Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-06-02

SEXTA-FEIRA da semana VII

S. Marcelino e S. Pedro, mártires – MF
Branco ou verm. – Ofício da féria ou da memória.
Missa da féria ou da memória, pf. pascal.

L 1 Act 25, 13b-21; Sal 102 (103), 1-2. 11-12. 19-20ab
Ev Jo 21, 15-19

* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – S. Félix de Nicosia, religioso – MO
* Na Congregação das Beneditinas da Rainha dos Apóstolos – I Vésp. de Nossa Senhora, Rainha dos Apóstolos.
* Nas Congregações e Institutos da Família Paulista – I Vésp. de Nossa Senhora, Rainha dos Apóstolos.

 

 

Santo

S. MARCELINO e S. PEDRO, mártires

 

 

Martirológio

Os santos mártires Marcelino, presbítero, e Pedro, exorcista, de quem o papa São Dâmaso conta que, durante a perseguição do imperador Diocleciano, condenados à morte e conduzidos ao lugar do suplício no meio da floresta, foram obrigados a cavar com as próprias mãos a sua sepultura, para que os corpos ficassem ocultos a toda a gente; mas uma piedosa mulher, chamada Lucina, inumou dignamente os seus santos corpos em Roma, junto à Via Labicana, no cemitério “ad Duas Lauros”.

 

2.   Em Lião, na Gália, actualmente na França, os santos mártires Potino, bispo, e Blandina, com quarenta e seis companheiros[1], cujos valorosos e repetidos combates, durante a perseguição do imperador Marco Aurélio, foram referidos na carta que a Igreja de Lião enviou à Igreja da Ásia e da Frígia. Entre eles, Potino, bispo nonagenário, expirou pouco tempo depois de ser encarcerado; dos outros cristãos condenados, uns morreram também no cárcere, outros foram reunidos no meio da arena para espectáculo de milhares de pessoas; os que tinham sido identificados como cidadãos romanos pereceram decapitados e os restantes expostos às feras. Finalmente, Blandina, suportando prolongados e cruéis tormentos, foi degolada, seguindo os passos daqueles a quem antes exortava a alcançar a palma do martírio.

 


[1]  São estes os seus nomes: Zacarias presbítero, Vécio Epagato, Macário, Asclibíades, Silvio, Primo, Úlpio, Vital, Comino, Outubro, Filomeno, Gémino, Júlia, Albina, Grata, Emília, Potâmia, Pompeia, Ródana, Bíblis, Quárcia, Materna, Hélpis; Santo, diácono; Maturo, neófito; Átalo, natural de Pérgamo; Alexandre, natural da Frígia; Pôntico, Isto, Aristeu, Cornélio, Zósimo, Tito, Júlio, Zótico, Apolónio, Geminiano, outra Júlia, Ausona, outra Emília, Jámnica, outra Pompeia, Dona, Justa, Trófima, Antónia.

 

3.   Em Fórmia, região da Itália, Santo Erasmo, bispo e mártir.

4.   Em Roma, junto de São Pedro, Santo Eugénio I, papa, que sucedeu a São Martinho, mártir.

5.   Junto ao Bósforo, na Propôntide, actualmente na Turquia, o passamento de São Nicéforo, bispo de Constantinopla, acérrimo defensor das tradições paternas, que se opôs tenazmente ao imperador iconoclasta Leão o Arménio, em favor do culto das imagens sagradas; expulso da sede episcopal, foi afastado por longo tempo para um mosteiro, de onde partiu serenamente ao encontro do Senhor.

6*.   Em Ácqui, no Piemonte, região da Itália, São Guido, bispo.

7.   Em Tráni, na Apúlia, também região da Itália, São Nicolau, peregrino, natural da Grécia, que percorria esta região levando na mão uma cruz e repetindo sem cessar: «Kyrie eléison».

8*.   Em Sandomierz, junto ao rio Vístula, na Polónia, os beatos mártires Sadoc, presbítero, e quarenta e oito companheiros, da Ordem dos Pregadores, que, segundo a tradição, foram mortos pelos Tártaros, enquanto cantavam a «Salve, Regina», saudando na sua hora da morte a Mãe da Vida.

9.   Em Au Thi, cidade do Tonquim, hoje no Vietnam, São Domingos Ninh, mártir, jovem agricultor, que, recusando pisar a cruz do Salvador, foi decapitado no tempo do imperador Tu Duc.