Santos

B. GONÇALO DE AMARANTE, presbítero

 

Nota Histórica

Nasceu em Tagilde (Guimarães), de pais nobres e piedosos, cerca do ano 1200. Passou a adolescência como aluno na escola arquiepiscopal de Braga e, ordenado sacerdote, foi pároco de S. Paio de Vizela. Durante catorze anos peregrinou na Terra Santa e em Roma e, depois do regresso à pátria, entregou-se à vida eremítica. Mais tarde entrou na Ordem dos Pregadores e exerceu o ministério da pregação com grande fruto das almas. Morreu cerca do ano 1260.

 

Missa

ORAÇÃO
Senhor, que manifestastes as vossas maravilhas no coração do bem-aventurado Gonçalo de Amarante, inflamado no amor do vosso nome, concedei-nos que, à sua imitação, tenhamos sempre o pensamento em Vós e façamos fervorosamente o que Vos é agradável. Por Nosso Senhor.

 

Liturgia das Horas

Do Decreto Presbyterorum Ordinis, do Concílio do Vaticano II, sobre o ministério e a vida dos sacerdotes

(N. 13) (Sec. XX)

O exercício do ministério sacerdotal, fonte de santidade

Os sacerdotes atingirão a santidade da maneira que lhes é própria, se exercerem as suas funções sincera e infatigavelmente no espírito de Cristo.
Sendo eles os ministros da palavra de Deus, todos os dias lêem e ouvem essa mesma palavra de Deus que devem ensinar aos outros; e se ao mesmo tempo se esforçam para a receberem em si mesmos, cada vez se tornarão mais perfeitos discípulos do Senhor, segundo a palavra do apóstolo São Paulo a Timóteo: Medita estas coisas, permanece nelas, para que o teu aproveitamento seja manifesto a todos. Tem cuidado contigo e com o teu ensino. Sê preseverante em tudo isso. Se assim procederes, salvar-te-ás a ti mesmo e àqueles que te ouvem. Porque, investigando como melhor poderão dar aos outros aquilo que meditaram, mais profundamente saborearão as insondáveis riquezas de Cristo e a multiforme sabedoria de Deus.
Tendo presente que é o Senhor quem abre os corações e que a excelência do seu poder não vem deles mas de Deus, no próprio acto de ensinar a palavra de Deus unir-se-ão mais intimamente com Cristo mestre e se deixarão conduzir pelo seu Espírito. Assim unidos a Cristo, participam da caridade de Deus, cujo mistério, escondido desde os tempos antigos, foi revelado em Cristo.
No mistério do sacrifício eucarístico, em que os sacerdotes cumprem o seu principal ministério, realiza-se continuamente a obra da nossa redenção. Enquanto os sacerdotes se unem com a acção de Cristo sacerdote, oferecem-se todos os dias totalmente a Deus e, alimentando-se do Corpo do Senhor, participam de coração na caridade d’Aquele que Se dá como alimento aos fiéis. De modo semelhante, na administração dos sacramentos, unem-se com a intenção e a caridade de Cristo.
Ao governar e apascentar o povo de Deus, sentem-se movidos pela caridade do Bom Pastor a dar a vida pelas ovelhas, prontos também para o supremo sacrifício, a exemplo daqueles sacerdotes que ainda em nossos dias não recusaram sacrificar a própria vida.
Como educadores da fé e tendo eles mesmos a firme esperança de entrar no santuário pelo Sangue de Cristo, aproximam-se de Deus com o coração sincero, na plenitude da fé; cultivam a esperança firme quanto aos seus fiéis, a fim de poderem consolar aqueles que se encontram na angústia, por meio daquela exortação com que eles são exortados por Deus.
Como chefes da comunidade, cultivam a ascese própria dos pastores das almas, renunciando aos próprios interesses, buscando não a sua utilidade particular mas a de todos, para que se salvem, progredindo sempre e cada vez mais no desempenho do seu múnus pastoral.