Liturgia diária

Agenda litúrgica

2022-06-24

Sexta-feira da semana XII

SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS – SOLENIDADE
Branco – Ofício da solenidade. Te Deum.
Missa própria, Glória, Credo, pf. próprio.

L1: Ez 34, 11-16; Sal 22, 1-3a. 3b-4. 5. 6
L2: Rom 5, 5b-11
Ev: Lc 15, 3-7

* Proibidas as Missas de defuntos, exceto a exequial.
* Dia Nacional do Cigano.
* Na Diocese de Beja – Sagrado Coração de Jesus, Titular da Catedral.
* Na Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos), na Congregação dos Sagrados Corações, na Congregação das Irmãs da Caridade do Sagrado Coração de Jesus, na Congregação das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus, na Congregação das Missionárias Reparadoras do Sagrado Coração de Jesus, na Congregação de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor, na Congregação dos Rogacionistas do Coração de Jesus, nos Missionários Combonianos do Coração de Jesus, e nas Oblatas do Divino Coração – Sagrado Coração de Jesus, Titular.
* Na Congregação das Irmãs de S. João Batista e de Maria Rainha e Missionários de S. João Batista e na Ordem de Malta – Nascimento de S. João Batista, Padroeiro – SOLENIDADE (Cf. Responsum ad dubia de calendario liturgico exarando pro anno 2022 da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos).
* II Vésp. da solenidade – Compl. dep. II Vésp. dom.

 

Ano C

Missa

 

Antífona de entrada Sl 32, 11.19
Os pensamentos do seu coração permanecem por todas as gerações
para libertar da morte as almas dos seus fiéis,
para os alimentar no tempo da fome.

Diz-se o Glória.

Oração coleta
Concedei, Deus todo-poderoso,
que, ao celebrar a solenidade do Coração do vosso amado Filho,
recordemos com alegria as maravilhas do vosso amor
e mereçamos receber desta fonte divina
a abundância dos vossos dons.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus
e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.

Ou:
Senhor nosso Deus,
que, no Coração do vosso Filho, ferido pelos nossos pecados,
nos abristes os tesouros infinitos do vosso amor,
fazei que, prestando-Lhe a homenagem da nossa piedade,
cumpramos também o dever de uma digna reparação.
Ele que é Deus e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.


LEITURA I Ez 34, 11-16
«Eu apascentarei as minhas ovelhas, Eu as farei repousar»

Revelando-Se ao Povo escolhido sob a sugestiva imagem do bom pastor, Deus manifestava a Sua bondade, o Seu carinho, a Sua compaixão e, ao mesmo tempo, mostrava o género de relações, que o homem devia estabelecer com Ele.
Jesus aplicará a Si mesmo esta imagem, com palavras que não deixam dúvidas de que Ele é o Pastor divino, o libertador do Seu povo, Aquele que busca a ovelha perdida (Lc. 15, 3-7), Aquele que procura alimento para as Suas ovelhas e defende as que estão em perigo, dando por elas a vida (Jo. 10, 7 e ss.).
Na parábola do Bom Pastor, «uma parábola que transformou o mundo» (Giovanni Pascali), Jesus dá-nos a conhecer o Seu amor infinito e o do Pai pela humanidade.


Leitura da Profecia de Ezequiel
Eis o que diz o Senhor Deus: «Eu próprio irei em busca das minhas ovelhas e hei-de encontrá-las. Como o pastor que vigia o rebanho, quando estiver no meio das ovelhas que andavam tresmalhadas, assim Eu cuidarei das minhas ovelhas, para as tirar de todos os sítios em que se desgarraram num dia de nevoeiro e de trevas. Arrancá-las-ei de entre os povos e as reunirei dos vários países, para as reconduzir à sua própria terra. Apascentá-las-ei nos montes de Israel, nas ribeiras e em todos os lugares habitados do país. Eu as apascentarei em boas pastagens e terão as suas devesas nos altos montes de Israel. Descansarão em férteis devesas e encontrarão pasto suculento sobre as montanhas de Israel. Eu apascentarei o meu rebanho, Eu o farei repousar, diz o Senhor Deus. Hei-de procurar a ovelha que anda perdida e reconduzir a que anda tresmalhada. Tratarei a que estiver ferida, darei vigor à que andar enfraquecida e velarei pela gorda e vigorosa. Hei-de apascentar com justiça».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 22 (23), 1-3a.3b-4.5.6 (R. 1)
Refrão: O Senhor é meu pastor:
nada me faltará. Repete-se

O Senhor é meu pastor: nada me falta.
Leva-me a descansar em verdes prados,
conduz-me às águas refrescantes
e reconforta a minha alma. Refrão

Ele me guia por sendas direitas
por amor do seu nome.
Ainda que tenha de andar por vales tenebrosos,
não temerei nenhum mal, porque Vós estais comigo:
o vosso cajado e o vosso báculo
me enchem de confiança. Refrão

Para mim preparais a mesa
à vista dos meus adversários;
com óleo me perfumais a cabeça
e meu cálice transborda. Refrão

A bondade e a graça hão-de acompanhar-me
todos os dias da minha vida
e habitarei na casa do Senhor
para todo o sempre. Refrão


LEITURA II Rom 5, 5b-11
«Deus prova o seu amor para connosco»

Deus ama-nos, com um amor desinteressado, gratuito, apesar das nossas misérias e pecados. E a grande prova do amor de Deus é Jesus Cristo. Ele é, na verdade, a revelação do Deus-Amor. Cristo, morto para nos reconciliar com o Pai e ressuscitado para nos dar a vida divina, mostra-nos bem toda a ternura que Deus tem pelo homem. Este amor, fruto da iniciativa divina e não do nosso esforço, derrama-o Deus em nossos corações pelo Seu Espírito, que nos une no amor. Por isso, na nossa oração tem ele o seu alimento e a sua força.

Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos
Irmãos: O amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. Quando ainda éramos fracos, Cristo morreu pelos ímpios no tempo determinado. Dificilmente alguém morrerá por um justo; por um homem bom, talvez alguém tivesse a coragem de morrer. Mas Deus prova assim o seu amor para connosco: Cristo morreu por nós, quando éramos ainda pecadores. E agora, que fomos justificados pelo seu sangue, com muito maior razão seremos por Ele salvos da ira divina. Se, na verdade, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, com muito maior razão, depois de reconciliados, seremos salvos pela sua vida. Mais ainda: também nos gloriamos em Deus, por Nosso Senhor Jesus Cristo, por quem alcançámos agora a reconciliação.
Palavra do Senhor.


ALELUIA Mt 11, 29ab
Refrão: Aleluia. Repete-se
Tomai o meu jugo sobre vós, diz o Senhor,
e aprendei de Mim,
que sou manso e humilde de coração. Refrão

Ou: Jo 10, 14
Eu sou o bom pastor, diz o Senhor:
conheço as minhas ovelhas e elas conhecem-Me. Refrão


EVANGELHO Lc 15, 3-7
«Alegrai-vos comigo, porque encontrei a minha ovelha perdida»

Deus não ama apenas os homens em conjunto: ama a cada um com um amor pessoal. Não ama apenas aquele que se mantém fiel ao Seu amor: ama também aquele que d’Ele se separa, expondo-se assim a todos os perigos e riscos, na caminhada pelo deserto da vida.
O pecador não é apenas recebido de braços abertos. É procurado por Deus, convidado, amorosamente «perseguido» por Ele. Para Deus, cada pecador constitui uma perda. Por isso, Deus espera sempre o homem, no fim do seu caminho de pecado. Em Jesus Cristo, Deus veio ao nosso encontro, percorre os caminhos da nossa história, é o Salvador e Redentor do homem.


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus aos fariseus e aos escribas a seguinte parábola: «Quem de vós, que possua cem ovelhas e tenha perdido uma delas, não deixa as outras noventa e nove no deserto, para ir à procura da que anda perdida, até a encontrar? Quando a encontra, põe-na alegremente aos ombros e, ao chegar a casa, chama os amigos e vizinhos e diz-lhes: ‘Alegrai-vos comigo, porque encontrei a minha ovelha perdida’. Eu vos digo: Assim haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se arrependa, do que por noventa e nove justos, que não precisam de arrependimento».
Palavra da salvação.


Diz-se o Credo.

Oração sobre as oblatas
Olhai, Senhor, para o inefável amor do Coração do vosso Filho,
fazei que a nossa oferenda Vos seja agradável
e sirva de reparação pelos nossos pecados.
Por Cristo nosso Senhor.

Prefácio O imenso amor de Cristo
V. O Senhor esteja convosco.
R. Ele está no meio de nós.
V. Corações ao alto.
R. O nosso coração está em Deus.
V. Dêmos graças ao Senhor nosso Deus.
R. É nosso dever, é nossa salvação.

Senhor, Pai santo, Deus eterno e omnipotente,
é verdadeiramente nosso dever, é nossa salvação
dar-Vos graças, sempre e em toda a parte,
por nosso Senhor Jesus Cristo.
Elevado sobre a cruz,
com admirável amor deu a sua vida por nós
e, do seu lado trespassado, fez brotar sangue e água,
símbolo dos sacramentos da Igreja,
para que todos os homens,
atraídos ao Coração aberto do Salvador,
possam beber, com alegria, nas fontes da salvação.
Por isso, com os anjos e os santos,
proclamamos a vossa glória,
dizendo (cantando) numa só voz:
Santo, Santo, Santo.

Antífona da comunhão Cf. Jo 7, 37-38
Se alguém tem sede, venha a Mim e beba, diz o Senhor.
Se alguém acredita em Mim,
do seu coração brotará uma fonte de água viva.

Ou: Jo 19, 34
Um dos soldados abriu o seu lado com uma lança
e dele brotou sangue e água.

Oração depois da comunhão
Fazei, Senhor,
que este sacramento do vosso amor
nos una sempre mais a Jesus Cristo, vosso Filho,
de modo que, inflamados na caridade,
saibamos reconhecê-l’O nos nossos irmãos.
Ele que vive e reina pelos séculos dos séculos.

 

 

Martirológio

Solenidade do Nascimento de São João Baptista, o Precursor do Senhor, que já no seio materno, por virtude do Espírito Santo, exultou de alegria com a vinda da salvação humana, profetizando com o próprio nascimento o Senhor Jesus Cristo. De tal modo se manifestou nele a graça divina, que o próprio Senhor disse a seu respeito: «Entre os filhos de mulher, não apareceu ninguém maior do que João Baptista».

 

2.   Em Roma, junto à Via Salária Antiga, no cemitério “Ad septem Columbas”, os santos João e Festo, mártires.

3.   Em Autun, na Gália Lionense, actualmente na França, São Simplício, que, pertencendo a uma família nobre e piedosa, viveu em perfeita castidade com sua virtuosíssima esposa e depois foi eleito para o episcopado.

4.   Em Créteil, no território de Paris, também na actual França, o martírio dos santos Agoardo e Agilberto e outros muitos mártires.

5.   Em Malinas, no Brabante, na actual Bélgica, São Rumoldo, que é venerado como eremita e mártir.

6.   Em Lobbes, na Austrásia, actualmente também na Bélgica, São Teodolfo, bispo e abade.

7.   Em Nantes, na Bretanha Menor, hoje na França, São Goardo, bispo e mártir, que, celebrando a Missa com o povo na igreja catedral, quando cantava «Sursum corda» (“Corações ao alto”) foi trespassado com as setas de ímpios normandos e morreu com muitos fiéis.

8*.   Em Vestervig, na Dinamarca, São Teodgaro, presbítero, o missionário que construiu nesta região a primeira igreja de madeira.

9.   Em Sichuan, província da China, São José Yuan Zaide, presbítero e mártir, estrangulado em ódio à fé cristã.

10*.   Em Guadalajara, no México, Santa Maria Guadalupe (Anastásia Guadalupe Garcia Zavala), virgem, que colaborou muito activamente na fundação da Congregação das Servas de Santa Margarida Maria e dos Pobres e se dedicou diligentemente às obras de caridade em favor dos pobres e dos enfermos.