Liturgia diária

Agenda litúrgica

2019-12-09

SEGUNDA-FEIRA da semana II

S. João Diogo – MF
Roxo ou br. – Ofício da féria ou da memória
(Semana II do Saltério).
Missa da féria ou da memória, pf. I do Advento.

L 1 Is 35, 1-10; Sal 84 (85), 9ab-10. 11-12. 13-14
Ev Lc 5, 17-26
* Na Congregação da Paixão de Jesus Cristo – B. Bernardo Maria Silvestrelli, presbítero – MO
* Nas Dioceses de Cabo Verde – Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria – SOLENIDADE (transferida)

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA cf. Jer 31, 10; Is 35, 4
Ouvi, ó povos, a palavra do Senhor
e proclamai-a até aos confins da terra.
Não temais. Deus vem salvar-nos.


ORAÇÃO COLECTA
Acolhei benignamente, Senhor, a nossa oração e suscitai nos vossos servos o desejo sincero de chegar, de coração purificado, ao grande mistério da Encarnação do vosso Filho Unigénito, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Is 35, 1-10
«Deus vem salvar-nos»

Os tempos do Messias são anunciados pelo profeta como um novo paraíso. O profeta, que é, ao mesmo tempo, um poeta, anuncia, por meio de imagens cheias de optimismo e beleza, a transformação feliz de todas as coisas: o deserto será jardim, o que é fraco será revestido de força, o que é árido tornar-se-á viçoso. São imagens que, já desde longa data, anunciavam a renovação trazida ao mundo pelo Filho de Deus; agora exprimem o júbilo e a alegria da Igreja nesta expectativa da vinda do Senhor, que ela celebra no Advento.

Leitura do Livro de Isaías
Alegrem-se o deserto e o descampado, rejubile e floresça a terra árida, cubra-se de flores como o narciso, exulte com brados de alegria. Ser-lhe-á dada a glória do Líbano, o esplendor do Carmelo e de Saron. Verão a glória do Senhor, o esplendor do nosso Deus. Fortalecei as mãos fatigadas e robustecei os joelhos vacilantes. Dizei aos corações perturbados: «Tende coragem, não temais: Aí está o vosso Deus, que vem para fazer justiça e dar a recompensa. Ele próprio vem salvar-vos». Abrir-se-ão os olhos dos cegos e os ouvidos dos surdos. Então o coxo saltará como um veado e a língua do mudo cantará de alegria. As águas brotarão no deserto e as torrentes na aridez da planície; a terra seca transformar-se-á em lago e a terra sequiosa em nascentes de água. No covil dos chacais crescerão canas e juncos. Aí haverá uma estrada, que se chamará «caminho sagrado»; nenhum homem impuro passará por ele e nele os insensatos não se perderão. Nesse caminho não haverá leões, nem andarão por ali animais ferozes. Por ele caminharão os resgatados e voltarão os que tiver libertado o Senhor. Hão-de chegar a Sião com brados de alegria, com eterna felicidade a iluminar-lhes o rosto. Reinarão o prazer e o contentamento e acabarão a dor e os gemidos.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Sal. 84 (85), 9ab-10.11-12.13-14 (R. Is 35, 4d)
Refrão: O Senhor, nosso Deus, vem salvar-nos. Repete-se

Escutemos o que diz o Senhor:
Deus fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis.
A sua salvação está perto dos que O temem
e a sua glória habitará na nossa terra. Refrão

Encontraram-se a misericórdia e a fidelidade,
abraçaram-se a paz e a justiça.
A fidelidade vai germinar da terra
e a justiça descerá do Céu. Refrão

O Senhor dará ainda o que é bom
e a nossa terra produzirá os seus frutos.
A justiça caminhará à sua frente
e a paz seguirá os seus passos. Refrão


ALELUIA
Refrão: Aleluia Repete-se
Eis que vem o Rei, Senhor de toda a terra,
libertar-nos do jugo do nosso cativeiro. Refrão


EVANGELHO Lc 5, 17-26
«Hoje vimos maravilhas»

A leitura do Evangelho vem mostrar que as promessas do profeta (I leitura) se cumpriram em Jesus. O enfermo, jazendo no catre, é imagem de toda a humanidade entregue a si mesma, sem ter quem a salve. O encontro com Jesus foi para o enfermo a cura da doença, o perdão dos pecados, a fonte da alegria. E quem o presenciou soube reconhecer o dom de Deus e proclamar as suas maravilhas. Há-de ser assim a atitude de quem reconhece, no Filho de Deus que vem, o seu Salvador.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Certo dia, enquanto Jesus ensinava, estavam entre a assistência fariseus e doutores da Lei, que tinham vindo de todas as povoações da Galileia, da Judeia e de Jerusalém; e Ele tinha o poder do Senhor para operar curas. Apareceram então uns homens, trazendo num catre um paralítico; tentavam levá-lo para dentro e colocá-lo diante de Jesus. Como não encontraram modo de o introduzir, por causa da multidão, subiram ao terraço e, através das telhas, desceram-no com o catre, deixando-o no meio da assistência, diante de Jesus. Ao ver a fé daquela gente, Jesus disse: «Homem, os teus pecados estão perdoados». Os escribas e fariseus começaram a pensar: «Quem é este que profere blasfémias? Não é só Deus que pode perdoar os pecados?» Mas Jesus, que lia nos seus pensamentos, tomou a palavra e disse-lhes: «Que estais a pensar nos vossos corações? Que é mais fácil dizer: ‘Os teus pecados estão perdoados’ ou ‘Levanta-te e anda’? Pois bem, para saberdes que o Filho do homem tem na terra o poder de perdoar os pecados... Eu te ordeno – disse Ele ao paralítico – levanta-te, toma a tua enxerga e vai para casa». Logo ele se levantou à vista de todos, tomou a enxerga em que estivera deitado e foi para casa, dando glória a Deus. Ficaram todos muito admirados e davam glória a Deus; e, cheios de temor, diziam: «Hoje vimos maravilhas».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, estes dons que recebemos da vossa bondade e fazei que os sagrados mistérios que celebramos no tempo presente sejam para nós penhor de salvação eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio do Advento I: p. 396


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 105, 4-5; Is 38,3
Vinde visitar-nos, Senhor, e dai-nos a paz,
para que nos alegremos de todo o coração na vossa presença.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Fazei frutificar em nós, Senhor, os mistérios que celebramos, pelos quais, durante a nossa vida na terra, nos ensinais a amar os bens do Céu e a viver para os valores eternos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio

São João Diogo Cuauhtlatoatzin, de origem indígena, homem de fé puríssima, que, pela sua humildade e fervor, conseguiu que se edificasse um santuário em honra de Nossa Senhora de Guadalupe, na colina de Tepeyac, perto da cidade do México, onde ela lhe tinha aparecido e ele descansou no Senhor.

 

2.   Em Toledo, na Hispânia, Santa Leocádia, virgem e mártir, insigne pelo testemunho da fé em Cristo.

3.   Em Pavia, na Ligúria, hoje na Lombardia, região da Itália, São Siro, primeiro bispo da cidade.

4.   Em Nazianzo, na Capadócia, na hodierna Turquia, Santa Gorgónia, mãe de família, que foi filha de Santa Nona e irmã de São Gregório o Teólogo e de São Cesário; o próprio São Gregório escreveu sobre as suas virtudes.

5.   No mosteiro de Genouillac, junto de Périgueux, na Gália, actualmente na França, São Cipriano, abade, ilustre pela dedicação aos enfermos.

6♦.   Em Yatsushiro, no Japão, os beatos Simão Takeda Gohyoe, Joana Takeda, Inês Takeda, Madalena Minami e Luís Minami, mártires.

7*.   Junto ao rio Meno, na Baviera, região da Alemanha, o Beato Libório Wagner, presbítero e mártir, homem de exímia caridade, que coroou com o derramamento do seu sangue a assistência pastoral, tanto de católicos como de irmãos separados.

8.   Em Gray, na Borgonha, hoje na França, onde se tinha acolhido ao ser exilado, o passamento de São Pedro Fourier, presbítero, que escolheu para o seu ministério e cuidou admiravelmente a paróquia paupérrima de Mattaincourt, na Lorena, restaurou os Cónegos Regrantes do Nosso Salvador e fundou o Instituto das Canonisas Regrantes de Nossa Senhora, para se dedicarem à educação gratuita das meninas.

9*.   Em Moricone, na Sabina, hoje no Lácio, região da Itália, o Beato Bernardo Maria de Jesus (César Silvestrélli), presbítero da Congregação da Paixão, que, eleito para superior geral, se empenhou diligentemente no seu incremento e difusão.

10*.   Em Llombay, localidade da província de Valência, na Espanha, o Beato José Ferrer Esteve, presbítero da Ordem dos Cónegos Regrantes das Escolas Pias e mártir, que foi fuzilado em ódio ao sacerdócio.

11*.   Em Picadero de Paterna, também na província de Valência, os beatos Recaredo de los Rios Fabregat, Julião Rodríguez Sánchez e José Giménez López, presbíteros da Sociedade Salesiana e mártires, que, durante a perseguição contra a fé, consumaram gloriosamente o combate por Cristo, que, durante a perseguição contra a fé, consumaram gloriosamente o combate por Cristo.

12♦.   Em Barcelona, na Espanha, o Beato Agápio José (José Luís Carreras Comas), religioso da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártir, que padeceu o martírio na mesma perseguição contra a fé.