Liturgia diária

Agenda litúrgica

2020-06-16

TERÇA-FEIRA da semana XI

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 18, n. 18).

L 1 1 Reis 21, 17-29; Sal 50 (51), 3-4. 5-6a. 11 e 16
Ev Mt 5, 43-48

* Aniversário da Ordenação episcopal de D. Serafim de Sousa Ferreira e Silva, Bispo Emérito de Leiria-Fátima (1979).
* Na Ordem de Cister e na Ordem Cisterciense da Estrita Observância – S. Lutgarda, monja – MO
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. Aniceto Koplin, presbítero, e Companheiros, mártires, da I Ordem – MF
* Na Congregação dos Sagrados Corações – S. João Francisco Regis, presbítero, Patrono da ordem secular da Congregação – MO

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 26, 7.9
Ouvi, Senhor, a voz da minha súplica. Vós sois o meu refúgio:
não me abandoneis, meu Deus, meu Salvador.


ORAÇÃO COLECTA
Deus misericordioso, fortaleza dos que esperam em Vós,
atendei propício as nossas súplicas;
e, como sem Vós nada pode a fraqueza humana,
concedei-nos sempre o auxílio da vossa graça,
para que as nossas vontades e acções Vos sejam agradáveis
no cumprimento fiel dos vossos mandamentos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos pares) 1 Reis 21, 17-29
«Fizeste pecar Israel»

O castigo anunciado ao rei pelo profeta é, antes de mais, um convite à conversão. De facto, o rei humilha-se, reconhece o seu pecado e o Senhor dá-lhe o perdão, embora venham a fazer sentir-se as consequências do seu pecado, sobretudo porque ele fizera pecar Israel. Na realidade, o pecado de cada um não é apenas um acto individual; ele tem também um peso comunitário, e na medida do lugar que cada qual desempenha no meio dos outros. No caso do rei, é dito que, pelo seu pecado, ele fez pecar Israel.

Leitura do Primeiro Livro dos Reis
Depois de Nabot de Jezrael ter sido assassinado, por não querer vender a sua vinha ao rei Acab, o Senhor dirigiu a palavra ao profeta Elias, o tesbita, dizendo: «Levanta-te e vai ao encontro de Acab, rei de Israel, na Samaria. Ele encontra-se na vinha de Nabot, aonde foi para tomar posse dela. Fala-lhe deste modo: ‘Assim fala o Senhor: Mataste e agora roubas. Por isso, assim fala o Senhor: No mesmo local em que os cães lamberam o sangue de Nabot, hão-de lamber também o teu’». Acab disse a Elias: «Conseguiste apanhar-me, ó meu inimigo». Elias respondeu: «Sim, apanhei-te, porque te vendeste para fazer o que desagrada aos olhos do Senhor. ‘Farei cair a desgraça sobre ti – diz o Senhor – acabarei com a tua descendência, exterminarei todos os varões da casa de Acab, escravos ou livres em Israel. Farei à tua casa o que fiz à casa de Jeroboão, filho de Nebat, e à casa de Baasa, filho de Aías, porque provocaste a minha indignação e fizeste pecar Israel’. O Senhor falou também de Jezabel, dizendo: ‘Os cães devorarão Jezabel, junto às muralhas de Jezrael’. Os da família de Acab que morrerem na cidade serão devorados pelos cães e os que morrerem no campo serão comidos pelas aves do céu». – Não houve ninguém que procedesse tão perversamente, como Acab, incitado por Jezabel, sua mulher, para fazer o mal aos olhos do Senhor. Procedeu de modo abominável, prestando culto aos ídolos, como faziam os amorreus, que o Senhor expulsara diante dos filhos de Israel –. Quando Acab ouviu estas palavras, rasgou as vestes, cobriu-se de saco e jejuou. Dormia envolvido no saco e andava abatido. Então o Senhor dirigiu a palavra a Elias, o tesbita, dizendo: «Viste como Acab se humilhou diante de Mim? Porque se humilhou na minha presença, não o castigarei durante a sua vida, mas no tempo do seu filho farei cair a desgraça sobre a sua casa».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 50 (51), 3-4.5-6a.11 e 16 (R. cf. 3a)
Refrão: Tende compaixão de nós, Senhor,
porque somos pecadores. Repete-se

Compadecei-Vos de mim, ó Deus, pela vossa bondade,
pela vossa grande misericórdia, apagai os meus pecados.
Lavai-me de toda a iniquidade
e purificai-me de todas as faltas. Refrão

Porque eu reconheço os meus pecados
e tenho sempre diante de mim as minhas culpas.
Pequei contra Vós, só contra Vós,
e fiz o mal diante dos vossos olhos. Refrão

Desviai o vosso rosto das minhas faltas
e purificai-me de todos os meus pecados.
Meu Deus e meu Salvador,
livrai-me do sangue derramado
e a minha língua proclamará a vossa justiça. Refrão


ALELUIA Jo 13, 34
Refrão: Aleluia Repete-se

Dou-vos um mandamento novo, diz o Senhor:
amai-vos uns aos outros como Eu vos amei. Refrão


EVANGELHO Mt 5, 43-48
«Amai os vossos inimigos»

A lei fundamental do Evangelho é a do amor, porque todo ele é, antes de tudo, a revelação do amor de Deus pelos homens, em seu Filho feito homem. Amar, para o discípulo de Cristo, é imitar a Deus, que primeiro nos amou. Este amor não tem limites, estendeu-se a todos os homens, até aos inimigos. Se não se chegar até aqui, não se terá ultrapassado a craveira dos pagãos.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Ouvistes que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo’. Eu, porém, digo-vos: Amai os vossos inimigos e orai por aqueles que vos perseguem, para serdes filhos do vosso Pai que está nos Céus; pois Ele faz nascer o sol sobre bons e maus e chover sobre justos e injustos. Se amardes aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Não fazem a mesma coisa os publicanos? E se saudardes apenas os vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Não o fazem também os pagãos? Portanto, sede perfeitos, como o vosso Pai celeste é perfeito».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Senhor nosso Deus,
que pelo pão e o vinho apresentados ao vosso altar
dais ao homem o alimento que o sustenta
e o sacramento que o renova,
fazei que nunca falte este auxílio ao nosso corpo e à nossa alma.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 26, 4
Uma só coisa peço ao Senhor, por ela anseio:
habitar na casa do Senhor todos os dias da minha vida.

Ou Jo 17, 11
Pai santo, guarda no teu nome os que Me deste,
para que sejam em nós confirmados na unidade, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Fazei, Senhor, que a sagrada comunhão nos vossos mistérios,
sinal da nossa união convosco,
realize a unidade na vossa Igreja.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Martirológio

1.   Na Ásia Menor, na actual Turquia, a comemoração dos santos Quirico e Julieta, mártires.

2.   Em Besançon, na Gália Lionense, actualmente na França, os santos Ferréolo e Ferrúcio, mártires.

3.   Em Nantes, também na Gália Lionense, São Similiano, bispo, que é louvado como grande confessor da fé por São Gregório de Tours.

4.   Em Limassol, na ilha de Chipre, São Ticão, bispo, no tempo do imperador Teodósio o Jovem.

5.   Em Mogúncia, na Gália Bélgica, actualmente na Alemanha, os santos Áureo, bispo, Justina, sua irmã, e companheiros mártires, que, segundo a tradição, durante a celebração da Eucaristia foram cruelmente assassinados pelos Hunos.

6.   Em Lião, na Gália, actualmente na França, o sepultamento de Santo Aureliano, bispo de Arles, que, nomeado pelo papa Vigílio seu vicário na Gália, construiu na cidade dois mosteiros – um para homens, outro para mulheres – e deu-lhes uma regra própria.

7*.   Em Carrara, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, São Cecardo, bispo de Lúni e de Sarzano, que, iniquamente assassinado por obreiros nas pedreiras de mármore, foi considerado mártir.

8.   Em Meissen, na Saxónia, hoje na Alemanha, São Benão, bispo, que, por querer conservar a unidade da Igreja e a fidelidade ao Romano Pontífice, foi expulso da sua sede episcopal e enviado para o exílio.

9.   No mosteiro das monjas cistercienses de Aywières, no Brabante, na actual Bélgica, Santa Lutgarda, virgem, insigne pela sua devoção ao Sagrado Coração do Senhor.

10*.   Em Londres, na Inglaterra, o Beato Tomás Reding, mártir, monge da Cartuxa desta cidade, que, no reinado de Henrique VIII, permaneceu firmemente unido à Igreja e, por isso, condenado a ficar imobilizado por rígidas cadeias num imundo cárcere, morreu de fome e enfermidade.

11*.   Num barco ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato António Constante Auriel, presbítero e mártir, que, sendo vigário paroquial em Cahors, durante a Revolução Francesa foi encerrado numa sórdida galera por causa do seu sacerdócio e, em breve contagiado pela enfermidade contraída no auxílio aos companheiros de prisão, entregou a alma a Deus.

12.   Em Lang-Coc, cidade do Tonquim, actualmente no Vietnam, os santos mártires Domingos Nguyen, médico, Domingos Nhi, Domingos Mao, Vicente e André Tuaong, agricultores, que, no tempo do imperador Tu Duc, presos ao mesmo tempo por causa da sua fé cristã e atormentados com muitos suplícios no cárcere, finalmente foram degolados.

13*.   Em Ingenbohl, município do cantão de Schwiyz, na Suíça, a Beata Maria Teresa (Ana Maria Catarina Scherer), virgem, a primeira directora das Irmãs da Caridade de Santa Cruz.