Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-07-27

QUINTA-FEIRA da semana XVI

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Ex 19, 1-2. 9-11. 16-20; Sal Dan 3, 52. 53-54. 55-56
Ev Mt 13, 10-17

* Na Diocese do Porto (Porto) – S. Pantaleão, mártir – MF
* Na Ordem Carmelita e na Ordem dos Carmelitas Descalços – B. Tito Brandsma, presbítero e mártir – MO e MF
* Na Ordem Franciscana (II Ordem) – B. Maria Madalena Martinengo, virgem, da II Ordem – MF
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. Maria Madalena Martinengo, virgem, da II Ordem – MF
* Na Instituição Teresiana – I Vésp. de S. Pedro Poveda Castroverde.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 53, 6.8
Deus vem em meu auxílio, o Senhor sustenta a minha vida.
De todo o coração Vos oferecerei sacrifícios,
cantando a glória do vosso nome.


ORAÇÃO COLECTA
Sede propício, Senhor, aos vossos servos
e multiplicai neles os dons da vossa graça,
para que, fervorosos na fé, esperança e caridade,
perseverem na fiel observância dos vossos mandamentos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Ex 19, 1-2.9-11.16-20
«O Senhor descerá sobre o monte Sinai, à vista de todo o povo»

Outro sinal da presença de Deus no meio do seu povo foi a revelação no monte Sinai: a nuvem, a tempestade, a aparição a Moisés e as palavras comunicadas ao povo por meio de Moisés, sinais precursores de uma realidade mais profunda, a aliança que Deus quer estabelecer com os homens em Jesus Cristo.

Leitura do Livro do Êxodo
Três meses depois de terem saído da terra do Egipto, os filhos de Israel chegaram ao deserto do Sinai. Partindo de Refidim, chegaram ao deserto do Sinai, onde acamparam, em frente do monte. O Senhor disse a Moisés: «Eu virei ter contigo numa espessa nuvem, para que o povo Me oiça falar contigo e acredite em ti para sempre». Depois Moisés comunicou ao Senhor o que o povo tinha dito. O Senhor disse ainda a Moisés: «Vai ter com o povo e faz que ele se purifique hoje e amanhã. Devem lavar as suas vestes e estar preparados para depois de amanhã, porque ao terceiro dia o Senhor descerá sobre o monte Sinai, à vista de todo o povo». Ao amanhecer do terceito dia, houve trovões e relâmpagos; uma espessa nuvem cobria o monte e ouviu-se um fortíssimo som de trombeta. No acampamento, todo o povo estremeceu. Moisés fez que o povo saísse do acampamento ao encontro de Deus e ficaram no sopé do monte. Toda o monte Sinai fumegava, porque o Senhor descera sobre ele no meio do fogo. O fumo subia como de uma fornalha e todo o monte tremia violentamente. O som da trombeta tornava-se cada vez mais forte: Moisés falava e Deus respondia com voz de trovão. O Senhor desceu sobre o cimo do monte Sinai e chamou Moisés ao cimo do monte.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Dan 3, 52.53-54.55-56 (R. 52b)
Refrão: Louvor e glória ao Senhor para sempre. Repete-se
Ou: Digno é o Senhor de louvor e de glória para sempre. Repete-se

Bendito sejais, Senhor, Deus dos nossos pais:
digno de louvor e de glória para sempre.
Bendito o vosso nome glorioso e santo:
digno de louvor e de glória para sempre. Refrão

Bendito sejais no templo santo da vossa glória:
digno de louvor e de glória para sempre.
Bendito sejais no trono da vossa realeza:
digno de louvor e de glória para sempre. Refrão

Bendito sejais, Vós que sondais os abismos
e estais sentado sobre os Querubins:
digno de louvor e de glória para sempre.
Bendito sejais no firmamento do céu:
digno de louvor e de glória para sempre. Refrão


ALELUIA cf. Mt 11, 25
Refrão: Aleluia Repete-se
Bendito sejais, ó Pai, Senhor do céu e da terra,
porque revelastes aos pequeninos os mistérios do reino. Refrão


EVANGELHO Mt 13, 10-17
«A vós é dado conhecer os mistérios do reino dos Céus,
mas a eles não»

Uma parábola é como uma paisagem ou uma história que pode ver-se só como paisagem ou escutar-se só como história, ou compreender-lhe o seu sentido profundo. Para a entender é necessário pedir ao Mestre a explicação, penetrar dentro do sentido profundo que ela pretende comunicar, porque ela é sempre uma revelação do mistério da salvação.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, os discípulos aproximaram-se de Jesus e disseram-Lhe: «Porque lhes falas em parábolas?». Jesus respondeu: «Porque a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos Céus, mas a eles não. Pois àquele que tem dar-se-á e terá em abundância; mas àquele que não tem, até o pouco que tem lhe será tirado. É por isso que lhes falo em parábolas, porque vêem sem ver e ouvem sem ouvir nem entender. Neles se cumpre a profecia de Isaías que diz: ‘Ouvindo ouvireis, mas sem compreender; olhando olhareis, mas sem ver. Porque o coração deste povo tornou-se duro: endureceram os seus ouvidos e fecharam os seus olhos, para não acontecer que, vendo com os olhos e ouvindo com os ouvidos e compreendendo com o coração, se convertam e Eu os cure’. Quanto a vós, felizes os vossos olhos porque vêem e os vossos ouvidos porque ouvem! Em verdade vos digo: muitos profetas e justos desejaram ver o que vós vedes e não viram e ouvir o que vós ouvis e não ouviram».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Senhor, que levastes à plenitude os sacrifícios da Antiga Lei
no único sacrifício de Cristo,
aceitai e santificai esta oblação dos vossos fiéis,
como outrora abençoastes a oblação de Abel;
e fazei que os dons oferecidos em vossa honra por cada um de nós
sirvam para a salvação de todos.
Por Nosso Senhor.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO cf. Salmo 110, 4-5
O Senhor misericordioso e compassivo
instituiu o memorial das suas maravilhas,
deu sustento àqueles que O temem.
Ou Ap 3, 20
Eu estou à porta e chamo, diz o Senhor.
Se alguém ouvir a minha voz e Me abrir a porta,
entrarei em sua casa, cearei com ele e ele comigo.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Protegei, Senhor, o vosso povo
que saciastes nestes divinos mistérios
e fazei-nos passar da antiga condição do pecado
à vida nova da graça.
Por Nosso Senhor.

 

Martirológio

1.   Comemoração dos santos Sete Dormentes de Éfeso, que, segundo a tradição, consumado o martírio, descansam em paz, esperando o dia da ressurreição.

2.   Em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia, São Pantaleão ou Pantalaimão, mártir, venerado no Oriente por ter exercitado a profissão de medicina sem receber recompensa alguma pelo seu trabalho.

3.   Em Lons-le-Saulnier, nos montes do Jura, na Gália, actualmente na França, São Desiderato, que é considerado como bispo de Besançon.

4.   Em Roma, no cemitério de Priscila, junto à Via Salária, São Celestino I, papa, que, para defender a fé da Igreja e expandir as suas fronteiras, constituiu o episcopado na Inglaterra e na Irlanda e apoiou o Concílio de Éfeso, no qual, em oposição a Nestório, foi saudada a Bem-aventurada Virgem Maria como Mãe de Deus.

5.   Próximo de Antioquia, na Síria, hoje na Turquia, São Simeão, monge, que viveu muitos anos sobre uma coluna, pelo qual foi denominado o Estilita, homem admirável pela sua vida e pela sua palavra.

6*.   Em Loches, junto ao rio Indre, no território de Tours, na Gália, actualmente na França, Santo Urso, abade, pai de muitos cenóbios, célebre pela sua abstinência e outras virtudes.

7*.   Em Ravena, na Flamínia, hoje na Emília-Romanha, região da Itália, Santo Eclésio, bispo, que foi companheiro do papa São João I na oposição às atrocidades do rei Teodorico e, depois de as superar sozinho, deu à sua Igreja novo esplendor.

8*.   Na região de Béarn, situada nos Pireneus, na Gasconha da Gália, hoje na França, São Galactório, que é venerado como bispo de Lescar e mártir.

9.   Em Mantineia, próximo de Eskihisar, em Honoríades, território da Anatólia, hoje na Turquia, Santa Antusa, virgem, que, sendo monja, sofreu a flagelação e o exílio no tempo do imperador Constantino Coprónimo por causa do culto das sagradas imagens e, finalmente, pôde regressar à sua pátria, onde morreu em paz.

10.     Em Córdova, na Andaluzia, região da Espanha, os santos mártires Jorge, diácono e monge sírio, Aurélio e Sabigoto, esposos, Félix e Liliosa, também esposos, que, durante a perseguição dos Mouros, animados pelo desejo de dar testemunho da fé em Cristo, não cessaram de louvar Jesus Cristo até ao momento de serem decapitados.

11*.   Em Ocrida, no Ilírico, na actual Macedónia, São Clemente, bispo de Velica, ilustre pela sua cultura e conhecimento das ciências sagradas, que levou a luz da fé ao povo búlgaro. Com ele se comemoram os santos bispos Gorazdo, Nahum, Sabas e Angelário, que continuaram na Bulgária a obra dos santos Cirilo e Metódio.

12*.   No cenóbio de Garsten, na Estíria, na hodierna Áustria, o Beato Bertoldo, abade, ao qual tinham fácil acesso os penitentes em busca de conselho e todos os que procuravam auxílio.

13*.   Em Piacenza, na Emília-Romanha, região da Itália, o Beato Raimundo Palmério, pai de família, que, depois de morrerem a esposa e os filhos, fundou um hospício para acolher os pobres.

14*.   Em Faenza, também na Emília-Romanha, o Beato Nevolone, célebre pelas suas peregrinações religiosas, austeridade de vida e observância eremítica.

15*.   Em Amélia, na Úmbria, também região da Itália, a Beata Lúcia Bufalári, virgem, irmã de São João de Riéti, das Oblatas da Ordem de Santo Agostinho, ilustre pela sua penitência e zelo das almas.

16*.   Em Stafford, na Inglaterra, o Beato Roberto Sutton, presbítero e mártir, que, no reinado de Isabel I, foi enforcado por causa do sacerdócio.

17*.   Em Beaumaris, no País de Gales, o Beato Guilherme Davies, presbítero e mártir, que, na mesma perseguição, por causa do sacerdócio, depois de orar pelos presentes, sofreu o mesmo suplício.

18*.   Em Bréscia, na Lombardia, região da Itália, a Beata Maria Madalena Martinengo, abadessa da Ordem das Clarissas Capuchinhas, insigne pela sua abstinência.

19♦.   Em San Giórgio a Cremano, cidade da província de Nápoles, na Itália, a Beata Maria da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo (Maria da Graça Tarallo), religiosa da Congregação das Religiosas Crucificadas Adoradoras da Eucaristia.

20*.   Em Olleria, povoação da província de Valência, na Espanha, o Beato Joaquim Vilanova Camallonga, presbítero e mártir, que, em tempo de perseguição contra a fé, alcançou a glória celeste.

21*.   Em Llisà, localidade próxima de Barcelona, também na Espanha, o Beato Modesto Vegas Vegas, presbítero da Ordem dos Frades Menores Conventuais e mártir, que, durante a mesma perseguição contra a fé, derramou o seu sangue por Cristo.

22*.   Em Barcelona, também na Espanha, os beatos Filipe Hernández Martínez, Zacarias Abadia Buesa e Jaime Ortiz Alzueta, religiosos da Sociedade Salesiana e mártires, que na mesma perseguição sofreram o martírio.

23♦.   Em Guadalajara, também na Espanha, o Beato André Jiménez Galera, presbítero da Sociedade Salesiana e mártir, que consumou gloriosamente o combate da fé durante a mesma perseguição religiosa.

24♦.   Em Las “emes” de Belinchón, perto de Cuenca, também na Espanha, os beatos mártires Antolin Astorga Díaz, Henrique Bernardino Francisco Serra Chorro, José Aurélio Calleja del Hierro e José Gutiérrez Arranz, presbíteros da Ordem de Santo Agostinho; e Vicente Toledano Valenciano, presbítero da diocese de Cuenca, que passaram à glória celeste depois de terem dado um inquebrantável testemunho de fé em Cristo.

25♦.   Em Munera, na província de Albacete, também na Espanha, o Beato Bartolomeu Rodríguez Sória, presbítero da diocese de Albacete e mártir, que na mesma perseguição religiosa terminou vitoriosamente o combate da fé.

26♦.   Em Toledo, também na Espanha, o Beato Joaquim de la Madrid Arespacochaga, presbítero da diocese de Toledo e mártir, que deu o supremo testemunho de Cristo durante a mesma perseguição contra a fé cristã.

27♦.   Em Balsareñy, cidade da Catalunha, também na Espanha, os beatos Francisco Magino (António Tost Llaveria) e Raimundo Elói (Narciso Serra Rovina), religiosos da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártires, que, pelo combate do martírio, alcançaram a imperecível coroa de glória.

28♦.   Em San Frutuoso de Bages, localidade da Catalunha, também na Espanha, o Beato Honesto Maria (Francisco Pujol Espinalt), religioso da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártir, que, na mesma perseguição, foi assassinado por causa da sua fé.

29♦.   Em Vallvidrera, na Catalunha, também na Espanha, as beatas Raimunda Fossas Romans, Adelfa Soro Bó, Teresa Prats Marti, Otília Alonso González e Raimunda Perramón Vila, virgens da Congregação das Irmãs Dominicanas da Anunciata e mártires, que, de lâmpadas acesas, foram dignas de entrar na ceia eterna de Cristo Esposo.

30*.   Em Auschwitz, próximo de Cracóvia, na Polónia, a Beata Maria Clemente de Jesus Crucificado (Helena Staszewska), virgem da Ordem de Santa Úrsula e mártir, que, durante o furor da guerra, foi encarcerada no desumano campo de extermínio, onde morreu vítima dos tormentos suportados pela fé cristã.