Liturgia diária

Agenda litúrgica

2018-08-25

SÁBADO da semana XX

Santa Maria no Sábado – MF
S. Luís de França – MF
S. José de Calasanz, presbítero – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Ez 43, 1-7a; Sal 84 (85), 9ab-10. 11-12. 13-14
Ev Mt 23, 1-12

* Na Arquidiocese de Braga – B. Miguel de Carvalho, presbítero e mártir – MF
* Na Ordem Carmelita e na Ordem dos Carmelitas Descalços – S. Maria de Jesus Crucificado, virgem – MF
* Na Ordem Franciscana (III Ordem) – S. Luís IX, rei, da III Ordem – MO
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – S. Luís, rei, da III Ordem – MO
* Na Companhia de Jesus – B. Miguel de Carvalho, presbítero e mártir – MF
* Na Congregação Salesiana – B. Maria Troncatti, virgem – MF
* Na Congregação do Santíssimo Redentor – B. Domingos Metódio Treka, presbítero e mártir – MO
* Nas Irmãzinhas dos Anciãos Desamparados – I Vésp. de S. Teresa de Jesus Jornet e Ibars.
* I Vésp. do domingo – Compl. dep. I Vésp. dom.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 83, 10-11
Senhor Deus, nosso protector,
ponde os olhos no rosto do vosso Ungido.
Um dia em vossos átrios vale mais de mil longe de Vós.


ORAÇÃO COLECTA
Deus de bondade infinita,
que preparastes bens invisíveis para aqueles que Vos amam,
infundi em nós o vosso amor,
para que, amando-Vos em tudo e acima de tudo,
alcancemos as vossas promessas, que excedem todo o desejo.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) Ez 43, 1-7a
«A glória do Senhor entrou no templo»

No regresso do exílio, Israel estabelece-se de novo na sua terra; o templo é reconstruído e o profeta vê a glória de Deus, isto é, a presença de Deus, a entrar de novo nele. Mas a entrada plena de Deus no meio do seu povo foi quando o Filho de Deus desceu à nossa terra na Incarnação. A Igreja é agora a morada de Deus no meio dos homens.

Leitura da Profecia de Ezequiel
O Anjo levou-me até à porta do templo que está voltada para o oriente. A glória do Deus de Israel vinha do lado do oriente, com o rumor semelhante ao marulhar das águas caudalosas e a terra resplandecia com a sua glória. A visão que eu contemplava era semelhante à visão que eu tive quando ele veio para destruir a cidade e à que me tinha aparecido nas margens do rio Quebar. Então prostrei-me com o rosto em terra. A glória do Senhor entrou no templo pela porta que está voltada para o oriente. O espírito levantou-me e introduziu-me no átrio interior: a glória do Senhor enchia o templo. Então ouvi Alguém que me falava do interior do templo, enquanto o homem estava de pé junto de mim. E disse-me: «Filho do homem, é este o lugar do meu trono, o lugar onde assentam as plantas dos meus pés; aqui habitarei para sempre, no meio dos filhos de Israel».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 84 (85), 9ab-10.11-12.13-14 (R. cf. 10b)
Refrão: A glória do Senhor habitará na nossa terra. Repete-se

Escutemos o que diz o Senhor:
Deus fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis.
A sua salvação está perto dos que O temem
e a sua glória habitará na nossa terra. Refrão

Encontraram-se a misericórdia e a fidelidade,
abraçaram-se a paz e a justiça.
A fidelidade vai germinar da terra
e a justiça descerá do Céu. Refrão

O Senhor dará ainda o que é bom
e a nossa terra produzirá os seus frutos.
A justiça caminhará à sua frente
e a paz seguirá os seus passos. Refrão


ALELUIA Mt 23, 9b.10b
Refrão: Aleluia. Repete-se
Um só é o vosso Pai, o Pai celeste;
um só é o vosso mestre, Jesus Cristo. Refrão


EVANGELHO Mt 23, 1-12
«Dizem e não fazem»

As palavras de Jesus não são apenas uma doutrina para se acreditar, mas a norma de vida para se viver, a começar pelas atitudes interiores do coração, coisa que os escribas e os fariseus a que referia não estavam dispostos a fazer.
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, Jesus falou à multidão e aos discípulos, dizendo: «Na cadeira de Moisés sentaram-se os escribas e os fariseus. Fazei e observai tudo quanto vos disserem, mas não imiteis as suas obras, porque eles dizem e não fazem. Atam fardos pesados e põem-nos aos ombros dos homens, mas eles nem com o dedo os querem mover. Tudo o que fazem é para serem vistos pelos homens: alargam as filactérias e ampliam as borlas; gostam do primeiro lugar nos banquetes e dos primeiros assentos nas sinagogas, das saudações nas praças públicas e que os tratem por ‘Mestres’. Vós, porém, não vos deixeis tratar por ‘Mestres’, porque um só é o vosso Mestre e vós sois todos irmãos. Na terra não chameis a ninguém vosso ‘Pai’, porque um só é o vosso pai, o Pai celeste. Nem vos deixeis tratar por ‘Doutores’, porque um só é o vosso doutor, o Messias. Aquele que for o maior entre vós será o vosso servo. Quem se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, o que trazemos ao vosso altar,
nesta admirável permuta de dons,
de modo que, oferecendo-Vos o que nos destes,
mereçamos receber-Vos a Vós mesmo.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 129, 7
No Senhor está a misericórdia,
no Senhor está a plenitude da redenção.

Ou Jo 6, 51-52
Eu sou o pão vivo descido do Céu, diz o Senhor.
Quem comer deste pão viverá eternamente.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que neste sacramento
nos fizestes participar mais intimamente no mistério de Cristo,
transformai-nos à sua imagem na terra
para merecermos ser associados à sua glória no Céu.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

S. LUÍS DE FRANÇA

 

S. JOSÉ DE CALASANZ, presbítero

 

 

Martirológio

São Luís IX, rei da França, que se tornou célebre pela sua fé activa, quer em tempo de paz quer no decurso da guerra em defesa dos cristãos, pela justa administração do reino, pelo amor aos pobres e pela constância nas adversidades. Contraiu matrimónio e teve onze filhos, a quem deu uma excelente e piedosa educação. Para honrar a cruz, a coroa de espinhos e o sepulcro do Senhor, dedicou todos os seus bens, a sua força e a própria vida, até que, atingido pela peste no acampamento militar, morreu em Túnis, no litoral da África setentrional.

 

São José de Calasanz, presbítero, que, para educar as crianças e os adolescentes no amor e sabedoria do Evangelho, instituiu escolas populares e fundou em Roma a Ordem dos Clérigos Regrantes Pobres da Mãe de Deus das Escolas Pias.

 

3.   Na Via Aurélia, a seis milhas de Roma, o sepultamento dos santos Eusébio, Ponciano, Vicente e Peregrino, mártires.

4.   Em Arles, na Provença, na hodierna França, São Gens, mártir, que, ainda catecúmeno, trabalhando no tribunal como notário e recusando-se a transcrever um edito contra os cristãos, tentou salvar-se pondo-se em fuga; mas, capturado pelos soldados, foi baptizado com o próprio sangue.

5.   Em Itálica, hoje Santiponce, perto de Sevilha, na Hispânia Bética, São Gerôncio, bispo, que se narra ter morrido no cárcere.

6*.   Em Agde, na Gália Narbonense, actualmente na França, São Severo, abade do mosteiro por ele fundado nesta cidade.

7.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, São Menas, bispo, que foi ordenado pelo papa Santo Agapito e, restabelecida a comunhão, temporariamente interrompida com o papa Vigílio, dedicou à divina Sabedoria a grande igreja edificada pelo imperador Justiniano.

8*.   Em Atane, no território de Limoges, na actual França, Santo Arédio, abade, que, compôs para o cenóbio que fundara uma excelente regra, fundada nos preceitos de vários institutos de vida monástica.

9.   Em Utrecht, na Géldria da Austrásia, actualmente na Holanda, São Gregório, abade, que, ainda adolescente, acompanhou sempre São Bonifácio nas caminhadas missionárias para a conversão da Turíngia e de Hessen e depois, por seu mandato, dirigiu como abade o mosteiro de São Martinho e governou a Igreja de Utrecht.

10.   Em Montefiascone, na Toscana, hoje no Lácio, região da Itália, o passamento de São Tomás Cantelupe, bispo de Hereford, na Inglaterra, homem de eminente cultura, severo para consigo e largamente generoso para com os pobres.

11*.   Em Ximabara, no Japão, os beatos mártires Miguel Carvalho, da Companhia de Jesus, Pedro Vásquez, da Ordem dos Pregadores, Luís Sotelo e Luís Sasanda, presbíteros, e Luís Baba, religioso da Ordem dos Frades Menores, que por Cristo foram queimados vivos.

12*.   Num barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato Paulo João Charles, presbítero e mártir, um prior da Ordem Cisterciense, que, durante a perseguição da Revolução Francesa, foi arrebatado do mosteiro de Sept-Fonts e encarcerado na sórdida galera por causa do seu sacerdócio, onde morreu de inanição e enfermidade.

13*.   Em Córdova, na Argentina, a Beata Maria do Trânsito de Jesus Sacramentado, virgem, que se dedicou intensamente à formação cristã da infância pobre e abandonada e instituiu na Argentina a Congregação das Irmãs Missionárias da Ordem Terceira de São Francisco.

14*.   Em Valência, na Espanha, o Beato Luís Urbano Lanaspa, presbítero da Ordem dos Pregadores e mártir, que superou o glorioso combate por Cristo.

15♦.   Em “Palacio del Duque”, entre Somió e Cabueñes, nas Astúrias, também na Espanha, o Beato Florêncio Alonso Ruiz, presbítero da Ordem de Santo Agostinho e mártir, que, durante a perseguição contra a fé, com o seu martírio seguiu os passos de Cristo.

16♦.   Na estrada de Llagostera a Vidreras, na Catalunha, também na Espanha, o Beato Onofre (Sálvio Tolosa Alsina), religioso da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártir, que na mesma perseguição contra a fé deu testemunho de Cristo derramando por Ele o seu sangue.

17♦.   Em Madrid, também na Espanha, o Beato Vicente Álvarez Cienfuegos, presbítero da Ordem dos Pregadores e mártir, que na mesma perseguição derramou o sangue por Cristo.

18♦.   Em Sucúa, localidade do Equador, Maria Troncatti, virgem da Congregação da Filhas de Maria Auxiliadora, que exerceu uma longa e generosa actividade entre os indígenas “Shuar”.