Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-05-06

DOMINGO VI DA PÁSCOA

Branco – Ofício próprio (Semana II do Saltério). Te Deum.
+ Missa própria, Glória, Credo, pf. pascal.

L 1 Act 10, 25-26. 34-35. 44-48; Sal 97 (98), 1. 2-3ab. 3cd-4
L 2 1 Jo 4, 7-10 ou 1 Jo 4, 11-16
Ev Jo 15, 9-17 ou Jo 17, 11b-19

Em vez destas leituras podem ler-se, neste Domingo VI da Páscoa, a leitura II e o Evangelho indicados para o Domingo VII da Páscoa, como se propõe no Leccionário.

* Proibidas todas as Missas de defuntos, mesmo a exequial.
* Dia da Mãe.
* II Vésp. do domingo – Compl. dep. II Vésp. dom.

Lembrar aos fiéis que, no próximo domingo, o ofertório é para os Meios de Comunicação Social.

 

Ano B

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Is 48, 20
Anunciai com brados de alegria, proclamai aos confins da terra: O Senhor libertou o seu povo. Aleluia.

Diz-se o Glória.


ORAÇÃO COLECTA
Concedei-nos, Deus omnipotente,
a graça de viver dignamente estes dias de alegria
em honra de Cristo ressuscitado,
de modo que a nossa vida corresponda sempre
aos mistérios que celebramos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Actos 10, 25-26.34-35.44-48
«O Espírito Santo difundia-se também sobre os pagãos»

Nesta leitura contam-se os primeiros frutos da pregação do Evangelho entre os pagãos. A conversão e o baptismo do oficial do exército romano, de nome Cornélio, fez compreender aos primeiros cristãos, e particularmente ao próprio S. Pedro, que a graça de Jesus Cristo, anunciada no Evangelho, se destina a todos os homens, porque Deus a todos quer chamar à fé e à conversão.

Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias, Pedro chegou a casa de Cornélio. Este veio-lhe ao encontro e prostrou-se a seus pés. Mas Pedro levantou-o, dizendo: «Levanta-te, que eu também sou um simples homem». Pedro disse-lhe ainda: «Na verdade, eu reconheço que Deus não faz acepção de pessoas, mas, em qualquer nação, aquele que O teme e pratica a justiça é-Lhe agradável». Ainda Pedro falava, quando o Espírito desceu sobre todos os que estavam a ouvir a palavra. E todos os fiéis convertidos do judaísmo, que tinham vindo com Pedro, ficaram maravilhados ao verem que o Espírito Santo se difundia também sobre os gentios, pois ouviam-nos falar em diversas línguas e glorificar a Deus. Pedro então declarou: «Poderá alguém recusar a água do Baptismo aos que receberam o Espírito Santo, como nós?». E ordenou que fossem baptizados em nome de Jesus Cristo. Então, pediram-Lhe que ficasse alguns dias com eles.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 97 (98), 1.2-3ab.3cd-4 (R. cf. 2b)
Refrão: O Senhor manifestou a salvação
a todos os povos. Repete-se
Ou: Diante dos povos
manifestou Deus a salvação. Repete-se

Cantai ao Senhor um cântico novo
pelas maravilhas que Ele operou.
A sua mão e o seu santo braço
Lhe deram a vitória. Refrão

O Senhor deu a conhecer a salvação,
revelou aos olhos das nações a sua justiça.
Recordou-Se da sua bondade e fidelidade
em favor da casa de Israel. Refrão

Os confins da terra puderam ver
a salvação do nosso Deus.
Aclamai o Senhor, terra inteira,
exultai de alegria e cantai. Refrão


LEITURA II 1 Jo 4, 7-10
«Deus é amor»

A revelação última de Deus ao homem é a de que Ele é amor. E o testemunho de que é assim é o facto de Ele nos ter enviado o seu Filho, para que, por Ele, nos tornássemos filhos de Deus. Nesta fraternidade divina só o amor pode ser o móbil de toda a actividade entre os irmãos.

Leitura da Primeira Epístola de São João
Caríssimos: Amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus e todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor. Assim se manifestou o amor de Deus para connosco: Deus enviou ao mundo o seu Filho Unigénito, para que vivamos por Ele. Nisto consiste o amor: não fomos nós que amámos a Deus, mas foi Ele que nos amou e enviou o seu Filho como vítima de expiação pelos nossos pecados.
Palavra do Senhor.


ALELUIA Jo 14, 23
Refrão: Aleluia. Repete-se
Se alguém Me ama, guardará a minha palavra.
Meu Pai o amará e faremos nele a nossa morada. Refrão


EVANGELHO Jo 15, 9-17
«Ninguém tem maior amor
do que aquele que dá a vida pelos amigos»

Deus é amor. Ele revelou-Se como tal, principalmente ao dar-nos o seu Filho, Jesus, como nosso Salvador. A Igreja, que é o corpo de Jesus e a sua presença sobre a terra, tem como lei fundamental a lei do amor; tendo amor uns aos outros, os cristãos manifestam em si a própria vida de Deus, ao mesmo tempo que a comunicam.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Assim como o Pai Me amou, também Eu vos amei. Permanecei no meu amor. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como Eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai e permaneço no seu amor. Disse-vos estas coisas, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja completa. É este o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros, como Eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos amigos. Vós sois meus amigos, se fizerdes o que Eu vos mando. Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas chamo-vos amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi a meu Pai. Não fostes vós que Me escolhestes; fui Eu que vos escolhi e destinei, para que vades e deis fruto e o vosso fruto permaneça. E assim, tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, Ele vo-lo concederá. O que vos mando é que vos ameis uns aos outros».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Subam à vossa presença, Senhor,
as nossas orações e as nossas ofertas,
de modo que, purificados pela vossa graça,
possamos participar dignamente
nos sacramentos da vossa misericórdia.
Por Nosso Senhor.

Prefácio pascal


ANTÍFONA DA COMUNHÃO cf. Jo 14, 15-16
Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que vos mando, diz o Senhor. Eu pedirei ao Pai e Ele vos dará o Espírito Santo,
que permanecerá convosco para sempre. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor Deus todo-poderoso,
que em Cristo ressuscitado nos renovais para a vida eterna,
multiplicai em nós os frutos do sacramento pascal
e infundi em nossos corações a força do alimento que nos salva.
Por Nosso Senhor.

 

 

Martirológio

1.   Comemoração de São Lúcio de Cirene, que, segundo os Actos dos Apóstolos, era um dos profetas e doutores da Igreja em Antioquia.

2.   Em Lambesa, na Numídia, na hodierna Argélia, os santos Mariano, leitor, e Tiago, diácono: o primeiro, que tinha já superado diversas provações durante a perseguição de Décio pela sua profissão de fé em Cristo, foi novamente detido com o querido companheiro, e ambos, depois de cruéis suplícios, fortalecidos pela graça divina, juntamente com muitos outros, foram mortos ao fio da espada.

3.   Em Milão, na Ligúria, hoje na Lombardia, região da Itália, São Venério, bispo, que foi discípulo e diácono de Santo Ambrósio, enviou clérigos para auxiliar os bispos da África e socorreu São João Crisóstomo no seu exílio.

4.   Em Roma, Santa Benedita, virgem, que foi monja e, segundo o testemunho do papa São Gregório Magno, como ela própria desejava, descansou em Deus trinta dias depois da sua amiga predilecta Santa Gala.

5.   Em Lindisfarne, na Nortúmbria, na actual Inglaterra, Santo Edberto, bispo, que sucedeu a São Cutberto e resplandeceu pelo seu conhecimento das Sagradas Escrituras, pela observância dos mandamentos celestes e especialmente pela generosidade nas esmolas.

6.   Em Barcelona, na Espanha, São Pedro Nolasco, presbítero, que, juntamente com São Raimundo de Penhaforte e Jaime I, rei de Aragão, é considerado fundador da Ordem de Nossa Senhora das Mercês para a Redenção dos Cativos; no tempo do domínio dos infiéis, desenvolveu diligentemente uma grande actividade para estabelecer a paz e libertar os cristãos do jugo da escravidão.

7*.   Em Montepulciano, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, o Beato Bartolomeu Púcci-Francéschi, presbítero da Ordem dos Menores, que, deixando a esposa, os filhos e as riquezas por amor de Deus, se tornou pobrezinho de Cristo.

8*.   Em Londres, na Inglaterra, os beatos Eduardo Jones e António Middleton, presbíteros e mártires, que, no reinado de Isabel I, por causa do sacerdócio foram suspensos na forca às portas das suas casas e cortados à espada.

9*.   No Quebec, província do Canadá, São Francisco de Montmorency-Laval, bispo, que instituiu a sede episcopal nesta cidade e, durante quase cinquenta anos, se dedicou com suma diligência a consolidar e aumentar a Igreja na imensa extensão da América Setentrional até ao golfo do México.

10*.   No Cairo, cidade do Egipto, a Beata Maria Catarina Trioáni, virgem da Ordem Terceira de São Francisco, que foi enviada da Itália para o Egipto, onde fundou a nova família religiosa das Irmãs Franciscanas Missionárias.

11*.   Em Roma, a beata Ana Rosa Gattorno, religiosa, que era mãe de família e, depois de ficar viúva, se consagrou inteiramente ao Senhor e ao próximo e fundou o instituto religioso das Filhas de Santa Ana Mãe de Maria Imaculada, dedicando-se com incansável atenção aos doentes, aos enfermos e à infância abandonada, em cujo rosto contemplava Cristo pobre.

12*.   Perto de Munique, cidade da Baviera, na Alemanha, os beatos Henrique Kaczorowski e Casimiro Gostynski, presbíteros e mártires, que, deportados da Polónia ocupada militarmente por um regime hostil à dignidade humana, no campo de concentração de Dachau, intoxicados numa câmara de gás mortífero, deram a vida pela fé em Cristo.