Liturgia diária

Agenda litúrgica

2021-11-16

Terça-feira da semana XXXIII

S. Margarida da Escócia – MF
S. Gertrudes, virgem – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 19, n. 18).

L 1 2 Mac 6, 18-31; Sal 3, 2-3. 4-5. 6-7
Ev Lc 19, 1-10

* Na Diocese de Bragança-Miranda (Concatedral) – Aniversário da dedicação da Concatedral em Miranda do Douro – SOLENIDADE
* Na Diocese de Coimbra – Aniversário da Dedicação da Igreja Catedral. Na Sé – SOLENIDADE; nas outras igrejas da Diocese – FESTA
* Na Ordem Beneditina – S. Gertrudes – MO
* Na Ordem de Cister e na Ordem Cisterciense da Estrita Observância – S. Gertrudes, virgem e monja – FESTA
* Na Companhia de Jesus – SS. Roque Gonzalez, Afonso Rodríguez e João del Castillo presbíteros e mártires – MO
* Na Congregação das Filhas de São Camilo – Nossa Senhora da Saúde – FESTA
* Na Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus – S. Gertrudes, virgem – MO

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Jer 29, 11.12.14
Os meus pensamentos são de paz
e não de desgraça, diz o Senhor.
Invocar-Me-eis e atenderei o vosso clamor,
e farei regressar os vossos cativos de todos os lugares da terra.


ORAÇÃO COLECTA
Senhor nosso Deus, concedei-nos a graça
de encontrar sempre a alegria no vosso serviço,
porque é uma felicidade duradoira e profunda
ser fiel ao autor de todos os bens.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) 2 Mac 6, 18-31
«Deixarei aos jovens o nobre exemplo de morrer com beleza,
espontânea e gloriosamente, pelas veneráveis e santas leis»

O Segundo Livro dos Macabeus não é a continuação do primeiro; é antes uma série de episódios da primeira parte da luta narrada no livro anterior, apresentados de maneira empolgante, própria para comover o leitor. Hoje lemos o martírio de Eleazar, que preferiu morrer a tomar uma atitude fingida e equívoca.

Leitura do Segundo Livro dos Macabeus
Naqueles dias, Eleazar, um dos principais doutores da Lei, homem de idade avançada e de aspecto muito distinto, era forçado a abrir a boca para comer carne de porco. Mas ele, preferindo a morte gloriosa à vida desonrada, caminhou espontaneamente para o instrumento de suplício, depois de ter cuspido fora a carne, como devem proceder os que têm a coragem de repelir o que não é lícito comer, nem sequer por amor à própria vida. Então os encarregados dessa iníqua refeição ritual, que conheciam aquele homem de velha data, chamaram-no à parte e tentaram persuadi-lo a trazer carne da que lhe fosse lícito servir-se, preparada por ele próprio, e assim fingisse comer a carne prescrita pelo rei, isto é, proveniente do sacrifício. Procedendo assim, escaparia à morte, aproveitando a benevolência com que o tratavam em consideração da amizade entre eles. Mas ele optou por uma nobre decisão, digna da sua idade, do prestígio da sua velhice, dos seus cabelos tão ilustremente embranquecidos, do seu excelente modo de proceder desde a infância e, o que é mais, da santa Lei estabelecida por Deus. Com toda a coerência, respondeu prontamente: «Prefiro que me envieis para a morada dos mortos. Na nossa idade não é conveniente fingir; aliás muitos jovens ficariam persuadidos de que Eleazar, aos noventa anos, se tinha passado para os costumes pagãos; e com esta dissimulação, por causa do pouco tempo de vida que me resta, viriam a transviar-se também por minha culpa e eu ficaria com a minha velhice manchada e desonrada. Além disso, ainda que eu me furtasse de momento à tortura dos homens, não fugiria, contudo, nem vivo nem morto, às mãos do Omnipotente. Por isso, renunciando agora corajosamente a esta vida, mostrar-me-ei digno da minha velhice e deixarei aos jovens o nobre exemplo de morrer com beleza, espontânea e gloriosamente, pelas veneráveis e santas leis». Dito isto, Eleazar dirigiu-se logo para o instrumento de suplício. Aqueles que o conduziam mudaram em aversão a benevolência que pouco antes mostraram para com ele, por causa das palavras que acabava de dizer e que eles consideravam uma loucura. Prestes a morrer sob os golpes, exclamou entre suspiros: «Para o Senhor, que possui a santa ciência, é bem claro que, podendo escapar à morte, estou a sofrer cruéis tormentos no meu corpo; mas na alma suporto-os com alegria, porque temo o Senhor». Foi assim que Eleazar perdeu a vida, deixando, com a sua morte, não só aos jovens, mas também à maioria do seu povo, um exemplo de coragem e um memorial de virtude.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 3, 2-3.4-5.6-7 (R. 6b)
Refrão: O Senhor me sustenta e ampara. Repete-se

Senhor, são tantos os meus inimigos,
tão numerosos os que se levantam contra mim!
Muitos são os que dizem a meu respeito:
«Deus não o vai salvar». Refrão

Vós, porém, Senhor, sois o meu protector,
a minha glória e Aquele que me sustenta.
Em altos brados clamei ao Senhor,
Ele respondeu-me da sua montanha sagrada. Refrão

Deito-me e adormeço, e me levanto:
sempre o Senhor me ampara.
Não temo a multidão,
que de todos os lados me cerca. Refrão


ALELUIA 1 Jo 4, 10b
Refrão: Aleluia Repete-se
Deus amou-nos e enviou o seu Filho,
como vítima de expiação pelos nossos pecados. Refrão


EVANGELHO Lc 19, 1-10
«O Filho do homem veio procurar e salvar o que estava perdido»

É constante em S. Lucas o apelo à conversão. Este apelo é, só por si, a afirmação da misericórdia do Senhor e da necessidade que todo o homem tem de a aceitar, oferecendo a Deus o seu coração, generosamente disposto a converter-se a Ele, como Zaqueu. Ao apelo há-de corresponder a resposta da conversão, e a conversão, que já é dom de Deus, abre a porta à salvação celebrada na alegria.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, Jesus entrou em Jericó e começou a atravessar a cidade. Vivia ali um homem rico chamado Zaqueu, que era chefe de publicanos. Procurava ver quem era Jesus, mas, devido à multidão, não podia vê-l’O, porque era de pequena estatura. Então correu mais à frente e subiu a um sicómoro, para ver Jesus, que havia de passar por ali. Quando Jesus chegou ao local, olhou para cima e disse-lhe: «Zaqueu, desce depressa, que Eu hoje devo ficar em tua casa». Ele desceu rapidamente e recebeu Jesus com alegria. Ao verem isto, todos murmuravam, dizendo: «Foi hospedar-Se em casa dum pecador». Entretanto, Zaqueu apresentou-se ao Senhor, dizendo: «Senhor, vou dar aos pobres metade dos meus bens e, se causei qualquer prejuízo a alguém, restituirei quatro vezes mais». Disse-lhe Jesus: «Hoje entrou a salvação nesta casa, porque Zaqueu também é filho de Abraão. Com efeito, o Filho do homem veio procurar e salvar o que estava perdido».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Concedei-nos, Senhor,
que os dons oferecidos para glória do vosso nome
nos obtenham a graça de Vos servirmos fielmente
e nos alcancem a posse da felicidade eterna.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 72, 28
A minha alegria é estar junto de Deus,
buscar no Senhor o meu refúgio.

Ou Mc 11, 23.24
Tudo o que pedirdes na oração
vos será concedido, diz o Senhor.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Depois de recebermos estes dons sagrados,
humildemente Vos pedimos, Senhor:
o sacramento que o vosso Filho
nos mandou celebrar em sua memória
aumente sempre a nossa caridade.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.

 

Santo

S. MARGARIDA DA ESCÓCIA

 

S. GERTRUDES, virgem

 

 

Martirológio

Santa Margarida, que, nascida na Hungria e casada com Malcom III, rei da Escócia, deu à luz oito filhos e foi sumamente solícita pelo reino e pela Igreja; aliava à oração e jejuns a generosidade para com os pobres, dando assim exemplo admirável de esposa, mãe e rainha.

 

Santa Gertrudes, apelidada «Magna», virgem, que se dedicou com fervor e persistência, já desde a infância, à solidão e ao estudo das letras e, convertida totalmente a Deus, ingressou no mosteiro cisterciense de Helfta, próximo de Eisleben, na Saxónia, região da Alemanha, onde progrediu de modo admirável no caminho da perfeição, consagrando-se à oração e contemplação de Cristo crucificado. Morreu no dia dezassete deste mês.

 

3.   Em Cápua, na Campânia, região da Itália, os santos Agostinho e Felicidade, mártires, que, segundo a tradição, padeceram no tempo do imperador Décio.

4*.   Em Déols, na região de Bourges, na Gália, hoje na França, a comemoração dos santos Leocádio e Lusor; o primeiro, sendo senador das Gálias e ainda pagão, recebeu os primeiros arautos da fé cristã neste território e converteu em igreja a sua própria casa; o segundo, seu filho, diz-se que faleceu quando ainda levava as vestes brancas do Baptismo.

5.   Em Lião, também na Gália, Santo Euquério, que, pertencendo à ordem senatorial, se retirou com a sua família para a vida ascética numa ilha próxima de Lérins; e depois, eleito bispo de Lião, escreveu muitas Paixões dos santos mártires.

6*.   No território dos Helvécios, na hodierna Suíça, Santo Otemaro, abade, que, no local onde São Galo construíra uma cela, fundou um pequeno hospital para leprosos e um cenóbio sob a regra de São Bento e, por defender os direitos destas instituições, foi deportado por vizinhos poderosos para uma ilha do Reno, onde morreu exilado.

7*.   No mosteiro de Cava de’ Tirréni, na Campânia, região da Itália, o Beato Simeão, abade.

8.   Em Soisy-Bouy, perto de Provins, na França, o passamento de Santo Edmundo Rich, bispo de Cantuária, que, desterrado por defender os direitos da Igreja, se refugiou no mosteiro cisterciense de Pontigny, onde levou uma vida santa até à sua morte.

9*.   Em Assis, na Úmbria, região da Itália, no convento de São Damião, Santa Inês, virgem, que, na flor da juventude, seguindo sua irmã Santa Clara, abraçou de todo o coração a pobreza sob a direcção de São Francisco.

10*.   Em York, na Inglaterra, o Beato Eduardo Osbaldeston, presbítero de Lencastre e mártir, que, depois de ter estudado no Colégio dos Ingleses de Reims, foi condenado à morte e enforcado no reinado de Isabel I, ao regressar à Inglaterra como sacerdote.