Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-05-02

TERÇA-FEIRA da semana III

S. Atanásio, bispo e doutor da Igreja – MO
Branco – Ofício da memória.
Missa da memória, pf. pascal.

L 1 Act 7, 51 – 8, 1a; Sal 30 (31), 3cd-4. 6ab e 7b e 8a. 17 e 21ab
Ev Jo 6, 30-35

* Na Diocese do Porto – B. Mafalda, virgem – MF
* Na Prelatura da Santa Cruz e Opus Dei – Aniversário da Dedicação da igreja prelatícia – FESTA
* Na Diocese de Santiago (Cabo Verde) – I Vésp. de S. Tiago Menor.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Ap 19, 5; 12, 10
Louvai o Senhor, todos os seus servos, pequenos e grandes,
porque chegou a salvação e o poder e o reino de Cristo. Aleluia.


ORAÇÃO COLECTA
Deus de misericórdia, que abris as portas do vosso reino aos homens renascidos pela água e pelo Espírito Santo, aumentai em nós os dons da vossa graça, para que, purificados de toda a culpa, possamos alcançar a herança prometida. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Actos 7, 51 _ 8, 1a
«Senhor Jesus, recebe o meu espírito»

A morte de S. Estêvão é apresentada como a morte de Jesus. O Rei dos Mártires continuará, no Corpo místico da sua Igreja, o mistério da sua própria Paixão. E à imitação do Senhor na Cruz, a Igreja, a começar por Estêvão, vai-se entregando a Deus em gesto de confiança no Pai e em oração, feita de amor pelos homens, a começar pelos que a perseguem.

Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias, Estêvão disse ao povo, aos anciãos e aos escribas: «Homens de dura cerviz, incircuncisos de coração e de ouvidos, sempre resistis ao Espírito Santo. Como foram os vossos antepassados, assim sois vós também. A qual dos Profetas não perseguiram os vossos antepassados? Eles também mataram os que predisseram a vinda do Justo, do qual fostes agora traidores e assassinos, vós que recebestes a Lei pelo ministério dos Anjos e não a tendes cumprido». Ao ouvirem estas palavras, estremeciam de raiva em seu coração e rangiam os dentes contra Estêvão. Mas ele, cheio do Espírito Santo, de olhos fitos no Céu, viu a glória de Deus e Jesus de pé à sua direita e exclamou: «Vejo o Céu aberto e o Filho do homem de pé à direita de Deus». Então levantaram um grande clamor e taparam os ouvidos; depois atiraram-se todos contra ele, empurraram-no para fora da cidade e começaram a apedrejá-lo. As testemunhas colocaram os mantos aos pés de um jovem chamado Saulo. Enquanto o apedrejavam, Estêvão orava, dizendo: «Senhor Jesus, recebe o meu espírito». Depois ajoelhou-se e bradou com voz forte: «Senhor, não lhes atribuas este pecado». Dito isto, expirou. Saulo estava de acordo com a execução de Estêvão.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 30 (31), 3cd-4.6ab.7b.8a.17.21ab
(R. 6a)
Refrão: Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

Sede a rocha do meu refúgio
e a fortaleza da minha salvação;
porque Vós sois a minha força e o meu refúgio,
por amor do vosso nome, guiai-me e conduzi-me. Refrão
Em vossas mãos entrego o meu espírito,
Senhor, Deus fiel, salvai-me.
Em Vós, Senhor, ponho a minha confiança:
hei-de exultar e alegrar-me com a vossa misericórdia. Refrão

Fazei brilhar sobre mim a vossa face,
salvai-me pela vossa bondade.
Como é grande, Senhor, a vossa bondade,
que tendes reservada para os que Vos temem. Refrão


ALELUIA Jo 6, 35ab
Refrão: Aleluia Repete-se
Eu sou o pão da vida, diz o Senhor;
quem vem a Mim nunca mais terá fome. Refrão


EVANGELHO Jo 6, 30-35
«Não é Moisés, mas meu Pai, que vos dá o verdadeiro pão do Céu»

Jesus continua a afirmar-Se como o verdadeiro alimento da fé. Ele é “o Pão que veio do Céu”, “o Pão de Deus”. Aos israelitas no deserto, tinha-lhes sido dado o maná, vindo do céu. Mas, muito mais do que o maná, é este Pão que Deus nos enviou, o seu próprio Filho, para que acreditemos n’Ele e O recebamos pela fé. Assim vai sendo explicado, ao longo de toda a fala de Jesus neste capítulo 6 de S. João, o “sinal” da multiplicação dos pães. A ideia principal está no fim da leitura de hoje. S. João usa uma linguagem simbólica.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, disse a multidão a Jesus: «Que milagres fazes Tu, para que nós vejamos e acreditemos em Ti? Que obra realizas? No deserto os nossos pais comeram o maná, conforme está escrito: ‘Deu-lhes a comer um pão que veio do céu’». Jesus respondeu-lhes: «Em verdade, em verdade vos digo: Não foi Moisés que vos deu o pão que vem do Céu; meu Pai é que vos dá o verdadeiro pão que vem do Céu. O pão de Deus é o que desce do Céu para dar a vida ao mundo». Disseram-Lhe eles: «Senhor, dá-nos sempre desse pão». Jesus respondeu-lhes: «Eu sou o pão da vida: quem vem a Mim nunca mais terá fome, quem acredita em Mim nunca mais terá sede».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, os dons da vossa Igreja em festa: Vós que lhe destes tão grande alegria, fazei-a tomar parte na felicidade eterna. Por Nosso Senhor.

Prefácio pascal


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Rom 6, 8
Se morremos com Cristo, com Cristo viveremos. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Olhai com bondade, Senhor, para o vosso povo e fazei chegar à gloriosa ressurreição da carne aqueles que renovastes com os sacramentos de vida eterna. Por Nosso Senhor.

 

 

Santo

S. ATANÁSIO, bispo e doutor da Igreja

 

 

Martirológio

Memória de Santo Atanásio, bispo e doutor da Igreja, ilustríssimo pela santidade e doutrina, que, em Alexandria, no Egipto, defendeu valorosamente a verdadeira fé desde o tempo de Constantino até ao imperador Valente e, suportando muitas insídias dos arianos, foi várias vezes exilado. Regressado finalmente à Igreja que lhe tinha sido confiada, depois de ter combatido e sofrido muito com heróica paciência, no quadragésimo sexto ano do seu sacerdócio descansou na paz de Cristo.

 

2.   Em Atalia, na Panfília, hoje Antalya, na actual Turquia, os santos mártires Hespério e Zoé, esposos, e seus filhos Ciríaco e Teódulo, que, segundo a tradição, no tempo do imperador Adriano, estando ao serviço dum pagão, todos eles, por ordem do seu amo, foram flagelados e duramente torturados por causa da sua livre profissão de fé; finalmente, lançados num forno em chamas, entregaram as suas almas a Deus.

3.   Em Sevilha, na Hispânia Bética, São Félix, diácono e mártir.

4.   Comemoração dos santos mártires Vindemial, bispo de Gapsa, na Numídia, na actual Tunísia, e Longinos, bispo de Parmária, na Mauritânia, na actual Argélia, que, por se terem oposto aos arianos no Concílio de Cartago, foram decapitados por ordem de Hunerico, rei dos Vândalos.

5*.   Em Luxeuil, na Borgonha, na hodierna França, São Gualberto ou Valberto, abade.

6.   Em São Galo, na região dos Helvécios, hoje na Suíça, Santa Vilborada, virgem e mártir, que viveu recolhida numa pequena cela junto da igreja de São Magno, onde atendia ao povo, e, na incursão dos Húngaros, foi morta por causa da sua fé e voto religioso.

7*.   Em Linköping, na Suécia, o Beato Nicolau Hermansson, bispo, que, sendo severo para consigo, se dedicou totalmente à sua Igreja e aos pobres e acolheu com honras condignas as relíquias de Santa Brígida.

8.   Em Florença, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, Santo Antonino, bispo, que, depois de se aplicar à reforma da Ordem dos Pregadores, se consagrou com vigilante prudência ao trabalho pastoral, resplandecendo pela sua santidade, rigor e doutrina.

9*.   Em Clonmel, na Irlanda, o Beato Guilherme Tirry, presbítero da Ordem de Santo Agostinho e mártir sob o governo de Oliver Cromwel por perseverar fiel à Igreja Romana.

10.     Em Vinh Long, cidade da Cochinchina, no actual Vietnam, São José Nguyen Van Luu, mártir, que, sendo agricultor e catequista, se entregou espontaneamente em vez do presbítero Pedro Luu, procurado pelos soldados, e morreu no cárcere, no tempo do imperador Tu Duc.

11.   Em Aranjuez, cidade de Castela-a-Nova, região da Espanha, São José Maria Rúbio Peralta, presbítero da Companhia de Jesus, que foi eminentemente activo na audição dos penitentes, na direcção de exercícios espirituais e nas visitas aos pobres da região de Madrid.

12*.   No campo de concentração de Auschwitz, perto de Cracóvia, na Polónia, o Beato Boleslau Strzelecki, presbítero e mártir, que, durante a guerra, foi encarcerado por causa da fé e, vitimado pelas torturas, alcançou a coroa de glória.