Liturgia diária

Agenda litúrgica

2019-05-07

TERÇA-FEIRA da semana III

Branco – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. pascal.

L 1 Act 7, 51 – 8, 1a; Sal 30 (31), 3cd-4. 6ab e 7b e 8a. 17 e 21ab
Ev Jo 6, 30-35

* Na Ordem Agostiniana – B. Maria de S. José Alvarado, virgem – MF
* Na Congregação dos Missionários Monfortinos – B. Maria Luísa Trichet, virgem, co-fundadora das Filhas da Sabedoria – MO
* Na Congregação das Servas de Maria – I Vésp. de Nossa Senhora, Saúde dos Enfermos.
* No Instituto das Filhas da Caridade Canossianas – I Vésp. de S. Madalena de Canossa.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Ap 19, 5; 12, 10
Louvai o Senhor, todos os seus servos, pequenos e grandes,
porque chegou a salvação e o poder e o reino de Cristo. Aleluia.


ORAÇÃO COLECTA
Deus de misericórdia, que abris as portas do vosso reino aos homens renascidos pela água e pelo Espírito Santo, aumentai em nós os dons da vossa graça, para que, purificados de toda a culpa, possamos alcançar a herança prometida. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Actos 7, 51 _ 8, 1a
«Senhor Jesus, recebe o meu espírito»

A morte de S. Estêvão é apresentada como a morte de Jesus. O Rei dos Mártires continuará, no Corpo místico da sua Igreja, o mistério da sua própria Paixão. E à imitação do Senhor na Cruz, a Igreja, a começar por Estêvão, vai-se entregando a Deus em gesto de confiança no Pai e em oração, feita de amor pelos homens, a começar pelos que a perseguem.

Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naqueles dias, Estêvão disse ao povo, aos anciãos e aos escribas: «Homens de dura cerviz, incircuncisos de coração e de ouvidos, sempre resistis ao Espírito Santo. Como foram os vossos antepassados, assim sois vós também. A qual dos Profetas não perseguiram os vossos antepassados? Eles também mataram os que predisseram a vinda do Justo, do qual fostes agora traidores e assassinos, vós que recebestes a Lei pelo ministério dos Anjos e não a tendes cumprido». Ao ouvirem estas palavras, estremeciam de raiva em seu coração e rangiam os dentes contra Estêvão. Mas ele, cheio do Espírito Santo, de olhos fitos no Céu, viu a glória de Deus e Jesus de pé à sua direita e exclamou: «Vejo o Céu aberto e o Filho do homem de pé à direita de Deus». Então levantaram um grande clamor e taparam os ouvidos; depois atiraram-se todos contra ele, empurraram-no para fora da cidade e começaram a apedrejá-lo. As testemunhas colocaram os mantos aos pés de um jovem chamado Saulo. Enquanto o apedrejavam, Estêvão orava, dizendo: «Senhor Jesus, recebe o meu espírito». Depois ajoelhou-se e bradou com voz forte: «Senhor, não lhes atribuas este pecado». Dito isto, expirou. Saulo estava de acordo com a execução de Estêvão.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 30 (31), 3cd-4.6ab.7b.8a.17.21ab
(R. 6a)
Refrão: Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

Sede a rocha do meu refúgio
e a fortaleza da minha salvação;
porque Vós sois a minha força e o meu refúgio,
por amor do vosso nome, guiai-me e conduzi-me. Refrão
Em vossas mãos entrego o meu espírito,
Senhor, Deus fiel, salvai-me.
Em Vós, Senhor, ponho a minha confiança:
hei-de exultar e alegrar-me com a vossa misericórdia. Refrão

Fazei brilhar sobre mim a vossa face,
salvai-me pela vossa bondade.
Como é grande, Senhor, a vossa bondade,
que tendes reservada para os que Vos temem. Refrão


ALELUIA Jo 6, 35ab
Refrão: Aleluia Repete-se
Eu sou o pão da vida, diz o Senhor;
quem vem a Mim nunca mais terá fome. Refrão


EVANGELHO Jo 6, 30-35
«Não é Moisés, mas meu Pai, que vos dá o verdadeiro pão do Céu»

Jesus continua a afirmar-Se como o verdadeiro alimento da fé. Ele é “o Pão que veio do Céu”, “o Pão de Deus”. Aos israelitas no deserto, tinha-lhes sido dado o maná, vindo do céu. Mas, muito mais do que o maná, é este Pão que Deus nos enviou, o seu próprio Filho, para que acreditemos n’Ele e O recebamos pela fé. Assim vai sendo explicado, ao longo de toda a fala de Jesus neste capítulo 6 de S. João, o “sinal” da multiplicação dos pães. A ideia principal está no fim da leitura de hoje. S. João usa uma linguagem simbólica.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, disse a multidão a Jesus: «Que milagres fazes Tu, para que nós vejamos e acreditemos em Ti? Que obra realizas? No deserto os nossos pais comeram o maná, conforme está escrito: ‘Deu-lhes a comer um pão que veio do céu’». Jesus respondeu-lhes: «Em verdade, em verdade vos digo: Não foi Moisés que vos deu o pão que vem do Céu; meu Pai é que vos dá o verdadeiro pão que vem do Céu. O pão de Deus é o que desce do Céu para dar a vida ao mundo». Disseram-Lhe eles: «Senhor, dá-nos sempre desse pão». Jesus respondeu-lhes: «Eu sou o pão da vida: quem vem a Mim nunca mais terá fome, quem acredita em Mim nunca mais terá sede».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor, os dons da vossa Igreja em festa: Vós que lhe destes tão grande alegria, fazei-a tomar parte na felicidade eterna. Por Nosso Senhor.

Prefácio pascal


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Rom 6, 8
Se morremos com Cristo, com Cristo viveremos. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Olhai com bondade, Senhor, para o vosso povo e fazei chegar à gloriosa ressurreição da carne aqueles que renovastes com os sacramentos de vida eterna. Por Nosso Senhor.

 

 

Martirológio

1.   Em Roma, a comemoração de Santa Domitila, mártir, que era sobrinha do cônsul Flávio Clemente e, na perseguição do imperador Domiciano, acusada de ter renegado os deuses pagãos, pelo seu testemunho de fé em Cristo foi deportada com outros fiéis para a ilha de Ponza, onde sofreu um longo martírio.

2.   Em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia, os santos Flávio e quatro companheiros, mártires.

3*.   Em Le Mans, na Gália, hoje na França, São Cenerico, diácono e monge, que, depois de visitar os sepulcros dos santos Martinho de Tours e Julião de Le Mans, passou a vida em solidão e austeridade.

4.   Em Beverley, na Nortúmbria, na actual Inglaterra, o passamento de São João, bispo de Hexham e depois bispo de York, que associou excelentemente o ministério pastoral com a oração solitária e, renunciando à função episcopal, passou o resto da sua vida no mosteiro que fundara neste lugar.

5*.   No mosteiro de Niedenburg, na Baviera, região da Alemanha, a Beata Gisela, que, casada com Santo Estêvão, rei da Hungria, ajudou o esposo na obra da propagação da fé e, depois da morte do rei, privada de todos os seus bens e exilada da corte real, se recolheu neste mosteiro, do qual foi depois abadessa.

6*.   Em Kiev, na Ucrânia, Santo António, eremita, que seguiu no mosteiro das Grutas a vida monástica que aprendera no Monte Athos.

7*.   Em Cremona, na Lombardia, região da Itália, o Beato Alberto de Bérgamo, agricultor, que suportou pacientemente as repreensões da esposa por causa da sua grande liberalidade para com os pobres e, obrigado a deixar as terras, viveu na pobreza como irmão da Penitência de São Domingos.

8*.   Em Roma, Santa Rosa Veneríni, virgem de Viterbo, que, juntamente com as Piedosas Mestras, abriu as primeiras escolas na Itália para a instrução da juventude feminina.

9.   Em Génova, na Itália, Santo Agostinho Roscélli, presbítero, que, para a formação das jovens, fundou a Congregação das Irmãs da Imaculada Conceição da Bem-aventurada Virgem Maria.

10♦.   Em Turim, ciade da Itália, o Beato Francisco Paleári, presbítero do Instituto Cottolengo, que se dedicou aos pobres e aos enfermos na Pequena casa Divina e ao ensino, distinguindo-se pela sua afabilidade e paciência.