Liturgia diária

Agenda litúrgica

2019-05-08

QUARTA-FEIRA da semana III

Branco – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. pascal.

L 1 Act 8, 1b-8; Sal 65 (66), 1-3a. 4-5. 6-7a
Ev Jo 6, 35-40
* Na Ordem Agostiniana – Nossa Senhora da Graça – MF
* Na Ordem Carmelita – B. Luís Rabatá, presbítero – MO
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. Jeremias de Valáquia, religioso, da I Ordem – MF
* Na Ordem de São Domingos – Patrocínio da B. Virgem Maria sobre toda a Família Dominicana – MO
* Na Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus – Nossa Senhora, Medianeira de todas as graças – MO
* Na Congregação das Servas de Maria – Nossa Senhora, Saúde dos Enfermos – SOLENIDADE
* No Instituto das Filhas da Caridade Canossianas – S. Madalena de Canossa, virgem, Fundadora do Instituto – SOLENIDADE
* No Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora – I Vésp. de S. Maria Domingas Mazzarello.
* Na Congregação da Missão e na Companhia das Filhas da Caridade – Vésp. I de S. Luísa de Marillac.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 70, 8.23
Cante a minha boca, Senhor, a vossa glória,
proclamando continuamente os vossos louvores.
Os meus lábios exultem de alegria. Aleluia.


ORAÇÃO COLECTA
Vinde, Senhor, em auxílio da vossa família reunida em oração e concedei que participem eternamente na ressurreição do vosso Filho Unigénito aqueles a quem destes a graça da fé. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Actos 8, 1b-8
«Andaram de terra em terra a anunciar a palavra do Evangelho»

Um conjunto de pequenas notícias enche esta leitura; mas em todas elas perpassa o sopro do Espírito do Ressuscitado. Até a dispersão de que sofreu a comunidade de Jerusalém foi ocasião para que o Evangelho chegasse ás outras províncias mais distantes. E o próprio ardor de Saulo, aquela testemunha ocular da morte de Estêvão, irá transformar-se em zelo pela Boa Nova de Jesus ressuscitado. Está-se verdadeiramente no Tempo Pascal da Igreja, sob o signo do Espírito.

Leitura dos Actos dos Apóstolos
Naquele dia, levantou-se uma grande perseguição contra a Igreja de Jerusalém e todos, à excepção dos Apóstolos, se dispersaram pelas terras da Judeia e da Samaria. Alguns homens piedosos sepultaram Estêvão e fizeram grandes lamentações por ele. Saulo, por sua vez, devastava a Igreja: ia de casa em casa, arrastava homens e mulheres e metia-os na prisão. Entretanto, os irmãos dispersos andaram de terra em terra, a anun¬ciar a palavra do Evangelho. Foi assim que Filipe, tendo descido a uma cidade da Samaria, começou a anunciar Cristo àquela gente. As multidões aderiam unânimemente às palavras de Filipe, porque ouviam falar dos milagres que fazia e também os viam. De muitos possessos saíam espíritos impuros, soltando enormes gritos, e numerosos paralíticos e coxos foram curados. E houve muita alegria naquele cidade.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 65 (66) l-3a.4-5.6-7a (R. l)
Refrão: A terra inteira aclame o Senhor. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se
Aclamai o Senhor, terra inteira,
cantai a glória do seu nome,
celebrai os seus louvores, dizei a Deus:
«Maravilhosas são as vossas obras». Refrão

«A terra inteira Vos adore e celebre,
entoe hinos ao vosso nome».
Vinde contemplar as obras de Deus,
admirável na sua acção pelos homens. Refrão

Mudou o mar em terra firme,
atravessaram o rio a pé enxuto.
Alegremo-nos n’Ele:
domina eternamente com o seu poder. Refrão


ALELUIA cf. Jo 6, 40
Refrão: Aleluia. Repete-se

Quem acredita no Filho de Deus tem a vida eterna:
Eu o ressuscitarei no último dia, diz o Senhor. Refrão


EVANGELHO Jo 6, 35-40
«A vontade d’Aquele que Me enviou é esta:
que Eu não perca nenhum dos que Ele Me deu»

Jesus afirma-Se agora, claramente, o “Pão da Vida”. Já assim fora anteriormente prefigurado no pão multiplicado e no maná evocado na fala com os Judeus; mas agora é Ele mesmo que Se apresenta claramente como o Pão, o alimento que mata a fome. E este Pão assimila-se pela fé. Por isso, Jesus, como outrora a Sabedoria (cf. Pr 9) ergue a voz e clama, convidando para o banquete. Quem d’Ele se alimentar terá a vida eterna na glória da ressurreição, que o Tempo Pascal prefigura.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, disse Jesus à multidão: «Eu sou o pão da vida: Quem vem a Mim nunca mais terá fome e quem acredita em Mim nunca mais terá sede. No entanto, como vos disse, ‘embora tivésseis visto, não acreditais’. Todos aqueles que o Pai Me dá virão a Mim e àqueles que vêm a Mim não os rejeitarei, porque desci do Céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade d’Aquele que Me enviou. E a vontade d’Aquele que Me enviou é esta: que Eu não perca nenhum dos que Ele Me deu, mas os ressuscite no último dia. De facto, é esta a vontade de meu Pai: que todo aquele que vê o Filho e acredita n’Ele tenha a vida eterna; e Eu o ressuscitarei no último dia».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Concedei, Senhor, que em todo o tempo possamos alegrar-nos com estes mistérios pascais, de modo que o acto sempre renovado da nossa redenção seja para nós causa de alegria eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

Prefácio pascal


ANTÍFONA DA COMUNHÃO
Fomos resgatados pelo Sangue de Cristo
que, ressuscitando de entre os mortos,
fez brilhar sobre nós a sua luz. Aleluia.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Ouvi, Senhor, as nossas preces e fazei que estes santos mistérios da nossa redenção nos auxiliem na vida presente e nos alcancem as alegrias eternas. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Martirológio

1.   Em Milão, na Ligúria, hoje na Lombardia, região da Itália, a comemoração de São Vítor, mártir, natural da antiga Mauritânia, que, sendo soldado das tropas imperiais, perante a imposição de Maximiano para que sacrificasse aos ídolos, depôs as armas e foi levado para Lódi, onde baixou a cabeça para ser morto ao fio da espada.

2.   Em Bizâncio, actualmente Istambul, na Turquia, Santo Acácio, soldado e mártir.

3.   Em Auxerre, na Gália Lionense, na actual França, Santo Eládio, bispo.

4.   Em Cete, monte do Egipto, Santo Arsénio, que, segundo a tradição, foi diácono da Igreja Romana e, no tempo do imperador Teodósio, se retirou para o ermo, onde, insigne em todas as virtudes, entregou o espírito a Deus.

5*.   No território de Châlons, na Gália, na hodierna França, São Gibriano, presbítero, que, vindo da Irlanda, se fez peregrino por Cristo na Gália.

6*.   Em Bourges, na Aquitânia, também na actual França, São Desidério, bispo, que tinha sido guarda do selo real e dotou a sua Igreja com várias relíquias dos mártires.

7.   Em Saujon, no território de Saintes, na Aquitânia, hoje também na França, São Martinho, presbítero e abade.

8.   Em Roma, junto de São Pedro, São Bonifácio IV, papa, que transformou em igreja o Pántheon doado pelo imperador Foca e o dedicou a Deus em honra da Virgem Santa Maria e de todos os Mártires, e fomentou muito a vida monástica.

9.   Também junto de São Pedro, São Bento II, papa, insigne pelo seu amor à pobreza, humildade, afabilidade, paciência e liberalidade nas esmolas.

10*.   Em Verona, cidade da Venécia, hoje no Véneto, região da Itália, São Metrónio, eremita, que, segundo a tradição, passou a vida em grande austeridade e penitência.

11.   Em Roermond, junto ao rio Mosa, no Brabante da Austrásia, actualmente na Holanda, São Viro, que, segundo a tradição, juntamente com os companheiros Plechelmo e Odgero, desenvolveu um grande trabalho apostólico para evangelizar esta região.

12.   Em Saludécio, no Piceno, hoje na Emília-Romanha, região da Itália, São Amado Roncóni, religioso da Ordem Terceira de São Francisco, venerável pela virtude da hospitalidade e assistência aos peregrinos.

13*.   No mosteiro de Santa Maria della Serra, também no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, o Beato Ângelo de Massácio, presbítero da Ordem Camaldulense e mártir, ardoroso defensor da observância do domingo.

14*.   Em Randáccio, na Sicília, região da Itália, o Beato Luís Rábata, presbítero da Ordem dos Carmelitas, fidelíssimo na observância da Regra e admirável exemplo de caridade para com os inimigos.

15*.   No Québec, província do Canadá, a Beata Maria Catarina de Santo Agostinho (Catarina Symon de Longprey), virgem das Irmãs Hospitaleiras da Misericórdia da Ordem de Santo Agostinho, que, dedicada à assistência aos enfermos, resplandeceu pelo modo de os animar com o conforto e o estímulo da esperança.

16*.   Em Hegue, no território de Baden, na Alemanha, a Beata Ulrica (Francisca Nisch), virgem, das Irmãs da Caridade da Santa Cruz, que nos trabalhos mais humildes, principalmente como auxiliar da cozinha, sempre se comportou como incansável serva do Senhor.

17*.   No campo de concentração de Auschwitz, perto de Cracóvia, na Polónia, o Beato António Bajewski, presbítero da Ordem dos Frades Menores Conventuais e mártir, que, no tempo devastador da guerra, duramente maltratado pelos tormentos no cárcere, alcançou a glória do Senhor.