Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-07-27

SEXTA-FEIRA da semana XVI

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Jer 3, 14-17; Sal Jer 31, 10. 11-12ab. 13
Ev Mt 13, 18-23

* Na Diocese do Porto (Porto) – S. Pantaleão, mártir – MF
* Na Ordem Carmelita e na Ordem dos Carmelitas Descalços – B. Tito Brandsma, presbítero e mártir – MO e MF
* Na Ordem Franciscana (II Ordem) – B. Maria Madalena Martinengo, virgem, da II Ordem – MF
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. Maria Madalena Martinengo, virgem, da II Ordem – MF
* Na Instituição Teresiana – I Vésp. de S. Pedro Poveda Castroverde.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 53, 6.8
Deus vem em meu auxílio, o Senhor sustenta a minha vida.
De todo o coração Vos oferecerei sacrifícios,
cantando a glória do vosso nome.


ORAÇÃO COLECTA
Sede propício, Senhor, aos vossos servos
e multiplicai neles os dons da vossa graça,
para que, fervorosos na fé, esperança e caridade,
perseverem na fiel observância dos vossos mandamentos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Jer 3, 14-17
«Dar-vos-ei pastores segundo o meu coração
e reunirei todos os povos em Jerusalém»

Esta profecia é o anúncio do fim do exílio e da restauração dos reinos de Judá e de Israel. Nesses dias, nem a Arca da Aliança será necessária, porque Deus reinará no meio do seu povo e a própria cidade será toda ela o “Trono do Senhor”. Este mistério, aqui anunciado pelo profeta, terá a sua realização plena na Igreja de Cristo, e finalmente, de maneira perfeita, na Jerusalém celeste, como o Apocalipse o deixará entrever.

Leitura do Livro de Jeremias
Assim fala o Senhor: «Voltai para Mim, filhos rebeldes, porque Eu sou o vosso Senhor. Eu vos tomarei, um de uma cidade e dois de uma família, para vos conduzir a Sião. Dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, que vos apascentarão com inteligência e sabedoria. Nesses dias – diz o Senhor – quando crescerdes e vos multiplicardes na terra, não mais se falará da arca da aliança do Senhor. Não tornará a ser recordada, ninguém mais pensará nela; nunca se dará pela sua falta, nem será construída outra nova. Nesse tempo, chamarão a Jerusalém ‘Trono do Senhor’; em Jerusalém se reunirão todos os povos em nome do Senhor e não seguirão mais a dureza do seu coração perverso».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Jer 31, 10.11-12ab.13 (R. cf. 10d)
Refrão: Como o pastor guarda o seu rebanho,
assim nos guarda o Senhor. Repete-se

Escutai, ó povos, a palavra do Senhor
e anunciai-a às ilhas distantes:
Aquele que dispersou Israel vai reuni-lo
e guardá-lo como um pastor ao seu rebanho. Refrão

O Senhor resgatou Jacob
e libertou-o das mãos do seu dominador.
Regressarão com brados de alegria ao monte Sião,
acorrendo às bênçãos do Senhor. Refrão

A virgem dançará alegremente,
exultarão os jovens e os velhos.
Converterei o seu luto em alegria
e a sua dor será mudada em consolação e júbilo.
Refrão


ALELUIA cf. Lc 8, 15
Refrão: Aleluia Repete-se

Felizes os que recebem a palavra de Deus
de coração sincero e generoso
e produzem fruto pela perseverança. Refrão


EVANGELHO Mt 13, 18-23
«Aquele que ouve a palavra e a compreende, esse dá fruto»

Jesus dá a explicação da parábola do semeador. A semente é sempre boa, porque é a palavra de Deus, mas o fruto depende do acolhimento que a terra lhe dá, da atenção que ela encontra no coração de cada homem.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Escutai o que significa a parábola do semeador: Quando um homem ouve a palavra do reino e não a compreende, vem o Maligno e arrebata o que foi semeado no seu coração. Este é o que recebeu a semente ao longo do caminho. Aquele que recebeu a semente em sítios pedregosos é o que ouve a palavra e a acolhe de momento com alegria, mas não tem raiz em si mesmo, porque é inconstante, e, ao chegar a tribulação ou a perseguição por causa da palavra, sucumbe logo. Aquele que recebeu a semente entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo e a sedução da riqueza sufocam a palavra, que assim não dá fruto. E aquele que recebeu a palavra em boa terra é o que ouve a palavra e a compreende. Esse dá fruto e produz ora cem, ora sessenta, ora trinta por um».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Senhor, que levastes à plenitude os sacrifícios da Antiga Lei
no único sacrifício de Cristo,
aceitai e santificai esta oblação dos vossos fiéis,
como outrora abençoastes a oblação de Abel;
e fazei que os dons oferecidos em vossa honra por cada um de nós
sirvam para a salvação de todos.
Por Nosso Senhor.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO cf. Salmo 110, 4-5
O Senhor misericordioso e compassivo
instituiu o memorial das suas maravilhas,
deu sustento àqueles que O temem.

Ou Ap 3, 20
Eu estou à porta e chamo, diz o Senhor.
Se alguém ouvir a minha voz e Me abrir a porta,
entrarei em sua casa, cearei com ele e ele comigo.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Protegei, Senhor, o vosso povo
que saciastes nestes divinos mistérios
e fazei-nos passar da antiga condição do pecado
à vida nova da graça.
Por Nosso Senhor.

 

Martirológio

1.   Comemoração dos santos Sete Dormentes de Éfeso, que, segundo a tradição, consumado o martírio, descansam em paz, esperando o dia da ressurreição.

2.   Em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia, São Pantaleão ou Pantalaimão, mártir, venerado no Oriente por ter exercitado a profissão de medicina sem receber recompensa alguma pelo seu trabalho.

3.   Em Lons-le-Saulnier, nos montes do Jura, na Gália, actualmente na França, São Desiderato, que é considerado como bispo de Besançon.

4.   Em Roma, no cemitério de Priscila, junto à Via Salária, São Celestino I, papa, que, para defender a fé da Igreja e expandir as suas fronteiras, constituiu o episcopado na Inglaterra e na Irlanda e apoiou o Concílio de Éfeso, no qual, em oposição a Nestório, foi saudada a Bem-aventurada Virgem Maria como Mãe de Deus.

5.   Próximo de Antioquia, na Síria, hoje na Turquia, São Simeão, monge, que viveu muitos anos sobre uma coluna, pelo qual foi denominado o Estilita, homem admirável pela sua vida e pela sua palavra.

6*.   Em Loches, junto ao rio Indre, no território de Tours, na Gália, actualmente na França, Santo Urso, abade, pai de muitos cenóbios, célebre pela sua abstinência e outras virtudes.

7*.   Em Ravena, na Flamínia, hoje na Emília-Romanha, região da Itália, Santo Eclésio, bispo, que foi companheiro do papa São João I na oposição às atrocidades do rei Teodorico e, depois de as superar sozinho, deu à sua Igreja novo esplendor.

8*.   Na região de Béarn, situada nos Pireneus, na Gasconha da Gália, hoje na França, São Galactório, que é venerado como bispo de Lescar e mártir.

9.   Em Mantineia, próximo de Eskihisar, em Honoríades, território da Anatólia, hoje na Turquia, Santa Antusa, virgem, que, sendo monja, sofreu a flagelação e o exílio no tempo do imperador Constantino Coprónimo por causa do culto das sagradas imagens e, finalmente, pôde regressar à sua pátria, onde morreu em paz.

10.     Em Córdova, na Andaluzia, região da Espanha, os santos mártires Jorge, diácono e monge sírio, Aurélio e Sabigoto, esposos, Félix e Liliosa, também esposos, que, durante a perseguição dos Mouros, animados pelo desejo de dar testemunho da fé em Cristo, não cessaram de louvar Jesus Cristo até ao momento de serem decapitados.

11*.   Em Ocrida, no Ilírico, na actual Macedónia, São Clemente, bispo de Velica, ilustre pela sua cultura e conhecimento das ciências sagradas, que levou a luz da fé ao povo búlgaro. Com ele se comemoram os santos bispos Gorazdo, Nahum, Sabas e Angelário, que continuaram na Bulgária a obra dos santos Cirilo e Metódio.

12*.   No cenóbio de Garsten, na Estíria, na hodierna Áustria, o Beato Bertoldo, abade, ao qual tinham fácil acesso os penitentes em busca de conselho e todos os que procuravam auxílio.

13*.   Em Piacenza, na Emília-Romanha, região da Itália, o Beato Raimundo Palmério, pai de família, que, depois de morrerem a esposa e os filhos, fundou um hospício para acolher os pobres.

14*.   Em Faenza, também na Emília-Romanha, o Beato Nevolone, célebre pelas suas peregrinações religiosas, austeridade de vida e observância eremítica.

15*.   Em Amélia, na Úmbria, também região da Itália, a Beata Lúcia Bufalári, virgem, irmã de São João de Riéti, das Oblatas da Ordem de Santo Agostinho, ilustre pela sua penitência e zelo das almas.

16*.   Em Stafford, na Inglaterra, o Beato Roberto Sutton, presbítero e mártir, que, no reinado de Isabel I, foi enforcado por causa do sacerdócio.

17*.   Em Beaumaris, no País de Gales, o Beato Guilherme Davies, presbítero e mártir, que, na mesma perseguição, por causa do sacerdócio, depois de orar pelos presentes, sofreu o mesmo suplício.

18*.   Em Bréscia, na Lombardia, região da Itália, a Beata Maria Madalena Martinengo, abadessa da Ordem das Clarissas Capuchinhas, insigne pela sua abstinência.

19♦.   Em San Giórgio a Cremano, cidade da província de Nápoles, na Itália, a Beata Maria da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo (Maria da Graça Tarallo), religiosa da Congregação das Religiosas Crucificadas Adoradoras da Eucaristia.

20*.   Em Olleria, povoação da província de Valência, na Espanha, o Beato Joaquim Vilanova Camallonga, presbítero e mártir, que, em tempo de perseguição contra a fé, alcançou a glória celeste.

21*.   Em Llisà, localidade próxima de Barcelona, também na Espanha, o Beato Modesto Vegas Vegas, presbítero da Ordem dos Frades Menores Conventuais e mártir, que, durante a mesma perseguição contra a fé, derramou o seu sangue por Cristo.

22*.   Em Barcelona, também na Espanha, os beatos Filipe Hernández Martínez, Zacarias Abadia Buesa e Jaime Ortiz Alzueta, religiosos da Sociedade Salesiana e mártires, que na mesma perseguição sofreram o martírio.

23♦.   Em Guadalajara, também na Espanha, o Beato André Jiménez Galera, presbítero da Sociedade Salesiana e mártir, que consumou gloriosamente o combate da fé durante a mesma perseguição religiosa.

24♦.   Em Las “emes” de Belinchón, perto de Cuenca, também na Espanha, os beatos mártires Antolin Astorga Díaz, Henrique Bernardino Francisco Serra Chorro, José Aurélio Calleja del Hierro e José Gutiérrez Arranz, presbíteros da Ordem de Santo Agostinho; e Vicente Toledano Valenciano, presbítero da diocese de Cuenca, que passaram à glória celeste depois de terem dado um inquebrantável testemunho de fé em Cristo.

25♦.   Em Munera, na província de Albacete, também na Espanha, o Beato Bartolomeu Rodríguez Sória, presbítero da diocese de Albacete e mártir, que na mesma perseguição religiosa terminou vitoriosamente o combate da fé.

26♦.   Em Toledo, também na Espanha, o Beato Joaquim de la Madrid Arespacochaga, presbítero da diocese de Toledo e mártir, que deu o supremo testemunho de Cristo durante a mesma perseguição contra a fé cristã.

27♦.   Em Balsareñy, cidade da Catalunha, também na Espanha, os beatos Francisco Magino (António Tost Llaveria) e Raimundo Elói (Narciso Serra Rovina), religiosos da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártires, que, pelo combate do martírio, alcançaram a imperecível coroa de glória.

28♦.   Em San Frutuoso de Bages, localidade da Catalunha, também na Espanha, o Beato Honesto Maria (Francisco Pujol Espinalt), religioso da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártir, que, na mesma perseguição, foi assassinado por causa da sua fé.

29♦.   Em Vallvidrera, na Catalunha, também na Espanha, as beatas Raimunda Fossas Romans, Adelfa Soro Bó, Teresa Prats Marti, Otília Alonso González e Raimunda Perramón Vila, virgens da Congregação das Irmãs Dominicanas da Anunciata e mártires, que, de lâmpadas acesas, foram dignas de entrar na ceia eterna de Cristo Esposo.

30*.   Em Auschwitz, próximo de Cracóvia, na Polónia, a Beata Maria Clemente de Jesus Crucificado (Helena Staszewska), virgem da Ordem de Santa Úrsula e mártir, que, durante o furor da guerra, foi encarcerada no desumano campo de extermínio, onde morreu vítima dos tormentos suportados pela fé cristã.