Liturgia diária

Agenda litúrgica

2019-10-08

TERÇA-FEIRA da semana XXVII

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 Jonas 3, 1-10; Sal 129 (130), 1-2. 3-4ab. 7-8
Ev Lc 10, 38-42

* Na Diocese de Bragança-Miranda – Bem-aventurada Virgem Maria do Rosário – MO
* Na Diocese do Funchal (Funchal) – I Vésp. de Nossa Senhora do Monte.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Est 13, 9.10-11
Senhor, Deus omnipotente, tudo está sujeito ao vosso poder
e ninguém pode resistir à vossa vontade.
Vós criastes o céu e a terra e todas as maravilhas
que estão sob o firmamento.
Vós sois o Senhor do universo.


ORAÇÃO COLECTA
Deus eterno e omnipotente, que, no vosso amor infinito,
cumulais de bens os que Vos imploram
muito além dos seus méritos e desejos, pela vossa misericórdia,
libertai a nossa consciência de toda a inquietação
e dai-nos o que nem sequer ousamos pedir.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Jonas 3, 1-10
«Os habitantes de Nínive converteram-se do seu mau caminho
e Deus compadeceu-Se deles»

Enviado por Deus, Jonas vai a Nínive pregar a penitência, e assim evitou o castigo que viria dentro de quarenta dias. Os Ninivitas escutaram o profeta e foram salvos. A narração é sem dúvida simbólica, mas a sua significação é clara: a conversação leva a Deus todo aquele que se deixa converter pela palavra de Deus.

Leitura da Profecia de Jonas
A palavra do Senhor foi dirigida a Jonas nos seguintes termos: «Levanta-te, vai à grande cidade de Nínive e apregoa nela a mensagem que Eu te direi». Jonas levantou-se e foi a Nínive, conforme a palavra do Senhor. Nínive era uma grande cidade aos olhos de Deus; levava três dias a atravessar. Jonas entrou na cidade e caminhou durante um dia, apregoando: «Daqui a quarenta dias, Nínive será destruída». Os habitantes de Nínive acreditaram em Deus, proclamaram um jejum e revestiram-se de saco, desde o maior ao mais pequeno. Logo que a notícia chegou ao rei de Nínive, ele ergueu-se do trono e tirou o manto, cobriu-se de saco e sentou-se sobre a cinza. Depois foi proclamado em Nínive um decreto do rei e dos seus ministros, que dizia: «Os homens e os animais, os bois e as ovelhas, não provem alimento, não pastem nem bebam água. Os homens e os animais revistam-se de saco e clamem a Deus com vigor; afaste-se cada um do seu mau caminho e das violências que tenha praticado. Quem sabe? Talvez Deus reconsidere e desista, acalmando o ardor da sua ira, de modo que não pereçamos». Quando Deus viu as suas obras e como se convertiam do seu mau caminho, desistiu do castigo com que os ameaçara e não o executou.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 129 (130), 1-2.3-4ab.7-8 (R. 3)
Refrão: Se olhais para os nossos pecados,
Senhor, quem poderá salvar-se? Repete-se

Do profundo abismo chamo por Vós, Senhor,
Senhor, escutai a minha voz.
Estejam os vossos ouvidos atentos
à voz da minha súplica. Refrão

Se tiverdes em conta as nossas faltas,
Senhor, quem poderá salvar-se?
Mas em Vós está o perdão,
para Vos servirmos com reverência. Refrão

No Senhor está a misericórdia
e com Ele abundante redenção.
Ele há-de libertar Israel
de todas as suas faltas. Refrão


ALELUIA¬ Lc 11, 28
Refrão: Aleluia Repete-se
Felizes os que ouvem a palavra de Deus
e a põem em prática. Refrão


EVANGELHO Lc 10, 38-42
«Marta recebeu Jesus em sua casa.
Maria escolheu a melhor parte»

O acolhimento que as duas irmãs fazem a Jesus não se manifesta menos na atenção que Maria dá à sua palavra do que na refeição que a solicitude de Marta Lhe preparava. Mais do que de pão para a boca, necessita o coração da palavra de Deus. E não é a Palavra de Deus o melhor dos alimentos?

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, Jesus entrou em certa povoação e uma mulher chamada Marta recebeu-O em sua casa. Ela tinha uma irmã chamada Maria, que, sentada aos pés de Jesus, ouvia a sua palavra. Entretanto, Marta atarefava-se com muito serviço. Interveio então e disse: «Senhor, não Te importas que minha irmã me deixe sozinha a servir? Diz-lhe que venha ajudar-me». O Senhor respondeu-lhe: «Marta, Marta, andas inquieta e preocupada com muitas coisas, quando uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, o sacrifício
que Vós mesmo nos mandastes oferecer
e, por estes sagrados mistérios que celebramos,
confirmai em nós a obra da redenção.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Lam 3, 25
O Senhor é bom para quem n’Ele confia,
para a alma que O procura.

Ou cf. 1 Cor 10, 17
Porque há um só pão, todos somos um só corpo,
nós que participamos do mesmo cálice e do mesmo pão.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Deus todo-poderoso,
que neste sacramento saciais a nossa fome e a nossa sede,
fazei que, ao comungarmos o Corpo e o Sangue do vosso Filho,
nos transformemos n’Aquele que recebemos.
Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Em Antioquia, na Síria, hoje Antakya, na Turquia, Santa Pelágia, virgem e mártir, que São João Crisóstomo exalta com grandes louvores.

2.   Comemoração de Santa Reparata, que é venerada em muitos lugares como virgem e mártir.

3.   Em Como, na Ligúria, hoje na Lombardia, região da Itália, São Félix, bispo, que, ordenado por Santo Ambrósio de Milão, foi o primeiro bispo desta cidade.

4.   Em Ruão, na Gália Lionense, actualmente na França, Santo Evódio, bispo.

5*.   Em Denain, no Hainaut, também na actual França, Santa Ragenfreda, abadessa, que com os seus bens fundou neste lugar um mosteiro, do qual foi digna abadessa.

6*.   Em Génova, na Ligúria, região da Itália, Santo Hugo, religioso, que, depois de ter prestado o serviço militar durante longo tempo na Terra Santa, foi designado para reger a Comenda da Ordem de São João de Jerusalém nesta cidade e se distinguiu pela sua bondade e caridade para com os pobres.

7*.   Em Londres, na Inglaterra, os beatos João Adams, Roberto Dibdale e João Lowe, presbíteros e mártires, que, no reinado de Isabel I, por terem exercido o ministério sacerdotal para o povo católico, foram condenados à morte e, depois de sofrerem atrozes tormentos em Tyburn, alcançaram o reino celeste.

8♦.     No cemitério de Montcada, na Catalunha, região da Espanha, os beatos Laurentino (Mariano Alonso Fuentes), religioso da Congregação dos Irmãos Maristas e companheiros[1], mártires, que, durante a perseguição contra a fé, pelo seu inquebrantável testemunho de Cristo alcançaram vitoriosamente o reino celeste.

 


[1]  São estes os seus nomes: Alberto Maria (Nestor Vivar Valdivieso), Ângelo André (Lúcio Izquierdo López), Anselmo (Aniceto Falgueras Casellas), Antolín Roig Alibau (António), Epifânio (Fernando Suñer Estrach), Carlos Rafael (Carlos Bregaret Pujol), Dionísio Martinho (José César Mercadal), Félix Leão (Félix Ayúcar Eraso), Filipe José (Firmino Latienda Azpilcueta), Fortunato André (Fortunato Ruiz Peña), Frumêncio (Júlio Garcia Galarza), Gabriel Eduardo (Segismundo Hidalgo Martínez), Gaudêncio (João Tubau Perelló), Gil Filipe (Filipe Ruiz Peña), Hermógenes (António Badia Andalé), Isaías Maria (Vitoriano Martínez Martin), Ismael (Nicolau Ran Goñi), Jaime Raimundo (Jaime Morella Bruguera), João Crisóstomo (João Pelfort Planell), João de Mata (Jesus Menchón Franco), José Carmelo (Gregório Faci Molins), José Frederico (Nicolau Pereda Revuelta), Laureano Carlos (Pedro Sitjes Puig), Leónides (Jerónimo Messegué Ribera), Leopoldo José (Florentino Redondo Insausti), Licarião (Ângelo Roba Osorno), Lino Fernando (Vítor Guriérrez Gómez), Martiniano (Isidro Serrano Pabón), Miguel Ireneu (Leocádio Rodríguez Nieto), Porfírio (Leôncio Pérez Gómez), Prisciliano (José Mir Pons), Raimundo Alberto (Feliciano Ayúcar Eraso), Sílvio (Vitoriano Gómez Gutiérrez), Santos (Santos Escudero Miguel), Teódulo (Lúcio Zudaire Aramendia), Tiago (Serafim Zugaldia Lacruz), Tiago Maria (Tiago Sainz Martínez), Vírgílio (Trifão Nicásio Lacunza Unzu), Víto José (Vito José Elda Arruti), Vítor Conrado (José Ambrós Dejuán), Vítorino José (José Blanch Roca), Vívêncio (João Nuñes Casado), Vulfrano (Raimundo Mill Arán), todos religiosos da Congregação dos Irmãos Maristas.