Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-10-23

TERÇA-FEIRA da semana XXIX

S. João de Capistrano, presbítero – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Ef 2, 12-22; Sal 84 (85), 9ab-10. 11-12. 13-14
Ev Lc 12, 35-38
* Dia do Ordinariado Castrense.
* Na Ordem Agostiniana – S. Guilherme, eremita e B. João Bom, religioso – MF
* Na Ordem Franciscana e na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – S. João de Capistrano, presbítero, da I Ordem – MO
* Na Diocese de Beja (Beja) – I Vésp. de S. Sisenando.
* Na Congregação dos Missionários do Coração de Maria – I Vésp. de S. António Maria Claret.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 16, 6.8.9
Respondei-me, Senhor, quando Vos invoco,
ouvi a minha voz, escutai as minhas palavras.
Guardai-me dos meus inimigos, Senhor.
Protegei-me à sombra das vossas asas.


ORAÇÃO COLECTA
Deus eterno e omnipotente,
dai-nos a graça de consagrarmos sempre ao vosso serviço
a dedicação da nossa vontade
e a sinceridade do nosso coração.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Ef 2, 12-22
«Ele é a nossa paz, que fez de uns e outros um só povo»

Os gentios ou pagãos (às vezes, também se lhes chama «as nações»), são, na Bíblia, os que ainda não pertencem ao povo de Deus, os que não conhecem a sua Palavra ou vivem sem a fé e a esperança que essa Palavra nos dá. A última revelação da Palavra de Deus é Jesus Cristo. Mas Jesus, ao realizar em Si as promessas feitas aos Judeus, deu a vida por todos os homens, Judeus e não Judeus, para fazer de todos eles o único povo de Deus, que é a Igreja. Ele faz a união de todos os homens. Ele é, por isso, a Paz.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios
Irmãos: No tempo em que éreis pagãos, vós estáveis sem Cristo, privados do direito de cidadania em Israel e alheios às alianças da promessa divina, sem esperança e sem Deus no mundo. Foi em Cristo Jesus que vós, outrora longe de Deus, vos aproximastes d’Ele, graças ao sangue de Cristo. Cristo é, de facto, a nossa paz. Foi Ele que fez de judeus e gregos um só povo e derrubou o muro da inimizade que os separava, anulando, pela imolação do seu corpo, a Lei de Moisés com as suas prescrições e decretos. E assim, de uns e outros, Ele fez em Si próprio um só homem novo, estabelecendo a paz. Pela cruz reconciliou com Deus uns e outros, reunidos num só Corpo, levando em Si próprio a morte à inimizade. Cristo veio anunciar a boa nova da paz, paz para vós, que estáveis longe, e paz para aqueles que estavam perto. Por Ele, uns e outros, podemos aproximar-nos do Pai, num só Espírito. Por isso, já não sois estrangeiros nem hóspedes, mas sois concidadãos dos santos e membros da família de Deus, edificados sobre o alicerce dos Apóstolos e dos Profetas, que tem Cristo como pedra angular. Em Cristo, toda a construção, bem ajustada, cresce para formar um templo santo do Senhor; e em união com Ele, também vós sois integrados na construção, para vos tornardes, no Espírito Santo, morada de Deus.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 84 (85), 9ab-10.11-12.13-14 (R. cf. 9)
Refrão: O Senhor anuncia a paz ao seu povo. Repete-se

Escutemos o que diz o Senhor:
Deus fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis.
A sua salvação está perto dos que O temem
e a sua glória habitará na nossa terra. Refrão

Encontraram-se a misericórdia e a fidelidade,
abraçaram-se a paz e a justiça.
A fidelidade vai germinar da terra
e a justiça descerá do Céu. Refrão

O Senhor dará ainda o que é bom
e a nossa terra produzirá os seus frutos.
A justiça caminhará à sua frente
e a paz seguirá os seus passos. Refrão


ALELUIA Lc 21, 36
Refrão: Aleluia. Repete-se
Vigiai e orai em todo o tempo,
para vos apresentardes
sem temor diante do Filho do homem. Refrão


EVANGELHO Lc 12, 35-38
«Felizes os servos,
que o senhor, ao chegar, encontrar vigilantes»

Como na saída do Egipto o povo hebreu esteve de vigília, pronto a partir, assim Jesus convida agora o novo povo de Deus a estar vigilante para ir ao seu encontro, quando Ele vier na sua glória. Uma vez por ano, na Vigília Pascal, a Igreja toma esta atitude de vigilância, na expectativa da vinda do Senhor. Mas essa atitude, que então é celebrada como num símbolo, é a atitude de toda a vida cristã em todos os momentos. Esta vida é, portanto, tempo de vigilância e de alerta, e não tempo de adormecer. Neste sentido, adormece-se sempre que os interesses terrenos nos impedem de estarmos vigilantes, na expectativa do Senhor que vai chegar.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Tende os rins cingidos e as lâmpadas acesas. Sede como homens que esperam o seu senhor voltar do casamento, para lhe abrirem logo a porta, quando chegar e bater. Felizes esses servos, que o senhor, ao chegar, encontrar vigilantes. Em verdade vos digo: cingir-se-á e mandará que se sentem à mesa e, passando diante deles, os servirá. Se vier à meia-noite ou de madrugada felizes serão se assim os encontrar».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Fazei, Senhor,
que possamos servir ao vosso altar
com plena liberdade de espírito,
para que estes mistérios que celebramos
nos purifiquem de todo o pecado.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 32, 18-19
O Senhor vela sobre os seus fiéis,
sobre aqueles que esperam na sua bondade,
para libertar da morte as suas almas,
para os alimentar no tempo da fome.

Ou Mc 10, 45
O Filho do homem veio ao mundo para dar a vida pela redenção dos homens.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Concedei, Senhor, que a participação nos mistérios celestes
nos faça progredir na santidade, nos obtenha as graças temporais
e nos confirme nos bens eternos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

S. JOÃO DE CAPISTRANO, presbítero

 

 

Martirológio

São João de Capistrano, presbítero da Ordem dos Menores, que defendeu a observância regular e desenvolveu o seu ministério em quase toda a Europa, trabalhando no fortalecimento da fé e na reforma dos costumes católicos; com as suas exortações e preces sustentou o fervor do povo fiel e empenhou-se na defesa da liberdade dos cristãos. Morreu na localidade de Ujlac, junto ao rio Danúbio, no reino da Hungria.

 

2.   Perto de Cádiz, na Bética, região da Hispânia, os santos Servando e Germano, mártires na perseguição do imperador Diocleciano.

3.   Na antiga Pérsia, os santos mártires João, bispo, e Tiago, presbítero, que, no tempo do rei Sapor II, foram encarcerados e, um ano depois, mortos ao fio da espada, consumaram o seu combate da fé.

4.   Em Antioquia, na Síria, hoje Antakya, na Turquia, São Teodoreto, presbítero e mártir, que, segundo a tradição, foi preso pelo imperador Juliano o Apóstata e, por persistir na confissão de fé em Cristo, sofreu o martírio.

5.   Em Colónia, na Germânia, na actual Alemanha, a comemoração de São Severino, bispo, digno de louvor por todas as suas virtudes.

6*.   Em Pavia, na Ligúria, hoje na Lombardia, região da Itália, a comemoração de São Severino Boécio, mártir, insigne pela sua ciência e seus escritos; durante o seu cativeiro escreveu um tratado sobre a consolação da filosofia e serviu fielmente a Deus até à morte, que lhe foi infligida pelo rei Teodorico.

7*.   Em Siracusa, na Sicília, região da Itália, São João, bispo, de quem o papa São Gregório Magno louvou os costumes, a justiça, a sabedoria, o dom do conselho e o zelo pelos assuntos da Igreja.

8.   Em Ruão, na Nêustria, na actual França, São Romão, bispo, que abateu os símbolos dos pagãos que ainda eram venerados na cidade, convenceu os bons a progredir no bem e dissuadiu os maus de praticar o mal.

9.   No território de Herbauge, perto de Poitiers, na Aquitânia, hoje também na França, São Bento, presbítero.

10.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, Santo Inácio, bispo, que, por ter repreendido o imperador Bardas pelo repúdio da sua legítima esposa, foi objecto de muitas injustiças e mandado para o exílio; mas, restituído à sua sede por intervenção do papa Nicolau I, finalmente descansou em paz.

11*.   Em Rumsey, na Inglaterra, Santa Etelfleda, que foi consagrada a Deus desde a infância no mosteiro fundado por seu pai Etelvoldo e, eleita abadessa, o governou sabiamente até ao fim dos seus dias.

12*.   Em Campugliano, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, Santo Alúcio, verdadeiro homem de paz, generoso benfeitor dos pobres, refúgio dos peregrinos e libertador dos cativos.

13*.   Em Mântua, na Lombardia, também na Itália, o Beato João Bom, eremita, que, sendo jovem, abandonou sua mãe e vagueou por diversas regiões da Itália, exercendo a arte de malabarista e comediante; mas, aos quarenta anos, atingido por uma grave enfermidade, prometeu a Deus abandonar o mundo, para se entregar totalmente a Cristo e à Igreja no amor e na penitência, e fundou uma Congregação sob a Regra de Santo Agostinho.

14*.   Em Milão, também na Lombardia, o Beato João Ângelo Porro, presbítero da Ordem dos Servos de Maria, que, sendo prior do convento, todos os dias festivos estava à porta da igreja ou percorria as ruas, para reunir as crianças e ensinar-lhes a doutrina cristã.

15*.   Em York, na Inglaterra, o Beato Tomás Thwing, presbítero e mártir, que, acusado falsamente de conspiração, por ordem do rei Carlos II foi enforcado e esquartejado, e assim alcançou a palma do martírio.

16*.   Em Valenciennes, na França, as beatas Maria Clotilde Ângela de São Francisco de Bórgia (Clotilde Josefa Paillot) e cinco companheiras[1], virgens e mártires, que, consagradas a Deus e condenadas à morte durante a Revolução Francesa, subiram piedosamente ao patíbulo ante a admiração do povo.

 


[1]  São estes os seus nomes: Maria Escolástica Josefa de São Tiago (Maria Margarida Josefa Leroux), Maria Córdula Josefa de São Domingos (Joana Luísa Barré), da Ordem das Ursulinas; Josefina (Ana Josefa Leroux), da Ordem das Clarissas; Maria Francisca (Maria Lievina Lacroix) e Ana Maria (Maria Agostinha Erraux), da Ordem de Santa Brígida.

 

17.   Em Tho-Duc, cidade do Anam, actualmente no Vietnam, São Paulo Tong Viet Buong, mártir, que, sendo soldado, morreu por Cristo no tempo do imperador Minh Mang.

18*.   Em Reims, na França, o Beato Arnaldo (Julião Nicolau Rèche), religioso da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs, que, dócil em tudo ao Espírito Santo, se dedicou intensamente à formação dos jovens, sempre fiel no seu exercício de professor e assíduo na oração.

19*.   Em Ciudad Real, na Espanha, os beatos mártires Ildefonso da Cruz (Anatólio Garcia Nozal) e Justiniano de São Gabriel da Senhora das Dores (Justiniano Cuesta Redondo), presbíteros Congregação da Paixão, e quatro companheiros[1], religiosos da mesma Congregação, que, por Cristo e pela Igreja, foram fuzilados durante a perseguição religiosa.

 


[1]  Eufrásio do Amor Misericordioso (Eufrásio de Celis Santos), Tomás do Santíssimo Sacramento (Tomás Cuartero Gascón), José Maria de Jesus e Maria (José Maria Cuartero Gascón) e Honorino de Nossa Senhora das Dores (Honorino Carracedo Ramos)

 

20*.   Em El Saler, localidade próxima de Valência, também na Espanha, o Beato Leonardo Olivera Buera, presbítero e mártir, que, durante a mesma perseguição religiosa, imitando a paixão de Cristo, mereceu alcançar o prémio eterno.

21*.   Em Benimaclet, também na província de Valência, na Espanha, os beatos Ambrósio Leão (Pedro Lorente Vicente), Florêncio Martinho (Álvaro Ibáñez Lázaro) e Honorato André (André Zorraquino Herrero), religiosos da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártires, que, durante a mesma perseguição derramaram o seu sangue por Cristo.