Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-05-26

SÁBADO da semana VII

S. Filipe Néri, presbítero – MO
Branco – Ofício da memória.
Missa da memória.

L 1 Tg 5, 13-20; Sal 140 (141), 1-2. 3 e 8
Ev Mc 10, 13-16

* Na Ordem Beneditina – S. Gregório VII, papa – MF; S. Maria Madalena de Pazzi, virgem – MF; S. Filipe Néri – MF
* I Vésp. da Santíssima Trindade – Compl. dep. I Vésp. dom.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Salmo 12, 6
Eu confio, Senhor, na vossa bondade.
O meu coração alegra-se com a vossa salvação.
Cantarei ao Senhor por tudo o que Ele fez por mim.

ORAÇÃO COLECTA
Concedei-nos, Deus todo-poderoso,
que, meditando continuamente nas realidades espirituais,
pratiquemos sempre, em palavras e obras, o que Vos agrada.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Tg 5, 13-20
«A oração perseverante do justo tem muito poder»

A oração nasce, habitualmente, das circunstâncias em que o homem se encontra. Uma das circunstâncias que mais pode levar o homem a erguer-se para Deus em oração é a doença. A libertação da doença será normalmente sinal de libertação do pecado, o mal maior. O sacramento da “Unção dos Doentes” é sinal de perdão e simultaneamente de renovação da vida, porque é sinal do mistério pascal de Jesus Cristo, que tudo renova.

Leitura da Epístola de São Tiago
Caríssimos: Sofre alguém no meio de vós? Reze. Sente-se alguém alegre? Cante. Está doente alguém entre vós? Mande chamar os presbíteros da Igreja para que orem por ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor. A oração feita com fé salvará o enfermo e o Senhor o restabelecerá; e se tiver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados. Confessai uns aos outros os vossos pecados e orai uns pelos outros, para que sejais curados. A oração persistente do justo tem muito poder. Elias era um homem semelhante a nós: orou com insistência para que não chovesse e não choveu sobre a terra durante três anos e três meses. Orou novamente e o céu fez cair a chuva e a terra deu o seu fruto. Meus irmãos, se algum de vós se afastar da verdade e outro o converter, sabei que aquele que reconduz um pecador do erro à verdade salvará a sua alma da morte e obterá o perdão de muitos pecados.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 140 (141), 1-2.3 e 8 (R. cf. 2a)
Refrão: Suba até Vós, Senhor, a minha oração,
como fumo de incenso. Repete-se

Senhor, a Vós clamo, socorrei-me sem demora,
escutai a minha voz quando Vos invoco.
Suba até Vós a minha oração como incenso,
elevem-se as minhas mãos como oblação da tarde. Refrão

Guardai, Senhor, a minha boca,
defendei a porta dos meus lábios.
Para Vós, Senhor, se voltam os meus olhos:
em Vós me refugio, não me desampareis. me refugio, não me desampareis. Refrão

ALELUIA cf. Mt 11, 25
Refrão: Aleluia Repete-se
Bendito sejais, ó Pai, Senhor do céu e da terra,
porque revelastes aos pequeninos
os mistérios do reino. Refrão

EVANGELHO Mc 10, 13-16
«Quem não acolher o reino de Deus como uma criança não entrará nele»

A criança é aqui o símbolo daqueles que acolhem a Boa Nova do reino de Deus sem lhe oporem obstáculos, mas em atitude de obediência e de docilidade. Acolher a Boa Nova é já entrar no reino de Deus. Foi este espírito de infância espiritual, disponível, acolhedor, amigo de escutar para aprender a caminhar, que sempre animou os homens grandes.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Naquele tempo, apresentaram a Jesus umas crianças para que Ele lhes tocasse, mas os discípulos afastavam-nas. Jesus, ao ver isto, indignou-Se e disse-lhes: «Deixai vir a Mim as criancinhas, não as estorveis: dos que são como elas é o reino de Deus. Em verdade vos digo: Quem não acolher o reino de Deus como uma criança, não entrará nele». E, abraçando-as, começou a abençoá-las, impondo as mãos sobre elas.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Concedei, Senhor,
que celebremos dignamente estes divinos mistérios,
de modo que os dons oferecidos para vossa glória
sejam para nós fonte de eterna salvação.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 9, 2-3
Cantarei todas as vossas maravilhas.
Quero alegrar-me e exultar em Vós.
Cantarei ao vosso nome, ó Altíssimo.

Ou cf. Jo 11, 27
Senhor, eu creio que sois Cristo, Filho de Deus vivo,
o Salvador do mundo.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Nós Vos pedimos, Deus omnipotente,
que este sacramento de salvação
seja para nós penhor seguro de vida eterna.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

S. FILIPE DE NÉRI, presbítero

 

 

Martirológio

Memória de São Filipe Néri, presbítero, que, para salvar os jovens do mal, fundou em Roma um oratório, no qual se praticavam as leituras espirituais, o canto e as obras de caridade. Foi insigne pelo seu amor do próximo, simplicidade evangélica, espírito alegre, zelo infatigável e fervoroso serviço de Deus. 

 

2.   Também em Roma, Santo Eleutério, papa, a quem os célebres mártires de Lião, então detidos no cárcere, escreveram uma nobre carta sobre a conservação da paz na Igreja.

3.   Também em Roma, no cemitério de Priscila, junto à Via Salária Nova, São Simétrio, mártir.

4.   Em Tódi, na Úmbria, região da Itália, Santa Felicíssima, mártir.

5.   No território de Auxerre, na Gália, hoje na França, a paixão de São Prisco e companheiros, mártires.

6.   Em Cantuária, na Inglaterra, o sepultamento de Santo Agostinho, bispo, cuja memória se celebra amanhã.

7.   No território de Lião, na Gália, actualmente na França, a paixão de São Desidério, bispo de Vienne, que, por ordem da rainha Brunilde, a quem ele censurava as suas núpcias incestuosas e outras perversidades, foi relegado para o exílio, e depois, apedrejado por ordem da mesma rainha, recebeu a coroa do martírio.

8*.   No mosteiro de Saint-Papoul, também na Gália, hoje na França, São Berengário, monge.

9*.   Em Vence, na Provença, também na actual França, São Lamberto, bispo, anteriormente monge de Lérins, que foi pródigo para com os pobres e amigo da pobreza.

10*.   Em Sena, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, o Beato Francisco Patrízi, presbítero da Ordem dos Servos de Maria, que se dedicou com admirável zelo à pregação, à direcção das almas e ao ministério da Penitência.

11*.   Em Pistóia, também na Etrúria, actualmente na Toscana, o Beato André Fránchi, bispo, que, depois da epidemia da peste negra, como prior da Ordem dos Pregadores, restaurou a vida regular nos conventos da sua Ordem nesta região e aprovou na sua cidade as Irmandades de penitentes para promover a paz e a misericórdia.

12.   Em Quito, no Equador, Santa Mariana de Jesus de Paredes, virgem, que consagrou a Cristo a sua vida na Ordem Terceira de São Francisco e se dedicou com toda a energia a socorrer os pobres indígenas e os negros.

13.   Em Fuzhou, localidade do Fugian, província da China, São Pedro Sans i Jordá, bispo da Ordem dos Pregadores e mártir, que, juntamente com outros sacerdotes, foi preso e levado com cadeias por longo caminho até ao tribunal; no lugar do suplício ajoelhou-se e, terminada a oração, apresentou voluntariamente o pescoço ao cutelo.

14.   Em Seul, na Coreia, São José Chang Song-jib, mártir, que exercia o ofício de farmacêutico e, encarcerado por se ter convertido à fé cristã, morreu vítima de crudelíssimos tormentos.

15.   Em Dong Hoi, cidade do Aname, no actual Vietnam, os santos mártires João Doan Trinh Hoan, presbítero, e Mateus Hguyen Van Phuong, pai de família e catequista, que tinha hospedado o seu companheiro de martírio; pela sua fé, foram ambos torturados e cruelmente degolados no tempo do imperador Tu Duc.

16.   Em Numyonyo, localidade do Uganda, Santo André Kagwa, mártir, director dos tocadores de tímpano do rei Mwanga e seu familiar, que, recém-convertido à fé cristã, ensinava aos nativos e catecúmenos a doutrina do Evangelho e por isso foi cruelmente assassinado.

17.   Em Ttaka Jiunge, também no Uganda, São Ponciano Ngondwe, mártir, que era guarda do reino e, quando já começara a perseguição, recebeu o Baptismo; foi imediatamente metido no cárcere e morreu trespassado por uma lança quando era conduzido à colina do suplício.