Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-05-02

QUARTA-FEIRA da semana V

S. Atanásio, bispo e doutor da Igreja – MO
Branco – Ofício da memória.
Missa da memória, pf. pascal.

L 1 Act 15, 1-6; Sal 121 (122), 1-2. 3-4a. 4b-5
Ev Jo 15, 1-8

* Na Diocese do Porto – B. Mafalda, virgem – MF
* Na Prelatura da Santa Cruz e Opus Dei – Aniversário da Dedicação da igreja prelatícia – FESTA
* Na Diocese de Santiago (Cabo Verde) – I Vésp. de S. Tiago Menor.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 70, 8.23
Cante a minha boca, Senhor, a vossa glória, proclamando continuamente os vossos louvores. Os meus lábios exultem de alegria. Aleluia.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor, Pai santo, que amais a inocência e a restituís aos que a perderam, dirigi para Vós os corações dos vossos servos, para que vivam sempre na luz da vossa verdade aqueles que libertastes das trevas do erro. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Actos 15, 1-6
«Decidiram que fossem tratar esta questão
com os Apóstolos e os anciãos»

Grande dificuldade, na Igreja primitiva, foi a passagem do Antigo ao Novo Testamento, do judaísmo para o cristianismo. A novidade do cristianismo não era facilmente aceite pelos judeus tradicionalistas. Era a consequência de se confundir o espírito com a letra. A lei de Moisés era o guia para Cristo, e não a palavra definitiva. Para encontrar uma solução para tal questão, reúne-se em Jerusalém um “concílio”.

Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias, alguns homens que desceram da Judeia começaram a ensinar aos irmãos de Antioquia: «Se não receberdes a circuncisão, segundo a lei de Moisés, não podereis salvar-vos». Isto provocou um conflito e uma discussão intensa que Paulo e Barnabé tiveram com eles. Então decidiram que Paulo e Barnabé e mais alguns discípulos subissem a Jerusalém para tratarem desta questão com os Apóstolos e os anciãos. Despedidos afavelmente pela Igreja, atravessaram a Fenícia e a Samaria, onde narravam a conversão dos gentios, causando grande contentamento a todos os irmãos. Ao chegarem a Jerusalém, foram recebidos pela Igreja, pelos Apóstolos e pelos anciãos, e contaram tudo o que Deus tinha feito por seu intermédio. Ergue¬¬ram-se alguns homens do partido dos fariseus que tinham abraçado a fé, para dizerem que era preciso circuncidar os gentios e impor-lhes a observância da Lei de Moisés. Então os Apóstolos e os anciãos reuniram-se para examinar o assunto.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 121 (122), 1-2.3-4a.4b-5 (R. cf. 1)
Refrão: Vamos com alegria para a casa do Senhor. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

Alegrei-me quando me disseram:
«Vamos para a casa do Senhor».
Detiveram-se os nossos passos
às tuas portas, Jerusalém. Refrão

Jerusalém, cidade bem edificada,
que forma tão belo conjunto!
Para lá sobem as tribos,
as tribos do Senhor. Refrão

Segundo o costume de Israel,
para celebrar o nome do Senhor;
ali estão os tribunais da justiça,
os tribunais da casa de David. Refrão


ALELUIA Jo 15, 4a.5b
Refrão: Aleluia Repete-se

Permanecei em Mim e Eu permanecerei em vós,
diz o Senhor.
Quem permanece em Mim dá fruto abundante. Refrão


EVANGELHO Jo 15, 1-8
«Quem permanece em Mim e Eu nele dá fruto abundante»

A comparação entre o povo de Deus e a vinha é tradicional na Sagrada Escritura. Mas aqui é o próprio Jesus que Se apresenta como a videira, e aos seus discípulos como as varas da mesma. Tal comparação sublinha a identidade de vida, que, procedendo de Jesus, vivifica os membros da sua Igreja. Não se trata apenas de união exterior, mas de comunhão de vida que d’Ele nos vem.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Eu sou a verdadeira vide e meu Pai é o agricultor. Ele corta todo o ramo que está em Mim e não dá fruto e limpa todo aquele que dá fruto, para que dê ainda mais fruto. Vós já estais limpos, por causa da palavra que vos anunciei. Permanecei em Mim e Eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós, se não permanecerdes em Mim. Eu sou a videira, vós sois os ramos. Se alguém permanece em Mim e Eu nele, esse dá muito fruto, porque sem Mim nada podeis fazer. Se alguém não permanece em Mim, será lançado fora, como o ramo, e secará. Esses ramos, apanham-nos, lançam-nos ao fogo e eles ardem. Se permanecerdes em Mim e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes e ser-vos-á concedido. A glória de meu Pai é que deis muito fruto. Então vos tornareis meus discípulos».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Concedei, Senhor, que em todo o tempo possamos alegrar-nos com estes mistérios pascais, de modo que o acto sempre renovado da nossa redenção seja para nós causa de alegria eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio pascal


ANTÍFONA DA COMUNHÃO
Fomos resgatados pelo Sangue de Cristo,
que, ressuscitando de entre os mortos,
fez brilhar sobre nós a sua luz. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Ouvi, Senhor, as nossas preces e fazei que estes santos mistérios da nossa redenção nos auxiliem na vida presente e nos alcancem as alegrias eternas. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Santo

S. ATANÁSIO, bispo e doutor da Igreja

 

 

Martirológio

Memória de Santo Atanásio, bispo e doutor da Igreja, ilustríssimo pela santidade e doutrina, que, em Alexandria, no Egipto, defendeu valorosamente a verdadeira fé desde o tempo de Constantino até ao imperador Valente e, suportando muitas insídias dos arianos, foi várias vezes exilado. Regressado finalmente à Igreja que lhe tinha sido confiada, depois de ter combatido e sofrido muito com heróica paciência, no quadragésimo sexto ano do seu sacerdócio descansou na paz de Cristo.

 

2.   Em Atalia, na Panfília, hoje Antalya, na actual Turquia, os santos mártires Hespério e Zoé, esposos, e seus filhos Ciríaco e Teódulo, que, segundo a tradição, no tempo do imperador Adriano, estando ao serviço dum pagão, todos eles, por ordem do seu amo, foram flagelados e duramente torturados por causa da sua livre profissão de fé; finalmente, lançados num forno em chamas, entregaram as suas almas a Deus.

3.   Em Sevilha, na Hispânia Bética, São Félix, diácono e mártir.

4.   Comemoração dos santos mártires Vindemial, bispo de Gapsa, na Numídia, na actual Tunísia, e Longinos, bispo de Parmária, na Mauritânia, na actual Argélia, que, por se terem oposto aos arianos no Concílio de Cartago, foram decapitados por ordem de Hunerico, rei dos Vândalos.

5*.   Em Luxeuil, na Borgonha, na hodierna França, São Gualberto ou Valberto, abade.

6.   Em São Galo, na região dos Helvécios, hoje na Suíça, Santa Vilborada, virgem e mártir, que viveu recolhida numa pequena cela junto da igreja de São Magno, onde atendia ao povo, e, na incursão dos Húngaros, foi morta por causa da sua fé e voto religioso.

7*.   Em Linköping, na Suécia, o Beato Nicolau Hermansson, bispo, que, sendo severo para consigo, se dedicou totalmente à sua Igreja e aos pobres e acolheu com honras condignas as relíquias de Santa Brígida.

8.   Em Florença, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, Santo Antonino, bispo, que, depois de se aplicar à reforma da Ordem dos Pregadores, se consagrou com vigilante prudência ao trabalho pastoral, resplandecendo pela sua santidade, rigor e doutrina.

9*.   Em Clonmel, na Irlanda, o Beato Guilherme Tirry, presbítero da Ordem de Santo Agostinho e mártir sob o governo de Oliver Cromwel por perseverar fiel à Igreja Romana.

10.     Em Vinh Long, cidade da Cochinchina, no actual Vietnam, São José Nguyen Van Luu, mártir, que, sendo agricultor e catequista, se entregou espontaneamente em vez do presbítero Pedro Luu, procurado pelos soldados, e morreu no cárcere, no tempo do imperador Tu Duc.

11.   Em Aranjuez, cidade de Castela-a-Nova, região da Espanha, São José Maria Rúbio Peralta, presbítero da Companhia de Jesus, que foi eminentemente activo na audição dos penitentes, na direcção de exercícios espirituais e nas visitas aos pobres da região de Madrid.

12*.   No campo de concentração de Auschwitz, perto de Cracóvia, na Polónia, o Beato Boleslau Strzelecki, presbítero e mártir, que, durante a guerra, foi encarcerado por causa da fé e, vitimado pelas torturas, alcançou a coroa de glória.