Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-07-29

SÁBADO da semana XVI

S. Marta – MO
Branco – Ofício da memória.
Missa da memória.

L 1 Ex 24, 3-8; Sal 49 (50), 1-2. 5-6. 14-15
ou 1 Jo 4, 7-16 (apropriada)
Ev Jo 11, 19-27 (própria)

* Na Ordem Beneditina – SS. Marta e Maria e S. Lázaro, hospedeiros do Senhor – MO
* Na Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus – SS. Marta e Maria e S. Lázaro, hospedeiros do Senhor – FESTA
* Nas Irmãzinhas dos Anciãos Desamparados – S. Marta, Padroeira – SOLENIDADE
* I Vésp. do domingo – Compl. dep. I Vésp. dom.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 53, 6.8
Deus vem em meu auxílio, o Senhor sustenta a minha vida.
De todo o coração Vos oferecerei sacrifícios,
cantando a glória do vosso nome.


ORAÇÃO COLECTA
Sede propício, Senhor, aos vossos servos
e multiplicai neles os dons da vossa graça,
para que, fervorosos na fé, esperança e caridade,
perseverem na fiel observância dos vossos mandamentos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Ex 24, 3-8
«Este é o sangue da aliança que Deus firmou convosco»

A primeira aliança foi selada junto do Monte Sinai com o sangue das vítimas oferecidas em sacrifício, depois de o povo se ter comprometido a observar a lei. Mas Jesus dar-nos-á o seu Sangue como “Sangue da Nova Aliança”. O sinal é, sem dúvida, muito diferente, mas a realidade por ele significada é a mesma: a aliança que Deus faz com os homens.

Leitura do Livro do Êxodo
Naqueles dias, Moisés veio comunicar ao povo todas as palavras do Senhor e todas as suas leis. O povo inteiro respondeu numa só voz: «Faremos tudo o que o Senhor ordenou». Moisés escreveu todas as palavras do Senhor. No dia seguinte, levantou-se muito cedo, construiu um altar no sopé do monte e ergueu doze pedras pelas doze tribos de Israel. Depois mandou que alguns jovens israelitas oferecessem holocaustos e imolassem novilhos, como sacrifícios pacíficos ao Senhor. Moisés recolheu metade do sangue, deitou-o em vasilhas e derramou a outra metade sobre o altar. Depois, tomou o Livro da Aliança e leu-o em voz alta ao povo, que respondeu: «Faremos quanto o Senhor disse e em tudo obedeceremos». Então, Moisés tomou o sangue e aspergiu com ele o povo, dizendo: «Este é o sangue da aliança que o Senhor firmou convosco, mediante todas estas palavras».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 49 (50), 1-2.5-6.14-15 (R. 14a)
Refrão: Oferece a Deus sacrifícios de louvor. Repete-se

Falou o Senhor, Deus soberano,
e convocou a terra, do Oriente ao Ocidente.
De Sião, cheia de beleza, Deus refulgiu,
o nosso Deus vem e não Se calará. Refrão

«Reuni os meus fiéis,
que selaram a minha aliança com um sacrifício.
– Os céus proclamam a sua justiça,
o próprio Deus vem julgar. – Refrão

Oferece a Deus sacrifícios de louvor
e cumpre os votos feitos ao Altíssimo.
Invoca-Me no dia da tribulação:
Eu te livrarei e tu Me darás glória. Refrão


ALELUIA Tg 1, 21bc
Refrão: Aleluia Repete-se

Acolhei docilmente a palavra em vós plantada,
que pode salvar as vossas almas. Refrão


EVANGELHO Mt 13, 24-30
«Deixai-os crescer ambos até à ceifa»

A parábola do trigo e do joio vem mostrar-nos que o bem e o mal andarão sempre de mistura, durante os dias desta vida; mas também que Deus nunca abandona este mundo, antes o tem em suas mãos, e, por fim, Ele próprio saberá salvar o bem do meio de todo o mal que, porventura, o envolva. Este julgamento começa agora já, na medida em que a palavra de Deus vai apontando a cada um o caminho da salvação e afastando-o do caminho da perdição.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, Jesus disse às multidões mais esta parábola: «O reino dos Céus pode comparar-se a um homem que semeou boa semente no seu campo. Enquanto todos dormiam, veio o inimigo, semeou joio no meio do trigo e foi-se embora. Quando o trigo cresceu e começou a espigar, apareceu também o joio. Os servos do dono da casa foram dizer-lhe: ‘Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde vem então o joio?’. Ele respondeu-lhes: ‘Foi um inimigo que fez isso’. Disseram-lhe os servos: ‘Queres que vamos arrancar o joio?’. ‘Não! ¬¬– disse ele ¬¬– não suceda que, ao arrancardes o joio, arranqueis também o trigo. Deixai-os crescer ambos até à ceifa e, na altura da ceifa, direi aos ceifeiros: Apanhai primeiro o joio e atai-o em molhos para queimar; e ao trigo, recolhei-o no meu celeiro’».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Senhor, que levastes à plenitude os sacrifícios da Antiga Lei
no único sacrifício de Cristo,
aceitai e santificai esta oblação dos vossos fiéis,
como outrora abençoastes a oblação de Abel;
e fazei que os dons oferecidos em vossa honra por cada um de nós
sirvam para a salvação de todos.
Por Nosso Senhor.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO cf. Salmo 110, 4-5
O Senhor misericordioso e compassivo
instituiu o memorial das suas maravilhas,
deu sustento àqueles que O temem.
Ou Ap 3, 20
Eu estou à porta e chamo, diz o Senhor.
Se alguém ouvir a minha voz e Me abrir a porta,
entrarei em sua casa, cearei com ele e ele comigo.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Protegei, Senhor, o vosso povo
que saciastes nestes divinos mistérios
e fazei-nos passar da antiga condição do pecado
à vida nova da graça.
Por Nosso Senhor.

 

Santo

S. Marta

 

 

Martirológio

Memória de Santa Marta, que em Betânia, próximo de Jerusalém, recebeu na sua casa o Senhor Jesus e, quando morreu o seu irmão, confessou: “Tu és Cristo, o Filho de Deus, que veio ao mundo”.

 

2.   Comemoração de São Lázaro, irmão de Santa Marta, por quem o Senhor chorou ao saber que estava morto e a quem ressuscitou, e de Santa Maria, sua irmã, que, enquanto Marta se atarefava no serviço de hospedagem, ela estava sentada aos pés do Senhor e escutava a sua palavra.

3.   Em Gangra, na Paflagónia, hoje Çankiri, na Turquia, São Calínico, mártir.

4.   Na Via Portuense, a três milhas de Roma, no cemitério dedicado ao seu nome, São Félix, mártir.

5.   Também em Roma, no cemitério de Generosa, os santos Simplício, Faustino, Viadora e Rufo, mártires.

6.   Em Troyes, na Gália Lionense, na hodierna França, São Lopo, bispo, que foi para a Bretanha juntamente com São Germano de Auxerre para combater a heresia pelagiana, defendeu com a oração a sua cidade do furor de Átila e, depois de exercer de modo admirável o sacerdócio durante cinquenta e dois anos, descansou em paz.

7.   Em Orleães, também na Gália Lionense, São Próspero, bispo.

8.   Em Tromdheim, na Noruega, Santo Olavo, mártir, que, sendo rei deste povo, difundiu no seu reino a fé cristã que conhecera na Inglaterra, debelando com ardor a idolatria, e finalmente morreu apunhalado pelos inimigos.

9*.   Em Roma, o Beato Urbano II, papa, que defendeu a liberdade da Igreja contra as ingerências dos poderes seculares, combateu a simonia e a corrupção do clero e, no Concílio de Clermont, exortou os soldados cristãos a libertar, com o sinal da cruz, os irmãos oprimidos pelos infiéis e o sepulcro do Senhor.

10.   Em Saint-Brieuc, cidade da Bretanha Menor, região da actual França, São Guilherme Pinchon, bispo, que se dedicou à construção da igreja catedral, resplandeceu pela sua bondade e simplicidade e, por defender intrepidamente o seu rebanho e os direitos da Igreja, suportou duros vexames e o exílio.

11*.   Em Omura, no Japão, os beatos mártires Luís Bertran, presbítero da Ordem dos Pregadores, Mâncio da Santa Cruz e Pedro de Santa Maria, religiosos da mesma Ordem, que foram queimados vivos por Cristo.

12*.   Num barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato Carlos Nicolau António Ancel, presbítero da Congregação de Jesus e Maria e mártir, que, durante a Revolução Francesa, encerrado na sórdida galera em ódio ao sacerdócio, consumou o martírio, morrendo contagiado por uma grave enfermidade.

13.   Em Qingyan, cidade do Guizhou, província da China, os santos mártires José Zhang Wenlan, Paulo Chen Changpin, alunos do seminário, João Baptista Lou Tingyin, administrador do seminário, e Marta Wang Louzhi, viúva, que, pela sua fé em Cristo, foram encerrados numa cavidade quente e húmida, sofreram atrozes tormentos e finalmente morreram decapitados.

14♦.   Em La Musse, na Bretanha, região da França, São Luís Martin, pai de Santa Teresa do Menino Jesus.

15*.   Em Esplugues, cidade próxima de Barcelona, na Espanha, o Beato João Baptista Egozcuezábal Aldaz, da Ordem de São João de Deus e mártir, que, durante a perseguição contra a fé, foi morto em ódio à Igreja.

16*.   Em Calanda, próximo de Teruel, também na Espanha, os beatos Lúcio Martínez Mancebo, presbítero da Ordem dos Pregadores, e companheiros[1], mártires, que, animados pela fortaleza de Cristo, deram a vida na mesma perseguição.

 


[1]  São estes os seus nomes: António López Couceiro, Felicíssimo Díez González, Satúrio Rey Robles, Tirso Manrique Melero, presbíteros; Gumersindo Soto Barros e Lamberto de Navacués y de Juan, religiosos, da Ordem dos Pregadores; e Manuel Albert Ginés, presbítero.

 

17*.   Em Valência, também na Espanha, o Beato José de Calasanz Marqués, presbítero da Sociedade Salesiana e mártir, que na mesma perseguição derramou o sangue por Cristo.

18♦.   Em Clot dels Aubins, perto de Lérida, também na Espanha, os beatos Ângelo Maria Prat Hostench, presbítero da Ordem dos Carmelitas Descalços e companheiros,[2] mártires, que, durante a mesma perseguição, confirmaram com o seu sangue a plena fidelidade a Cristo.

 


[2]  São estes os seus nomes. Eliseu Maria (Eliseu Maneus Besalduch), Anastásio Maria (Pedro Dorca Coromina), Eduardo Maria (Manuel Serrano Buj), presbíteros; André Corsino Maria (José Solé Rovira), Eliseu Maria (Luís Fontdecava Quiroga), João Maria (João Maria Puigmitjá Rubió), José Maria (Gabriel Escoto Ruiz), Miguel Maria (Miguel Soler Sala), Pedro Maria (Pedro Ferrer Marin), Pedro Tomás Maria (João Prat Colldecarrera), Elias Maria (Genésio Garre Egea), religiosos, todos da Ordem dos Carmelitas Descalços.