Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-02-01

SÁBADO da semana III

Santa Maria no Sábado – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 2 Sam 12, 1-7a. 10-17; Sal 50 (51), 12-13. 14-15. 16-17
Ev Mc 4, 35-41

* Na Diocese de Viana do Castelo – S. Anscário, bispo – MF
* Na Ordem de Cister – S. Raimundo de Fitero, abade – MF
* Na Congregação da Missão e na Companhia das Filhas da Caridade – B. Maria Ana Vaillot e Odile Baumgartem, virgens e mártires – MO
* Na Congregação dos Rogacionistas do Coração de Jesus – S. João Bosco – MO
* Na Congregação Salesiana – Comemoração de todos os Salesianos defuntos; (Mirandela) – Aniversário da Dedicação da igreja de S. João Bosco – SOLENIDADE
* Na Ordem de Cister – I Vésp. da Apresentação do Senhor.
* Na Congregação da Aliança de Santa Maria – I Vésp. da Apresentação do Senhor.
* I Vésp. da Apresentação do Senhor – Compl. dep. I Vésp. dom.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 95, 1.6
Cantai ao Senhor um cântico novo,
cantai ao Senhor, terra inteira.
Glória e poder na sua presença,
esplendor e majestade no seu templo.


ORAÇÃO COLECTA
Deus todo-poderoso e eterno,
dirigi a nossa vida segundo a vossa vontade,
para que mereçamos produzir abundantes frutos de boas obras,
em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I 2 Sam 12, 1-7a.10-17
«Pequei contra o Senhor»

O profeta Natã propõe a David uma parábola na qual ele se revê; e, levado de arrependimento, confessa-se pecador e assim alcança o perdão do seu pecado. O processo penitencial de David é fundamentalmente o mesmo de sempre, o de ainda hoje para o cristão: iluminado pela palavra de Deus, o homem reconhece-se pecador, confessa o seu pecado e ouve da parte de Deus a palavra da reconciliação. A palavra de Deus toca o coração do homem e este volta-se, de novo, para Deus, e renasce homem novo, pela acção do Espírito de Deus.

Leitura do Segundo Livro de Samuel
Naqueles dias, o Senhor enviou a David o profeta Natã. O profeta foi ter com ele e disse-lhe: «Em certa cidade havia dois homens, um era rico e o outro era pobre. O rico tinha grande quantidade de ovelhas e bois. O pobre possuía apenas uma ovelhinha que tinha comprado. Foi-a criando e ela cresceu junto dele com os seus filhos. Comia do seu pão, bebia do seu copo, dormia ao seu colo: era como se fosse filha. Chegou então um hóspede à casa do rico, mas este não quis tirar uma das suas ovelhas ou dos seus bois, para dar de comer ao hóspede que chegara. Tomou a ovelha do pobre e mandou-a preparar para o seu hóspede». David inflamou-se de cólera contra aquele homem e disse a Natã: «Tão certo como o Senhor estar vivo, aquele que assim procedeu é digno de morte. Pagará quatro vezes a ovelha, por ter feito semelhante coisa e não ter tido coração». Então Natã disse a David: «Esse homem és tu. Assim fala o Senhor, Deus de Israel: ‘Agora a espada nunca se afastará da tua casa, porque Me desprezaste e tomaste a esposa de Urias, o hitita, para fazeres dela tua mulher’. Assim fala o Senhor: ‘Na tua própria casa farei vir a desgraça sobre ti. Tomarei as tuas mulheres diante dos teus olhos e dá-las-ei a outro que se deitará com elas à luz do sol. Tu procedeste às ocultas, mas Eu farei tudo isto na presença de todo o Israel e à luz do dia’». Então David disse a Natã: «Pequei contra o Senhor». Natã respondeu-lhe: «O Senhor perdoa o teu pecado: não morrerás. Mas porque tanto ofendeste o Senhor com esta acção, o filho que te nasceu vai morrer». E Natã voltou para sua casa. O Senhor atingiu o menino que a mulher de Urias dera a David e ele caiu gravemente doente. David orou a Deus pela criança; jejuava rigorosamente, isolava-se e passava as noites deitado no chão. Os anciãos da sua casa insistiram com ele para que se levantasse, mas David recusou e não quis tomar alimento com eles.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 50 (51), 12-13.14-15.16-17 (R. 12a)
Refrão: Dai-me, Senhor, um coração puro. Repete-se
Ou: Criai em mim, Senhor, um coração puro. Repete-se

Criai em mim, ó Deus, um coração puro
e fazei nascer dentro de mim um espírito firme.
Não queirais repelir-me da vossa presença
e não retireis de mim o vosso espírito de santidade. Refrão

Dai-me de novo a alegria da vossa salvação
e sustentai-me com espírito generoso.
Ensinarei aos pecadores os vossos caminhos
e os transviados hão-de voltar para Vós. Refrão

Meu Deus, meu Salvador,
livrai-me do sangue derramado
e a minha língua proclamará a vossa justiça.
Abri, Senhor, os meus lábios
e a minha boca anunciará o vosso louvor. Refrão


ALELUIA Jo 3, 16
Refrão: leluia Repete-se
Deus amou tanto o mundo
que lhe deu o seu Filho unigénito;
quem acredita n’Ele tem a vida eterna. Refrão


EVANGELHO Mc 4, 35-41
«Quem é este homem, ue até o vento e o mar lhe obedecem?»

Jesus e os discípulos passam ao outro lado do lago, para a terra dos Gerasenos. A narração começa com a tempestade acalmada. Os discípulos ficam maravilhados e interrogam-se sobre a pessoa de Jesus; é o ponto de partida para a fé: admirar, contemplar, deixar-se conduzir para além do simples espectáculo e captar o mistério, a realidade divina, que se oculta e se revela nos acontecimentos da vida, e muito particularmente, nos da vida de Jesus. Quem é Ele? O Filho de Deus feito homem, para que, por Ele, o homem chegue até Deus!

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
Naquele dia, ao cair da tarde, Jesus disse aos seus discípulos: «Passemos à outra margem do lago». Eles deixaram a multidão e levaram Jesus consigo na barca em que estava sentado. Iam com Ele outras embarcações. Levantou-se então uma grande tormenta e as ondas eram tão altas que enchiam a barca de água. Jesus, à popa, dormia com a cabeça numa almofada. Eles acordaram-n’O e disseram: «Mestre, não Te importas que pereçamos?». Jesus levantou-Se, falou ao vento imperiosamente e disse ao mar: «Cala-te e está quieto». O vento cessou e fez-se grande bonança. Depois disse aos discípulos: «Porque estais tão assustados? Ainda não tendes fé?». Eles ficaram cheios de temor e diziam uns para os outros: «Quem é este homem, que até o vento e o mar Lhe obedecem?».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai benignamente, Senhor,
e santificai os nossos dons,
a fim de que se tornem para nós fonte de salvação.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 33, 6
Voltai-vos para o Senhor e sereis iluminados,
o vosso rosto não será confundido.

Ou Jo 8, 12
Eu sou a luz do mundo, diz o Senhor.
Quem Me segue não anda nas trevas,
mas terá a luz da vida.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Deus omnipotente, nós Vos pedimos
que, tendo sido vivificados pela vossa graça,
nos alegremos sempre nestes dons sagrados.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Na Frígia, na actual Turquia, a comemoração de São Trifão, mártir.

2.   Em Ravena, na actual Emília-Romanha, região da Itália, São Severo, bispo.

3.   Em Saint-Paul-Trois-Châteaux, no território da Gália Vienense, actualmente na França, São Paulo, bispo, de quem a cidade recebeu o nome.

4.   Em Kildare, na Irlanda, Santa Brígida, abadessa, que fundou um dos primeiros mosteiros desta ilha e, segundo a tradição, prosseguiu a obra evangelizadora iniciada por São Patrício.

5*.   Em Aosta, nos Alpes Graios, território da Itália, Santo Urso, presbítero.

6*.   Em Puy-en-Vélay, na Aquitânia, na actual França, Santo Agripano, bispo e mártir, que, ao regressar de Roma, nos confins de Vélay foi assassinado por sequazes dos ídolos.

7*.   Em Metz, na Austrásia, actualmente também na França, São Sigisberto III, rei, que construiu os mosteiros de Stavelot, de Malmédy e muitos outros, e distribuiu esmolas com grande liberalidade às igrejas e aos pobres.

8*.   Em Ciruelos, localidade de Castela-a-Nova, região da Espanha, São Raimundo, abade de Fitero, que fundou a Ordem de Calatrava e foi insigne defensor do cristianismo.

9*.   Em Saint-Malo, cidade da Bretanha Menor, região da França, São João, bispo, homem de admirável austeridade e rectidão, que transferiu para este lugar a sede episcopal de Aleth e recebeu de São Bernardo a orientação para se comportar como bispo pobre, amigo dos pobres e amante da pobreza.

10*.   Em Paris, também na França, o Beato Reinaldo de Orleães, presbítero, que, estando de passagem em Roma, animado pelas palavras de São Domingos entrou na Ordem dos Pregadores, à qual atraiu muitos outros pelo exemplo das suas virtudes e o ardor das suas palavras.

11*.   Em Castelfiorentino, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, a Beata Viridiana, virgem, que viveu reclusa desde a juventude até à velhice.

12*.   Em Pileo, no Lácio, região da Itália, o Beato André dei Cónti di Ségni, presbítero da Ordem dos Menores, que, recusando todas as honras e dignidades, preferiu servir a Cristo na humildade e simplicidade.

13*.   Em Dublin, na Irlanda, os beatos mártires Conor O’Devany, bispo de Down e Connor, da Ordem dos Frades Menores, e Patrício O’Lougham, presbítero, que, no reinado de Jaime I, foram condenados ao suplício da forca pela sua fidelidade à fé católica.

14.   Em Londres, na Inglaterra, Santo Henrique Morse, presbítero da Companhia de Jesus e mártir, que, capturado em várias ocasiões e duas vezes exilado, finalmente no reinado de Carlos I foi novamente encarcerado por ser sacerdote e, depois de ter celebrado a Missa no cárcere, foi enforcado em Tyburn e entregou a sua alma a Deus.

15*.   Em Avrillé, perto de Angers, na França, a paixão das beatas Maria Ana Vaillot e quarenta e seis companheiras[1], mártires, que, na época do terror durante a Revolução Francesa, alcançaram a coroa do martírio.


[1]  São estes os seus nomes: Otília Baumgarten, religiosa; Joana Gruget, Luísa Rallier de la Tertinière, Madalena Perrotin, Maria Ana Pichery e Simona Chauvigné, viúvas; Francisca Pagis, Joana Fouchard, Margarida Rivière, Maria Cassin, Maria Fausseuse, Maria Galard, Maria Gasnier, Maria Joana Chauvigné, Maria Lenée, Maria Leroiy Brevet, Maria Rouault, Petrina Phélipeaux, Renata Cailleau, Renata Martin e Vitória Bauduceau, esposas; Joana, Madalena e Petrina Sailland d’Espinatz, irmãs; Gabriela, Petrina e Susana Androuin, irmãs; Maria e Renata Grillard, irmãs; Ana Francisca de Villeneuve, Ana Hamard, Carla Davy, Catarina Cottanceau, Francisca Bellanger, Francisca Bonneau, Francisca Michau, Jacobina Monnier, Joana Bourigault, Luísa Amata Déan de Luigné, Madalena Blond, Maria Leroy Brevet, Petrina Besson, Petrina Ledoyen, Petrina Grille, Renata Valin e Rosa Quenion.

16.   Em Seul, na Coreia, os santos mártires Paulo Hong Yong-ju, catequista, João Yi Mun-u, que servia os pobres e sepultava os corpos dos mártires, e Bárbara Ch’oe Yong-i, que, seguindo o exemplo dos seus pais e seu esposo, mortos pelo nome de Cristo, como eles foi decapitada com outros cristãos.

17*.   Em Turim, na Itália, a Beata Joana Francisca da Visitação (Ana Michelótti), virgem, que fundou o Instituto das Irmãzinhas do Sagrado Coração, para servirem gratuitamente os enfermos pobres em nome do Senhor.

18*.   Em Cúcuta, cidade da Colômbia, o Beato Luís Variara, presbítero da Sociedade de São Francisco de Sales, que se dedicou com toda a sua energia e diligência a assistir os leprosos e fundou a Congregação das Filhas dos Sagrados Corações de Jesus e de Maria.