Liturgia diária

Agenda litúrgica

2019-11-10

DOMINGO XXXII DO TEMPO COMUM

Verde – Ofício do domingo (Semana IV do Saltério). Te Deum.
+ Missa própria, Glória, Credo, pf. dominical.

L 1 2 Mac 7, 1-2. 9-14; Sal 16 (17), 1. 5-6. 8b e 15
L 2 2 Tes 2, 16 – 3, 5
Ev Lc 20, 27-38 ou Lc 20, 27. 34-38

* Proibidas as Missas de defuntos, excepto a exequial.
* Em todas as Dioceses de Portugal – Começa a Semana dos Seminários.
* Na Diocese do Algarve – Ofertório para o Seminário Diocesano.
* Na Diocese de Angra – Colecta por ocasião do Dia da Igreja Diocesana.
* II Vésp. do domingo – Compl. dep. II Vésp. dom.

 

Ano C

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 87, 3
Chegue até Vós, Senhor, a minha oração,
inclinai o ouvido ao meu clamor.


ORAÇÃO COLECTA
Deus eterno e misericordioso,
afastai de nós toda a adversidade,
para que, sem obstáculos do corpo ou do espírito,
possamos livremente cumprir a vossa vontade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I 2 Mac 7, 1-2.9-14
«O Rei do universo ressuscitar-nos-á para a vida eterna»

A fé na ressurreição é o tema central da terceira e da primeira leitura. Se a consciência da ressurreição levou tempo a nascer no povo do Antigo Testamento, ela é claramente professada, e não só por palavras, mas no testemunho do martírio, pelos sete jovens irmãos e sua mãe, martirizados cerca do ano 68 antes de Cristo pelo rei pagão.

Leitura do Segundo Livro dos Macabeus
Naqueles dias, foram presos sete irmãos, juntamente com a mãe, e o rei da Síria quis obrigá-los, à força de golpes de azorrague e de nervos de boi, a comer carne de porco proibida pela Lei judaica. Um deles tomou a palavra em nome de todos e falou assim ao rei: «Que pretendes perguntar e saber de nós? Estamos prontos para morrer, antes que violar a lei de nossos pais». Prestes a soltar o último suspiro, o segundo irmão disse: «Tu, malvado, pretendes arrancar-nos a vida presente, mas o Rei do universo ressuscitar-nos-á para a vida eterna, se morrermos fiéis às suas leis». Depois deste começaram a torturar o terceiro. Intimado a pôr fora a língua, apresentou-a sem demora e estendeu as mãos resolutamente, dizendo com nobre coragem: «Do Céu recebi estes membros e é por causa das suas leis que os desprezo, pois do Céu espero recebê-los de novo». O próprio rei e quantos o acompanhavam estavam admirados com a força de ânimo do jovem, que não fazia nenhum caso das torturas. Depois de executado este último, sujeitaram o quarto ao mesmo suplício. Quando estava para morrer, falou assim: «Vale a pena morrermos às mãos dos homens, quando temos a esperança em Deus de que Ele nos ressuscitará; mas tu, ó rei, não ressuscitarás para a vida».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 16 (17), 1.5-6.8b.15 (R. cf. 15b)
Refrão: Senhor, ficarei saciado,
quando surgir a vossa glória. Repete-se

Ouvi, Senhor, uma causa justa,
atendei a minha súplica.
Escutai a minha oração,
feita com sinceridade. Refrão

Firmai os meus passos nas vossas veredas,
para que não vacilem os meus pés.
Eu Vos invoco, ó Deus, respondei-me,
ouvi e escutai as minhas palavras. Refrão

Protegei-me à sombra das vossas asas,
longe dos ímpios que me fazem violência.
Senhor, mereça eu contemplar a vossa face
e ao despertar saciar-me com a vossa imagem. Refrão


LEITURA II 2 Tes 2, 16 – 3, 5
«O Senhor vos torne firmes em toda a espécie
de boas obras e palavras»

S. Paulo fez também a experiência do que é sentir-se acabrunhado pelos seus inimigos; mas foi então que ele mais soube apelar para a confiança em Cristo, tanto para si como para os outros.

Leitura da Segunda Epístola do apóstolo São Paulo
aos Tessalonicenses
Irmãos: Jesus Cristo, nosso Senhor, e Deus, nosso Pai, que nos amou e nos deu, pela sua graça, eterna consolação e feliz esperança, confortem os vossos corações e os tornem firmes em toda a espécie de boas obras e palavras. Entretanto, irmãos, orai por nós, para que a palavra do Senhor se propague rapidamente e seja glorificada, como acontece no meio de vós. Orai também, para que sejamos livres dos homens perversos e maus, pois nem todos têm fé. Mas o Senhor é fiel: Ele vos dará firmeza e vos guardará do Maligno. Quanto a vós, confiamos inteiramente no Senhor que cumpris e cumprireis o que vos mandamos. O Senhor dirija os vossos corações, para que amem a Deus e aguardem a Cristo com perseverança.
Palavra do Senhor.


ALELUIA Ap 1, 5a.6b
Refrão: Aleluia. Repete-se
Jesus Cristo é o Primogénito dos mortos.
A Ele a glória e o poder pelos séculos dos séculos. Refrão


EVANGELHO – Forma longa Lc 20, 27-38
«Não é um Deus de mortos, mas de vivos»

Jesus afirma claramente o mistério da ressurreição dos mortos, contra certa maneira de pensar em contrário de alguns daqueles com quem falava. A “ressurreição da carne” é, por isso, um dos pontos do Símbolo da fé cristã, o "Credo".

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, aproximaram-se de Jesus alguns saduceus – que negam a ressurreição – e fizeram-lhe a seguinte pergunta: «Mestre, Moisés deixou-nos escrito: ‘Se morrer a alguém um irmão, que deixe mulher, mas sem filhos, esse homem deve casar com a viúva, para dar descendência a seu irmão’. Ora havia sete irmãos. O primeiro casou-se e morreu sem filhos. O segundo e depois o terceiro desposaram a viúva; e o mesmo sucedeu aos sete, que morreram e não deixaram filhos. Por fim, morreu também a mulher. De qual destes será ela esposa na ressurreição, uma vez que os sete a tiveram por mulher?». Disse-lhes Jesus: Os filhos deste mundo casam-se e dão-se em casamento. Mas aqueles que forem dignos de tomar parte na vida futura e na ressurreição dos mortos, nem se casam nem se dão em casamento. Na verdade, já não podem morrer, pois são como os Anjos, e, porque nasceram da ressurreição, são filhos de Deus. E que os mortos ressuscitam, até Moisés o deu a entender no episódio da sarça ardente, quando chama ao Senhor ‘o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacob’. Não é um Deus de mortos, mas de vivos, porque para Ele todos estão vivos».
Palavra da salvação.


EVANGELHO – Forma breve Lc 20, 27.34-38
«Não é um Deus de mortos, mas de vivos»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, aproximaram-se de Jesus alguns saduceus – que negam a ressurreição – e começaram a interrogá-l’O. Disse-lhes Jesus: Os filhos deste mundo casam-se e dão-se em casamento. Mas aqueles que forem dignos de tomar parte na vida futura e na ressurreição dos mortos, nem se casam nem se dão em casamento. Na verdade, já não podem morrer, pois são como os Anjos, e, porque nasceram da ressurreição, são filhos de Deus. E que os mortos ressuscitam, até Moisés o deu a entender no episódio da sarça ardente, quando chama ao Senhor ‘o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacob’. Não é um Deus de mortos, mas de vivos, porque para Ele todos estão vivos».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATA
Olhai, Senhor, com benevolência
para o sacrifício que Vos apresentamos,
a fim de participarmos com sincera piedade
no memorial da paixão do vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 22, 1-2
O Senhor é meu pastor: nada me falta.
Leva-me a descansar em verdes prados.
Conduz-me às águas refrescantes
e reconforta a minha alma.

Ou Lc 24, 35
Os discípulos reconheceram
o Senhor Jesus ao partir o pão.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Nós Vos damos graças, Senhor,
pelo alimento celeste que recebemos
e imploramos da vossa misericórdia
que, pela acção do Espírito Santo,
perseverem na vossa graça
os que receberam a força do alto.
Por Nosso Senhor.

 

 

Santo

S. LEÃO MAGNO, papa e doutor da Igreja

 

 

Martirológio

Memória de São Leão I, papa e doutor da Igreja, que, nascido na Etrúria, na actual Toscana, região da Itália, primeiro foi diácono diligente da Urbe e depois, elevado à cátedra de Pedro, mereceu com todo o mérito ser chamado Magno, tanto por ter apascentado a sua grei com uma sublime e prudente pregação como por ter confirmado vigorosamente, por meio dos seus legados ao Concílio Ecuménico de Calcedónia, a recta doutrina sobre a encarnação de Deus. Descansou no Senhor em Roma, junto de São Pedro, onde neste dia foi sepultado.

2.   Na antiga Pérsia, o passamento de São Demetriano, bispo de Antioquia, que foi deportado para o exílio pelo rei Sapor I.

3.   Em Tiana, na Capadócia, na hodierna Turquia, Santo Orestes, mártir.

4.   Em Ravena, na Flamínia, hoje nas Marcas, região da Itália, São Probo, bispo, a cujo nome o bispo São Maximiano dedicou a basílica de Classe.

5.   Na antiga Pérsia, os santos mártires Narsés, bispo, venerável ancião, e José, seu discípulo, jovem, que, por se recusarem a adorar o sol como lhes mandava o rei Sapor II, foram decapitados.

6.   Em Cantuária, na Inglaterra, São Justo, bispo, que, enviado com outros monges pelo papa São Gregório Magno para ajudar Santo Agostinho na evangelização da Inglaterra, aceitou depois o episcopado nesta sede.

7*.   Em Villa del Foro, localidade do Piemonte, região da Itália, São Baudulino, eremita.

8.   Em Nápoles, na Campânia, também região da Itália, Santo André Avelino, presbítero da Congregação dos Cónegos Regrantes, célebre pela sua santidade e pelo seu zelo em procurar a salvação do próximo, que fez o árduo voto de progredir cada dia mais nas virtudes e, rico de méritos, morreu santamente aos pés do altar.

9*.   Em Barcelona, na Espanha, o Beato Acisclo Joaquim Piña Piazuelo, religioso da Ordem de São João de Deus e mártir, que durante o furor da perseguição, foi assassinado em ódio à religião.

10♦.   Em Madrid, também na Espanha, as beatas Manuela do Sagrado Coração (Manuela Arriola Uranga), virgem da Congregação das Adoradoras Escravas do Santíssimo Sacramento e Companheiras[1], mártires, que, na mesma perseguição, foram coroadas pelo testemunho de Cristo.

 


[1]  São estes os seus nomes: Blasa de Maria (Joana Francisca Pérez de Labeaga Garcia), Lucila Maria de Jesus (Luzia González Garcia), Casta de Jesus (Teresa Vives Missé), Rosária de Maria (Rosa López Brochier), Luísa da Eucaristia (Luísa Pérez Andriá), Maria da Apresentação (Maria da Apresentação Garcia Ferrero), Maria das Dores de Jesus Crucificado (Maria das Dores Monzón Rosales), Borja de Jesus (Maria Zenona Aranzábal Barrútia), Máxima de São José (Emília Echeverria Fernández), Sulpícia do Bom Pastor (Dionísia Rodríguez de Anta), Maria das Dores da Santíssima Trindade (Maria das Dores Hernández Santorcuato), Maria Prima de Jesus (Maria Prima Ipiña Malzárraga), Belarmina de Jesus (Belarmina Pérez Martínez), Sinforosa da Sagrada Família (Sinforosa Díaz Fernández), Purificação de Maria (Purificação Martínez Vera), Josefa de Jesus (Josefa Boix Riera), irmãs da Congregação das Adoradoras Escravas do Santíssimo Sacramento; Ângeles (Mercedes) Tuni Ustech, Ruperta (Conceição Vázquez Áreas), Herlinda (Áurea González Fernández), Cecília (Conceição Iglésias del Campo), Filipa (Filipa Gutiérrez Garay), Madalena (Madalena Pérez), auxiliares da Congregação das Adoradoras Escravas do Santíssimo Sacramento.

 

11♦.   Em Hamburgo, na Alemanha, os beatos Eduardo Müller, Germano Lange e João Prassek, presbíteros da diocese de Lübeck e mártires, que, sob um regime tirano e hostil à religião, foram encarcerados e cruelmente torturados e finalmente executados por decapitação em ódio à Igreja e ao saerdócio.