Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-02-10

SÁBADO da semana V

S. Escolástica, virgem – MO
Branco – Ofício da memória.
Missa da memória.

L 1 1 Reis 12, 26-32: 13, 33-34; Sal 105 (106), 6-7a. 19-20. 21-22
Ev Mc 8, 1-10

* Na Ordem Beneditina – S. Escolástica. Nas Comunidades femininas – SOLENIDADE; nas Comunidades masculinas – FESTA
* Na Congregação das Irmãs Pias Discípulas do Divino Mestre da Família Paulista – Aniversário da fundação (1924).
* I Vésp. do domingo – Compl. dep. I Vésp. dom.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 94, 6-7
Vinde, prostremo-nos em terra,
adoremos o Senhor que nos criou.
O Senhor é o nosso Deus.


ORAÇÃO COLECTA
Guardai, Senhor, com paternal bondade a vossa família;
e, porque só em Vós põe a sua confiança,
defendei-a sempre com a vossa protecção.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I 1 Reis 12, 26-32; 13, 33-34
«Jeroboão mandou fazer dois bezerros de ouro»

Dividido o reino em dois e ficando o templo, que era único, em Jerusalém, no reino de Judá no sul, Jeroboão, rei de Israel, no norte, para evitar que o povo viesse em peregrinação a Jerusalém, o que o poderia levar a voltar-se para o rei de Judá, criou um culto cismático no reino de Israel, fabricando dois bezerros de ouro, à imitação do que tinha sido já feito outrora na travessia do deserto. Este acto de infidelidade mereceu-lhe a ruína do seu reinado. Deus não pode ter rivais; Ele é o único Senhor.

Leitura do Primeiro Livro dos Reis
Quando Jeroboão se tornou rei das dez tribos de Israel, pensou consigo: «A realeza pode voltar para a casa de David. Se o povo continuar a subir a Jerusalém, para oferecer sacrifícios no templo do Senhor, o seu coração voltará para o seu soberano, Roboão, rei de Judá, e acabarão por matar-me». Depois de ter tomado conselho, Jeroboão mandou fazer dois bezerros de ouro e disse ao povo: «Não subireis mais a Jerusalém. Israel, aqui estão os teus deuses, que te fizeram sair da terra do Egipto». Colocou um bezerro em Betel e outro em Dan, o que constituiu uma ocasião de pecado para Israel, porque o povo ia a Dan, para adorar o bezerro. Jeroboão construiu santuários nos lugares altos e estabeleceu como sacerdotes homens do povo que não eram descendentes de Levi. Instituiu também uma festa no dia quinze do oitavo mês, semelhante à festa celebrada em Judá, e ele próprio subiu ao altar que fizera em Betel, para oferecer sacrifícios aos bezerros feitos por ele. E estabeleceu em Betel sacerdotes para os lugares altos que tinha construído. Jeroboão nunca se converteu do seu mau caminho e continuou a nomear como sacerdotes homens do povo. Dava a investidura a quem o quisesse, para se tornar sacerdote nos lugares altos. Semelhante procedimento fez pecar a casa de Jeroboão, causou a sua ruína e o seu extermínio da face da terra.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 105 (106), 6-7a.19-20.21-22 (R. 4a)
Refrão: Lembrai-Vos de nós, Senhor,
por amor do vosso povo. Repete-se

Pecámos como os nossos pais,
fizemos o mal e praticámos a impiedade.
No Egipto não entenderam os vossos prodígios,
não compreenderam a imensidade dos vossos favores.Refrão

Fizeram um bezerro no Horeb
e adoraram um ídolo de metal fundido.
Trocaram a sua glória
pela figura de um boi que come feno. Refrão

Esqueceram a Deus que os salvara,
que realizara prodígios no Egipto,
maravilhas na terra de Cam,
feitos gloriosos no Mar Vermelho. Refrão


ALELUIA Mt 4, 4b
Refrão: Aleluia Repete-se
Nem só de pão vive o homem,
mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. Refrão


EVANGELHO Mc 8, 1-10
«Comeram e ficaram saciados»

A situação do homem sobre a terra, labutando pelo pão de cada dia, mergulhado na dor desde o nascimento, muitas vezes errante e perdido no deserto sem atinar com os caminhos, sobretudo os do espírito, o homem pecador, filho de Adão e Eva, os expulsos do paraíso em consequência do pecado, atraiu sempre o olhar compassivo de Deus. Mas foi em Jesus Cristo, seu Filho, que esta compaixão se revelou sem limites, como o testemunha esta leitura.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Naqueles dias, juntou-se novamente uma grande multidão e, como não tinham que comer, Jesus chamou os discípulos e disse-lhes: «Tenho pena desta multidão; há já três dias que estão comigo e não têm que comer. Se os despedir sem alimento para suas casas, desfalecerão no caminho, porque alguns vieram de longe». Responderam-Lhe os discípulos: «Como se poderia saciá-los de pão, aqui num deserto?». Mas Jesus perguntou: «Quantos pães tendes?». Eles responderam: «Temos sete». Então Jesus ordenou à multidão que se sentasse no chão. Depois tomou os sete pães e, dando graças, partiu-os e deu-os aos discípulos, para que os distribuíssem, e eles distribuíram-nos à multidão. Tinham também alguns pequenos peixes. Jesus pronunciou sobre eles a bênção e disse que os distri¬buíssem também. Comeram e ficaram saciados. Dos bocados que sobraram encheram sete cestos. Eram cerca de quatro mil pessoas. Então Jesus despediu-os e, subindo para o barco com os discípulos, dirigiu-se para a região de Dalmanutá.
Palavra da salvação.

ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Senhor nosso Deus,
que criastes o pão e o vinho para auxílio da nossa fraqueza
concedei que eles se tornem para nós
sacramento de vida eterna.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 106, 8-9
Dêmos graças ao Senhor pela sua misericórdia,
pelos seus prodígios em favor dos homens,
porque Ele deu de beber aos que tinham sede
e saciou os que tinham fome.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Deus de bondade,
que nos fizestes participantes do mesmo pão
e do mesmo cálice,
concedei que, unidos na alegria e no amor de Cristo,
dêmos fruto abundante para a salvação do mundo.
Por Nosso Senhor.

 

Santo

S. ESCOLÁSTICA, virgem

 

 

Martirológio

Memória do sepultamento de Santa Escolástica, virgem, irmã de São Bento, que, consagrada a Deus desde a infância, tinha com o seu irmão a mesma comunhão em Deus, de forma que uma vez ao ano se encontravam em Montecassino, na Campânia, região da Itália, passando todo o dia nos louvores divinos e em santos colóquios.

 

2.   Em Magnésia, na província romana da Ásia, na actual Turquia, os santos Caralampo, Porfírio, Dauto e três mulheres, mártires no tempo do imperador Septímio Severo.

3.   Na Via Labicana, a dez milhas de Roma, os santos Zótico e Amâncio, mártires.

4.   Perto de Terracina, na Campânia, hoje no Lázio, região da Itália, São Silvano, bispo.

5.   Em Saintes, na Aquitânia, na actual França, São Troiano, bispo.

6*.   Em Besançon, na Borgonha, hoje também na França, São Protádio, bispo.

7.   No território de Rouen, na Nêustria, também na actual França, Santa Austreberta, virgem e abadessa, que dirigiu piedosamente o mosteiro de Pavilly pouco antes fundado pelo bispo Santo Audeno.

8.   Na gruta chamada Stábulum Rhódis, perto de Grosseto, na Toscana, região da Itália, São Guilherme, eremita de Malavalle, cujo exemplo deu origem a muitas congregações de eremitas.

9*.   No mosteiro premonstratense de Fosses, perto de Namur, na Lotaríngia, actualmente na Bélgica, o Beato Hugo, abade, cujo mestre, São Norberto, entretanto eleito bispo de Magdeburgo, lhe confiou a organização da nova Ordem, que ele governou com grande sabedoria durante trinta e cinco anos.

10*.   Em Rímini, na Flamínia, actualmente na Emília-Romanha, região da Itália, Santa Clara, viúva, que expiou com penitência, mortificação da carne e jejuns a anterior vida licenciosa e, reunindo-se num mosteiro com outras companheiras, serviu o Senhor em espírito de humildade.

11*.   Em Avrillé, perto de Angers, na França, os beatos Pedro Fremond e cinco companheiras[1], mártires, que durante a Revolução Francesa foram fuzilados por causa da sua fidelidade à Igreja católica.


[1]  São estes os seus nomes: Catarina e Maria Luísa du Verdier de la Sorinière, irmãs; Luísa Bessay de la Voûte; Maria Ana Hacher du Bois; Luísa Poirer, esposa.

12.   Em Cotija, no México, São José Sánchez del Rio, mártir.

13*.   Em Valverde del Camino, perto de Huelva, na Andaluzia, região da Espanha, a Beata Eusébia Palomino Yenes, virgem do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, que, dando testemunho insigne de humildade, sem ostentação alguma, com grande espírito de abnegação alcançou nos serviços mais humildes os mais sublimes dons da graça.

14*.   Na cidade de Krasic, perto de Zagreb, na Croácia, o Beato Luís Stepinac, arcebispo de Zagreb, que se opôs audazmente a doutrinas que ofendiam a fé e a dignidade humana, até que, pela sua fidelidade à Igreja, foi detido muito tempo no cárcere e, enfraquecido pela doença, terminou o seu insigne episcopado.