Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-12-01

SÁBADO da semana XXXIV (manhã)

Santa Maria no Sábado – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Ap 22, 1-7; Sal 94 (95), 1-2. 4-5. 6-7
Ev Lc 21, 34-36

* Em Portugal – Feriado nacional.
* Em todas as dioceses de Portugal – B. Maria Clara do Menino Jesus, virgem e Fundadora – MF
* Na Diocese de Bragança-Miranda – Todos os Santos e Beatos da Diocese – MO
* Na Diocese de Vila Real – Assembleia sacerdotal e sufrágio pelos bispos e presbíteros falecidos.
* Na Companhia de Jesus – SS. Edmundo Campion e Roberto Southwel, presbíteros, e Companheiros, mártires – MO
* Na Congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição – B. Maria Clara do Menino Jesus, virgem e fundadora – FESTA
* Na Fraternidade das Irmãzinhas de Jesus de Carlos de Foucauld ­– B. Carlos de Foucauld, presbítero – MF

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 84, 9
O Senhor fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis
e a todos os que a Ele se convertem de coração sincero.


ORAÇÃO COLECTA
Despertai, Senhor, a vontade dos vossos fiéis,
para que, correspondendo mais generosamente
à acção da graça divina,
recebamos maiores auxílios da vossa bondade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Ap 22, 1-7
«Nunca mais haverá noite,
porque brilhará sobre eles a luz do Senhor Deus»

Toda esta passagem, como a maior parte das que lemos nos dias anteriores, usa expressões simbólicas, inspiradas geralmente de outros livros da Sagrada Escritura. Hoje é a visão da Cidade celeste, a nova Jerusalém. Nela só há vida, que procede de Deus, como o rio corre vindo da nascente. Nela não haverá nada que seja maldição; tudo é graça, tudo é dom, tudo é encanto da intimidade de Deus com seus filhos. E tudo nos é anunciado com palavras vindas de Deus, para que esperemos esse dia na fidelidade e no desejo de que Ele venha. É também assim a oração que o salmo nos faz cantar, com o refrão que é a última palavra de toda a Sagrada Escritura.

Leitura do Livro do Apocalipse
O Anjo do Senhor mostrou-me a mim, João, um rio de água viva, resplandecente como cristal, que brotava do trono de Deus e do Cordeiro. No meio da praça da cidade, entre os dois braços do rio, está a árvore da vida; produz doze colheitas, uma em cada mês, e as suas folhas servem para curar as nações. Toda a maldição deixará de existir. O trono de Deus e do Cordeiro estará na cidade e os seus servos prestar-Lhe-ão culto; verão a sua face e o seu nome estará escrito nas suas frontes. Nunca mais haverá noite, nem precisarão da luz da lâmpada nem da luz do sol, porque brilhará sobre eles a luz do Senhor Deus e reinarão pelos séculos dos séculos. Disse-¬¬me o Anjo: «Estas palavras são fiéis e verdadeiras. O Senhor Deus, que inspira os profetas, enviou o seu Anjo para mostrar aos seus servos o que há-de acontecer muito em breve: ‘Eu virei sem demora. Felizes aqueles que observam as palavras da profecia deste livro’».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 94 (95), 1-2.4-5.6-7 (R. 1 Cor 16,
22b e Ap 22, 20c)
Refrão: Marana tha!
Vinde, Senhor Jesus. Repete-se

Vinde, exultemos de alegria no Senhor,
aclamemos a Deus, nosso Salvador.
Vamos à sua presença e dêmos graças,
ao som de cânticos aclamemos o Senhor. Refrão

Em sua mão estão as profundezas da terra
e pertencem-Lhe os cimos das montanhas.
D’Ele é o mar, foi Ele quem o fez,
d’Ele é a terra firme, que suas mãos formaram. Refrão

Vinde, prostremo-nos em terra,
adoremos o Senhor que nos criou.
O Senhor é o nosso Deus
e nós o seu povo, as ovelhas do seu rebanho. Refrão


ALELUIA Lc 21, 36
Refrão: Aleluia. Repete-se
Vigiai e orai em todo o tempo,
para vos apresentardes sem temor
diante do Filho do homem. Refrão


EVANGELHO Lc 21, 34-36
«Vigiai, para que possais livrar-vos
de tudo isto que está para acontecer»

Aquele dia sem ocaso, que sucederá aos dias que andamos vivendo sobre a terra, há-de ser esperado na vigilância e na oração, como numa longa Vigília Pascal, até que o sol nasça e a luz eterna brilhe para sempre em nossos corações. Aqui nos conduziu, a esta expectativa jubilosa, a longa caminhada do Tempo Comum, para nos fazer entrar, com desejos ainda mais fortes da vinda do Dia do Senhor, no Advento, em que a tarde deste dia, o último do Tempo Comum, nos irá introduzir. À tarde, com a Hora de Vésperas, começa esse Tempo do Advento, em que toda a oração se resume na mesma palavra com que terminou o Tempo litúrgico anterior: «Veni! Vinde!»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Tende cuidado convosco, não suceda que os vossos corações se tornem pesados com a intemperança, a embriaguês e as preocupações da vida e esse dia não vos surpreenda subitamente como uma armadilha; porque ele atingirá todos os que habitam sobre a face da terra. Portanto, vigiai e orai em todo o tempo, para que possais livrar-vos de tudo isto que está para acontecer e comparecer sem temor diante do Filho do homem».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Recebei, Senhor, estes dons sagrados
que nos mandastes oferecer em honra do vosso nome
e fazei que, obedecendo sempre aos vossos mandamentos,
nos tornemos também nós
uma oblação agradável aos vossos olhos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 116, 1-2
Louvai o Senhor, povos de toda a terra,
porque é eterna a sua misericórdia.

Ou Mt 28, 20
Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Deus todo-poderoso e eterno,
não permitais que se separem de Vós
aqueles a quem destes a graça
de participar neste divino sacramento.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Comemoração de São Nahum, profeta, que pregou Deus como Aquele que governa o curso dos tempos e julga os povos com justiça.

2.   Em Milão, na Transpadânia, agora na Lombardia, região da Itália, São Castriciano, bispo.

3*.   Em Poitiers, na Aquitânia, actualmente na França, Santa Florência, virgem, que, convertida ao Deus verdadeiro pelo bispo Santo Hilário durante o seu desterro na província da Ásia, o seguiu no regresso à sua terra.

4*.   Em Fréjus, na Provença, também na actual França, São Leôncio, bispo, que apoiou a fundação monástica de Santo Honorato na ilha de Lérins e a quem São João Cassiano, seu amigo, dedicou as dez primeiras «Colações».

5.   Em Le Mans, na Nêustria, hoje na França, São Donolo, bispo, que antes tinha sido abade do mosteiro de São Lourenço de Paris e resplandeceu pelo dom dos milagres.

6.   Em Verdun, na Austrásia, também na hodierna França, Santo Agérico, bispo, que edificou igrejas e baptistérios e, por ter convertido a sua igreja em asilo de prófugos, suportou duras perseguições do rei Teodorico.

7.   Em Noyon, na Nêustria, igualmente na actual França, Santo Elói, bispo, que, sendo ourives e conselheiro do rei Dagoberto, edificou mosteiros e fabricou relicários dos Santos com exímia arte e beleza; mais tarde, foi nomeado para a sede de Noyon e de Tournai, dedicando-se com grande zelo ao trabalho apostólico.

8*.   Em Cotignola, na Emília-Romanha, região da Itália, o Beato António Bonfadíni, presbítero da Ordem dos Frades Menores, que pregou durante longo tempo a palavra de Deus em muitas regiões da Itália e lugares da Terra Santa.

9*.   Em Colchester, na Inglaterra, o Beato João Beche, presbítero da Ordem de São Bento e mártir, que, sendo abade do mosteiro de São João, foi condenado à morte e conduzido ao patíbulo no reinado de Henrique VIII sob pretexto de crime de traição, mas de facto por manter a fidelidade ao Romano Pontífice.

10.   Em Londres, também na Inglaterra, os santos Edmundo Campion, Rodolfo Sherwin e Alexandre Briant, presbíteros e mártires durante o reinado de Isabel I, exímios pela sua sabedoria e fortaleza de ânimo. Santo Edmundo, que ainda jovem tinha professado a fé católica, foi admitido na Companhia de Jesus em Roma e ordenado presbítero em Praga, regressando depois à sua pátria, onde consolidou solidamente as almas dos fiéis com a sua palavra e os seus escritos; por isso, depois de suportar muitos tormentos, foi morto em Tyburn. Com ele sofreram os mesmos suplícios São Rodolfo e Santo Alexandre, merecendo este último, já no cárcere, ser admitido na Companhia de Jesus.

11*.   Em York, também na Inglaterra, o Beato Ricardo Langley, mártir, que, no mesmo reinado de Isabel I, foi condenado à pena capital e enforcado por ter dado hospedagem a sacerdotes.

12♦.   Em Lisboa, cidade de Portugal, a Beata Maria Clara do Menino Jesus (Libânia do Carmo Galvão Mexia de Moura Telles e Albuquerque), virgem, que, atraída pelo ardente desejo de anunciar o Evangelho pelo exercício das obras de misericórdia, fundou a Congregação das Irmãs Hospitaleiras da Imaculada Conceição, para acolhimento dos pobres e desvalidos; num tempo de grande perturbação política, de leis adversas à Igreja e a qualquer acção evangelizadora, dirigiu a Congregação com admirável fortaleza de ânimo durante vinte e oito anos, fazendo-a florescer com uma vasta obra de fundações – colégios, hospitais, assistência a inválidos e crianças e outras obras de assistência social, em Portugal e missões Ad Gentes.

13♦.   Em Tamanrasset, na Argélia, o Beato Carlos de Foucauld (Carlos de Jesus), presbítero, apóstolo entre os tuaregues, fundador dos Pequenos Irmãos de Jesus.

14*.   No campo de concentração de Auschwitz, perto de Cracóvia, na Polónia, o Beato Casimiro Sykulski, presbítero e mártir, que, durante a guerra, por perseverar firmemente na fé perante os perseguidores da Igreja de Deus, foi fuzilado.

15*.   Em Dire Dawa, cidade da Etiópia, a Beata Liduína Meneguzzi (Elisa Ângela Meneguzzi), virgem do Instituto de São Francisco de Sales, que se tornou verdadeiro espelho de humildade e caridade cristã, manifestando a misericórdia de Deus entre os pobres, enfermos e cativos.

16*.   Em Isiro, localidade da região interior da República Popular do Congo, a Beata Clementina Nengapeta Anuarite, virgem da Congregação das Irmãs da Sagrada Família e mártir, que, durante a perseguição religiosa na guerra civil, detida com outras religiosas, as exortou a vigiar e orar e, resistindo com grande fortaleza à sensualidade do comandante dos soldados, foi morta por ele, num excesso de cólera, e deu a vida por Cristo, seu Esposo.

17♦.   Em Sassuolo, na Emília-Romanha, região da Itália, a Beata Maria Rosa Pellési (Bruna Pellési), virgem da Congregação das Irmãs Franciscanas Missionárias de Cristo.