Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-03-23

SEGUNDA-FEIRA da semana IV

Roxo – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. da Quaresma.

L 1 Is 65, 17-21; Sal 29 (30), 2 e 4. 5-6. 11-12a e 13b
Ev Jo 4, 43-54

* Pode celebrar-se a memória de S. Turíbio de Mongrovejo, bispo, como se indica na p. 33, n. 8.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 30, 7-8
Confio em Vós, Senhor.
Hei-de alegrar-me e exultar com a vossa misericórdia,
porque conhecestes as angústias da minha alma
e pusestes os meus pés em caminho largo.


ORAÇÃO COLECTA
Deus de infinita bondade, que renovais o mundo com admiráveis sacramentos, fazei que a vossa Igreja se enriqueça sempre mais com estes benefícios eternos e nunca lhe faltem os auxílios temporais. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I Is 65, 17-21
«Nunca mais se hão-de ouvir vozes de pranto nem gritos de angústia»

Com esta semana, começa a segunda parte da Quaresma. Embora, do ponto de vista litúrgico, não se pretenda estabelecer uma divisão deste tempo em dois, o facto é que nestas últimas semanas, com a aproximação da Páscoa, se intensifica a preparação para este termo. A partir de hoje leremos, de maneira contínua e até ao fim do Tempo Pascal, o Evangelho de S. João. A liturgia da palavra sublinha fortemente a perspectiva pascal: a Páscoa de Jesus é a nova criação, a passagem a “novos céus e nova terra”, onde os mais ambiciosos desejos humanos encontrarão a sua realização, se eles forem segundo a vontade de Deus, que tem alegria no seu povo renovado. E o salmo, que será de novo cantado na Vigília pascal, desde já dá graças pela libertação da morte. Assim, a Quaresma orienta-se claramente para a Ressurreição.

Leitura do Livro de Isaías
Assim fala o Senhor: «Eu vou criar os novos céus e a nova terra e não mais se recordará o passado, nem voltará de novo ao pensamento. Haverá alegria e felicidade eterna por aquilo que Eu vou criar: vou fazer de Jerusalém um motivo de júbilo e do seu povo uma fonte de alegria. Exultarei por causa de Jerusalém e alegrar-Me-ei por causa do meu povo. Nunca mais se hão-de ouvir nela vozes de pranto nem gritos de angústia. Já não haverá ali uma criança que viva só alguns dias, nem um velho que não complete o número dos seus anos, porque o mais novo morrerá centenário e quem não chegar aos cem anos terá incorrido em maldição. Construirão casas e habitarão nelas; plantarão vinhas e comerão os seus frutos».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 29 (30), 2 e 4.5-6.11 e 12a e 13b (R. 2a)
Refrão: Eu Vos louvarei, Senhor, porque me salvastes. Repete-se

Eu Vos glorifico, Senhor, porque me salvastes
e não deixastes que de mim
se regozijassem os inimigos.
Tirastes a minha alma da mansão dos mortos,
vivificastes-me para não descer ao túmulo. Refrão

Cantai salmos ao Senhor, vós os seus fiéis,
e dai graças ao seu nome santo.
A sua ira dura apenas um momento
e a sua benevolência a vida inteira. Refrão

Ao cair da noite vêm as lágrimas
e ao amanhecer volta a alegria.
Ouvi, Senhor, e tende compaixão de mim,
Senhor, sede Vós o meu auxílio.
Vós convertestes em júbilo o meu pranto:
Senhor meu Deus, eu Vos louvarei eternamente. R.


ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO cf. Am 5,14
Refrão: Glória a Vós, Jesus Cristo, Sabedoria do Pai. Repete-se
Buscai o bem e não o mal, para que vivais,
e o Senhor estará convosco. Refrão


EVANGELHO Jo 4, 43-54
«Vai, que o teu filho vive»

A cura de que fala o Evangelho é apresentada por S. João, (diferentemente dos Sinópticos), como um “sinal”, sinal de que Jesus é a Vida e fonte da Vida. Mas não é Ele o Verbo por quem tudo foi feito? É também Ele por quem agora tudo é refeito como nova criação, anunciada na leitura anterior.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, Jesus saiu da Samaria e foi para a Galileia. Ele próprio tinha declarado que um profeta nunca era apreciado na sua terra. Ao chegar à Galileia, foi recebido pelos galileus, porque tinham visto quanto Ele fizera em Jerusalém, por ocasião da festa, a que também eles tinham assistido. Jesus voltou novamente a Caná da Galileia, onde convertera a água em vinho. Havia em Cafarnaum um funcionário real cujo filho se encontrava doente. Quando ouviu dizer que Jesus viera da Judeia para a Galileia, foi ter com Ele e pediu-Lhe que descesse a curar o seu filho, que estava a morrer. Jesus disse-lhe: «Se não virdes sinais e prodígios, não acreditareis». O funcionário insistiu: «Senhor, desce, antes que meu filho morra». Jesus respondeu-lhe: «Vai, que o teu filho vive». O homem acreditou nas palavras que Jesus lhe tinha dito e pôs-se a caminho. Já ele descia, quando os servos vieram ao seu encontro e lhe disseram que o filho vivia. Perguntou-lhes então a que horas tinha melhorado. Eles responderam-lhe: «Foi ontem à uma da tarde que a febre o deixou». Então o pai verificou que àquela hora Jesus lhe tinha dito: «O teu filho vive». E acreditou, ele e todos os de sua casa. Foi este o segundo milagre que Jesus realizou, ao voltar da Judeia para a Galileia.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Concedei-nos, Senhor, o fruto da oblação que Vos é consagrada, de modo que, purificados da velha condição do homem terreno, vivamos a vida nova do homem celeste. Por Nosso Senhor.

Prefácio da Quaresma


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Ez 36, 27
Diz o Senhor: Infundirei em vós o meu espírito e farei que sigais os meus preceitos e obedeçais fielmente às minhas leis.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Nós Vos suplicamos, Senhor, que estes dons sagrados renovem a nossa vida, para que, seguindo o caminho da santidade, alcancemos os bens eternos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

 

Santo

S. TURÍBIO DE MONGROVEJO, bispo

 

 

Martirológio

São Turíbio de Mogrovejo, bispo de Lima, no Peru, que era um leigo natural da Espanha, perito em jurisprudência, quando foi eleito para esta sede episcopal e partiu para a América. Animado de ardente zelo apostólico, percorreu frequentemente a vasta diocese, muitas vezes a pé, velando assiduamente pelo rebanho que lhe foi confiado; combateu com sínodos os abusos e escândalos no clero, defendeu vigorosamente a Igreja, catequizou e converteu os povos nativos e finalmente morreu em Saña, no Peru.

 

2.   Na Cornualha, em território actualmente da Inglaterra, São Fingar ou Guinhero, mártir.

3.   Comemoração dos santos mártires Vitoriano, procônsul de Cartago, na actual Tunísia, dois irmãos naturais de Aquae Régiae e também dois mercadores cartagineses, ambos chamados Frumêncio, os quais, durante a perseguição dos Vândalos, sob o governo do rei Hunerico, por perseverarem na confissão da fé cristã foram torturados com terríveis suplícios e assim receberam a coroa gloriosa.

4*.   Em Pontoise, perto de Paris, na França, São Gualter, primeiro abade do mosteiro desta localidade, que, renunciando à sua inclinação para a vida solitária, ensinou aos monges com o seu exemplo a observância regular e combateu os costumes simoníacos no clero.

5*.   Em Ariano Irpino, na Campânia, região da Itália, Santo Otão, eremita.

6*.   Em Gúbbio, na Úmbria, também região da Itália, o Beato Pedro, presbítero da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho.

7*.   Em York, na Inglaterra, o Beato Edmundo Sykes, presbítero e mártir, que, no reinado de Isabel I, sofreu o exílio em ódio ao sacerdócio e, tendo regressado à Inglaterra, foi condenado ao extremo suplício do patíbulo.

8*.   Em Naas, localidade próxima de Dublim, na Irlanda, o Beato Pedro Higgins, presbítero da Ordem dos Pregadores e mártir, que, no reinado de Carlos I, foi enforcado sem processo por perseverar na fidelidade à Igreja Romana.

9.   Em Barcelona, na Espanha, São José Oriol, presbítero, que, pela mortificação corporal, pelo exímio culto da pobreza e pela oração contínua, vivia sempre em estreita união com Deus e animado de alegria celeste.

10*.   Em Cemmo, povoação da Lombardia, na Itália, a Beata Anunciada Cochétti, que dirigiu com sabedoria, fortaleza e humildade o Instituto das Irmãs de Santa Doroteia recentemente fundado.

11.   Em ad-Dahr, no Líbano, Santa Rebeca ar-Rayyas de Himlaya, virgem da Ordem Libanesa das Maronitas de Santo António, que, vivendo cega durante trinta anos e depois atingida por outras enfermidades em todo o corpo, perseverou na oração contínua, confiando só em Deus.

12*.   Em Leopoldov, na Eslováquia, o Beato Metódio Domingos Trcka, presbítero da Congregação do Santíssimo Redentor e mártir, cuja peregrinação sobre a terra, em tempo de perseguição da fé, se transformou em vida eterna com o seu glorioso martírio.