Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-06-02

SÁBADO da semana VIII

Santa Maria no Sábado – MF
S. Marcelino e S. Pedro, mártires – MF
Verde, br. ou verm. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Judas 17. 20b-25; Sal 62 (63), 2. 3-4. 5-6
Ev Mc 11, 27-33
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – S. Félix de Nicosia, religioso – MO
* Nas Dioceses de Cabo Verde – I Vésp. do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo.
* I Vésp. do domingo – Compl. dep. I Vésp. dom.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 17, 19-20
O Senhor veio em meu auxílio,
livrou-me da angústia e pôs-me em liberdade.
Levou-me para lugar seguro, salvou-me pelo seu amor.


ORAÇÃO COLECTA
Fazei, Senhor,
que os acontecimentos do mundo
decorram para nós segundo os vossos desígnios de paz
e a Igreja Vos possa servir na tranquilidade e na alegria.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Judas 17.20b-25
«Deus pode preservar-vos da queda e apresentar-vos diante da sua glória, na alegria duma consciência sem mancha»

É no exercício da caridade que os cristãos hão-de esperar a vinda última do Senhor, caridade que se há-de exercer, de modo particular, para os que têm maiores dificuldades em relação à fé. A leitura termina com uma das mais belas doxologias do Novo Testamento, fórmulas de louvor a Deus, por Cristo, tão queridas da oração da Igreja, sobretudo nos seus primeiros tempos, que ia sempre mergulhar na Sagrada Escritura.

Leitura da Epístola de São Judas
Caríssimos: Recordai o que vos foi predito pelos Apóstolos de Nosso Senhor Jesus Cristo. Construí o vosso edifício espiritual sobre o fundamento da vossa fé santíssima. Orai em união com o Espírito Santo e conservai-vos no amor de Deus, esperando na misericórdia de Nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna. Procurai convencer os que hesitam e salvai-os, arrancando-os do fogo; dos outros, compadecei-vos, mas com prudência, detestando até a túnica contaminada pela sua carne. Àquele que vos pode preservar da queda e apresentar-vos diante da sua glória, na alegria duma consciência sem mancha, ao único Deus, nosso Salvador, por Nosso Senhor Jesus Cristo, a glória e a majestade, a força e o poder, antes de todos os séculos, agora e para sempre. Amen.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 62 (63), 2.3-4.5-6 (R. 2b)
Refrão: A minha alma tem sede de Vós, Senhor, meu Deus. Repete-se

Senhor, sois o meu Deus: desde a aurora Vos procuro.
A minha alma tem sede de Vós.
Por Vós suspiro,
como terra árida, sequiosa, sem água. Refrão

Quero contemplar-Vos no santuário,
para ver o vosso poder e a vossa glória.
A vossa graça vale mais que a vida;
por isso os meus lábios hão-de cantar-Vos louvores. Refrão

Assim Vos bendirei toda a minha vida
e em vosso louvor levantarei as mãos.
Serei saciado com saborosos manjares
e com vozes de júbilo Vos louvarei. Refrão


ALELUIA cf. Col 3, 16a.17c
Refrão: Aleluia Repete-se

Habite em vós com abundância a palavra de Cristo,
por Cristo cantai a Deus a vossa gratidão. Refrão


EVANGELHO Mc 11, 27-33
«Com que autoridade fazes isto?»

Jesus é a Verdade. Todos os que são da Verdade escutam a sua voz e compreendem-na. Mas muitos dos diálogos que mantinha com os seus contemporâneos não conseguiam chegar ao fim, porque os seus interlocutores não O interrogavam com sinceridade. Jesus nunca lhes oferecia ocasião de discussão; limitava-Se a abrir-lhes o caminho, para que pudessem chegar à Verdade. Mas nem o orgulho nem a duplicidade de espírito permitem que se chegue até lá.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Naquele tempo, Jesus e os discípulos foram de novo a Jerusalém. Quando Ele andava no templo, aproximaram-se os príncipes dos sacerdotes, os escribas e os anciãos, que Lhe perguntaram: «Com que autoridade fazes isto? Quem Te deu autoridade para o fazeres?». Jesus respondeu: «Vou fazer-vos só uma pergunta. Respondei-Me e Eu vos direi com que autoridade faço isto. O baptismo de João era do Céu ou dos homens? Respondei-Me». Eles começaram a discorrer, dizendo entre si: «Se dissermos: ‘É do Céu’, Ele dirá: ‘Então porque não acreditastes nele?’ Vamos dizer-Lhe que é dos homens?». Mas eles temiam a multidão, pois todos pensavam que João era realmente um profeta. Então responderam: «Não sabemos». Disse-lhes Jesus: «Também Eu não vos digo com que autoridade faço isto».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Senhor, que nos concedeis estes dons que Vos oferecemos
e nos atribuís o mérito do oferecimento,
nós Vos suplicamos:
o que nos dais como fonte de mérito
nos obtenha o prémio da felicidade eterna.
Por Nosso Senhor.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 12, 6
Cantarei ao Senhor pelo bem que me fez,
exaltarei o nome do Senhor, cantarei hinos ao Altíssimo.

Ou Mt 28, 20
Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que nos saciais com os vossos dons sagrados,
concedei-nos, por este sacramento
com que nos alimentais na vida presente,
a comunhão convosco na vida eterna.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

S. MARCELINO e S. PEDRO, mártires

 

 

Martirológio

Os santos mártires Marcelino, presbítero, e Pedro, exorcista, de quem o papa São Dâmaso conta que, durante a perseguição do imperador Diocleciano, condenados à morte e conduzidos ao lugar do suplício no meio da floresta, foram obrigados a cavar com as próprias mãos a sua sepultura, para que os corpos ficassem ocultos a toda a gente; mas uma piedosa mulher, chamada Lucina, inumou dignamente os seus santos corpos em Roma, junto à Via Labicana, no cemitério “ad Duas Lauros”.

 

2.   Em Lião, na Gália, actualmente na França, os santos mártires Potino, bispo, e Blandina, com quarenta e seis companheiros[1], cujos valorosos e repetidos combates, durante a perseguição do imperador Marco Aurélio, foram referidos na carta que a Igreja de Lião enviou à Igreja da Ásia e da Frígia. Entre eles, Potino, bispo nonagenário, expirou pouco tempo depois de ser encarcerado; dos outros cristãos condenados, uns morreram também no cárcere, outros foram reunidos no meio da arena para espectáculo de milhares de pessoas; os que tinham sido identificados como cidadãos romanos pereceram decapitados e os restantes expostos às feras. Finalmente, Blandina, suportando prolongados e cruéis tormentos, foi degolada, seguindo os passos daqueles a quem antes exortava a alcançar a palma do martírio.

 


[1]  São estes os seus nomes: Zacarias presbítero, Vécio Epagato, Macário, Asclibíades, Silvio, Primo, Úlpio, Vital, Comino, Outubro, Filomeno, Gémino, Júlia, Albina, Grata, Emília, Potâmia, Pompeia, Ródana, Bíblis, Quárcia, Materna, Hélpis; Santo, diácono; Maturo, neófito; Átalo, natural de Pérgamo; Alexandre, natural da Frígia; Pôntico, Isto, Aristeu, Cornélio, Zósimo, Tito, Júlio, Zótico, Apolónio, Geminiano, outra Júlia, Ausona, outra Emília, Jámnica, outra Pompeia, Dona, Justa, Trófima, Antónia.

 

3.   Em Fórmia, região da Itália, Santo Erasmo, bispo e mártir.

4.   Em Roma, junto de São Pedro, Santo Eugénio I, papa, que sucedeu a São Martinho, mártir.

5.   Junto ao Bósforo, na Propôntide, actualmente na Turquia, o passamento de São Nicéforo, bispo de Constantinopla, acérrimo defensor das tradições paternas, que se opôs tenazmente ao imperador iconoclasta Leão o Arménio, em favor do culto das imagens sagradas; expulso da sede episcopal, foi afastado por longo tempo para um mosteiro, de onde partiu serenamente ao encontro do Senhor.

6*.   Em Ácqui, no Piemonte, região da Itália, São Guido, bispo.

7.   Em Tráni, na Apúlia, também região da Itália, São Nicolau, peregrino, natural da Grécia, que percorria esta região levando na mão uma cruz e repetindo sem cessar: «Kyrie eléison».

8*.   Em Sandomierz, junto ao rio Vístula, na Polónia, os beatos mártires Sadoc, presbítero, e quarenta e oito companheiros, da Ordem dos Pregadores, que, segundo a tradição, foram mortos pelos Tártaros, enquanto cantavam a «Salve, Regina», saudando na sua hora da morte a Mãe da Vida.

9.   Em Au Thi, cidade do Tonquim, hoje no Vietnam, São Domingos Ninh, mártir, jovem agricultor, que, recusando pisar a cruz do Salvador, foi decapitado no tempo do imperador Tu Duc.