Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-05-11

SEXTA-FEIRA da semana VI

Branco – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. pascal.

L 1 Act 18, 9-18; Sal 46 (47), 2-3. 4-5. 6-7
Ev Jo 16, 20-23a

* Na Ordem Beneditina – SS. Odo, Máiolo, Odilão e Hugo, e B. Pedro o Venerável, abades de Cluni – MO
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – S. Inácio de Láconi, religioso, da I Ordem – MO
* Na Prelatura da Santa Cruz e Opus Dei – B. Joana de Portugal – MF; S. Nereu e S. Aquileu – MF; S. Pancrácio – MF
* Na Diocese de Aveiro (Cidade de Aveiro) – I Vésp. de B. Joana de Portugal.
* Nas Irmãzinhas dos Anciãos Desamparados – I Vésp. de Nossa Senhora dos Desamparados.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Ap 5, 9-10
Vós nos resgatastes, Senhor, com o vosso Sangue,
de todas as tribos, línguas, povos e nações,
e fizestes de nós, para Deus, um reino de sacerdotes. Aleluia.


ORAÇÃO COLECTA
Antes da Ascensão
Concedei, Senhor, que se realize em todo o mundo, pela pregação do Evangelho, a obra da salvação adquirida pelo sacrifício de Cristo e se estenda a todos os homens a plenitude da adopção filial por Ele prometida. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Actos 18, 9-18
«Tenho um povo numeroso nesta cidade»

Atenas, orgulhosa na sua ciência, não conseguiu acolher a palavra de Deus. Em relação a Corinto, cidade marítima, de costumes fáceis, como é frequente em cidades portuárias, o Senhor declara a Paulo que tem ali um povo numeroso, não evidentemente pelos seus costumes, mas pela humildade e generosidade com que a palavra ali será acolhida e levará aquele povo a voltar-se para Deus. A humildade é sempre caminho mais directo para encontrar a Deus do que o orgulho, mesmo quando ele nasce da ciência, nesse caso certamente mal apreendida.

Leitura dos Actos dos Apóstolos
Quando Paulo estava em Corinto, certa noite o Senhor disse-lhe numa visão: «Não temas, continua a falar, que Eu estou contigo e ninguém porá as mãos sobre ti, para te fazer mal, pois tenho um povo numeroso nesta cidade». Então Paulo demorou-se ali ano e meio a ensinar aos coríntios a palavra de Deus. Quando Galião era procónsul da Acaia, os judeus levantaram-se todos contra Paulo e levaram-no ao tribunal, dizendo: «Este homem induz as pessoas a prestarem culto a Deus à margem da lei». Quando Paulo ia a abrir a boca, disse Galião aos judeus: «Judeus, se se tratasse de alguma injustiça ou grave delicto, escutaria certamente as vossas queixas, como é meu dever. Uma vez, porém, que são questões de doutrina e de nomes da vossa própria lei, o assunto é convosco. Eu não quero ser juiz dessas coisas». E mandou-os sair do tribunal. Todos então se apoderaram de Sóstenes, chefe da sinagoga, e começaram a bater-lhe em frente do tribunal. Mas Galião não se importou nada com isso. Paulo demorou-se ainda algum tempo em Corinto; depois despediu-se dos irmãos e embarcou para a Síria, em companhia de Priscila e Áquila, e rapou a cabeça em Cêncreas, por causa de um voto que fizera.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Sal. 46 (47), 2-3.4-5.6-7 (R. cf. 8a ou Aleluia)
Refrão: Deus é o Senhor de toda a terra. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

Povos todos, batei palmas,
aclamai a Deus com brados de alegria,
porque o Senhor, o Altíssimo, é terrível,
o Rei soberano de toda a terra. Refrão

Submeteu os povos à nossa obediência
e pôs as nações a nossos pés.
Para nós escolheu a nossa herança,
glória de Jacob, por Ele amado. Refrão

Deus subiu entre aclamações,
o Senhor subiu ao som da trombeta.
Cantai hinos a Deus, cantai,
cantai hinos ao nosso Rei, cantai. Refrão


ALELUIA cf. Lc 14, 46.26
Refrão: Aleluia Repete-se

Cristo tinha de sofrer e ressuscitar dos mortos
para entrar na sua glória. Refrão


EVANGELHO Jo 16, 20-23a
«Ninguém vos poderá tirar a vossa alegria»

Os discípulos irão sentir, prolongada em si, a Paixão do Mestre. Mas a Ressurreição será para eles fonte de alegria eterna, que ninguém lhes poderá roubar. Esta alegria será fruto do conhecimento que eles terão de Cristo ressuscitado. Eles já não terão que interrogar Jesus; se necessitassem de o fazer, isso suporia, da parte deles, falta de compreensão; mas, à luz da Ressurreição, tudo será luminoso: foi o Dia eterno do Senhor que despontou e que não mais terá ocaso.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Em verdade, em verdade vos digo: Chorareis e lamentar-vos-eis, enquanto o mundo se alegrará. Estareis tristes, mas a vossa tristeza converter-se-á em alegria. A mulher, quando está para ser mãe, sente angústia, porque chegou a sua hora. Mas depois que deu à luz um filho, já não se lembra do sofrimento, pela alegria de ter dado um homem ao mundo. Também vós agora estais tristes; mas Eu hei-de ver-vos de novo e o vosso coração se alegrará e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria. Nesse dia, não Me fareis nenhuma pergunta».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Acolhei benignamente, Senhor, os dons da vossa família e concedei-lhe o auxílio da vossa protecção, para que não perca as graças recebidas e alcance os bens eternos. Por Nosso Senhor.

Prefácio pascal


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Rom 4, 25
Cristo foi entregue à morte pelos nossos pecados
e ressuscitou para nossa justificação. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Guardai sempre, Senhor, com paternal bondade o povo que salvastes, para que se alegrem com a ressurreição do vosso Filho aqueles que foram redimidos pela sua paixão. Por Nosso Senhor.

 

 

Martirológio

1.   Na África Bizacena, na hodierna Tunísia, São Maiulo, mártir de Adrumeto, que foi condenado às feras.

2.   Na Via Salária, a vinte e duas milhas de Roma, Santo Antimo, mártir.

3.   Em Bizâncio, actualmente Istambul, na Turquia, São Mócio, presbítero e mártir.

4.   Em Vienne, na Gália Lionense, hoje na França, São Mamerto, bispo, que, perante a iminência de uma calamidade, instituiu nesta cidade o tríduo solene de ladainhas ou rogações antes da Ascensão do Senhor.

5.   Em Varennes, no território de Langres, também na Gália, actualmente na França, São Gengulfo.

6.   Em Souvigny, na Borgonha, hoje também na França, o passamento de São Maiolo, abade de Cluny, que, firme na fé, forte na esperança, rico na caridade, reformou muitos mosteiros na Gália e na Itália.

7*.   No mosteiro de L’Esterp, no território de Limoges, também na hodierna França, São Gualter, presbítero e cónego regular, que, instruído desde a infância no serviço de Deus, resplandeceu pela mansidão para com os irmãos e pela caridade para com os pobres.

8*.   Em Verrúchio, na Flamínia, actualmente na Emília-Romanha, região da Itália, o Beato Gregório Célli, presbítero da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, que, expulso do mosteiro pelos irmãos de religião, consta que morreu entre os Irmãos Menores do convento do monte Carnério.

9*.   Em York, na Inglaterra, os beatos mártires João Rochester e Jaime Walwort, presbíteros e monges da Cartuxa de Londres, que, no reinado de Henrique VIII, por causa da sua perseverança na fidelidade à Igreja, foram suspensos com cadeias nas ameias da cidade até à morte.

10.          Em Nápoles, na Campânia, região da Itália, São Francisco de Jerónimo, presbítero da Companhia de Jesus, que se consagrou durante muito tempo às missões populares e ao cuidado pastoral dos abandonados.

11.   Em Cágliari, na Sardenha, Santo Inácio de Láconi, religioso da Ordem dos Irmãos Menores Capuchinhos, que pelas praças da cidade e estalagens do porto, pedia incansavelmente esmolas para socorrer as misérias dos pobres.

12.   Em Saigão, na Cochinchina, actualmente no Vietnam, São Mateus Lê Van Gam, mártir, que, por ter levado na sua barca para aquela região os missionários provenientes da Europa, foi preso e, depois de passar um ano no cárcere, por decreto do imperador Thieu Tri foi degolado.

13♦.        Em Roma, o Beato Zeferino Namuncurá, indígena araucano da Argentina, aspirante ao sacerdócio.