Liturgia diária

Agenda litúrgica

2019-03-08

SEXTA-FEIRA depois das Cinzas

Roxo – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. da Quaresma.

L 1 Is 58, 1-9a; Sal 50 (51), 3-4. 5.6a. 18-19
Ev Mt 9, 14-15

* Pode celebrar-se a memória de S. João de Deus, religioso, como se indica na p. 33, n. 8.
* Na Arquidiocese de Évora – S. João de Deus, religioso – FESTA
* Na Ordem Hospitaleira de S. João de Deus – S. João de Deus, religioso, Fundador da Ordem Hospitaleira – SOLENIDADE
* Na Congregação das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus – S. João de Deus, religioso, Padroeiro secundário da Congregação – FESTA
* Na Diocese de Santiago (Cabo Verde) – Pode celebrar-se a memória de S. João de Deus, religioso, como se indica na p. 33, n. 8.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 29, 11
O Senhor ouviu-me e teve compaixão de mim.
O Senhor é o meu auxílio.


ORAÇÃO COLECTA
Pela vossa bondade, Senhor, mostrai-Vos favorável às nossas obras de penitência, a fim de podermos realizar com espírito sincero a observância quaresmal que nos impomos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Is 58, 1-9a
«Será este o jejum que Me agrada»

O jejum é forma tradicional da penitência quaresmal. Embora não necessariamente nos moldes antigos, ele conserva sempre a sua oportunidade. Mas o jejum não se substitui a outras obrigações, à frente das quais estão as da justiça e as da caridade. O jejum, como outras formas de abstinência, são sinais da libertação do nosso espírito, para melhor servirmos a Deus e ao próximo; mas a maior de todas as virtudes é a caridade.

Leitura do Livro de Isaías
Eis o que diz o Senhor Deus: «Clama em altos brados sem cessar, ergue a tua voz como trombeta. Faz ver ao meu povo as suas faltas e à casa de Jacob os seus pecados. Todos os dias Me procuram e desejam conhecer os meus caminhos, como se fosse um povo que pratica a justiça, sem nunca ter abandonado a lei do seu Deus. Pedem-Me sentenças justas, querem que Deus esteja perto de si e exclamam: ‘De que nos serve jejuar, se não Vos importais com isso? De que nos serve fazer penitência, se não prestais atenção?’ Porque nos dias de jejum correis para os vossos negócios e oprimis todos os vossos servos. Jejuais, sim, mas no meio de contendas e discussões e dando punhadas sem piedade. Não são jejuns como os que fazeis agora que farão ouvir no alto a vossa voz. Será este o jejum que Me agrada no dia em que o homem se mortifica? Curvar a cabeça como um junco, deitar-se sobre saco e cinza: é a isto que chamais jejum e dia agradável ao Senhor? O jejum que Me agrada não será antes este: quebrar as cadeias injustas, desatar os laços da servidão, pôr em liberdade os oprimidos, destruir todos os jugos? Não será repartir o teu pão com o faminto, dar pousada aos pobres sem abrigo, levar roupa aos que não têm que vestir e não voltar as costas ao teu semelhante? Então a tua luz despontará como a aurora e as tuas feridas não tardarão a sarar. Preceder-te-á a tua justiça e seguir-te-á a glória do Senhor. Então, se chamares, o Senhor responderá; se O invocares, dir-te-á: ‘Estou aqui’».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 50 (51), 3-4.5-6a.18-19 (R. 19a)
Refrão: Não desprezeis, Senhor,
o nosso coração humilhado e contrito. Repete-se

Compadecei-Vos de mim, ó Deus, pela vossa bondade,
pela vossa grande misericórdia
apagai os meus pecados.
Lavai-me de toda a iniquidade
e purificai-me de todas as culpas. Refrão
Porque eu reconheço os meus pecados
e tenho sempre diante de mim as minhas culpas.
Pequei, Senhor, contra Vós
e fiz o mal diante dos vossos olhos. Refrão

Não é do sacrifício que Vos agradais
e, se eu oferecer um holocausto, não o aceitareis.
Sacrifício agradável a Deus é o espírito arrependido:
não desprezareis, Senhor,
um espírito humilhado e contrito. Refrão

ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO cf. Am 5,14
Refrão: Glória a Vós, Jesus Cristo, Palavra do Pai. Repete-se
Buscai o bem e não o mal, para que vivais,
e o Senhor estará convosco. Refrão


EVANGELHO Mt 9, 14-15
«Quando o esposo lhes for tirado, jejuarão»

Os dias em que o esposo será tirado é uma alusão à morte de Jesus. Hoje, esses dias – os dois primeiros do Tríduo Pascal – serão os dias de jejum por excelência da comunidade cristã. Ora, a Quaresma prepara para a celebração do Tríduo Pascal. É neste espírito de participação na paixão do Senhor que jejuamos na Quaresma, na forma e na medida em que o acharmos oportuno e a generosidade do nosso coração o inspirar, para morrermos com Ele e com Ele ressuscitarmos.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, os discípulos de João Baptista foram ter com Jesus e perguntaram-Lhe: «Por que motivo nós e os fariseus jejuamos e os teus discípulos não jejuam?» Jesus respondeu-lhes: «Podem os companheiros do esposo ficar de luto, en¬quanto o esposo estiver com eles? Dias virão em que o esposo lhes será tirado e nessa altura hão-de jejuar».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
O sacrifício que Vos oferecemos, Senhor, neste tempo santo da Quaresma nos torne agradáveis a vossos olhos e mais diligentes na virtude da temperança. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio da Quaresma


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 24, 4
Mostrai-nos, Senhor, os vossos caminhos,
ensinai-nos as vossas veredas.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Nós Vos pedimos, Deus omnipotente, que a participação nestes santos mistérios nos purifique dos nossos pecados e nos sirva de remédio para o corpo e para a alma. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Santo

S. JOÃO DE DEUS, religioso

 

 

Martirológio

São João de Deus, religioso, natural de Portugal, que, depois de uma vida cheia de perigos na vida de soldado, ambicionando coisas maiores, com incansável caridade se entregou ao serviço dos pobres e dos enfermos num hospital por ele fundado e associou à sua obra um grupo de companheiros, que posteriormente constituíram a Ordem Hospitalar de São João de Deus. Neste dia, em Granada, na Espanha, passou ao descanso eterno.

 

2.   Comemoração de São Pôncio, que foi em Cartago diácono de São Cipriano, a quem acompanhou no exílio até à sua morte, deixando um admirável relato da sua vida e martírio.

3.   Em Antínoo, no Egipto, os santos Apolónio e Filémon, mártires.

4*.   Em Como, na Ligúria, actualmente na Lombardia, região da Itália, São Provino, bispo, fiel discípulo de Santo Ambrósio, que preservou da heresia ariana a Igreja que lhe foi confiada.

5*.   Na ilha de Scathery, na Hibérnia, actual Irlanda, São Senano, abade.

6.   Em Dunwich, na Inglaterra, São Félix, bispo, natural da Borgonha, que evangelizou os Anglos orientais no tempo do rei Sigeberto.

7.   Em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia, São Teofilacto, bispo, que, condenado ao exílio por causa do culto das sagradas imagens, morreu em Stróbilon, na Cária, actualmente território da Turquia.

8*.   No território dos Morinos, na Gália, hoje na França, Santo Hunfredo, bispo de Therouanne, que, após a destruição da cidade pelos Normandos, imediatamente se empenhou em congregar e reconfortar o seu povo.

9*.   Em Pavia, na Lombardia, região da Itália, São Litifredo, bispo.

10*.   Em Tayne, cidade da Escócia, o sepultamento de São Dutácio, bispo de Ross.

11*.   Em Estella, povoação de Navarra, região da Espanha, São Veremundo, abade de Irache, que, tendo abraçado desde tenra idade a vida monástica, era assíduo aos jejuns e vigílias e estimulou com o exemplo os monges do seu mosteiro ao desejo da perfeição.

12*.   Em Obazine, perto de Limoges, na Aquitânia, na actual França, Santo Estêvão, primeiro abade do mosteiro deste lugar, que, na procura de Deus, associou os três mosteiros por ele fundados à Ordem Cisterciense.

13*.   No mosteiro de Jedrzejow, na Polónia, o passamento de São Vicente Kadlubek, bispo de Cracóvia, que, depois de renunciar ao seu ministério, professou neste lugar vida monástica.

14♦.   Em Hiroshima, no Japão, o Beato Joaquim Kuroemon, mártir.

15*.   Em Getafe, cidade próxima de Madrid, na Espanha, o Beato Faustino Míguez, religioso da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs, que, ordenado presbítero, se dedicou totalmente ao ensino e, atingindo grande fama como mestre e perito nas ciências da natureza, exerceu diligentemente a actividade pastoral e fundou a Congregação das Filhas da Divina Pastora.