Liturgia diária

Agenda litúrgica

2022-06-08

Quarta-feira da semana X

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha (cf. p. 19, n. 18).

L1: 1 Reis 18, 20-39; Sal 15 (16), 1-2a. 4. 5 e 8. 11
Ev: Mt 5, 17-19

* Na Diocese do Porto – B. Maria do Divino Coração, virgem – MO
* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. Nicolau de Gésturi, religioso – MF
* Na Ordem de São Domingos – Bb. Diana Andalò e Cecília, virgens – MF
* Na Companhia de Jesus – Bb. Rodolfo Acquaviva, presbítero, Francisco Aranha, religioso e Companheiros; Carlos Spínola, presbítero, e Companheiros; Tiago Berthieu, presbítero; Leão Mangin, presbítero, e Companheiros: mártires – MF
* Na Congregação de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor – B. Maria do Divino Coração – MO
* Na Congregação Salesiana – B. Estêvão Sándor, mártir – MO; no Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora e no Instituto Secular Voluntários de D. Bosco – MF

 

Missa

 

Antífona de entrada Cf. Sl 26, 1-2
O Senhor é minha luz e salvação: a quem temerei?
O Senhor é protetor da minha vida:
de quem hei de ter medo?

Oração coleta
Senhor nosso Deus, fonte de todo o bem,
ensinai-nos com a vossa inspiração a pensar o que é reto
e ajudai-nos com a vossa providência a pô-lo em prática.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus
e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.


LEITURA I (anos pares) 1 Reis 18, 20-39
«Este povo reconheça que Vós, Senhor, sois o verdadeiro Deus
e que converteis os seus corações»

O rei de Israel, levado pela rainha, estrangeira e pagã, tinha favorecido o culto do falso deus e dos seus profetas. Elias, por ocasião da oferta de um sacrifício solene, propôs a esses profetas e a quem os seguia uma experiência, da qual resultou claramente a manifestação do Deus verdadeiro. Aqui, uma vez mais, se revela o zelo de Elias por Deus, o Deus de Israel, o único que é Deus e Senhor.

Leitura do Primeiro Livro dos Reis
Naqueles dias, o rei Acab convocou todos os filhos de Israel e reuniu os profetas no monte Carmelo. Então Elias dirigiu-se a todo o povo e disse: «Até quando oscilareis para os dois lados? Se o Senhor é o Deus verdadeiro, segui o Senhor; se é Baal, segui Baal». O povo nada lhe respondeu. Elias continuou: «Eu sou o único que fiquei dos profetas do Senhor e os profetas de Baal são quatrocentos e cinquenta. Dêem-nos dois bezerros. Eles escolham um, partam-no em pedaços e coloquem-no sobre a lenha, sem acenderem o fogo. Eu prepararei o outro bezerro e colocá-lo-ei sobre a lenha, sem acender o fogo. Depois invocareis o nome do vosso deus e eu invocarei o nome do Senhor. Aquele que responder com o fogo, esse é o verdadeiro Deus». Todo o povo respondeu: «Está bem». Disse então Elias aos profetas de Baal: «Escolhei um dos bezerros e preparai-o primeiro, porque sois mais numerosos. Invocai o nome do vosso deus, mas não acendais fogo». Eles tomaram o bezerro e prepararam-no; depois invocaram o nome de Baal, desde a manhã até ao meio-dia, dizendo: «Baal, responde-nos». Mas nenhuma voz, nenhuma resposta se ouvia. Entretanto, eles dançavam dobrando o joelho diante do altar que tinham feito. Ao meio-dia, Elias começou a troçar deles, dizendo: «Gritai mais alto, porque, sendo um deus, pode estar ocupado, em negócios ou em viagem; talvez esteja a dormir, mas acordará». Eles gritavam com mais força e feriam-se com espadas e lanças, segundo o seu costume, até escorrer sangue. Passado o meio-dia, continuaram a profetizar furiosamente até à hora do sacrifício da tarde. Mas nenhuma voz se ouvia, nenhuma resposta, nenhum sinal. Disse então Elias a todo o povo: «Aproximai-vos de mim». E todo o povo se aproximou dele. Elias reparou o altar do Senhor, que tinham demolido. Tomou doze pedras, segundo o número das tribos dos filhos de Jacob, a quem o Senhor dissera: «O teu nome será Israel». Construiu com essas pedras outro altar ao nome do Senhor e fez em volta do altar uma vala que podia levar duas medidas de semente. Depois preparou a lenha, partiu o bezerro em pedaços, colocou-o em cima da lenha e disse: «Enchei quatro bilhas de água e deitai-a sobre a vítima e sobre a lenha». Feito isto, ordenou: «Uma vez mais». E eles assim fizeram pela segunda vez. Depois disse: «Outra vez ainda». E eles assim fizeram pela terceira vez. A água correu em volta do altar e até a vala ficou cheia de água. À hora do sacrifício da tarde, o profeta Elias aproximou-se e disse: «Senhor, Deus de Abraão, de Isaac e de Israel, mostrai hoje que Vós sois o Deus de Israel, que eu sou o vosso servo e que por vossa ordem realizei tudo isto. Respondei-me, Senhor, respondei-me, para que este povo reconheça que Vós, Senhor, sois o verdadeiro Deus e que converteis os seus corações». Desceu então o fogo do Senhor e devorou a vítima, a lenha, as pedras, a terra, e secou até a água que estava na vala. Ao ver isto, todo o povo se prostrou com a face em terra e, cheia de temor, exclamou: «O Senhor é o verdadeiro Deus! O Senhor é o verdadeiro Deus!».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 15 (16), 1-2a.4.5 e 8.11(R. 1)
Refrão: Defendei-me, Senhor: Vós sois o meu refúgio.
Repete-se
Ou: Guardai-me, Senhor: esperei em Vós. Repete-se

Defendei-me, Senhor;
Vós sois o meu refúgio.
Digo ao Senhor:
Vós sois o meu Deus. Refrão

Os que seguem deuses estranhos
redobram as suas penas.
Não serei eu a fazer-lhes libações de sangue,
nem a invocar seus nomes com os meus lábios. Refrão

Senhor, porção da minha herança,
está nas vossas mãos o meu destino.
O Senhor está sempre na minha presença,
com Ele a meu lado não vacilarei. Refrão

Dar-me-eis a conhecer os caminhos da vida,
alegria plena em vossa presença,
delícias eternas à vossa direita. Refrão


ALELUIA Salmo 24 (25) 4b.5a
Refrão: Aleluia Repete-se

Ensinai-me, Senhor, os vossos caminhos,
guiai-me na vossa verdade. Refrão


EVANGELHO Mt 5, 17-19
«Não vim revogar, mas completar»

Em nossa limitação humana, temos dificuldade em abarcar, num simples olhar, o sentido da história, e, por isso, definimos quase tudo por meio de oposições. É-nos mais natural dividir do que juntar. Por isso, contrapomos frequentemente o Antigo e o Novo Testamento, como se se tratasse de coisas e tempos opostos. Mas, a verdade é que toda a história é uma grande unidade, cujo mistério Deus tem em sua mão. Foi assim que Jesus não veio revogar o Antigo Testamento; veio, ao contrário, realizar o que o Testamento Antigo anunciava. De um ao outro, é a mesma aliança que continua, para encontrar a plenitude na Morte e Ressurreição do Senhor.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim revogar, mas completar. Em verdade vos digo: Antes que passem o céu e a terra, não passará da Lei a mais pequena letra ou o mais pequeno sinal, sem que tudo se cumpra. Portanto, se alguém transgredir um só destes mandamentos, por mais pequenos que sejam, e ensinar assim aos homens, será o menor no reino dos Céus. Mas aquele que os praticar e ensinar será grande no reino dos Céus».
Palavra da salvação.


Oração sobre as oblatas
Olhai com bondade, Senhor,
para os dons que apresentamos ao vosso altar,
fazei que esta oblação Vos seja agradável
e aumente em nós a caridade.
Por Cristo nosso Senhor.

Antífona da comunhão Sl 17, 3
Sois o meu protetor e o meu refúgio, Senhor;
sois o meu libertador; meu Deus, em Vós confio.

Ou: 1Jo 4, 16
Deus é amor.
Quem permanece no amor permanece em Deus
e Deus permanece nele.

Oração depois da comunhão
Nós Vos pedimos, Senhor,
que a ação santificadora deste sacramento
nos liberte das más inclinações
e nos conduza a uma vida santa.
Por Cristo nosso Senhor.

 

Martirológio

1.   Em Aix-La-Provence, na Provença, região da Gália, na actual França, São Maximino, a quem se atribuem os inícios da fé cristã nesta cidade.

2.   Em Ruão, também na Gália, hoje na França, São Gildardo, bispo.

3.   Em Soissons, também na Gália, hoje na França, São Medardo, bispo de Saint-Quentin, que, depois de ter sido arrasada a sua cidade, transferiu a sede episcopal para Noyon, onde trabalhou com todo o empenho para converter o povo das superstições pagãs à doutrina de Cristo.

4.   Em Fano, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, São Fortunato, bispo, que se dedicou diligentemente à redenção dos cativos.

5.   Em Metz, na Austrásia, actualmente na França, São Clodolfo, bispo, filho de Santo Arnolfo e conselheiro do rei.

6.   Em York, na Inglaterra, São Guilherme Fitzherbert, bispo, homem afável e pacífico, que, injustamente deposto da sua sede episcopal, se recolheu entre os monges de Winchester e, restituído à sua sede, perdoou aos inimigos e restabeleceu a paz entre os cidadãos.

7*.   Em Londres, o Beato João Davy, diácono da Cartuxa desta cidade e mártir, que, no reinado de Henrique VIII, por causa da sua fidelidade à Igreja e ao Pontífice Romano, foi duramente torturado no cárcere e aí morreu de fome.

8.   Em Ambiatibes, na ilha de Madagáscar, o São Tiago Berthieu, presbítero da Companhia de Jesus e mártir, que, tanto na paz como na guerra, trabalhou incansavelmente pelo Evangelho e, apesar de ter sido expulso três vezes das missões, preso por homens armados e repetidamente instado sem êxito à apostasia, foi finalmente assassinado em ódio à fé cristã.

9*.   No Porto, cidade de Portugal, a Beata Maria do Divino Coração de Jesus (Maria Droste zu Vischering), virgem, da Congregação das Irmãs da Caridade do Bom Pastor, que promoveu admiravelmente a devoção ao Sagrado Coração de Jesus.

10*.   Em Kuzhikkattussery, no Kérala, estado da Índia, a Beata Maria Teresa Chiramel Mankidiyan, virgem, eminente pela sua vida eremítica e austera penitência, que procurou a Cristo nos mais pobres e nos mais abandonados e fundou a Congregação das Irmãs da Sagrada Família.

11*.   Em Cágliari, na Sardenha, o Beato Nicolau de Gestúri (João Medda), religioso da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, que, sempre pronto para ajudar os indigentes, com o exemplo da sua virtude e da sua bondade estimulou muitos outros à prática da caridade para com os pobres.