Liturgia diária

Agenda litúrgica

2021-07-20

Terça-feira da semana XVI

S. Apolinário, bispo e mártir – MF
Verde ou verm. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 19, n. 18).

L 1 Ex 14, 21 – 15, 1; Sal Ex 15, 8. 9. 10 e 12.13 e 17
Ev Mt 12, 46-50

* Na Ordem Carmelita – S. Elias, profeta e pai da Ordem – SOLENIDADE
* Na Ordem dos Carmelitas Descalços – S. Elias, profeta e inspirador da Ordem – FESTA
* Na Congregação das Irmãs da Caridade do Sagrado Coração de Jesus – Bb. Dolores e Francisca, mártires – MO

 

Missa

 

ANTÍFONA DE ENTRADA Salmo 53, 6.8
Deus vem em meu auxílio, o Senhor sustenta a minha vida.
De todo o coração Vos oferecerei sacrifícios,
cantando a glória do vosso nome.


ORAÇÃO COLECTA
Sede propício, Senhor, aos vossos servos
e multiplicai neles os dons da vossa graça,
para que, fervorosos na fé, esperança e caridade,
perseverem na fiel observância dos vossos mandamentos.
Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,
que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.


LEITURA I (anos ímpares) Ex 14, 21 __ 15, 1
«Os filhos de Israel penetraram no mar a pé enxuto»

A passagem do Mar Vermelho é hoje bastante conhecida porque ela é leitura obrigatória na Vigília Pascal. Nela se concentra todo a epopeia da libertação pascal do povo de Deus no Antigo Testamento, e assim se prepara a compreensão do mistério da Páscoa de Jesus, passagem deste mundo para o Pai. O cântico de Moisés depois da passagem do Mar Vermelho, que serve de responsorial depois desta leitura, é o cântico da libertação pascal.

Leitura do Livro do Êxodo
Naqueles dias, Moisés estendeu a mão sobre o mar e o Senhor fustigou o mar, durante a noite, com um forte vento de leste. O mar secou e as águas dividiram-se. Os filhos de Israel penetraram no mar a pé enxuto, enquanto as águas formavam muralha à direita e à esquerda. Os egípcios foram atrás deles: todos os cavalos do Faraó, os seus carros e cavaleiros seguiram-nos pelo mar dentro. Na vigília da manhã, o Senhor olhou da coluna de fogo e da nuvem para o acampamento dos egíp¬cios e lançou nele a confusão. Bloqueou as rodas dos carros, que dificilmente se podiam mover. Então os egípcios disseram: «Fujamos dos israelitas, que o Senhor combate por eles contra os egípcios». O Senhor disse a Moisés: «Estende a mão sobre o mar e as águas precipitar-se-ão sobre os egípcios, sobre os seus carros e os seus cavaleiros». Moisés estendeu a mão sobre o mar e, ao romper da manhã, o mar retomou o seu nível normal, quando os egípcios fugiam na sua direcção. E o Senhor precipitou-os no meio do mar. As águas refluíram e submergiram os carros, os cavaleiros e todo o exército do Faraó, que tinham entrado no mar, atrás dos filhos de Israel. Nem um só escapou. Mas os filhos de Israel tinham andado pelo mar a pé enxuto, enquanto as águas formavam muralha à direita e à esquerda. Nesse dia, o Senhor salvou Israel das mãos dos egípcios e Israel viu os egípcios mortos nas praias do mar. Viu também o grande poder que o Senhor exercera contra os egípcios, e o povo temeu o Senhor, acreditou n’Ele e em seu servo Moisés. Então Moisés e os filhos de Israel cantaram este hino em honra do Senhor: «Cantemos ao Senhor, que fez brilhar a sua glória, precipitou no mar o cavalo e o cavaleiro».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Ex 15, 8.9.10 e 12.13 e 27 (R. 1b)
Refrão: Cantemos ao Senhor, que fez brilhar a sua glória. Repete-se

Ao sopro da vossa ira amontoaram-se as águas
e as ondas formaram uma barreira,
rasgaram-se os abismos no meio do mar. Refrão

O inimigo dissera: «Hei-de persegui-los,
hei-de alcançá-los e repartir os seus despojos,
saciarei a minha alma destruindo-os à espada». Refrão

Mandastes o vento e o mar engoliu-os,
mergulharam como chumbo nas águas tumultuosas;
estendestes a vossa mão e logo os devorou a terra.
Mas conduzistes com amor o povo que libertastes
e com o vosso poder o levastes à vossa morada santa,
à morada segura que fizestes, Senhor. Refrão


ALELUIA Jo 14, 23
Refrão: Aleluia Repete-se
Se alguém Me ama, guardará a minha palavra,
diz o Senhor;
meu Pai o amará e faremos nele a nossa morada.
Refrão


EVANGELHO Mt 12, 46-50
«Apontando para os discípulos, disse:
Estes são a minha mãe e os meus irmãos»

Jesus constitui com os seus discípulos uma verdadeira família espiritual, que tem por origem o Pai celeste. Mais importantes do que os laços do sangue são os laços do espírito, sobretudo aqueles que a palavra de Deus faz nascer. Jesus não nega, nem despreza, o amor da sua família; mas ensina que a maior união com Ele está na atenção que soubermos dar à sua palavra. A sua Mãe, antes de O conceber no corpo, já O tinha acolhido no seu espírito, pelo acolhimento que dava à palavra de Deus.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, enquanto Jesus estava a falar à multidão, chegaram sua Mãe e seus irmãos. Ficaram do lado de fora e queriam falar-Lhe. Alguém Lhe disse: «Tua Mãe e teus irmãos estão lá fora e querem falar contigo». Mas Jesus respondeu a quem O avisou: «Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?». E apontando para os discípulos, disse: «Estes são a minha mãe e os meus irmãos: todo aquele que fizer a vontade de meu Pai que está nos Céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe».
Palavra da salvação.


ORAÇÃO SOBRE AS OBLATAS
Senhor, que levastes à plenitude os sacrifícios da Antiga Lei
no único sacrifício de Cristo,
aceitai e santificai esta oblação dos vossos fiéis,
como outrora abençoastes a oblação de Abel;
e fazei que os dons oferecidos em vossa honra por cada um de nós
sirvam para a salvação de todos.
Por Nosso Senhor.


ANTÍFONA DA COMUNHÃO cf. Salmo 110, 4-5
O Senhor misericordioso e compassivo
instituiu o memorial das suas maravilhas,
deu sustento àqueles que O temem.
Ou Ap 3, 20
Eu estou à porta e chamo, diz o Senhor.
Se alguém ouvir a minha voz e Me abrir a porta,
entrarei em sua casa, cearei com ele e ele comigo.


ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO
Protegei, Senhor, o vosso povo
que saciastes nestes divinos mistérios
e fazei-nos passar da antiga condição do pecado
à vida nova da graça.
Por Nosso Senhor.

 

Santo

S. Apolinário, bispo e mártir

 

 

Martirológio

Santo Apolinário, bispo, que, manifestando ao povo as insondáveis riquezas de Cristo, caminhava à frente do seu rebanho como bom pastor e, segundo a tradição, honrou com o seu ilustre martírio a Igreja de Classe, em Ravena, na Flamínia, actualmente na Emília-Romanha, região da Itália. No dia 23 de Julho partiu para o banquete eterno.

 

2.   A comemoração de Santo Elias o Tesbita, profeta do Senhor no tempo de Acab e Acazias, reis de Israel, que reivindicou os direitos do Deus único contra a infidelidade do povo com tanto ardor que prefigurava não só João Baptista mas o próprio Cristo. Não deixou oráculos escritos, mas a sua memória é fielmente conservada, especialmente no monte Carmelo.

3.   A comemoração de São José Barsabás, chamado o Justo, discípulo do Senhor, que os Apóstolos propuseram, juntamente com o apóstolo São Matias, para que um deles ocupasse o lugar de Judas o traidor; mas, embora a sorte tenha caído sobre Matias, exercitou igualmente o ministério da pregação e da santidade.

4.   Em Antioquia da Pisídia, na actual Turquia, Santa Marinha ou Margarida, que, segundo a tradição, consagrou o seu corpo a Cristo na santidade e no martírio.

5.   Na Etiópia, São Frumêncio, bispo, que, tendo sido prisioneiro, foi depois ordenado bispo por Santo Atanásio e propagou o Evangelho nesta região.

6.   Em Cartago, na actual Tunísia, Santo Aurélio, bispo, coluna firmíssima da Igreja, que protegeu os fiéis contra os costumes pagãos e estabeleceu a sede episcopal no lugar onde antes se encontrava uma estátua da deusa Celeste.

7.   No território de Boulogne, na Gália, actualmente na França, São Vulmaro, presbítero, que da condição de humilde pastor foi conduzido aos estudos e admitido ao ministério sacerdotal; depois retirou-se num ermo para viver segundo o costume dos padres antigos e finalmente fundou em Hautmont, no Hainaut, entre os bosques da sua terra natal, dois mosteiros, um para os monges e outro para as sagradas virgens.

8.   Em Córdova, na Andaluzia, região da Espanha, São Paulo, diácono e mártir, que, instruído pelo exemplo e pela palavra de São Sisenando, não teve medo de censurar aos príncipes e magistrados dos Mouros a falsidade do seu culto e foi morto confessando a fé em Cristo como verdadeiro Deus.

9*.   Em Hildesheim, na Saxónia, região da actual Alemanha, o Beato Bernardo, bispo, que, embora cego, governou a sua Igreja durante vinte e três anos.

10.   Em Seul, na Coreia, as santas Madalena Yi Yong-hui, Teresa Yi Mae-im, Marta Kim Song-im, Luzia Kim, Rosa Kim, Ana Kim Chang-gum e Maria Won Kwi-im, virgem, e São João Baptista Yi Kwang-nyol, mártires.

11.   Em Nam Dinh, cidade do Tonquim, no actual Vietnam, São José Maria Díaz Sanjurgo, bispo da Ordem dos Pregadores e mártir, que, na perseguição desencadeada pelo imperador Tu Duc, foi condenado à morte em ódio à fé cristã.

12.   Em Zhoujiahe, cidade próxima de Yingxian, no Hebei, província da China, a paixão dos santos Leão Inácio Mangin e Paulo Denn, presbíteros da Companhia de Jesus, que, na perseguição desencadeada pela seita dos “Yihetuan”, quando confortavam ardentemente os fiéis reunidos na igreja, foram surpreendidos pelos inimigos que irromperam no templo e mortos diante do altar. Com eles pereceu também Santa Maria Zhou Wuzhi, que, intentando proteger com o seu corpo São Leão, ministro da sagrada Eucaristia, caiu ferida de morte.

13.   Em Lujiazhuang, próximo de Yingzian, também no Hebei, São Pedro Zhou Rixin, mártir, que, na mesma perseguição dos “Yihetuan”, perante as insistências do prefeito para abjurar, negou poder renegar a sua fé no Deus criador do mundo, e por isso foi decapitado.

14.   Em Daliacum, cidade próxima de Wuyi, na mesma província da China, Santa Maria Fu Guilin, uma professora que, na mesma perseguição, foi entregue às mãos dos inimigos do Evangelho de Cristo e morreu decapitada enquanto invocava Cristo Salvador.

15.   Em Wuqiao Zhaojia, também no Hebei, a comemoração das santas Maria Zhao Guozhi e suas filhas Rosa Zhao e Maria Zhao, que, na mesma perseguição, para não serem violadas se lançaram num poço; mas foram de lá retiradas e consumaram o seu martírio.

16.   Em Dechau, também no Hebei, a comemoração de São Xi Guizi, mártir, que, ainda catecúmeno, na praça em tumulto declarou ser cristão e, dilacerado pelos golpes dos inimigos da fé, foi baptizado com o seu sangue.

17*.   Em Madrid, na Espanha, as beatas Rita Dolores do Coração de Jesus (Rita Dolores Pujalte y Sánchez) e Francisca do Coração de Jesus (Francisca Aldea y Araújo), virgens da Congregação das Irmãs da Caridade do Sagrado Coração de Jesus e mártires, que, durante a perseguição religiosa na guerra civil, foram presas pelos inimigos da Igreja na capela do colégio e pouco depois fuziladas na praça pública.

18♦.   Em Sevilha, na Espanha, o Beato António Fernandez Camacho, presbítero da Sociedade Salesiana e mártir, que, na mesma perseguição contra a Igreja, confirmou com o seu sangue a sua fidelidade ao Senhor.

19♦.   Em Madrid, na Espanha, os beatos Luís Furones Furones (Abraão Furones Furones), presbítero, e Jacinto Garcia Riesco, religioso, ambos da Ordem dos Pregadores e mártires, que, na mesma perseguição, pela sua invencível constância na fé alcançaram o reino celeste.

20♦.   Em Barcelona, na Espanha, os beatos mártires Lucas de São José (José Tristañy Pujol), presbítero da Ordem dos Carmelitas Descalços, e João José de Jesus Crucificado (João Páfila Montlleó), presbítero da Ordem da Santíssima Trindade, que, na mesma perseguição, mereceram diante de Deus omnipotente a palma da vitória.

21♦.   Em Moiá, perto de Barcelona, na Espanha, o Beato Jorge de São José (António Bosch Verdura), presbítero da Ordem dos Carmelitas Descalços e mártir, que, durante a perseguição contra a Igreja, alcançou a recompensa eterna pelo combate da fé.