Liturgia diária

Agenda litúrgica

2024-04-12

SEXTA-FEIRA da semana II

Branco – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. pascal.

L 1 At 5, 34-42; Sl 26 (27), 1. 4. 13-14
Ev Jo 6, 1-15

* Na Congregação da Paixão de Jesus Cristo – Chagas Gloriosas de Nosso Senhor Jesus Cristo – MO
* Na Arquidiocese de Braga – S. Vítor, mártir – MO

 

Missa

 

Antífona de entrada Ap 5, 9-10
Vós nos resgatastes, Senhor, com o vosso Sangue,
de todas as tribos, línguas, povos e nações,
e fizestes de nós, para Deus, um reino de sacerdotes. Aleluia.

Oração coleta
Senhor nosso Deus, luz e esperança dos corações sinceros,
fazei que brote sempre das nossas almas
a oração digna da vossa santidade
e a homenagem perene do vosso louvor.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus
e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.


LEITURA I Atos 5, 34-42
«Saíram cheios de alegria,
por terem merecido serem ultrajados por causa do nome de Jesus»

Estão aqui, em presença um do outro, o testemunho de um homem sincero e clarividente, ainda não cristão, mas atento à palavra de Deus, e o dos outros membros do tribunal judaico, sempre receosos das interferências na sua maneira de pensar da doutrina de Jesus. Entretanto, os Apóstolos sentem-se felizes por poderem participar na Paixão do Senhor, que morreu, mas ressuscitou e está vivo para sempre.

Leitura dos Atos dos Apóstolos
Naqueles dias, levantou-se um homem no Sinédrio, um fariseu chamado Gamaliel, doutor da Lei venerado por todo o povo, e mandou sair os Apóstolos por uns momentos. Depois disse: «Israelitas, tende cuidado com o que ides fazer a estes homens. Há tempos, apareceu Teudas, que dizia ser alguém, e seguiram-no cerca de quatrocentos homens. Ele foi liquidado e todos os seus partidários foram destroçados e reduzidos a nada. Depois dele, nos dias do recenseamento, apareceu Judas, o Galileu, que arrastou o povo atrás de si. Também ele pereceu e todos os seus partidários foram dispersos. Agora vou dar-vos um conselho: Não vos metais com estes homens: deixai-os. Porque se esta iniciativa, ou esta obra, vem dos homens, acabará por si mesma. Mas se vem de Deus, não podereis destuí-la e correis o risco de lutar contra Deus». Eles aceitaram o seu conselho. Chamaram de novo os Apóstolos à sua presença e, depois de os terem mandado açoitar, proibiram-nos falar no nome de Jesus e soltaram-nos. Os Apóstolos saíram da presença do Sinédrio cheios de alegria, por terem merecido serem ultrajados por causa do nome de Jesus. E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar e anunciar a boa nova de que Jesus era o Messias.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Sal. 26 (27), 1.4.13-14 (R. cf. 4ab ou Aleluia)
Refrão: Uma só coisa peço ao Senhor:
habitar na sua morada. Repete-se
Ou: Aleluia. Repete-se

O Senhor é minha luz e salvação:
a quem hei de temer?
O Senhor é a defesa da minha vida:
de quem hei de ter medo? Refrão

Uma coisa peço ao Senhor, por ela anseio:
habitar na casa do Senhor todos os dias da minha vida,
para gozar da suavidade do Senhor
e visitar o seu santuário. Refrão

Espero vir a contemplar a bondade do Senhor
na terra dos vivos.
Confia no Senhor, sê forte.
Tem confiança e confia no Senhor. Refrão


ALELUIA Mt 4, 4b
Refrão: Aleluia. Repete-se

Nem só de pão vive o homem,
mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. Refrão


EVANGELHO Jo 6, 1-15
«Distribuiu-os e comeram quanto quiseram»

A multiplicação dos pães situa-se próximo da Páscoa. Hoje lemos o fato; nos dias seguintes ouviremos o comentário, a catequese que o próprio Senhor Jesus fará a partir deste fato. Mas a multiplicação dos pães e dos peixes é já apresentada nos termos da celebração eucarística. Depois da catequese sobre o Batismo, na fala com Nicodemos, depois da referência constante ao Espírito Santo, começamos hoje a catequese sobre a Eucaristia. Estamos no ambiente da catequese sobre a iniciação cristã celebrada na Vigília pascal.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
Naquele tempo, Jesus partiu para o outro lado do mar da Galileia, também chamado de Tiberíades. Seguia-O numerosa multidão, por ver os milagres que Ele realizava nos doentes. Jesus subiu a um monte e sentou-Se aí com os seus discípulos. Estava próxima a Páscoa, a festa dos judeus. Erguendo os olhos e vendo que uma grande multidão vinha ao seu encontro, Jesus disse a Filipe: «Onde havemos de comprar pão para lhes dar de comer?» Dizia isto para o experimentar, pois Ele bem sabia o que ia fazer. Respondeu-Lhe Filipe: «Duzentos denários de pão não chegam para dar um bocadinho a cada um». Disse-Lhe um dos discípulos, André, irmão de Simão Pedro: «Está aqui um rapazito que tem cinco pães de cevada e dois peixes. Mas que é isso para tanta gente?» Jesus respondeu: «Mandai-os sentar». Havia muita erva naquele lugar e os homens sentaram-se em número de uns cinco mil. Então, Jesus tomou os pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, fazendo o mesmo com os peixes; e comeram quanto quiseram. Quando ficaram saciados, Jesus disse aos discípulos: «Recolhei os bocados que sobraram, para que nada se perca». Recolheram-nos e encheram doze cestos com os bocados dos cinco pães de cevada que sobraram aos que tinham comido. Quando viram o milagre que Jesus fizera, aqueles homens começaram a dizer: «Este é, na verdade, o Profeta que estava para vir ao mundo». Mas Jesus, sabendo que viriam buscá-l’O para O fazerem rei, retirou-Se novamente, sozinho, para o monte.
Palavra da salvação.


Oração sobre as oblatas
Acolhei benignamente, Senhor, os dons da vossa família
e concedei-lhe o auxílio da vossa proteção,
para que não perca as graças recebidas
e alcance os bens eternos.
Por Cristo nosso Senhor.

Prefácio Pascal I-V.

Antífona da comunhão Rm 4, 25
Cristo foi entregue à morte pelos nossos pecados
e ressuscitou para nossa justificação. Aleluia.

Oração depois da comunhão
Guardai sempre, Senhor, com paternal bondade
o povo que salvastes,
para que se alegrem com a ressurreição do vosso Filho
aqueles que foram remidos pela sua paixão.
Ele que vive e reina pelos séculos dos séculos.

 

 

Martirológio

1.   Em Fermo, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, Santa Vísia, virgem e mártir.

2.   Na Via Aurélia, a três milhas de Roma, no cemitério de Calepódio, o sepultamento de São Júlio I, papa, que, durante a perseguição ariana, defendeu tenazmente a fé nicena, protegeu Atanásio contra as acusações, acolhendo-o durante o seu exílio, e convocou o Concílio de Sárdica.

3.   Em Verona, na Venécia, hoje no Véneto, região da Itália, São Zenão, bispo, cuja diligência e pregação conduziu a cidade ao baptismo de Cristo.

4.   Na Capadócia, na actual Turquia, São Sabas o Godo, mártir, que, durante a perseguição desencadeada contra os cristãos por Atanarico, rei dos Godos, três dias depois da Páscoa, por ter recusado comer alimentos imolados aos ídolos, depois de sofrer cruéis tormentos, foi lançado ao rio.

5.   Em Gap, na Provença, na actual França, São Constantino, bispo.

6.   Em Pavia, na Lombardia, região da Itália, São Damião, bispo, cuja carta sobre a verdadeira fé acerca da vontade e acção em Cristo foi lida no Concílio III de Constantinopla.

7*.   Em Pário, no Helesponto, na hodierna Turquia, São Basílio, que, por defender as imagens sagradas, sofreu a flagelação, o cárcere e o exílio.

8*.   Em Ponthieu, localidade da Gália, hoje na França, Santo Erkembodo, abade de Saint-Omer e simultaneamente bispo de Therouanne.

9*.   No mosteiro de Cava de’ Tirréni, na Campânia, região da Itália, Santo Alfério, fundador e primeiro abade do mosteiro, que, tendo sido anteriormente conselheiro de Guaimário, duque de Salerno, se fez discípulo de Santo Odilão em Cluny e seguiu com grande perfeição a observância da vida monástica.

10*.   No mosteiro de Belém, junto a Lisboa, cidade de Portugal, o Beato Lourenço, presbítero da Ordem de São Jerónimo, a quem muitos penitentes acorriam por causa da sua insigne piedade.

11.   Em Los Andes, cidade do Chile, Santa Teresa de Jesus (Joana Fernandez Solar), virgem, que, sendo noviça da Ordem das Carmelitas Descalças, consagrou a sua vida a Deus – como ela dizia – pela salvação do mundo pecador e morreu com a idade de vinte anos consumida pela febre tifóide.

12.   Em Nápoles, na Itália, São José Moscáti, que, exercendo a profissão de médico, nunca deixou de se dedicar à obra quotidiana e incansável de acudir aos enfermos, não aceitando recompensa alguma dos pobres e, enquanto prestava assistência médica aos corpos, procurava ao mesmo tempo fortalecer as almas.

13.   Em San José, povoação do território de Chipalcingo, no México, São David Uribe, presbítero e mártir, que, durante a tempestuosa perseguição contra a Igreja, sofreu o martírio por Cristo Rei.