Liturgia diária

Agenda litúrgica

2022-08-23

Terça-feira da semana XXI

S. Rosa de Lima, virgem – MF
Verde ou br. – Ofício da féria ou da memória.
Missa à escolha (cf. p. 19, n. 18).

L1: 2 Tes 2, 1-3a. 14-17; Sal 95 (96), 10. 11-12. 13
Ev: Mt 23, 23-26

* Na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos – B. Bernardo de Offida, religioso, da I Ordem – MF
* Na Ordem de São Domingos – S. Rosa de Lima, virgem – MO

 

Missa

 

Antífona de entrada Cf. Sl 85, 1-3
Inclinai o vosso ouvido e atendei-me, Senhor,
salvai o vosso servo, que em vós confia.
Tende compaixão de mim, Senhor, que a Vós clamo o dia inteiro.

Oração coleta
Senhor nosso Deus,
que unis os corações dos fiéis num único desejo,
fazei que o vosso povo ame o que mandais
e espere o que prometeis,
para que, no meio da instabilidade deste mundo,
fixemos os nossos corações
onde se encontram as verdadeiras alegrias.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus
e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.


LEITURA I (anos pares) 2 Tes 2, 1-3a.14-17
«Guardai firmemente as tradições que vos ensinámos»

A doutrina da primeira carta que S. Paulo dirigiu à comunidade cristã de Tessalónica era ainda muito simples. Mas nesta segunda carta, o Apóstolo teve já de corrigir pontos que foram mal entendidos por eles ou que outros vieram acrescentar ao que lhes tinha ensinado, concretamente a respeito da última vinda de Jesus. Por isso, S. Paulo insiste em que é preciso não se afastar da doutrina que ele lhes tinha ensinado.

Leitura da Segunda Epístola do apóstolo São Paulo
aos Tessalonicenses
Nós vos pedimos, irmãos, a propósito da vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo e do nosso encontro com Ele: Não vos deixeis abalar facilmente, nem alarmar por qualquer manifestação profética, por palavras ou por cartas que se digam vir de nós, pretendendo que o dia do Senhor está iminente. Ninguém vos engane de qualquer modo que seja. Deus chamou-vos, por meio do Evangelho, para possuirdes a glória de Nosso Senhor Jesus Cristo. Portanto, irmãos, permanecei firmes e guardai firmemente as tradições que vos ensinámos, oralmente ou por carta. Nosso Senhor Jesus Cristo e Deus, nosso Pai, que nos amou e nos deu, pela sua graça, a eterna consolação e a feliz esperança, confortem os vossos corações e os tornem firmes em toda a espécie de boas obras e palavras.
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Salmo 95 (96), l0.11-12.13 (R. 13b)
Refrão: O Senhor vem julgar a terra. Repete-se

Dizei entre as nações:
«O Senhor é Rei».
Sustenta o mundo e ele não vacila,
governa os povos com equidade. Refrão

Alegrem-se os céus, exulte a terra,
ressoe o mar e tudo o que ele contém,
exultem os campos e quanto neles existe,
alegrem-se as árvores das florestas. Refrão

Diante do Senhor que vem,
que vem para julgar a terra.
Julgará o mundo com justiça
e os povos com equidade. Refrão


ALELUIA Hebr 4, 12
Refrão: Aleluia. Repete-se
A palavra de Deus é viva e eficaz,
conhece os pensamentos e intenções do coração.
Refrão


EVANGELHO Mt 23, 23-26
«Deveis praticar estas coisas sem omitir as outras»

Cada coisa tem o seu valor, que é preciso saber ter em conta para que não se venha a cair no desprezo do que é importante, nem se venha a valorizar, por excesso e má compreensão das situações , o que não deve ser tido em conta. A sabedoria verdadeira nos levará a dar a cada coisa o valor que, à luz de Deus, ela merece.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus: «Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas, porque pagais o dízimo da hortelã, do funcho e do cominho, mas omitis as coisas mais importantes da lei: a justiça, a misericórdia e a fidelidade. Devíeis praticar estas coisas, sem omitir as outras. Guias cegos! Coais o mosquito e engolis o camelo. Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, que por dentro estão cheios de rapina e intemperança. Fariseu cego! Limpa primeiro o interior do copo e do prato, para que também o exterior fique limpo».
Palavra da salvação.


Oração sobre as oblatas
Senhor, que, pelo único sacrifício da cruz,
formastes para Vós um povo de adoção filial,
concedei à vossa Igreja o dom da unidade e da paz.
Por Cristo nosso Senhor.

Antífona da comunhão Cf. Sl 103, 13-15
Encheis a terra, Senhor, com o fruto das vossas obras.
Da terra fazeis brotar o pão e o vinho que alegra o coração do homem.

Ou: Cf. Jo 6, 54
Quem come a minha carne e bebe o meu sangue
tem a vida eterna, diz o Senhor, e Eu o ressuscitarei no último dia.

Oração depois da comunhão
Realizai plenamente em nós, Senhor,
a ação redentora da vossa misericórdia
e fazei-nos tão generosos e fortes
que possamos agradar-Vos em toda a nossa vida.
Por Cristo nosso Senhor.

 

Santo

Santa Rosa de Lima, virgem

 

 

Martirológio

Santa Rosa, virgem, que, insigne desde tenra idade pela sua austera sobriedade de vida, tomou em Lima, cidade do Peru, o hábito das Irmãs da Ordem Terceira de São Domingos; dedicada à penitência e à oração, e ardente de zelo pela salvação dos pecadores e das populações índígenas, aspirava a dar a vida por eles, submetendo-se espontaneamente a todo o género de sacrifícios, a fim de conquistar a todos para Cristo. A sua morte ocorreu no dia 24 de Agosto.

 

2.   Comemoração de São Zaqueu, bispo, que, segundo a tradição, foi o quarto bispo, depois do apóstolo São Tiago, irmão do Senhor, a dirigir a Igreja de Jerusalém.

3.   Em Roma, no cemitério de São Lourenço, junto à Via Tiburtina, os santos Abúndio e Ireneu, mártires.

4.   Em Óstia, no Lácio, região da Itália, os santos Ciríaco e Arquelau, mártires.

5.   Em Sistov, na Mésia Inferior, hoje na Roménia, São Lopo, mártir, que, segundo a tradição, alcançou a liberdade de Cristo, sofrendo o martírio ao fio da espada.

6.   Em Egeia, na Cilícia, hoje na Turquia, os santos mártires Cláudio, Astério e Neon, irmãos, que, acusados pela sua madrasta de serem cristãos, foram degolados, segundo a tradição, no tempo do imperador Diocleciano e do governador Lísias.

7.   Em Autun, na Gália Lionense, na actual França, São Flaviano, bispo, que resplandeceu no tempo do rei Clodoveu.

8*.   Em Londonderry, na Irlanda, Santo Eugénio, primeiro bispo de Ardstraw.

9*.   No mosteiro de São Filipe, próximo de Locros, na Calábria Inferior, região da Itália, Santo António de Gerace, eremita.

10*.   Num barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato João Bourdon (Protásio de Séez), presbítero da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos e mártir, que, durante a Revolução Francesa, preso com muitos outros sacerdotes, assistiu e confortou os companheiros de cativeiro, até que, finalmente, morreu contagiado pela enfermidade.

11*.   Em Tabernes de Valldigna, localidade da província de Valência, na Espanha, os beatos mártires Constantino Carbonell Sempere, presbítero, Pedro Gelabert Amer e Raimundo Grimaltós Monllor, religiosos da Companhia de Jesus, que sofreram o martírio durante a perseguição contra a fé.

12*.   Em Vallbona, também na província de Valência, os beatos mártires Florentino Pérez Romero, presbítero, e Urbano Gil Sáez, religioso, da Congregação dos Terciários Capuchinhos de Nossa Senhora das Dores, que, durante a mesma perseguição, consumaram gloriosamente o seu combate pela fé.

13*.   Em Silla, povoação da mesma província de Valência, o Beato João Maria da Cruz (Mariano Garcia Méndez), presbítero da Congregação dos Sacerdotes do Sagrado Coração de Jesus e mártir, que, na mesma perseguição religiosa, perseverou na fé em Cristo até à morte.

14*.   Em Puzol, localidade da mesma província de Valência, as beatas Rosária de Soano (Petra Maria Vitória Quintana Argos) e Serafina de Ochovi (Manuela Justa Fernández Ibero), virgens da Congregação das Terciárias Capuchinhas da Sagrada Família e mártires, que, durante a mesma perseguição, alcançaram a graça do martírio.

15♦.   Em Valderrobles, perto de Teruel, também na Espanha, os beatos Eliseu Vicente (Vicente Alberich Lluch) e Valeriano Luís (Nicolau Alberich Lluch), religiosos da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártires, que foram assassinados na mesma perseguição contra a Igreja.

16*.   No campo de concentração de Dachau, próximo de Munique, cidade da Baviera, na Alemanha, o Beato Francisco Dachtera, presbítero e mártir, natural da Polónia, que, em tempo de guerra, esvaído pelas atrocidades nele operadas por médicos sem respeito algum pela dignidade humana, morreu por Cristo.