e Quintiliano, mártires durante a perseguição de Diocleciano.

7.   Em Tarazona, na Hispânia Tarraconense, São Prudêncio, bispo.

8.   Em Sulmona, nos Abruzos, região da Itália, o sepultamento de São Pânfilo, bispo de Corfínio.

9*.   Em Poggibónsi, na Etrúria, hoje na Toscana, também na Itália, o Beato Luquésio, que, depois de ter sido dominado pela avidez do lucro, se converteu e tomou o hábito da Ordem Terceira dos Penitentes de São Francisco, vendeu os seus bens e deu tudo aos pobres, dedicando-se ao serviço de Deus e do próximo em pobreza e humildade segundo o espírito evangélico.

10*.   Em Sain-Laurent-sur-Sèvre, localidade da França, a Beata Maria Luísa de Jesus (Maria Luísa Trichet), virgem, a primeira religiosa a vestir o hábito da Congregação das Filhas da Sabedoria, que governou com grande prudência.

11.   Em Ninh-Binh, cidade do Tonquim, hoje no Vietnam, os santos mártires Paulo Pham Khac Khoan, presbítero, João Baptista Dinh Van Thanh e Pedro Nguyen Van Hieu, catequistas, que, depois de passarem três anos presos e torturados para que negassem a fé cristã, finalmente, no tempo do imperador Minh Mang, foram degolados e alcançaram a palma do martírio.

12*.   No campo de concentração de Mauthausen, na Áustria, o Beato José Cebula, presbítero da Congregação dos Missionários Oblatos da Virgem Imaculada e mártir, natural da Polónia, que, deportado da pátria para o cárcere em ódio à fé, sofreu cruéis suplícios até à morte.

13.   Em Magenta, próximo de Milão, na Itália, Santa Joana Beretta Molla, mãe de família, que, trazendo um filho gerado em seu ventre, morreu antepondo a liberdade e a vida do nascituro à sua própria vida.