Liturgia diária

Agenda litúrgica

2019-03-12

TERÇA-FEIRA da semana I

Roxo – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. da Quaresma.

L 1 Is 55, 10-11; Sal 33 (34), 4-5. 6-7. 16-17. 18-19
Ev Mt 6, 7-15

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 89, l-2
Senhor, tendes sido o nosso refúgio, de geração em geração.
Desde sempre e por toda a eternidade, Vós sois Deus.


ORAÇÃO COLECTA
Olhai, Senhor, para a vossa família e fazei que a nossa alma, purificada pela penitência corporal, resplandeça cada vez mais com a luz da vossa presença. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Is 55, 10-11
«A minha palavra cumpre a minha vontade»

A liturgia dos primeiros dias da Quaresma dá-nos as grandes linhas para a vida cristã nesta preparação pascal. A primeira leitura de hoje apresenta a palavra vinda de Deus como força portadora de vida, capaz de produzir em nós uma renovação profunda. A palavra de Deus é o grande alimento deste tempo de jejum quaresmal. A Palavra de Deus é, em última análise, o próprio Cristo, que saiu do Pai e veio ao mundo para manifestar a vontade do Pai.

Leitura do Livro de Isaías
Assim fala o Senhor. «A chuva e a neve que descem do céu não voltam para lá sem terem regado a terra, sem a haverem fecundado e feito produzir, para que dê a semente ao semeador e o pão para comer. Assim a palavra que sai da minha boca não volta sem ter produzido o seu efeito, sem ter cumprido a minha vontade, sem ter realizado a sua missão».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 33 (34), 4-5.6-7.16-17.18-19 (R. 18b)
Refrão: Deus salva os justos
de todos os sofrimentos.Q94;Repete-se

Enaltecei comigo o Senhor
e exaltemos juntos o seu nome.
Procurei o Senhor e Ele atendeu-me,
libertou-me de toda a ansiedade.Q94;Refrão

Voltai-vos para Ele e ficareis radiantes,
o vosso rosto não se cobrirá de vergonha.
Este pobre clamou e o Senhor o ouviu,
salvou-o de todas as angústias.Q94;Refrão

Os olhos do Senhor estão voltados para os justos
e os ouvidos atentos aos seus rogos.
A face do Senhor volta-se contra os que fazem o mal,
para apagar da terra a sua memória.Q94;Refrão

Os justos clamaram e o Senhor os ouviu,
livrou-os de todas as suas angústias.
O Senhor está perto dos que têm o coração atribulado
e salva os de ânimo abatido.Q94;Refrão


ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO Mt 4, 4b
Refrão: Grandes e admiráveis são as vossas obras, Senhor. Repete-se
Nem só de pão vive o homem,
mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. Refrão


EVANGELHO Mt 6, 7-15
«Orai assim»

A segunda leitura ensina-nos como responder à palavra de Deus na oração, no diálogo profundo em que o homem derrama a sua alma diante de Deus, a quem ousa chamar “Pai”. A oração é uma das ocupações principais do cristão na Quaresma. Jesus ensina-nos hoje como a oração deve ser, antes de mais, a voz do coração animado pela fé, pela esperança e pelo amor filial para com o Pai celeste, como o próprio Senhor fez durante os 40 dias que passou no deserto.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Quando orardes, não digais muitas palavras, como os pagãos, porque pensam que serão atendidos por falarem muito. Não sejais como eles, porque o vosso Pai bem sabe do que precisais, antes de vós Lho pedirdes. Orai assim: ‘Pai nosso, que estais nos Céus, santificado seja o vosso nome; venha a nós o vosso reino; seja feita a vossa vontade assim na terra como no Céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje; perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido; e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal’. Porque se perdoardes aos homens as suas faltas, também o vosso Pai celeste vos perdoará. Mas se não perdoardes aos homens, também o vosso Pai não vos perdoará as vossas faltas».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Deus, criador e Senhor de todas as coisas, recebei estes dons que nos vieram das vossas mãos e transformai este alimento da nossa vida presente em sacramento de vida eterna. Por Nosso Senhor.


Prefácio da Quaresma


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 4, 2
Quando Vos invocar, ouvi-me, ó Deus, meu Salvador.
Vós que na tribulação me tendes protegido,
compadecei-Vos de mim e ouvi a minha súplica.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Pela comunhão nos vossos mistérios, ensinai-nos, Senhor, a moderar os desejos das coisas terrenas e a amar os bens celestes. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio

1.   Em Tebessa, na Numídia, na actual Argélia, São Maximiliano, mártir, que, sendo filho do militar veterano Vítor e recrutado também para o exército, respondeu ao procônsul Diónio que, na sua qualidade de cristão, não lhe era permitido servir como soldado e, por recusar o juramento militar, foi morto ao fio da espada.

2.   Em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia, a comemoração dos santos mártires Migdónio, presbítero, Eugénio, Máximo, Dona, Mardónio, Pedro, Esmaragdo e Hilário, que foram sufocados um cada dia, para atemorizar os outros.

3.   Também em Nicomédia da Bitínia, a paixão de São Pedro, mártir, camareiro-mor do imperador Diocleciano, que por ter lamentado publicamente os suplícios excessivos dos mártires, por ordem do mesmo imperador foi colocado no meio deles, depois suspenso no ar e flagelado durante muito tempo e finalmente assado a fogo lento numa grelha. Doroteu e Gorgónio, também camareiros do rei, que reclamaram contra o sucedido, sofreram semelhantes tormentos e por fim foram enforcados.

4.   Em Roma, no cemitério de Ponciano “ad Ursum Pileatum”, o sepultamento de Santo Inocêncio I, papa, que defendeu São João Crisóstomo, confortou São Jerónimo e aprovou Santo Agostinho.

5.   Em Saint-Pol-de-Léon, na Bretanha Armórica, hoje na França, São Paulo Aureliano, primeiro bispo desta cidade.

6.   Em Roma, junto de São Pedro, o sepultamento de São Gregório Magno, papa, cuja memória se celebra a três de Setembro, dia da sua ordenação.

7.   Em Sigriana, localidade da Bitínia, na actual Turquia, no mosteiro de Campo Grande, o sepultamento de São Teófanes, o Cronógrafo, que, sendo muito rico se fez pobre monge e, por defender o culto das sagradas imagens, foi encarcerado por ordem do imperador Leão o Arménio durante dois anos e depois deportado para a Samotrácia, onde, exausto com tantas tribulações, entregou o espírito a Deus.

8*.   Em Wincester, na Inglaterra, Santo Elfego, bispo, que tinha sido monge e trabalhou muito para a restauração da vida cenobítica.

9*.   Em San Geminiano, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, a Beata Fina ou Serafina, virgem, que desde tenra idade suportou com invencível paciência uma longa e grave enfermidade, confiando só em Deus.

10*.   Em Arezzo, também na Etrúria, actualmente na Toscana, região da Itália, a Beata Justina Francúcci Bézzoli, virgem da Ordem de São Bento e reclusa.

11*.   Em Recanáti, no Piceno, actualmente nas Marcas, também região da Itália, o Beato Jerónimo Gherardúcci, presbítero da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, que trabalhou pela paz e concórdia entre os povos.

12.   Em Guiyang, cidade da província de Guangxi, na China, São José Zhang Dapeng, mártir, que, tendo recebido a luz da fé, pouco depois de ser baptizado abriu as portas aos missionários e catequistas e socorreu de todas as formas os pobres, os enfermos e as crianças, até ao dia em que foi conduzido ao suplício da cruz, onde derramou lágrimas de alegria por ter sido considerado digno de morrer por Cristo.

13*.   Em Cracóvia, na Polónia, a Beata Ângela Salawa, virgem da Ordem Terceira de São Francisco, que, decidindo passar toda a vida no serviço doméstico, viveu humildemente entre as servas, e em extrema pobreza partiu deste mundo ao encontro do Senhor.

14*.   Em Sanremo, na Ligúria, região da Itália, São Luís Orione, presbítero, que fundou a Pequena Obra da Divina Providência, para auxílio dos jovens e de todos os marginados.