Liturgia diária

Agenda litúrgica

2021-07-31

Sábado da semana XVII

S. Inácio de Loiola, presbítero – MO
Branco – Ofício da memória.
Missa da memória.

L 1 Lev 25, 1. 8-17; Sal 66 (67), 2-3. 5. 7-8
Ev Mt 14, 1-12

* Aniversário da Ordenação episcopal de D. João Miranda Teixeira, Bispo Emérito de Castello Jabar (1983).
* Na Companhia de Jesus – S. Inácio de Loiola, presbítero, Fundador da Companhia de Jesus – SOLENIDADE
* Na Congregação do Santíssimo Redentor – I Vésp. de S. Afonso Maria de Ligório.
* I Vésp. do domingo – Compl. dep. I Vésp. dom.

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 67, 6-7.36
Deus vive na sua morada santa,
Ele prepara uma casa para o pobre.
É a força e o vigor do seu povo.


ORAÇÃO COLECTA
Deus, protector dos que em Vós esperam:
sem Vós nada tem valor, nada é santo.
Multiplicai sobre nós a vossa misericórdia,
para que, conduzidos por Vós,
usemos de tal modo os bens temporais
que possamos aderir desde já aos bens eternos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Lev 25, 1.8-17
«No ano do jubileu, cada um tornará a possuir a sua propriedade»

Entre as instituições que regiam a vida do povo de Deus no Antigo Testamento, havia o jubileu ou ano jubilar, que se celebrava de cinquenta em cinquenta anos. Nesse ano, em que as terras repousavam sem serem cultivadas, as propriedades voltavam aos seus donos primitivos, o que não permitia abusos na posse dos terrenos. Na sinagoga de Nazaré, Jesus apresenta-Se a trazer um verdadeiro ano jubilar, um ano de graça do Senhor, portador do perdão dos pecados.

Leitura do Livro do Levítico
O Senhor falou a Moisés, dizendo: «Contareis sete semanas de anos, isto, é, sete vezes sete anos; de maneira que, durante esse período de tempo, serão quarenta e nove anos. No dia dez do sétimo mês, mandarás fazer uma proclamação ao som da trombeta. É o dia das Expiações: tocareis a trombeta por toda a vossa terra. De cinquenta em cinquenta anos promulgareis um ano santo e proclamareis no país a liberdade de todos os habitantes da terra. Será para vós um jubileu: cada um tornará a possuir a sua propriedade e cada um voltará à sua família. O quinquagésimo ano será para vós um ano jubilar: não semeareis, nem ceifareis as espigas que tiverem nascido espontaneamente, nem vindimareis as vinhas não podadas. É um jubileu, que será para vós sagrado: comereis do que os campos forem produzindo. Nesse ano jubilar, cada um tornará a possuir a sua propriedade. Se venderes alguma coisa ao teu próximo, ou se lhe comprares alguma coisa, nenhum de vós prejudique o seu irmão. Comprarás ao teu próximo, tendo em conta o número de anos depois do jubileu; e ele te venderá segundo o número de anos de colheita. Quanto maior for o número de anos, maior será o preço; quanto menor for o número de anos, menor será o preço, pois o que ele te vende é um certo número de colheitas. Nenhum de vós prejudique o seu próximo. Temerás o teu Deus, porque Eu sou o Senhor, vosso Deus».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 66 (67), 2-3.5.7-8 (R. cf.4)
Refrão: Louvado sejais, Senhor, pelos povos de toda a terra. Repete-se

Deus Se compadeça de nós e nos dê a sua bênção,
resplandeça sobre nós a luz do seu rosto.
Na terra se conhecerão os vossos caminhos
e entre os povos a vossa salvação. Refrão

Alegrem-se e exultem as nações,
porque julgais os povos com justiça
e governais as nações sobre a terra. Refrão

A terra produziu os seus frutos,
o Senhor nosso Deus nos abençoa.
Deus nos dê a sua bênção
e chegue o seu louvor aos confins da terra. Refrão


ALELUIA Mt 5, 10
Refrão: Aleluia Repete-se
Bem-aventurados os que sofrem perseguição
por amor da justiça,
porque deles é o reino dos Céus. Refrão


EVANGELHO Mt 14, 1-12
«Herodes mandou decapitar João na cadeia
e os seus discípulos foram dar a notícia a Jesus»

A perseguição, mais tarde desencadeada contra Jesus, começa já a fazer sentir-se em relação àquele que preparou o seu aparecimento em público, João Baptista. A palavra de Deus projecta luz sobre as trevas dos homens, e, ao mesmo tempo que ilumina os que a acolhem, denuncia os que a rejeitam. E, se aquele que a proclama insiste em a fazer ouvir, não lhe faltará perseguição, mesmo até chegar à morte, como aconteceu a João Baptista.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, o tetrarca Herodes ouviu falar da fama de Jesus e disse aos seus familiares: «Esse homem é João Baptista que ressuscitou dos mortos. Por isso é que nele se exercem tais poderes miraculosos». De facto, Herodes tinha mandado prender João e algemá-lo no cárcere, por causa de Herodíades, a mulher de seu irmão Filipe. Porque João dizia constantemente a Herodes: «Não te é permitido tê-la por mulher». E embora quisesse dar-Lhe a morte, tinha receio da multidão, que o considerava como profeta. Ocorreu entretanto o aniversário de Herodes e a filha de Herodíades dançou diante dos convidados. Agradou de tal maneira a Herodes, que este lhe prometeu com juramento dar-lhe o que ela pedisse. Instigada pela mãe, ela respondeu: «Dá-me agora mesmo num prato a cabeça de João Baptista». O rei ficou consternado, mas por causa do juramento e dos convidados, ordenou que lha dessem e mandou decapitar João no cárcere. A cabeça foi trazida num prato e entregue à jovem, que a levou a sua mãe. Os discípulos de João vieram buscar o seu cadáver e deram-lhe sepultura. Depois foram dar a notícia a Jesus.
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Aceitai, Senhor,
os dons que recebemos da vossa generosidade
e trazemos ao vosso altar,
e fazei que estes sagrados mistérios, por obra da vossa graça,
nos santifiquem na vida presente
e nos conduzam às alegrias eternas.
Por Nosso Senhor.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO Salmo 102, 2
Bendiz, ó minha alma, o Senhor
e não esqueças os seus benefícios.

Ou Mt 5, 7-8
Bem-aventurados os misericordiosos,
porque alcançarão misericórdia.
Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Senhor, que nos destes a graça de participar neste divino sacramento, memorial perene da paixão do vosso Filho,
fazei que este dom do seu amor infinito
sirva para a nossa salvação.
Por Nosso Senhor.

 

Santo

S. INÁCIO DE LOIOLA, presbítero

 

 

Martirológio

Memória de Santo Inácio de Loiola, presbítero, que, natural do País Basco, na Espanha, viveu na corte e no exército, até que, gravemente ferido, se converteu a Deus; fez os seus estudos teológicos em Paris e associou a si os primeiros companheiros, com os quais mais tarde constituiu a Companhia de Jesus em Roma, onde exerceu um frutuoso ministério, quer pelas obras que escreveu quer na formação dos discípulos, para maior glória de Deus.

 

2.   Em Milão, na Transpadânia, hoje na Lombardia, região da Itália, São Calímero, bispo.

3.   Em Sínada, na Frígia, hoje Çifitkasaba, na Turquia, os santos Demócrito, Segundo e Dionísio, mártires.

4.   Em Cesareia, na Mauritânia, hoje Cherchell, na Argélia, São Fábio, mártir, que foi encarcerado por ter recusado levar a insígnia do governador numa assembleia geral da província e, como perseverava na confissão da fé em Cristo, foi condenado à morte pelo juiz.

5.   Em Roma, junto à Via Latina, São Tertuliano, mártir.

6.   Em Ravena, na Flamínia, na hodierna Emília-Romanha, região da Itália, o passamento de São Germano, bispo de Auxerre, que libertou por duas vezes a Bretanha da heresia pelagiana e, tendo-se dirigido a Ravena para promover a paz na região da Armórica, foi recebido com honras solenes pelos imperadores Valeriano e Gala Placídia, subindo dali ao reino celeste.

7.   Em Ímola, também na Flamínia, o passamento de São Pedro Crisólogo, bispo de Ravena, cuja memória é celebrada na véspera deste dia.

8.   Em Skövde, na Suécia, Santa Helena, viúva, que, injustamente assassinada, é considerada mártir.

9*.   Em Acquapendente, na Toscana, hoje no Lácio, região da Itália, o passamento do Beato João Colombíni, rico comerciante de vestuário que se converteu à pobreza e reuniu os seus discípulos na Ordem dos Jesuatos, cujos membros quis transformar em pobres de Cristo e esposos da senhora Pobreza.

10*.   Em Londres, na Inglaterra, o Beato Everardo Hanse, presbítero e mártir, que, desde o dia em que professou a fé católica, a guardou sempre fielmente, a difundiu entre os seus concidadãos e, no reinado de Isabel I, a confirmou com o glorioso martírio em Tyburn.

11♦.   Em Nishizaka, no Japão, o Beato Nicolau Fukunaga Keian, religioso da Companhia de Jesus e mártir.

12*.   Num barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato João Francisco Jarrige de la Morelie du Breuil, presbítero e mártir, que, durante a perseguição contra a Igreja desencadeada na Revolução Francesa, encerrado na sórdida galera morreu de tuberculose.

13.   Em Cay Met, localidade próxima de Saigão, na Cochinchina, hoje no Vietnam, os santos Pedro Doan Cong Quy, presbítero, e Manuel Phung, mártires, que, depois de cerca de sete meses de cárcere, foram decapitados no tempo do imperador Tu Duc por serem cristãos.

14.   No vale de Alighede, na Etiópia, São Justino De Jacobis, bispo, da Congregação da Missão, que, com admirável mansidão e caridade, se dedicou ao ministério apostólico e à formação do clero indígena, sofrendo por isso a fome, a sede, as tribulações e o cárcere.

15*.   Em Granollers, cidade próxima de Barcelona, na Espanha, os beatos mártires Dionísio Vicente Ramos, presbítero, e Francisco Remon Játiva, religioso da Ordem dos Frades Menores Conventuais, que, durante a perseguição contra a fé, com o seu martírio seguiram os passos de Cristo.

16*.   Em Valência, também na Espanha, o Beato Jaime Buch Canals, religioso da Sociedade Salesiana, que na mesma perseguição morreu professando a sua fé em Cristo.

17♦.   Em La Arrabassada, perto de Barcelona, também na Espanha, as beatas Esperança da Cruz (Teresa Subirá Sanjaume) e Companheiras[1], virgens da Congregação das Irmãs Carmelitas Missionárias e mártires, que, durante a perseguição religiosa, foram assassinadas por causa da sua fidelidade a Cristo Esposo.

 


[1]  São estes os seus nomes: Daniela de São Barnabé (Vicenta Achurra Gogenola), Gabriela de São João da Cruz (Francisca Pons Sardá) e Maria do Refúgio de Santo Ângelo (Maria Roqueta Serra), virgens da Congregação das Irmãs Carmelitas Missionárias

 

18♦.   Em Toledo, também na Espanha, os beatos Nazário do Sagrado Coração (Nazário del Valle González), presbítero da Ordem dos Carmelitas Descalços e companheiros[2] mártires, que, na mesma perseguição, mereceram receber a sublime palma do martírio.

 


[2]  São estes os seus nomes: Pedro José dos Sagrados Corações (Pedro José Jiménez Vallejo), e Raimundo de Nossa Senhora do Carmo (José Grijaldo Medel), presbíteros; Melchior do Menino Jesus (Melchior Martin Monge), Félix de Nossa Senhora do Carmo (Luís Gómez de Pablo), Plácido do Menino Jesus (José Luís Collado Oliver), Daniel da Sagrada Paixão (Daniel Mora Nine), religiosos todos da Ordem dos Carmelitas Descalços.

 

19♦.   Em Andújar, localidade da província de Jaen, também na Espanha, os beatos Prudêncio da Cruz (Prudêncio Gueréquiz Guezuraga) e Segundo de Santa Teresa (Segundo Garcia Cabezas), presbíteros da Ordem da Santíssima Trindade e mártires, que, oprimido pela violência dos inimigos da Igreja, foi ao encontro do Senhor.

20♦.   Em Paracuellos del Jarama, localidade próxima de Madrid, também na Espanha, o Beato Vítório (Martinho Anglés Oliveras), religioso da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártir, que pelo martírio se tornou participante na vitória de Cristo.

21*.   Em Dachau, próximo de Munique, cidade da Baviera, na Alemanha, o Beato Miguel Ozieblowski, presbítero e mártir, que, deportado da Polónia, sua pátria, dominada por um regime hostil à religião, por causa da fé foi encarcerado num campo de concentração e, duramente torturado, consumou o seu martírio.

22*.   Em Kalisz, na Polónia, o Beato Francisco Stryjas, mártir, que, na mesma perseguição, esvaído por muitos suplícios, foi gloriosamente ao encontro do Senhor.

23*.   Em Trnava, na Eslováquia, a Beata Sidónia (Cecília Schelingova), virgem da Congregação das Irmãs da Caridade da Santa Cruz e mártir, que, em tempo de extrema hostilidade contra a Igreja na sua nação, por ter protegido um sacerdote sofreu muitas tribulações no corpo e no espírito e, finalmente consumida pela enfermidade, resplandeceu como inquebrantável e alegre testemunha de Cristo.