Liturgia diária

Agenda litúrgica

2017-07-31

SEGUNDA-FEIRA da semana XVII

S. Inácio de Loiola, presbítero – MO
Branco – Ofício da memória.
Missa da memória.

L 1 Ex 32, 15-24. 30-34; Sal 105 (106), 19-20. 21-22. 23
Ev Mt 13, 31-35

* Aniversário da Ordenação episcopal de D. João Miranda Teixeira, Bispo Emérito de Castello Jabar (1983).
* Na Companhia de Jesus – S. Inácio de Loiola, presbítero, Fundador da Companhia de Jesus – SOLENIDADE
* Na Congregação do Santíssimo Redentor – I Vésp. de S. Afonso Maria de Ligório.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 67, 6-7.36
Deus vive na sua morada santa,
Ele prepara uma casa para o pobre.
É a força e o vigor do seu povo.


ORAÇÃO COLECTA
Deus, protector dos que em Vós esperam:
sem Vós nada tem valor, nada é santo.
Multiplicai sobre nós a vossa misericórdia,
para que, conduzidos por Vós,
usemos de tal modo os bens temporais
que possamos aderir desde já aos bens eternos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Ex 32, 15-24.30-34
«Este povo cometeu um grande pecado, fabricando um deus de ouro»

O povo, que o Senhor tinha tirado do Egipto, a terra onde vivera como escravo, substitui-O ele, em momento de insensatez, por um ídolo, um bezerro de oiro, certamente uma imitação daquele que os egípcios adoravam. Assim mostram que, para eles, Deus não era ‘Aquele que é’, como Deus Se tinha manifestado a Moisés, mas um ‘deus’ que apenas encarnava os caprichos deles. Mas Deus não Se inventa; Ele é que nos criou a nós, e só Ele é o nosso Deus, ‘Aquele que é’.

Leitura do Livro do Êxodo
Naqueles dias, Moisés desceu do monte Sinai, trazendo na mão as duas tábuas da Lei, escritas de ambos os lados, em uma e outra face. As tábuas eram obra de Deus; a escritura era letra de Deus gravada nas tábuas. Josué ouviu a vozearia do povo e disse a Moisés: «Há gritos de guerra no acampamento». Moisés respondeu-lhe: «Não são gritos de vitória, nem lamentos de derrota; o que eu oiço são vozes de gente a cantar». Ao aproximar-se do acampamento, viu o bezerro e as danças. Então Moisés, inflamado em cólera, arremessou as tábuas e fê-las em pedaços no sopé do monte. Pegou no bezerro que eles tinham fabricado, queimou-o e triturou-o até o reduzir a pó; espalhou-o na água e deu-a a beber aos filhos de Israel. Moisés perguntou a Aarão: «Que te fez este povo, para o induzires a pecado tão grave?». Aarão respondeu-lhe: «Não se acenda a cólera do meu senhor. Bem sabes como este povo é inclinado para o mal. Foram eles que me disseram: ‘Faz-nos um deus que vá à nossa frente, porque a esse Moisés, o homem que nos fez sair da terra do Egipto, não sabemos o que lhe aconteceu’. Então eu disse-lhes: ‘Quem tem ouro?’ Eles desfizeram-se do ouro que tinham e deram-mo. Depois eu lancei-o ao fogo e saiu este bezerro». No dia seguinte, Moisés disse ao povo: «Vós cometestes um grande pecado. Mas agora vou subir à presença do Senhor, para ver se posso obter o perdão do vosso pecado». Moisés voltou à presença do Senhor e disse-Lhe: «Este povo cometeu um grande pecado, fabricando um deus de ouro. Se quisésseis ainda perdoar-lhe este pecado... Se não, peço que me risqueis do livro que escrevestes». O Senhor respondeu a Moisés: «Riscarei do meu livro aquele que pecou contra Mim. Agora vai e conduz o povo para onde Eu te disse, que o meu Anjo irá à tua frente. Mas no dia em que Eu tiver de intervir, castigarei o seu pecado».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 105 (106), 19-20.21-22.23 (R. 1a)
Refrão: Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

Fizeram um bezerro no Horeb
e adoraram um ídolo de metal fundido.
Trocaram a sua glória
pela figura de um boi que come feno. Refrão

Esqueceram a Deus que os salvara,
que realizara prodígios no Egipto,
maravilhas na terra de Cam,
feitos gloriosos no Mar Vermelho. Refrão

E pensava já em exterminá-los,
se Moisés, o seu eleito,
não intercedesse junto d’Ele
e aplacasse a sua ira para os não destruir. Refrão


ALELUIA Tg 1, 18
Refrão: Aleluia Repete-se
Deus Pai nos gerou pela palavra da verdade,
para sermos as primícias das suas criaturas. Refrão


EVANGELHO Mt 13, 31-35
«O grão de mostarda torna-se árvore,
de modo que as aves do céu vêm abrigar-se nos seus ramos»

Duas breves parábolas sobre o reino de Deus que se completam uma à outra: a do grão de mostarda põe em relevo o contraste entre a pequenez dos começos desse reino e o esplendor do fim que ele há-de atingir; a do fermento, que leveda toda a massa, sublinha a força e energia do fermento e ainda o contraste entre a pequena quantidade do mesmo e a grande quantidade de massa, que ele é capaz de levedar. Assim é o reino de Deus no meio deste mundo.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, Jesus disse ainda à multidão a seguinte parábola: «O reino dos Céus pode comparar-se ao grão de mostarda que um homem tomou e semeou no seu campo. Sendo a menor de todas as sementes, depois de crescer, é a maior de todas as hortaliças e torna-se árvore, de modo que as aves do céu vêm abrigar-se nos seus ramos». Disse-lhes outra parábola: «O reino dos Céus pode comparar-se ao fermento que uma mulher toma e mistura em três medidas de farinha, até ficar tudo levedado». Tudo isto disse Jesus em parábolas, e sem parábolas nada lhes dizia, a fim de se cumprir o que fora anunciado pelo profeta, que disse: «Abrirei a minha boca em parábolas, proclamarei verdades ocultas desde a criação do mundo».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor,
os dons que recebemos da vossa generosidade
e trazemos ao vosso altar,
e fazei que estes sagrados mistérios, por obra da vossa graça,
nos santifiquem na vida presente
e nos conduzam às alegrias eternas.
Por Nosso Senhor.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 102, 2
Bendiz, ó minha alma, o Senhor
e não esqueças os seus benefícios.

Ou Mt 5, 7-8
Bem-aventurados os misericordiosos,
porque alcançarão misericórdia.
Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que nos destes a graça de participar neste divino sacramento, memorial perene da paixão do vosso Filho,
fazei que este dom do seu amor infinito
sirva para a nossa salvação.
Por Nosso Senhor.

 

Santo

S. INÁCIO DE LOIOLA, presbítero

 

 

Martirológio

Memória de Santo Inácio de Loiola, presbítero, que, natural do País Basco, na Espanha, viveu na corte e no exército, até que, gravemente ferido, se converteu a Deus; fez os seus estudos teológicos em Paris e associou a si os primeiros companheiros, com os quais mais tarde constituiu a Companhia de Jesus em Roma, onde exerceu um frutuoso ministério, quer pelas obras que escreveu quer na formação dos discípulos, para maior glória de Deus.

 

2.   Em Milão, na Transpadânia, hoje na Lombardia, região da Itália, São Calímero, bispo.

3.   Em Sínada, na Frígia, hoje Çifitkasaba, na Turquia, os santos Demócrito, Segundo e Dionísio, mártires.

4.   Em Cesareia, na Mauritânia, hoje Cherchell, na Argélia, São Fábio, mártir, que foi encarcerado por ter recusado levar a insígnia do governador numa assembleia geral da província e, como perseverava na confissão da fé em Cristo, foi condenado à morte pelo juiz.

5.   Em Roma, junto à Via Latina, São Tertuliano, mártir.

6.   Em Ravena, na Flamínia, na hodierna Emília-Romanha, região da Itália, o passamento de São Germano, bispo de Auxerre, que libertou por duas vezes a Bretanha da heresia pelagiana e, tendo-se dirigido a Ravena para promover a paz na região da Armórica, foi recebido com honras solenes pelos imperadores Valeriano e Gala Placídia, subindo dali ao reino celeste.

7.   Em Ímola, também na Flamínia, o passamento de São Pedro Crisólogo, bispo de Ravena, cuja memória é celebrada na véspera deste dia.

8.   Em Skövde, na Suécia, Santa Helena, viúva, que, injustamente assassinada, é considerada mártir.

9*.   Em Acquapendente, na Toscana, hoje no Lácio, região da Itália, o passamento do Beato João Colombíni, rico comerciante de vestuário que se converteu à pobreza e reuniu os seus discípulos na Ordem dos Jesuatos, cujos membros quis transformar em pobres de Cristo e esposos da senhora Pobreza.

10*.   Em Londres, na Inglaterra, o Beato Everardo Hanse, presbítero e mártir, que, desde o dia em que professou a fé católica, a guardou sempre fielmente, a difundiu entre os seus concidadãos e, no reinado de Isabel I, a confirmou com o glorioso martírio em Tyburn.

11♦.   Em Nishizaka, no Japão, o Beato Nicolau Fukunaga Keian, religioso da Companhia de Jesus e mártir.

12*.   Num barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato João Francisco Jarrige de la Morelie du Breuil, presbítero e mártir, que, durante a perseguição contra a Igreja desencadeada na Revolução Francesa, encerrado na sórdida galera morreu de tuberculose.

13.   Em Cay Met, localidade próxima de Saigão, na Cochinchina, hoje no Vietnam, os santos Pedro Doan Cong Quy, presbítero, e Manuel Phung, mártires, que, depois de cerca de sete meses de cárcere, foram decapitados no tempo do imperador Tu Duc por serem cristãos.

14.   No vale de Alighede, na Etiópia, São Justino De Jacobis, bispo, da Congregação da Missão, que, com admirável mansidão e caridade, se dedicou ao ministério apostólico e à formação do clero indígena, sofrendo por isso a fome, a sede, as tribulações e o cárcere.

15*.   Em Granollers, cidade próxima de Barcelona, na Espanha, os beatos mártires Dionísio Vicente Ramos, presbítero, e Francisco Remon Játiva, religioso da Ordem dos Frades Menores Conventuais, que, durante a perseguição contra a fé, com o seu martírio seguiram os passos de Cristo.

16*.   Em Valência, também na Espanha, o Beato Jaime Buch Canals, religioso da Sociedade Salesiana, que na mesma perseguição morreu professando a sua fé em Cristo.

17♦.   Em La Arrabassada, perto de Barcelona, também na Espanha, as beatas Esperança da Cruz (Teresa Subirá Sanjaume) e Companheiras[1], virgens da Congregação das Irmãs Carmelitas Missionárias e mártires, que, durante a perseguição religiosa, foram assassinadas por causa da sua fidelidade a Cristo Esposo.

 


[1]  São estes os seus nomes: Daniela de São Barnabé (Vicenta Achurra Gogenola), Gabriela de São João da Cruz (Francisca Pons Sardá) e Maria do Refúgio de Santo Ângelo (Maria Roqueta Serra), virgens da Congregação das Irmãs Carmelitas Missionárias

 

18♦.   Em Toledo, também na Espanha, os beatos Nazário do Sagrado Coração (Nazário del Valle González), presbítero da Ordem dos Carmelitas Descalços e companheiros[2] mártires, que, na mesma perseguição, mereceram receber a sublime palma do martírio.

 


[2]  São estes os seus nomes: Pedro José dos Sagrados Corações (Pedro José Jiménez Vallejo), e Raimundo de Nossa Senhora do Carmo (José Grijaldo Medel), presbíteros; Melchior do Menino Jesus (Melchior Martin Monge), Félix de Nossa Senhora do Carmo (Luís Gómez de Pablo), Plácido do Menino Jesus (José Luís Collado Oliver), Daniel da Sagrada Paixão (Daniel Mora Nine), religiosos todos da Ordem dos Carmelitas Descalços.

 

19♦.   Em Andújar, localidade da província de Jaen, também na Espanha, os beatos Prudêncio da Cruz (Prudêncio Gueréquiz Guezuraga) e Segundo de Santa Teresa (Segundo Garcia Cabezas), presbíteros da Ordem da Santíssima Trindade e mártires, que, oprimido pela violência dos inimigos da Igreja, foi ao encontro do Senhor.

20♦.   Em Paracuellos del Jarama, localidade próxima de Madrid, também na Espanha, o Beato Vítório (Martinho Anglés Oliveras), religioso da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártir, que pelo martírio se tornou participante na vitória de Cristo.

21*.   Em Dachau, próximo de Munique, cidade da Baviera, na Alemanha, o Beato Miguel Ozieblowski, presbítero e mártir, que, deportado da Polónia, sua pátria, dominada por um regime hostil à religião, por causa da fé foi encarcerado num campo de concentração e, duramente torturado, consumou o seu martírio.

22*.   Em Kalisz, na Polónia, o Beato Francisco Stryjas, mártir, que, na mesma perseguição, esvaído por muitos suplícios, foi gloriosamente ao encontro do Senhor.

23*.   Em Trnava, na Eslováquia, a Beata Sidónia (Cecília Schelingova), virgem da Congregação das Irmãs da Caridade da Santa Cruz e mártir, que, em tempo de extrema hostilidade contra a Igreja na sua nação, por ter protegido um sacerdote sofreu muitas tribulações no corpo e no espírito e, finalmente consumida pela enfermidade, resplandeceu como inquebrantável e alegre testemunha de Cristo.