Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-05-01

SEGUNDA-FEIRA da semana III

S. José Operário – MF
Branco – Ofício da féria ou da memória.
Missa da féria ou da memória, pf. pascal.

L 1 Act 6, 8-15; Sal 118 (119), 23-24. 26-27. 29-30
Ev Jo 6, 22-29
ou
L 1 Gen 1, 26 – 2, 3
ou Col 3, 14-15.17.23-24; Sal 89 (90), 2.3-4.12-13. 14 e 16
Mt 13, 54-58 (próprio)

* Na Diocese de Beja – S. José Operário, Padroeiro principal – SOLENIDADE
* Na Diocese do Funchal – S. Tiago Menor, Padroeiro principal – SOLENIDADE
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos (Convento da Baixa da Banheira) – S. José Operário, Padroeiro da Casa e da Igreja – SOLENIDADE
* Na Ordem Hospitaleira de S. João de Deus – S. Ricardo Pampuri, religioso – MO
* Nos Missionários Combonianos do Coração de Jesus – S. José Operário – FESTA

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA
Ressuscitou o Bom Pastor,
que deu a vida pelas suas ove¬lhas
e Se entregou à morte pelo seu rebanho. Aleluia.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor nosso Deus, que mostrais aos errantes a luz da vossa verdade para poderem voltar ao bom caminho, concedei a quantos se declaram cristãos que, rejeitando tudo o que é indigno deste nome, sigam fielmente as exigências da sua fé. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Actos 6, 8-15
«Não eram capazes de resistir à sabedoria
e ao Espírito Santo com que ele falava»

Estamos em presença das primeiras manifestações do Espírito na Igreja. É agora que o mistério de Jesus se começa a revelar aos homens para além do grupo que O tinha acompanhado em sua vida mortal. E é o Espírito Santo quem o revela. Então em Estêvão, o primeiro mártir, como depois em todos os outros mártires, a Páscoa de Jesus vai arrastando em si os que se deixam ensinar pela sabedoria do Espírito Santo. O processo de S. Estêvão segue os mesmos passos que o de Jesus: as mesmas falsas testemunhas, o mesmo ódio da parte dos acusadores; e, da parte de Estêvão, o mesmo olhar fixo em Deus e as mesmas palavras de perdão para os seus algozes, como Jesus para aqueles que O crucificavam.

Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias, Estêvão, cheio de graça e fortaleza, fazia grandes prodígios e milagres entre o povo. Entretanto, alguns membros da sinagoga chamada dos Libertos, oriundos de Cirene, de Alexandria, da Cilícia e da Ásia, vieram discutir com Estêvão, mas não eram capazes de resistir à sabedoria e ao Espírito Santo com que ele falava. Subornaram então uns homens para afirmarem: «Ouvimos Estêvão proferir blasfémias contra Moisés e contra Deus». Provocaram assim a ira do povo, dos anciãos e dos escribas. Depois surgiram inesperadamente à sua frente, apoderaram-se dele e levaram-no ao Sinédrio, apresentando falsas testemunhas, que disseram: «Este homem não cessa de proferir palavras contra este Lugar Santo e contra a Lei, pois ouvimo-l’O dizer que Jesus, o Nazareno, destruirá este lugar e mudará os costumes que recebemos de Moisés». Todos os membros do Sinédrio tinham os olhos fixos nele e viram que o seu rosto parecia o rosto de um Anjo.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 118 (119), 23-24.26-27.29-30 (R. 1b)
Refrão: Ditosos os que seguem a lei do Senhor. Repete-se

Ainda que os príncipes conspirem contra mim,
o vosso servo meditará os vossos decretos.
As vossas ordens são as minhas delícias
e os vossos decretos meus conselheiros. Refrão

Expus meus caminhos e destes-me ouvidos:
ensinai-me os vossos decretos.
Fazei-me compreender o caminho dos vossos preceitos
para meditar nas vossas maravilhas. Refrão

Afastai-me do caminho da mentira
e dai-me a graça da vossa lei.
Escolhi o caminho da verdade
e decidi-me pelos vossos juízos. Refrão


ALELUIA Mt 4, 4b
Refrão: Aleluia Repete-se

Nem só de pão vive o homem,
mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. Refrão


EVANGELHO Jo 6, 22-29
«Trabalhai, não tanto pela comida que se perde,
mas pelo alimento que dura até à vida eterna»
A partir da multiplicação dos pães, proclamada na semana anterior, Jesus vai fazer uma longa catequese sobre o Pão da Vida. E começa, hoje, por criar nos seus ouvintes a fome de Deus, pela fé, pois que os sacramentos são sinais da fé. A multiplicação dos pães e dos peixes era também um sinal. Jesus tinha matado a fome àquela gente com o alimento que lhe multiplicara no monte. Mas, o alimento de que eles precisam e que devem esforçar-se por encontrar é Ele próprio, o Senhor, a quem alcançarão pela fé. Acreditar em Jesus e viver dessa fé é alimentar-se com o alimento que leva à vida eterna.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Depois de Jesus ter saciado os cinco mil homens, os seus discípulos viram-n’O a caminhar sobre as águas. No dia seguinte, a multidão que permanecera no outro lado do mar notou que ali só estivera um barco e que Jesus não tinha embarcado com os discípulos; estes tinham partido sozinhos. Entretanto, chegaram outros barcos de Tiberíades, perto do lugar onde eles tinham comido o pão, depois de o Senhor ter dado graças. Quando a multidão viu que nem Jesus nem os seus discípulos estavam ali, subiram todos para os barcos e foram para Cafarnaum, à procura de Jesus. Ao encontrá-l’O no outro lado do mar, disseram-Lhe: «Mestre, quando chegaste aqui?» Jesus respondeu-lhes: «Em verdade, em verdade vos digo: vós procurais-Me, não porque vistes milagres, mas porque comestes dos pães e ficastes saciados. Trabalhai, não tanto pela comida que se perde, mas pelo alimento que dura até à vida eterna e que o Filho do homem vos dará. A Ele é que o Pai, o próprio Deus, marcou com o seu selo». Disseram-Lhe então: «Que devemos nós fazer para praticar as obras de Deus?» Respondeu-lhes Jesus: «A obra de Deus consiste em acreditar n’Aquele que Ele enviou».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Subam à vossa presença, Senhor, as nossas orações e as nossas ofertas, de modo que, purificados pela vossa graça, possamos participar dignamente nos sacramentos da vossa misericórdia. Por Nosso Senhor.

Prefácio pascal


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Jo 14, 27
Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz, diz o Senhor. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor Deus todo-poderoso, que em Cristo ressuscitado nos renovais para a vida eterna, multiplicai em nós os frutos do sacramento pascal e infundi em nossos corações a força do alimento que nos salva. Por Nosso Senhor.

 

 

Santo

S. JOSÉ OPERÁRIO

 

 

Martirológio

São José Operário, que, como carpinteiro de Nazaré, ajudou com o seu trabalho Maria e José e iniciou o Filho de Deus no trabalho humano. Por isso, neste dia em que se celebra a festa do trabalho em muitas terras, os trabalhadores cristãos veneram São José como seu exemplo e protector.

 

2.   Comemoração de São Jeremias, profeta, que, no tempo de Joaquim e de Sedecias, reis de Judá, preanunciando a destruição da Cidade Santa e a deportação do povo, sofreu muitas tribulações; por isso a Igreja o considerou como figura de Cristo padecente. Além disso, profetizou a nova e eterna Aliança que havia de consumar-se em Cristo Jesus, pelo qual o Pai omnipotente escreveria a sua lei no íntimo do coração dos filhos de Israel, de modo que Ele mesmo fosse o seu Deus e eles fossem o seu povo.

3.   No território de Viviers, na hodierna França, Santo Andéolo, mártir.

4.   Na Hispânia meridional, a comemoração dos santos Torcato, bispo de Guádix, e outros seis bispos de diversas cidades, a saber: Ctesifonte em Berja, Segundo em Ávila, Indalécio em Almeria, Cecílio em Elvira, Hesíquio em Carcesa e Eufrásio em Andújar.

5.   Em Auxerre, na Gália, hoje na França, Santo Amador, bispo, que procurou erradicar da sua cidade as superstições pagãs e instituiu o culto dos santos mártires.

6.   Em Auch, na Aquitânia, também na actual França, Santo Orêncio, bispo, que se esforçou por exterminar na sua cidade os costumes dos pagãos e estabelecer a paz entre os Romanos e o rei dos Visigodos em Toulouse.

7*.   Na Bretanha Menor, também na hodierna França, São Brioco, bispo e abade, natural do País de Gales, que fundou um mosteiro no litoral da Armórica, posteriormente elevado à dignidade de sede episcopal.

8.   Em Saint-Maurice-en-Valais, na Récia, actualmente na Suíça, o sepultamento de São Segismundo, rei da Borgonha, que, convertido da heresia ariana à fé católica, ali instituiu um grupo de cantores para entoar salmos ininterruptamente diante dos sepulcros dos mártires, expiou com penitência, lágrimas e jejuns um delito cometido e encontrou a morte no território de Orléans, onde foi afogado num poço pelos adversários.

9*.   Numa ilha da Bretanha Menor, actualmente na França, São Marculfo, eremita, depois monge e abade do mosteiro de Nanteuil.

10.     Em Llanelwy, no País de Gales, Santo Asafo, abade e bispo da sede posteriormente designada com o seu nome.

11*.   Em Gap, na Provença, região da Gália, hoje na França, Santo Arísio, bispo, célebre pela sua paciência nas adversidades, pelo zelo contra os simoníacos e pela caridade para com os monges romanos enviados à Inglaterra.

12*.   No território de Montauban, na Gália Narbonense, também na actual França, o passamento de São Teodardo, bispo de Narbonne, que restaurou a sua igreja catedral e resplandeceu pelo seu diligente magistério. Atingido pela enfermidade, retirou-se num mosteiro, onde entregou a sua alma a Deus.

13*.   Em Fossombrone, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, o Beato Aldebrando, bispo, ilustre pela sua vida austera e espírito apostólico.

14*.   Em Arouca, localidade de Portugal, a Beata Mafalda de Portugal, virgem, cuja memória se celebra em Portugal no dia 20 de Junho, juntamente com a das suas irmãs Sancha e Teresa.

15*.   Em Montaione, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, o Beato Vivaldo de São Geminiano, eremita da Ordem Terceira de São Francisco, insigne pela austeridade de vida, paciência e caridade na assistência aos enfermos.

16*.   Em Castello di Valle d’Ístria, cidade da Ístria, hoje Bale, cidade da Croácia, o Beato Juliano Cesarello, presbítero da Ordem dos Menores, que andava por cidades e aldeias anunciando a palavra de Deus e acalmando as discórdias dos cidadãos.

17.   Em Forli, na Emília, hoje na Emília-Romanha, região da Itália, São Peregrino Laziósi, religioso da Ordem dos Servos de Maria, que, em consonância com a sua condição de servo da Mãe de Deus, se tornou insigne na piedade para com o seu Filho Jesus e na solicitude pelos pobres.

18*.   Em Moncel, no território de Beauvais, na França, a Beata Petronila, virgem, primeira abadessa do mosteiro das Clarissas deste lugar.

19.   Em Roma, dia natal de São Pio V, cuja memória é celebrada na véspera deste dia.

20.   Na fortaleza de San-Tay, no Tonquim, hoje no Vietnam, Santo Agostinho Schoeffler, presbítero da Sociedade das Missões Estrangeiras de Paris e mártir, que, depois de três anos de ministério apostólico, foi metido no cárcere e, por ordem do imperador Tu Duc, decapitado no chamado Campo das Cinco Geiras, assim recebendo a graça do martírio que todos os dias pedia a Deus.

21.   Em Nam-Dinh, também no Tonquim, São João Luís Bonnard, presbítero da mesma Sociedade e mártir, que, condenado à morte por ter baptizado vinte e cinco crianças, foi decapitado e assim alcançou a coroa do martírio.

22.   Em Milão, na Itália, São Ricardo (Hermínio Filipe) Pampúri, que, depois de ter exercido generosamente a medicina na vida secular, ingressou na Ordem Hospitaleira de São João de Deus e, passados cerca de dois anos, adormeceu piedosamente no Senhor.

23*.   Em Vladimir, cidade da Rússia, o Beato Clemente Steptyckyj, presbítero e mártir, que foi prior do mosteiro estudita da cidade de Univ e, no tempo dum regime hostil a Deus, perseverando firme na fé, mereceu habitar nas moradas celestes.